Indutores de alinhamento estratégico: comparações preliminares sobre valor entre empresas de capital privado e empresas estatais no Brasil Outros Idiomas

ID:
10119
Resumo:
O artigo trata da comparação da eficiência entre empresas privadas e estatais, discutindo diferenças dos procedimentos de alinhamento estratégico e criação de valor utilizados, e apresentando evidências sobre os “tipos” de alinhamento estratégico e os “modos” de criação de valor utilizados. O estudo utiliza informações de survey aplicado anteriormente à amostra de 95 organizações brasileiras, estratificadas segundo a origem do capital em privadas ou estatais. Foram testadas hipóteses sobre diferenças de médias nos vetores de alinhamento estratégico, percentuais distintos no tocante a padrões de originação de valor e comportamento das componentes do valor total. Os testes apresentaram, de forma recorrente, diferenças de médias em favor das empresas privadas, segundo intervalo de confiança superior a 85%, nível considerado adequado a um estudo de natureza exploratória. No tocante à originação de valor, foi constatada performance superior das empresas de capital privado em todas as dimensões/perspectivas. Considerando a relevância econômica e social das empresas estatais no país, os resultados do estudo podem contribuir para o desenvolvimento de novas perspectivas de análise do desempenho das organizações gerenciadas pelo Estado, levando a mecanismos de acompanhamento mais alinhados aos desafios de gestão dessas organizações.
Citação ABNT:
REZENDE, J. F. C.; FONTES FILHO, J. R. Indutores de alinhamento estratégico: comparações preliminares sobre valor entre empresas de capital privado e empresas estatais no Brasil. Revista de Administração Pública, v. 47, n. 3, p. 695-720, 2013.
Citação APA:
Rezende, J. F. C., & Fontes Filho, J. R. (2013). Indutores de alinhamento estratégico: comparações preliminares sobre valor entre empresas de capital privado e empresas estatais no Brasil. Revista de Administração Pública, 47(3), 695-720.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10119/indutores-de-alinhamento-estrategico--comparacoes-preliminares-sobre-valor-entre-empresas-de-capital-privado-e-empresas-estatais-no-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AIDEMARK, Lars-Göan. Balanced scorecard in healthcare; experiences from trials with BSC in five county councils. In: EPSTEIN, Mark; MANZONI, Jean-François (Ed.). Performance measurement and management control: a compendium of research. Oxford: Elsevier Science, 2002. p. 235-272.

ALLEE, Verna. The value evolution: addressing larger implications of an intellectual capital and intangibles perspective. Journal of Intellectual Capital, v. 1, n. 1, p. 17-32, 2000.

ANDRÉS, Luis; GUASCH, Jose L.; AZUMENDI, Sebastian L. Governance in state-owned enterprises revisited: the cases of water and electricity in Latin America and the Caribbean. Policy Research Working Paper 5747. The World Bank — Latin American and the Caribbean Region Sustainable Development Unit. August 2011.

BALLOW, John. J.; BURGMAN, Roland; MOLNAR, Michael J. Managing for shareholder value: intangibles, future value and investment decisions. Journal of Business Strategy, v. 25, n. 3, p. 2634, 2004.

BARALDI, Stefano. The balanced scorecard in hospitals: performances measurement as a driver of change — a case study. In: EPSTEIN, Mark; MANZONI, Jean-François (Ed.). Performance measurement and management control: a compendium of research. Oxford: Elsevier Science, 2002. p. 209-234.

BAUER, Ruben. Gestão da mudança: caos e complexidade nas organizações. São Paulo: Atlas, 1999.

BETHLEM, Agrícola S. Gestão de negócios: uma abordagem brasileira. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

BOARDMAN, Anthony E.; VINING, Aidan R. Ownership and performance in competitive environ ments: a comparison of the performance of private, mixed, and state-owned enterprises. Journal of Law and Economics, v. 32, n. 1, p. 1-33, 1989.

BONTIS, Nick; CROSSAN, Mary M.; HULLAND, John. Managing an organizational learning system by aligning stocks and flows. Journal of Management Studies, v. 39, n. 4, p. 438-469, 2002.

