Indutores de alinhamento estratégico: comparações preliminares sobre valor entre empresas de capital privado e empresas estatais no Brasil Outros Idiomas

ID:
10119
Resumo:
O artigo trata da comparação da eficiência entre empresas privadas e estatais, discutindo diferenças dos procedimentos de alinhamento estratégico e criação de valor utilizados, e apresentando evidências sobre os “tipos” de alinhamento estratégico e os “modos” de criação de valor utilizados. O estudo utiliza informações de survey aplicado anteriormente à amostra de 95 organizações brasileiras, estratificadas segundo a origem do capital em privadas ou estatais. Foram testadas hipóteses sobre diferenças de médias nos vetores de alinhamento estratégico, percentuais distintos no tocante a padrões de originação de valor e comportamento das componentes do valor total. Os testes apresentaram, de forma recorrente, diferenças de médias em favor das empresas privadas, segundo intervalo de confiança superior a 85%, nível considerado adequado a um estudo de natureza exploratória. No tocante à originação de valor, foi constatada performance superior das empresas de capital privado em todas as dimensões/perspectivas. Considerando a relevância econômica e social das empresas estatais no país, os resultados do estudo podem contribuir para o desenvolvimento de novas perspectivas de análise do desempenho das organizações gerenciadas pelo Estado, levando a mecanismos de acompanhamento mais alinhados aos desafios de gestão dessas organizações.
Citação ABNT:
REZENDE, J. F. C.; FONTES FILHO, J. R. Indutores de alinhamento estratégico: comparações preliminares sobre valor entre empresas de capital privado e empresas estatais no Brasil. Revista de Administração Pública, v. 47, n. 3, p. 695-720, 2013.
Citação APA:
Rezende, J. F. C., & Fontes Filho, J. R. (2013). Indutores de alinhamento estratégico: comparações preliminares sobre valor entre empresas de capital privado e empresas estatais no Brasil. Revista de Administração Pública, 47(3), 695-720.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10119/indutores-de-alinhamento-estrategico--comparacoes-preliminares-sobre-valor-entre-empresas-de-capital-privado-e-empresas-estatais-no-brasil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AIDEMARK, Lars-Göan. Balanced scorecard in healthcare; experiences from trials with BSC in five county councils. In: EPSTEIN, Mark; MANZONI, Jean-François (Ed.). Performance measurement and management control: a compendium of research. Oxford: Elsevier Science, 2002. p. 235-272.

ALLEE, Verna. The value evolution: addressing larger implications of an intellectual capital and intangibles perspective. Journal of Intellectual Capital, v. 1, n. 1, p. 17-32, 2000.

ANDRÉS, Luis; GUASCH, Jose L.; AZUMENDI, Sebastian L. Governance in state-owned enterprises revisited: the cases of water and electricity in Latin America and the Caribbean. Policy Research Working Paper 5747. The World Bank — Latin American and the Caribbean Region Sustainable Development Unit. August 2011.

BALLOW, John. J.; BURGMAN, Roland; MOLNAR, Michael J. Managing for shareholder value: intangibles, future value and investment decisions. Journal of Business Strategy, v. 25, n. 3, p. 2634, 2004.

BARALDI, Stefano. The balanced scorecard in hospitals: performances measurement as a driver of change — a case study. In: EPSTEIN, Mark; MANZONI, Jean-François (Ed.). Performance measurement and management control: a compendium of research. Oxford: Elsevier Science, 2002. p. 209-234.

BAUER, Ruben. Gestão da mudança: caos e complexidade nas organizações. São Paulo: Atlas, 1999.

BETHLEM, Agrícola S. Gestão de negócios: uma abordagem brasileira. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

BOARDMAN, Anthony E.; VINING, Aidan R. Ownership and performance in competitive environ ments: a comparison of the performance of private, mixed, and state-owned enterprises. Journal of Law and Economics, v. 32, n. 1, p. 1-33, 1989.

BONTIS, Nick; CROSSAN, Mary M.; HULLAND, John. Managing an organizational learning system by aligning stocks and flows. Journal of Management Studies, v. 39, n. 4, p. 438-469, 2002.

