Antecedentes e consequências dos conflitos entre trabalho e família Outros Idiomas

ID:
10348
Resumo:
A interface entre trabalho e família tem atraído a atenção de pesquisadores ao longo das últimas três décadas (Greenhaus, 2008). Transformações no contexto do trabalho e uma maior preocupação com o equilíbrio entre vida pessoal e vida profissional têm contribuído para ampliar o interesse pelo tema. A partir de uma amostra de 296 trabalhadores com nível superior, foram testadas hipóteses formuladas com base no modelo proposto por Anderson, Coffey e Byerly (2002). Em primeiro lugar, avaliaram-se os impactos de políticas organizacionais (flexibilidade de horário e apoio no cuidado com dependentes) e de práticas informais (suporte gerencial e percepção de consequências na carreira) sobre o conflito trabalho-família (CTF) e o conflito família-trabalho (CFT). Também foram testadas hipóteses relativas às consequências desses conflitos, especificamente satisfação no trabalho, intenção de deixar a empresa, estresse e absenteísmo. Os resultados indicaram que o suporte gerencial contribui para reduzir o CTF, enquanto que a percepção de consequências na carreira tende a promovê-lo. Com relação às consequências dos conflitos, foram encontrados impactos significativos sobre a satisfação no trabalho, o estresse e a intenção de deixar a empresa, mas não sobre o absenteísmo.
Citação ABNT:
OLIVEIRA, L. B.; CAVAZOTTE, F. S. C. N.; PACIELLO, R. R. Antecedentes e consequências dos conflitos entre trabalho e família. Revista de Administração Contemporânea, v. 17, n. 4, p. 418-437, 2013.
Citação APA:
Oliveira, L. B., Cavazotte, F. S. C. N., & Paciello, R. R. (2013). Antecedentes e consequências dos conflitos entre trabalho e família. Revista de Administração Contemporânea, 17(4), 418-437.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10348/antecedentes-e-consequencias-dos-conflitos-entre-trabalho-e-familia/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Albuquerque, L. G., & Limongi-França, A. C. (1998). Estratégias de recursos humanos e gestão de qualidade de vida no trabalho: o stress e a expansão do conceito de qualidade total. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 33(2), 40-51.

Anderson, S. E., Coffey, B. S., & Byerly, R. T. (2002). Formal organizational initiatives and informal workplace practices: links to work–family conflict and job-related outcomes. Journal of Management, 28(6), 787-810. doi: 10.1016/S0149-2063(02)00190-3

Araújo, C., & Scalon, C. (Org.). (2005). Gênero, família e trabalho no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV.

Bagger, J., Li, A., & Gutek, B. A. (2008). How much do you value your family and does it matter? The joint effects of family identity salience, family-interference-with-work, and gender. Human Relations, 61(2), 187-211. doi: 10.1177/0018726707087784

Bagtasos, M. R. (2011). Quality of work life: a review of literature. DLSU Business & Economics Review, 20(2), 1-8.

Beauregard, T. A., & Henry, L. C. (2009). Making the link between work-life balance practices and organizational performance. Human Resource Management Review, 19(1), 9-22. doi: 10.1016/j.hrmr.2008.09.001

Burke, R. (2009). Working to live or living to work: should individuals and organizations care?. Journal of Business Ethics, 84(2), 167-172. doi: 10.1007/s10551-008-9703-6

Cappelli, P. (1999). The new deal at work: managing the market-driven workforce. Boston: Harvard Business School Press.

Carr, J. C., Boyar, S. L., & Gregory, B. T. (2008). The moderating effect of work-family centrality on work-family conflict, organizational attitudes, and turnover behavior. Journal of Management, 34(2), 244-262. doi: 10.1177/0149206307309262

Cavazotte, F. S. N., Brollo, M. S., & Moreno, V. A. (2009, setembro). Mobilidade computacional no trabalho: um estudo sobre as experiências dos usuários de telefones inteligentes. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, São Paulo, SP, Brasil, 33.

Chesley, N. (2005). Blurring boundaries? Linking technology use, spillover, individual distress, and family satisfaction. Journal of Marriage and Family, 67(5), 1237-1248. doi: 10.1111/j.1741-3737.2005.00213.x

Cohen, J., Cohen, P., West, S., & Aiken, L. (2002). Applied multiple regression/correlation analysis for the behavioral sciences (3rd ed.). Mahwah, NJ: Laurence Elrbaum.

Dassen, M. A., & Braz, M. P. (2000). Rede social de apoio durante transições familiares decorrentes do nascimento de filhos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 16(3), 221-231. doi: 10.1590/S0102-37722000000300005

Drucker, P. F. (1999). Management challenges of the 21st century. New York: Harper Business.

Eby, L. T., Casper, W. J., Lockwood, A., Bourdeaux, C., & Brinley, A. (2005). Work and family research in IO/OB: content analysis and review of the literature (1980–2002). Journal of Vocational Behavior, 66(1), 124-197. doi: 10.1016/j.jvb.2003.11.003

Ferreira, R. R., Ferreira, M. C., Antloga, C. S., & Bergamaschi, V. (2009). Concepção e implantação de um programa de qualidade de vida no trabalho no setor público: o papel dos gestores. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, 44(2), 147-157.

Fox, J. (1991). Regression diagnostics: an introduction (Sage University paper series on quantitative applications in the social sciences, Nº 07-079). Newbury Park, CA: Sage.