BOZEC, Richard; BRETON, Gaétan; CÔTÉ, Louise. The performance of state–owned enterprises revisited. Financial Accountability & Management, v. 18 n. 4, p. 383-407, 2002.

BRASIL. Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967. Dispõe sobre a organização da Administra ção Federal, estabelece diretrizes para a Reforma Administrativa e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 fev. 1967. Disponível em: . Acesso em: 5 mar. 2006.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Perfil das empresas estatais federais 2009. Brasília: MP/SE/Dest, 2010a.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Relatório anual 2009 — execução or çamentária das empresas estatais federais. Brasília: MP/Dest, 2010b.

BUKH, P. N. et al. Multiple integrated performance management systems: IC and BSC in a software company. Singapore Management Review, v. 24, n. 3, p. 21-33, 2002.

CASADESUS-MASANELL, Ramon; RICART, Joan E. From strategy to business models and onto tactics. Long Range Planning, v. 43, p. 195-215, 2010.

CAVALCANTI, Marcos; GOMES, Elisabeth; PEREIRA, Andre. Gestão de empresas na sociedade do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

CRAWFORD, Richard. Na era do capital humano: o talento, a inteligência e o conhecimento como forças econômicas; seu impacto nas empresas e nas decisões de investimento. São Paulo: Atlas, 1994.

DAVIS, Stanley; MEYER, Christopher. Blur: the speed of change in the connected economy. Reading, MA: Addison-Wesley, 1999.

DE GEUS, Arie. A empresa viva. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DEWENTER, Kathryn L.; MALESTA, Paul H. State-owned and privately owned firms: an empirical analysis of profitability, leverage, and labor intensity. The American Economic Review, v. 91, n. 1, p. 320-334, 2001.

DOCA, Geralda. Estatais sem transparência. O Globo, Rio de Janeiro, p. 18, 30 ago. 2010.

EDVINSSON, Leif; MALONE, Michael S. Capital intelectual: descobrindo o valor real de sua empresa pela identificação de seus valores internos. São Paulo: Makron, 1998.

ETHIRAJ, Sendil K.; LEVINTHAL, Daniel. Hoping for A to Z while rewarding only A: complex orga nizations and multiple goals. Organization Science, v. 20, n. 1, p. 4-21, Jan./Feb. 2008.

FLECK, Denise L. Building up capabilities for sustained corporate growth. In: GLOBALIZATION AND CORPORATE STRATEGIES FOR THE XXI CENTURY: THE BRAZILIAN INNOVATION CHAL LENGE, 2005, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: BNDES, 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2008.

GROUARD, Benoit; MESTON, Francis. Empresa em movimento: fundamentos e técnicas da gestão de mudanças. São Paulo: Negócio, 2001.

HAIR JR, Joseph F. et al. Multivariate data analysis. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1998.

HAMEL, Gary. Strategy as revolution. Harvard Business Review, v. 74, n. 4, p. 69-82, 1996.

HAX, Arnoldo C.; WILDE II, Dean L. The delta model: adaptative management for a changing world. Sloan Management Review, v. 40, n. 2, p. 11-28, 1999.

HERTOG, Steffen. Defying the resource curse: explaining successful state-owned enterprises in rentier states. World Politics, v. 62, n. 2, p. 261-301, 2010.

KAPLAN, Robert S.; NORTON, David P. Organização orientada para a estratégia. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

KAPLAN, Robert S.; NORTON, David P. Strategy maps: converting intangible assets into tangible outcomes. Boston: Harvard Business School, 2003.

KAPLAN, Robert S.; NORTON, David P. The balanced scorecard: measures that drive performance. Harvard Business Review, v. 70, n. 1, p. 71-79, 1992.

KAPLAN, Robert S.; NORTON, David P. The balanced scorecard: translating strategy into action. Boston, MA: Harvard Business School, 1996.

KONRAD GROUP. The invisible balance sheet: key indicators for accounting control and valuation of know-how companies. Stockholm: s.n., 2000.

LANGLEY, Ann. Strategies for theorizing from process data. Academy of Management Review, v. 24, n. 4, p. 691-710, 1999.