BOZEC, Richard; BRETON, Gaétan; CÔTÉ, Louise. The performance of state–owned enterprises revisited. Financial Accountability & Management, v. 18 n. 4, p. 383-407, 2002.

BRASIL. Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro de 1967. Dispõe sobre a organização da Administra ção Federal, estabelece diretrizes para a Reforma Administrativa e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 27 fev. 1967. Disponível em: . Acesso em: 5 mar. 2006.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Perfil das empresas estatais federais 2009. Brasília: MP/SE/Dest, 2010a.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Relatório anual 2009 — execução or çamentária das empresas estatais federais. Brasília: MP/Dest, 2010b.

BUKH, P. N. et al. Multiple integrated performance management systems: IC and BSC in a software company. Singapore Management Review, v. 24, n. 3, p. 21-33, 2002.

CASADESUS-MASANELL, Ramon; RICART, Joan E. From strategy to business models and onto tactics. Long Range Planning, v. 43, p. 195-215, 2010.

CAVALCANTI, Marcos; GOMES, Elisabeth; PEREIRA, Andre. Gestão de empresas na sociedade do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

CRAWFORD, Richard. Na era do capital humano: o talento, a inteligência e o conhecimento como forças econômicas; seu impacto nas empresas e nas decisões de investimento. São Paulo: Atlas, 1994.

DAVIS, Stanley; MEYER, Christopher. Blur: the speed of change in the connected economy. Reading, MA: Addison-Wesley, 1999.

DE GEUS, Arie. A empresa viva. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DEWENTER, Kathryn L.; MALESTA, Paul H. State-owned and privately owned firms: an empirical analysis of profitability, leverage, and labor intensity. The American Economic Review, v. 91, n. 1, p. 320-334, 2001.

DOCA, Geralda. Estatais sem transparência. O Globo, Rio de Janeiro, p. 18, 30 ago. 2010.

EDVINSSON, Leif; MALONE, Michael S. Capital intelectual: descobrindo o valor real de sua empresa pela identificação de seus valores internos. São Paulo: Makron, 1998.

ETHIRAJ, Sendil K.; LEVINTHAL, Daniel. Hoping for A to Z while rewarding only A: complex orga nizations and multiple goals. Organization Science, v. 20, n. 1, p. 4-21, Jan./Feb. 2008.

FLECK, Denise L. Building up capabilities for sustained corporate growth. In: GLOBALIZATION AND CORPORATE STRATEGIES FOR THE XXI CENTURY: THE BRAZILIAN INNOVATION CHAL LENGE, 2005, Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: BNDES, 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2008.

GROUARD, Benoit; MESTON, Francis. Empresa em movimento: fundamentos e técnicas da gestão de mudanças. São Paulo: Negócio, 2001.

HAIR JR, Joseph F. et al. Multivariate data analysis. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1998.

HAMEL, Gary. Strategy as revolution. Harvard Business Review, v. 74, n. 4, p. 69-82, 1996.

HAX, Arnoldo C.; WILDE II, Dean L. The delta model: adaptative management for a changing world. Sloan Management Review, v. 40, n. 2, p. 11-28, 1999.

HERTOG, Steffen. Defying the resource curse: explaining successful state-owned enterprises in rentier states. World Politics, v. 62, n. 2, p. 261-301, 2010.

KAPLAN, Robert S.; NORTON, David P. Organização orientada para a estratégia. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

KAPLAN, Robert S.; NORTON, David P. Strategy maps: converting intangible assets into tangible outcomes. Boston: Harvard Business School, 2003.

KAPLAN, Robert S.; NORTON, David P. The balanced scorecard: measures that drive performance. Harvard Business Review, v. 70, n. 1, p. 71-79, 1992.

KAPLAN, Robert S.; NORTON, David P. The balanced scorecard: translating strategy into action. Boston, MA: Harvard Business School, 1996.

KONRAD GROUP. The invisible balance sheet: key indicators for accounting control and valuation of know-how companies. Stockholm: s.n., 2000.

LANGLEY, Ann. Strategies for theorizing from process data. Academy of Management Review, v. 24, n. 4, p. 691-710, 1999.

