Heritage assets: tangíveis ou intangíveis? Outros Idiomas

ID:
10030
Periódico:
Resumo:
Na última década houve inúmeras discussões sobre a reformulação e/ou emissão de novas de normas contábeis nos diversos ambientes econômicos. Algumas dessas discussões têm recebido uma atenção especial, pois tratam de alguns elementos patrimoniais ou eventos econômicos, até então, não comumente observados pela Contabilidade. O artigo apresenta uma discussão sobre um desses itens, o heritage assets (ativos hereditários), objetivando analisar um entre vários pontos dissonantes em relação a sua abordagem: heritage assets são tangíveis ou intangíveis? O fundamento é que esta discussão pode evidenciar, entre outros aspectos, como têm sido tratados e observados temas emergentes à Contabilidade, presentes no processo de convergência às normas internacionais. Nessa perspectiva, apresentam-se alguns fundamentos teóricos sobre os conceitos de ativos tangíveis e intangíveis, fazendo-se um paralelo com aqueles advindos dos órgãos reguladores internacionais. No contexto metodológico, lança-se mão de uma pesquisa junto aos autores brasileiros que atuam na área de contabilidade pública, procedimento que permitiu uma análise crítica a partir das respostas obtidas. Do contexto obtido na pesquisa, observam-se dois aspectos em destaque: a inexistência de consenso sobre a eventual prevalência de um conceito sobre o outro; e o desconhecimento do tema por parte de alguns pesquisados. Apesar das limitações metodológicas do trabalho, em relação ao número de respostas obtidas, os achados evidenciam que pode existir um descompasso entre o cenário nacional e internacional na discussão de temas emergentes que o processo de convergência exige, abrindo campo para futuras pesquisas que objetivem verificar empiricamente este descompasso.
Citação ABNT:
BORGES, E. F.; RODRIGUES, J. M.; SILVA, M. C.; BORGES, G. M. C.; PAULO, E. Heritage assets: tangíveis ou intangíveis?. Pensar Contábil, v. 15, n. 56, p. 42-47, 2013.
Citação APA:
Borges, E. F., Rodrigues, J. M., Silva, M. C., Borges, G. M. C., & Paulo, E. (2013). Heritage assets: tangíveis ou intangíveis?. Pensar Contábil, 15(56), 42-47.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10030/heritage-assets--tangiveis-ou-intangiveis-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALMEIDA, Maria G. M.; HAJI, Zaina S. E. Mensuração e avaliação do ativo: uma revisão conceitual e uma abordagem do goodwill e do ativo intelectual. Caderno de Estudos da FIPECAFI. São Paulo, v. 9, n. 16, 1997.

ARAÚJO, Adriana Maria Procópio de; ASSAF, Alexandre. Introdução à contabilidade. São Paulo: Atlas, 2004.

BRASIL. Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera e revoga dispositivos da Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei no 6.385, de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília - DF, 28 de dezembro de 2007.

BRASIL. Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre as sociedades por ações. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília - DF, 17 de dezembro de 1976.

CARDOSO, Ricardo L.; AQUINO, André C. B. Uma investigação via experimento sobre a vaguidade no lado esquerdo do balanço patrimonial. BBR Brazilian Business Review. Vitória: v. 6, n. 2, p. 209-230, 2009.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Alcino. Metodologia científica: para uso dos estudantes universitários. 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1983.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS (CPC). Pronunciamento técnico CPC-04 - Ativo Intangível. . Acesso em 25 Mar, 2011.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC). Resolução CFC nº 1.137, de 21 de novembro de 2008. Aprova a NBC T 16.10 - Avaliação e Mensuração de Ativos e Passivos em Entidades do Setor Público. Acesso em 22 Mar, 2011.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC). Resoluções, ementas e normas do CFC. Disponível em . Acesso em 20 Mar, 2011.

CORDEIRO, C. M. R. Contabilidade criativa: um estudo sobre a sua caracterização. Revista do Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Paraná. Curitiba - PR, n. 136, 2º quadrimestre de 2003.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GODFREY, Jayne; HODGSON, Allan; HOLMES, Scott; TARCA, Ann. Accounting Theory. 6. ed. Sydney: John Wiley and Sons Australia, 2006.

HENDRIKSEN, E. S.; VAN BREDA, M. Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas, 1999.

IASB - Internacional Accounting Standard Board. Conceptual Framework - Asset Definition. Information for Observers, World Standard Setters Meeting, London, 2006.

IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARTINS, Eliseu; GELBCKE, Ernesto Rubens. Manual de contabilidade das sociedades por ações (aplicável às demais sociedades). Suplemento. São Paulo: Atlas, 2008.

IUDÍCIBUS, Sérgio de. Teoria da contabilidade. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

IUDÍCIBUS, Sérgio; LOPES, Alexsandro B. Teoria Avançada da Contabilidade. São Paulo: Atlas, 2004.

KAM, Vernon. Accounting Theory. 2. ed. Wiley; New York, 1990.

KOTHARI, S. P. Capital markets research in accounting. Journal of Accounting and Economics, v. 31, p. 105-231. 2001.

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1991.

LOPES, Alexsandro Broedel; IUDICIBUS, Sérgio de; MARTINS, Eliseu. Sobre a necessidade de se estudar contabilidade e (e não ou) finanças. Editorial. Revista de Contabilidade e Finanças - USP. São Paulo, v. 19, n. 47, p. 1-5. Maio/agosto. 2008.

LUSTOSA, P. R. B. Ativo e sua Mensuração. In. RIBEIRO FILHO, J. F.; LOPES, J.; PEDERNEIRAS, M. (Org.). Estudando Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas, 2009, pp. 85-106.

MARION, José Carlos. Contabilidade básica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 1998.

MARTINS, Eliseu. Avaliação de Empresas: da mensuração Contábil à Econômica. Cadernos de Estudos da FIPECAFI, v. 13, n. 22, jul/dez, 2000

MARTINS, Eliseu. Normativismo e/ou Positivismo em Contabilidade: Qual o Futuro? Editorial. Revista Contabilidade e Finanças - USP, São Paulo, n. 39, p. 3-6, Set./Dez. 2005.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas. São Paulo: Atlas, 2007.

NEVES, José Luiz. Pesquisa Qualitativa: Características, usos e possibilidades. Caderno de Pesquisa em Administração. v. 1, n. 3. São Paulo, 1996. Diposnível em . Acesso em 03 de novembro de 2009.

NIYAMA, Jorge Katsumi; SILVA, César Augusto Tibúrcio. Teoria daContabilidade. São Paulo: Atlas, 2008.

OHLSON, James A. Earnings, book values, and dividends in equity valuation. Contemporary Accounting Research, v. 11, n. 2, 1995

RELVAS, Tânia R. S. Relação entre a mensuração contábil e a mensuração científica. 18º. Congresso Brasileiro de Contabilidade. Gramado, 2008. Anais. Disponível em: Acesso em 23 ago. 2009

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

SCHUETZE, Walter P. What Are Assets and Liabilities? Where Is True North? (Accounting That may Sister Would Understand). Abacus, v. 37, n. 1, p. 1-25, 2001.