Performance exportadora em MPE’s: os consórcios de exportação como estratégia eficaz? Outros Idiomas

ID:
10107
Resumo:
Em um cenário onde até mesmo empresas de grande porte realizam fusões e aquisições com intuito de se fortificarem perante a globalização, as MPEs estão vendo nos consórcios de exportação um meio para também se fortalecerem e melhor atenderem a demanda mundial (MARQUES, 2002). O presente estudo tem como objetivo verificar a utilização dos consórcios de exportação como estratégia eficaz na performance exportadora das empresas brasileiras, de forma a corroborar ou refutar a hipótese balizadora da pesquisa: “empresas que integram algum consórcio de exportação têm performance exportadora satisfatória”. Para esta verificação, foi feito uso da análise do coeficiente de Correlação de Pearson e da estatística descritiva, que indicaram à falta de correlação entre a participação no consórcio de exportação e a performance exportadora, de forma a refutar a hipótese da pesquisa. Dentre outros resultados, chama-se atenção à baixa exploração dos possíveis benefícios da rede e destaca-se que há poucas iniciativas conjuntas de cooperação, sendo os consórcios utilizados principalmente para a redução de custos em feiras internacionais.
Citação ABNT:
CARPES, A.; SCHERER, F. L.; CARVALHO, B. M.; SANTOS, M. B. D. Performance exportadora em MPE’s: os consórcios de exportação como estratégia eficaz?. Revista da Micro e Pequena Empresa, v. 7, n. 1, p. 32-47, 2013.
Citação APA:
Carpes, A., Scherer, F. L., Carvalho, B. M., & Santos, M. B. D. (2013). Performance exportadora em MPE’s: os consórcios de exportação como estratégia eficaz?. Revista da Micro e Pequena Empresa, 7(1), 32-47.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10107/performance-exportadora-em-mpe---s--os-consorcios-de-exportacao-como-estrategia-eficaz-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALEM, A. C.; CAVALCANTI, C. E. O BNDES e o apoio à internacionalização de empresas brasileiras: algumas reflexões. Revista do Banco Nacional de Desenvolvimento, v.12, n.24, 2005.

ANDERSSON, S. The Internationalization of the firm from an entrepreneurial perspective. International Studies of Management and Organizations, 2000.

APEX-BRASIL. Passaporte para o mundo: como a APEX BRASIL abriu as portas do mercado internacional para pequenas e médias empresas. São Paulo: Nobel, 2006.

BAKER, M. J. Selecting a Research Methodology. The Marketing Review, Westburn Publishers Ltda, v. 1, p. 373-397, 2001.

BALESTRIN, A. A dinâmica da complementaridade de conhecimentos no contexto das redes interorganizacionais. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

BARBIERI, J. C. Organizações inovadoras: estudos e casos brasileiros. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

BESSANT, J.; TIDD, J. Inovação e empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman, 2009.

BRANCO, P. L.; MACHADO, M. A. Consórcio de exportação: um estudo comparativo entre o modelo brasileiro APEX e o modelo FEDEREXPORT. Revista de Práticas Administrativas, v.3, n.1, 2004.

CASSAROTO FILHO, N.; PIRES, L. H. Redes de pequenas e médias empresas e desenvolvimento local. São Paulo: Atlas, 2001.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

FISCHER, B.B. Relação entre estratégia de entrada em mercados estrangeiros e performance exportadora resultante em empresas brasileiras. In: Anais do XXX Encontro da ANPAD, Salvador, 2006.

GARRIDO, I.L. A relação entre orientação para o mercado externo, estratégias de internacionalização e performance exportadora. Tese (Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

GONÇALVES, C.A.; MEIRELLES, A.M. Projetos e relatórios de pesquisa em administração.São Paulo: Atlas, 2004.

HAMEL, G.; PRAHALAD, C. K. Competindo para o futuro: estratégias inovadoras para obter o controle do seu setor e criar mercados de amanhã. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

JOHANSON,J ; VAHLNE, J .E. The mechanism os internatiolisation. International Marketing Review, 1990.

JOHANSON, J.; WIEDERSHEIM-PAUL, F. The internationalization of the firm. Journal of Management Studies, v.12, 1975.

KATSIKEAS, C.S.; PIERCY, N.F.; LOANNIDIS, C. 1996. Determinants of export performance in a European context. European Journal of Marketing, n. 30, v.6, 1996.

KUAZAQUI, E.; LISBOA, T.C. Estratégias de entrada e operações em mercados internacionais:China. Anais do èmme colloque de l’IFBAE, grenoble, 18 et 19 mai, 2009.

KUAZAQUI, E. Marketing internacional: como conquistar negócios em mercados internacionais. São Paulo: Makron Books, 1999.

LIMA, G.B. Consórcios de exportação no Brasil: um estudo de multi-casos. Dissertação (Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

MACHADO, M.A. O envolvimento exportador e a performance exportadora: uma revisão analítica em busca de uma tipologia explanatória para a exportação. Disponível em: . Acesso em: 15.dez.2010.

MACIEL, G. M.; LIMA, L. M. M. Consórcios de exportação. São Paulo: Aduaneiras, 2002.

MAIS, I.; CARVALHO, L.C.; AMAL, M.; HOFFMANN, M.G. Importância das redes nos processos de inovação e internacionalização de empresas de base tecnológica. RAI – Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 41-61, jan./mar . 2010.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. São Paulo: Bookman, 2006.

MARQUES, I. H. Exportações realizadas por pequenas e médias empresas através de consórcios: um estudo de multicasos. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2002.

MINERVINI, N. O exportador:como iniciar e conduzir sua empresa a uma estratégia sólida e segura de exportação. São Paulo: Makron, 2008.

MOTA, R. B. Decisões estratégicas de internacionalização de empresas: “forma de entrada” e “seleção de mercado”. In: Anais do III Encontro de Estudos em Estratégia, São Paulo, 2007.

MTIGWE, B. Theoretical milestones in international business: the journey to international enternational entrepreurship theory. Journal of International Entrepreneuship, 2006.

MURTEIRA, B. J. F. Análise exploratória de dados: estatística descritiva. Lisboa: McGraw-Hill, 1993.

NEELY, A; GREGORY, M; PLATTS, K. Performance measurement system design: a literature review and research agenda. International Journal of Operations & Production Management, v. 15, n. 4, 1995.

NEGRINI, F.; WITTMANN, M.L.; BATTISTELLA, L.F. Análise da competitividade de uma rede de empresas do setor moveleiro do Estado do Rio Grande do Sul. REDES, Santa Cruz do Sul, v. 12, n. 2, p.127-144, mai./ago, 2007.

PORTER, M. E. A vantagem competitiva das nações. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

PORTO, E. C. Os consórcios de exportação como instrumentos facilitadores de estratégias cooperativas para micro, pequenas e médias empresas. Revista de Práticas Administrativas, v.2, n.6, 2006.

SILBER, S.D. Teorias do comércio internacional. In: VASCONCELLOS, M.A.S.; LIMA, M.; SILBER, S. (Orgs.) Gestão de negócios internacionais. São Paulo: Saraiva, 2006.

TERPSTRA, V.; SARATHY, R. International marketing. Orlando: The Dryden Press, 1994.

VASCONCELLOS, M.A. Introdução. In: BARBIERI, José Carlos et al. Organizações inovadoras: estudos e casos brasileiros. São Paulo: FGV Editora, 2004.

ZOU, S.; TAYLOR, C. R.; OSLAND, G. E. The EXPERF scale: a cross-national generalized export performance measure. Journal of International Marketing, v. 6, n. 3, p. 37-58, 1998.