LOUZADA, Sergio V.; FONTES FILHO, Joaquim R.; REZENDE, José F. O uso da internet para promoção da accountability pelas empresas estatais federais brasileiras. In: ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E GOVERNANÇA DA ANPAD — Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, 4., 2010, Vitória. Anais eletrônicos. Vitória: Anpad, 2010. Dispo nível em: . Acesso em: 10 abr. 2012.

MINTZBERG, Henry. Power in and around organizations. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, INC, 1983.

MINTZBERG, Henry; AHLSTRAND, Bruce; LAMPEL, Joseph. Safári da estratégia. Porto Alegre: Bookman, 2000.

MIRANDA, Rubens A.; AMARAL, Hudson F. Governança corporativa e gestão socialmente respon sável em empresas estatais. Revista de Administração Pública, v. 45, n. 4, p. 1069-1094, 2011.

NOGUEIRA, Antonio Roberto R. O alinhamento estratégico, a construção do futuro e a gestão da tecnologia da informação. Tese (doutorado em administração) — Faculdade de Economia e Admi nistração, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1999.

NOGUEIRA, Antonio Roberto R.; MOREIRA, Paula C. A. O alinhamento estratégico e a construção do futuro: um estudo exploratório. Revista de Administração Contemporânea [on-line], v. 2, n. 2, p. 103-125, 1998.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NORTON, David P. Managing benefits from information technology. Information Management, Bradford, v. 3, n. 5, p. 29-35, 1995.

NORTON, David P. Benefits based planning. Stage by stage, v. 7, n. 6, 24 p., nov. 1987.

OECD. Organisation for Economic Co-operation and Development. Draft comparative report on corporate governance of state-owned assets. Paris: Daffe/CA/Priv., 2004b. Mimeografado.

OECD. Organisation for Economic Co-operation and Development. Principles of corporate gover nance. 2004a. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2005.

PARRY, Scott. The quest for competencies. Training, v. 33, n. 7, p. 48-56, July 1996.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, Gary. The core competence of the corporation. Harvard Business Review, v. 8, n. 3, p. 79-91, may/June 1990.

REZENDE, José F. O alinhamento estratégico, o balanced scorecard e o capital intelectual no Bra sil: um estudo empírico nas empresas de maior complexidade e repercussão. Tese (doutorado em ciências da administração) — Instituto Coppead de Administração, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

REZENDE, José F.; NOGUEIRA, Antonio Roberto R. Strategic alignment, performance, and value. Latin American Business Review, v. 11, n. 4, p. 339-363, 2010.

ROOS, Johan et al. Intellectual capital: navigating the new business landscape. Londres: MacMillan Press, 1997.

SERENKO, Alexander; BONTIS, Nick. Meta-review of knowledge management and intellectual capital literature: citation impact and research productivity rankings. Knowledge and process management, v. 11, n. 3, p. 185-198, 2004.

SHAPIRO, Carl; VARIAN, Hal R. Information rules: a strategic guide to the network economy. Boston, MA: Harvard Business School Press, 1998.

STEWART, Thomas A. Capital intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. Rio de Ja neiro: Campus, 1998.

SVEIBY, Karl-Erik. Measuring intangibles and intellectual capital: an emerging first standard. Dis ponível em: . Acesso em: 14 ago. 1998.

SVEIBY, Karl-Erik. Towards a knowledge perspective on organization. Tese (doutorado em business administration) — Department of Business Administration, University of Stockholm, Estocolmo, 1994.

TAPSCOTT, Don. The digital economy: promise and peril in the age of networked intelligence. Nova York: McGraw-Hill, 1995.

TJAN, Anthony K. Finally a way to put your internet portfolio in order. Harvard Business Review, v. 79, n. 2, p. 76-85, Feb. 2001.

TSALLIS, Constantino. Entrevista: uma forma de explicar a bolsa e a geladeira. O Globo, Rio de Janeiro, 2 fev. 2004. Caderno Ciência e Vida, p. 22.

VERGARA, Sylvia C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 1998.

ZAJAC, Edward J.; KRAATZ, Matthew S.; BRESSER, Rudi K. F. Modeling the dynamics of strategic fit: a normative approach to strategic change. Strategic Management Journal, Chichester, v. 21, n. 4, p. 429, Apr. 2000.