LOUZADA, Sergio V.; FONTES FILHO, Joaquim R.; REZENDE, José F. O uso da internet para promoção da accountability pelas empresas estatais federais brasileiras. In: ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E GOVERNANÇA DA ANPAD — Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, 4., 2010, Vitória. Anais eletrônicos. Vitória: Anpad, 2010. Dispo nível em: . Acesso em: 10 abr. 2012.

MINTZBERG, Henry; AHLSTRAND, Bruce; LAMPEL, Joseph. Safári da estratégia. Porto Alegre: Bookman, 2000.

MINTZBERG, Henry. Power in and around organizations. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, INC, 1983.

MIRANDA, Rubens A.; AMARAL, Hudson F. Governança corporativa e gestão socialmente respon sável em empresas estatais. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 4, p. 1069-1094, 2011.

NOGUEIRA, Antonio Roberto R.; MOREIRA, Paula C. A. O alinhamento estratégico e a construção do futuro: um estudo exploratório. Revista de Administração Contemporânea [on-line], v. 2, n. 2, p. 103-125, 1998.

NOGUEIRA, Antonio Roberto R. O alinhamento estratégico, a construção do futuro e a gestão da tecnologia da informação. Tese (doutorado em administração) — Faculdade de Economia e Admi nistração, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NORTON, David P. Benefits based planning. Stage by stage, v. 7, n. 6, 24 p., nov. 1987.

NORTON, David P. Managing benefits from information technology. Information Management, Bradford, v. 3, n. 5, p. 29-35, 1995.

OECD. Organisation for Economic Co-operation and Development. Draft comparative report on corporate governance of state-owned assets. Paris: Daffe/CA/Priv., 2004b. Mimeografado.

OECD. Organisation for Economic Co-operation and Development. Principles of corporate gover nance. 2004a. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2005.

PARRY, Scott. The quest for competencies. Training, v. 33, n. 7, p. 48-56, July 1996.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, Gary. The core competence of the corporation. Harvard Business Review, v. 8, n. 3, p. 79-91, may/June 1990.

REZENDE, José F.; NOGUEIRA, Antonio Roberto R. Strategic alignment, performance, and value. Latin American Business Review, v. 11, n. 4, p. 339-363, 2010.

REZENDE, José F. O alinhamento estratégico, o balanced scorecard e o capital intelectual no Bra sil: um estudo empírico nas empresas de maior complexidade e repercussão. Tese (doutorado em ciências da administração) — Instituto Coppead de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

ROOS, Johan et al. Intellectual capital: navigating the new business landscape. Londres: MacMillan Press, 1997.

SERENKO, Alexander; BONTIS, Nick. Meta-review of knowledge management and intellectual capital literature: citation impact and research productivity rankings. Knowledge and process management, v. 11, n. 3, p. 185-198, 2004.

SHAPIRO, Carl; VARIAN, Hal R. Information rules: a strategic guide to the network economy. Boston, MA: Harvard Business School Press, 1998.

STEWART, Thomas A. Capital intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. Rio de Ja neiro: Campus, 1998.

SVEIBY, Karl-Erik. Measuring intangibles and intellectual capital: an emerging first standard. Dis ponível em: . Acesso em: 14 ago. 1998.

SVEIBY, Karl-Erik. Towards a knowledge perspective on organization. Tese (doutorado em business administration) — Department of Business Administration, University of Stockholm, Estocolmo, 1994.

TAPSCOTT, Don. The digital economy: promise and peril in the age of networked intelligence. Nova York: McGraw-Hill, 1995.

TJAN, Anthony K. Finally a way to put your internet portfolio in order. Harvard Business Review, v. 79, n. 2, p. 76-85, Feb. 2001.

TSALLIS, Constantino. Entrevista: uma forma de explicar a bolsa e a geladeira. O Globo, Rio de Janeiro, 2 fev. 2004. Caderno Ciência e Vida, p. 22.

VERGARA, Sylvia C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 1998.

ZAJAC, Edward J.; KRAATZ, Matthew S.; BRESSER, Rudi K. F. Modeling the dynamics of strategic fit: a normative approach to strategic change. Strategic Management Journal, Chichester, v. 21, n. 4, p. 429, Apr. 2000.