Furtado, L. M. G. P. (2012). Não há que ser flexível, há que ser forte: um estudo sobre a força dos limites no trabalho e na família (Dissertação de mestrado). Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Greenhaus, J. H. (2008). Innovations in the study of the work-family interface: introduction to the special section. Journal of Occupational & Organizational Psychology, 81(3), 343-348. doi: 10.1348/096317908X332135

Greenhaus, J. H., & Beutell, N. (1985). Sources of conflict between work and family roles. Academy of Management Review, 10(1), 76-88. doi: 10.5465/AMR.1985.4277352

Greenhaus, J. H., & Powell, G. N. (2006). When work and family are allies: a theory of work-family enrichment. Academy of Management Review, 31(1), 72-92. doi: 10.5465/AMR.2006.19379625

Greenhaus, J. H., Collins, K. M., & Shaw, J. D. (2003). The relation between work-family balance and quality of life. Journal of Vocational Behavior, 63(3), 510-531. doi: 10.1016/S0001-8791(02)00042-8.

Hair, J. F., Jr., Anderson, R. E., Tatham, R. L., & Black, W. C. (1998). Multivariate data analysis (5th ed.). New Jersey: Prentice-Hall.

Harvey, D. (2004). Condição pós-moderna (13a ed.). São Paulo: Edições Loyola.

Judge, T. A., & Colquitt, J. A. (2004). Organizational justice and stress: the mediating role of work family conflict. Journal of Applied Psychology, 89(3), 395-404. doi: 10.1037/0021-9010.89.3.395

Kelliher, C., & Anderson, D. (2010). Doing more with less? Flexible working practices and the intensification of work. Human Relations, 63(1), 83-106. doi: 10.1177/0018726709349199

Lewis, S., & Cooper, C. L. (1999). The work-family research agenda in changing contexts. Journal of Occupational Health Psychology, 4(4), 382-393. doi: 10.1037/1076-8998.4.4.382

McCarthy, A., Darcy, C., & Grady, G. (2010). Work-life balance policy and practice: understanding line manager attitudes and behaviors. Human Resource Management Review, 20(2), 158-167. doi: 10.1016/j.hrmr.2009.12.001

McQuitty, S. (2004). Statistical power and structural equation models in business research. Journal of Business Research, 57(2), 175-183. doi: 10.1016/S0148-2963(01)00301-0

Medeiros, M., & Osório, R. (2001). Arranjos domiciliares e arranjos nucleares no Brasil: classificação e evolução de 1977 a 1998 [Texto para discussão, Nº 788]. Brasília, DF: IPEA.

Oliveira, P. M., & Limongi-França, A. C. (2005). Avaliação da gestão de programas de qualidade de vida no trabalho. RAE-eletrônica, 4(1). Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/raeel/v4n1/v4n1a05.pdf. doi: 10.1590/S1676-56482005000100005

Oltramari, A. P., Grisci, C. L. I., & Weber, L. (2011). Carreira e relações familiares: dilemas de executivos bancários. Revista Mal-estar e Subjetividade, 11(1), 101-133.

Pochmann, M. (2002). O trabalho sob fogo cruzado: exclusão, desemprego e precarização no final do século XX (3a ed.). São Paulo: Contexto.

Powell, G. N., & Greenhaus, J. H. (2010). Sex, gender, and the work-to-family interface: exploring negative and positive interdependencies. Academy of Management Journal, 53(3), 513-534. doi: 10.5465/AMJ.2010.51468647

Premeaux, S. F., Adkins, C. L., & Mossholder, K. W. (2007). Balancing work and family: a field study of multi-dimensional, multi-role work-family conflict. Journal of Organizational Behavior, 28(6), 705-727. doi: 10.1002/job.439

Rosso, S. D. (2008). Mais trabalho! A intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo.

Sant’Anna, A. S., & Kilimnik, Z. M. (Orgs.). (2011). Qualidade de vida no trabalho: abordagens e fundamentos. Rio de Janeiro: Elsevier; Belo Horizonte: Fundação Dom Cabral.

Santos, H. B., & Casado, T. (2011, setembro). O tradicional reconfigurado: a proposta de um modelo para casais de dupla carreira. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 35.

Siqueira, M. M. M. (2008). Satisfação no trabalho. In M. M. M. Siqueira (Org.), Medidas do comportamento organizacional (pp. 265-274). Porto Alegre: Artmed.

Sorj, B., Fontes, A., & Machado, D. C. (2007). Políticas e práticas de conciliação entre família e trabalho no Brasil. Cadernos de Pesquisa, 37(132), 574-594. doi: 10.1590/S0100- 15742007000300004

Tabachnick, B. G., & Fidell, L. S. (2007). Using multivariate statistics (5th ed.). Boston: Pearson Education, Inc./Allyn and Bacon.

Tanure, B., Carvalho, A., Neto, & Andrade, J. (2007). Executivos: sucesso e (in)felicidade. Rio de Janeiro: Elsevier.

Walton, R. E. (1973). Quality of working life: what is it? Sloan Management Review, 15(1), 11-21.

Yasbek, P. (2004). The business case for firm-level work-life balance policies: a review of the literature. Wellington, NZ: Department of Labor. Recuperado de http://www.dol.govt.nz/publication-view.asp?ID=191