Criando vantagem competitiva sustentável: a responsabilidade socioambiental empresarial à luz da visão baseada em recursos Outros Idiomas

ID:
10079
Resumo:
Sob a ótica de uma maior preocupação empresarial com relação aos aspectos sociais e ambientais visualizados na sociedade, a Responsabilidade Socioambiental Empresarial (RSAE) é entendida como uma nova perspectiva de gestão a ser utilizada, que não mais se restringe a atender os anseios de lucro dos acionistas, mas que procura incluir em sua análise outros interessados, tais como a sociedade e o ambiente. De acordo com a Visão Baseada em Recursos (VBR), a RSAE é considerada como uma capacidade organizacional, pois envolve um conjunto de recursos e dependendo da maneira como é integrada ao planejamento empresarial, pode vir a ser fonte de vantagem competitiva sustentável (VCS). Assim, o objetivo do estudo é analisar a responsabilidade socioambiental como propensa vantagem competitiva sustentável de uma organização, à luz da Visão Baseada em Recursos . A partir da discussão realizada para o ensaio teórico, identificaram-se alguns aspectos da RSAE que podem ser elevados ao patamar de uma VCS, quais sejam: a geração de uma boa reputação e imagem organizacionais, e uma cidadania corporativa favorável à prática da RSAE. Torna-se oportuno, portanto, a realização de estudos empíricos, qualitativos e/ou quantitativos, que possam ratificar e ampliar os argumentos dessa discussão, a partir do desenvolvimento de conceitos, elaboração de instrumentos de mensuração e proposição de modelos, sobre RSAE.
Citação ABNT:
SILVA, M. E.; BALBINO, D. P. Criando vantagem competitiva sustentável: a responsabilidade socioambiental empresarial à luz da visão baseada em recursos. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 12, n. 1, p. 29-53, 2013.
Citação APA:
Silva, M. E., & Balbino, D. P. (2013). Criando vantagem competitiva sustentável: a responsabilidade socioambiental empresarial à luz da visão baseada em recursos. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 12(1), 29-53.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10079/criando-vantagem-competitiva-sustentavel--a-responsabilidade-socioambiental-empresarial-a-luz-da-visao-baseada-em-recursos/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aaker, David A. (1984). How to select a business strategy. California Management Review. 167-175.

Ansoff, H. I.; & McDonnell, E. J. (1993). Implantando a Administração Estratégica. São Paulo: Atlas.

Barbieri, J. C.; & Cajazeira, J. E. R. (2009). Responsabilidade social empresarial e empresa sustentável. São Paulo: Saraiva.

Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management. 17(1), 99-120.

Barney, J. (2002). Gaining and Sustaining Competitive Advantage. 3. ed. New Jersey: PrenticeHall.

Black, L. D. (2006). Corporate Social Responsability as Capabilities: The case of BHP billion. The Journal of Corporate Citizenship.

Carroll, A. B. (1979). A three-dimensional conceptual model of corporate performance. Academy of Management Review. n. 4, p. 497-505.

Chandler, A. D. (1992) Organizational capabilities and the economic history of the industrial enterprise. Journal of Economic Perspectives. 6(3), 79-100.

Clarkson, M. B. E. (1995). A stakeholder framework for analyzing and evaluating corporate social performance. Academy of Managment Review. 20(1), 92-117.

Delmas, M.; & Toffel, M. W. (2004). Stakeholders and Environment managment practice: An institutional framework. Bussiness Strategy and the Environment. v. 13, p. 209-222.

Elkington, J. (2001). Canibais com garfo e faca. São Paulo: Makroon Books.

Friedman, M. (1970). The Social Responsibility of Business is to Increase Its Profits. The New York Times Magazine.

Grant, R. M. (1991). The resource - based theory of competitive advantage: Implications for strategy formulation. California Management Review. 33(3), 114-135.

Hart, S. L. (1995). A Natural-Resource-Based View of the firm. The Academy of Management Review. 20(4), 986-1014.

Husted, B. W.; & Allen, D. B. (2001). Toward a model of corporate social strategy formulation. Proceedings of the Social Issues in Management Division at Academy of Management Conference, Washington D.C.; Washington, Estados Unidos.

Kruglianskas, I.; Aligleri, L.; & Aligleri, L. A. (2009). Gestão socioambiental: responsabilidade e sustentabilidade do negócio. São Paulo: Atlas.

Laville, E. (2009). A empresa verde. São Paulo: ÕTE.

McWillians, A.; Siegel, D. S.; & Wrigth, P. M. (2005). Corporate Social Responsability: Strategic Implications. Rensselaer Working Papers in Economics.

Meneghetti, F. K. (2011). O que é um ensaio teórico? Revista de Administração Contemporânea - RAC, 15(2), 320-332.

Mintzberg, H. (1987). The strategy concept I: five Ps for strategy. California Management Review, 30(1), 11-24.

Mitchell, R. K.; Agle, B. R.; & Wood, D. J. (1997). Toward a Theory of Stakeholder Identification and Salience: Defining the Principle of Who and What Really Counts. The Academy of Management Review.

Nascimento, L. F.; Lemos, A. D. C.; & Mello, M. C. A. (2008). Gestão socioambiental estratégica. Porto Alegre: Bookman.

Pasa, C. R. R. (2004). Modelo de Avaliação da Performance Social Empresarial. 277p. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção). Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção. Universidade Federal de Santa Catarina: Florianópolis, SC, Brasil.

Penrose, E. T. (2009). A teoria do crescimento da firma. São Paulo: Unicamp.

Peteraf, M. A. (1993). The cornerstones of competitive advantage: a resource-based view. Strategic Management Journal. v. 14, p. 179-191.

Popadiuk, S.; & Ricciardi, G. (2007). O Modelo de Conversão do Conhecimento (SECI) é Vantagem Competitiva Sustentável (VCS) segundo a Resource-Based View (RBV)? Anais do XXXI Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação em Administração. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Porter, M. E. (1986). Estratégia competitiva: Técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 7a ed. Rio de Janeiro: Campus.

Porter, M. E. (1991). Toward a dynamic theory of strategy. Strategic Management Journal. v. 12, p. 95-117.

Porter, M. E. (1999). "O que é estratégia?" In: Porter, M. E. Competição: Estratégias Competitivas Essenciais. Rio de Janeiro: Campus.

Prahalad, C.; & Hamel, G. (1990). The core competence of the corporation. Harvard Business Review. 68(3), 79-91.

Russo, M. V.; & Fouts, P. A. (1997). A Resource-Based Perspective on corporate environmetal performance and profitability. Academy of Management Journal. 40(3), 534-559.

Sethi, S. P. (1975). Dimensions of corporate social performance: An analitical framework. California Managment Review. v. 17, n. 3.

Severino, A. (2007). Metodologia do trabalho científico. 23a ed. São Paulo: Cortez.

Sousa Filho, J. M; Wanderley, L. S. O.; Gómez, C. R. P.; Farache, F. (2010). Strategic Corporate Social Responsability Management for Competitive Advantage. Brazilian Administration Review - BAR. 7(3), 294-309.

Tzu, S. (1994). A arte da guerra. São Paulo: Cultura Editores Associados.

Wernerfelt, B. (1984). A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal. n. 5, p. 171-180.

Wood, D. J. (1991). Corporate Social Performance Revisited. The Academy of Management Review, 16(4), 691-718.