Os impactos da política de inovação tecnológica nas universidades federais - uma análise das instituições mineiras Outros Idiomas

ID:
10424
Resumo:
O presente trabalho tem como objetivo discutir a eficácia da Lei de Inovação n.º 10.973 de 2004 e das demais políticas de inovação implantadas pelo governo federal, no tocante à sua capacidade de fomentar o processo de inovação junto às universidades federais. Utilizou-se o conjunto de onze universidades federais mineiras (UFM) como amostra representativa das demais universidades federais brasileiras. Foram coletadas informações sobre patentes e recursos disponibilizados pelos órgãos de fomento à pesquisa e inovação no Brasil e sobre a Lei de Inovação e demais leis pertinentes a este trabalho. Buscou-se determinar a eficácia das ações da União para a promoção do progresso tecnológico junto às UFM após 2004, bem como definir um prazo médio para que tais investimentos surtam efeito calculado por meio de um modelo polinomial de defasagem distribuída (PDD). Como resultado encontrou-se um intervalo temporal de dois anos para que os recursos investidos tornem-se efetivamente inovações, o que demonstra o viés atual da estrutura de pesquisa brasileira, que ainda concentra a pesquisa na academia em detrimento das empresas.
Citação ABNT:
REZENDE, A. A.; CORRÊA, C. R.; DANIEL, L. P. Os impactos da política de inovação tecnológica nas universidades federais - uma análise das instituições mineiras. Revista de Economia e Administração, v. 12, n. 1, p. 100-131, 2013.
Citação APA:
Rezende, A. A., Corrêa, C. R., & Daniel, L. P. (2013). Os impactos da política de inovação tecnológica nas universidades federais - uma análise das instituições mineiras. Revista de Economia e Administração, 12(1), 100-131.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10424/os-impactos-da-politica-de-inovacao-tecnologica-nas-universidades-federais---uma-analise-das-instituicoes-mineiras/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRAMOVITZ, M. Catching up, forging ahead, and falling behind.Journal of Economic History, v. 46, n. 2, p. 385-406, Jun. 1986. http://dx.doi.org/10.1017/S0022050700046209.

AGHION, P.; HOWITT, P. A model of growth through creative destruction. Economietrica, v. 60, n. 2, p. 323-51, Mar. 1992. http://dx.doi.org/10.2307/2951599.

AGRAWAL, A.; HENDERSON, R. Putting Patents in Context: Exploring Knowledge Transfer from MIT. Management Science, v. 48 n. 1, p. 44-60, Jan. 2002.

ALBUQUERQUE, E. M.; et al. Distribuição espacial da produção científica e tecnológica brasileira: uma descrição de estatísticas de produção local de patentes e artigos científicos. Revista Brasileira de Inovação, v.1, n.2, p. 225-51, jul./dez. 2002.

ANDERSON, T. W. The choice of degree of a polynomial regression as a multiple decision problem. Annals of Mathematical Statistics, v. 33, n. 1, p. 255-265, 1996.

ARROW, K. J. The economic implications of learning by doing. Review of Economic Studies.v. 29, n. 3, p. 155-73, Jun. 1962. http://dx.doi.org/10.2307/2295952.

ASSUMPÇÃO, E. G. A utilização do sistema de patentes pelas universidades brasileiras nos anos 90. Rio de Janeiro: INPI, 2000.

BONELLI, R.; PESSÔA, E. P. O papel do estado na pesquisa agrícola no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, jun. 1998. (Texto para Discussão, n. 576).

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da Republica Federativa do Brasil: Constituição do Brasil, de 05 de outubro de 1988. Disponível em: . Acesso em: 12 dez 2009.

BRASIL. Decreto nº 5.563, de 11 de outubro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, que dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo, e dá outras providências. Câmara dos Deputados, Brasília, DF, 11 de Outubro de 2005. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2009.

BRASIL. Decreto nº 5.906, de 26 de setembro de 2006. Regulamenta o art. 4 o da Lei n o 11.077, de 30 de dezembro de 2004, que dispõem sobre a capacitação e competitividade do setor de tecnologias da informação. Câmara dos Deputados, Brasília, DF, 26 de set. de 2006. Disponível em: . Acesso em: 4 de nov. 2012.

BRASIL. Lei n. 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2 dez. 2004. Disponível em: . Acesso em: 12 dez. 2009.

BRASIL. Portaria Interministerial Ministério de Ciência e Tecnologia e Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior – MCT/MDIC nº 597 de 06 de setembro de 2006. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2012.

BRASIL. Portaria Interministerial Ministério de Ciência e Tecnologia, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e Ministério da Fazenda – MCT/MDIC/MF – nº 641 de 28 de setembro de 2007. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2012.

BRASIL. Portaria Interministerial Ministério de Ciência e Tecnologia, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e Ministério da Fazenda – MCT/MDIC/MF – nº 743 de 28 de setembro de 2006. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2012.

BRASIL. Portaria Interministerial Ministério de Ciência e Tecnologia, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e Ministério da Fazenda – MCT/MDIC/MF – nº 744 de 28 de setembro de 2006. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2012.

CALVETE, C. Investigação econômica e ciência econômica. In BÊRNI, D. A. (Org.) Técnicas de pesquisa em economia: transformando curiosidade em conhecimento. São Paulo: Saraiva, p. 16-32, 2002.

CANIBANO, L.; GARCIA-AYUSO, M.; SANCHEZ, P. Accounting for intangibles: a literature review. Journal of Accounting Literature, v. 19, p. 102-130, 2000.

CARLINO, G.; CHATTERJEE, S.; HUNT, R. Knowledge spillovers and the new economy of cities. Philadelphia: Federal Reserve Bank of Philadelphia, Sep. 2001. (Working Paper; p. 01-14).

CHAGAS, E. N. Apreensão, implementação e gestão da propriedade intelectual nas instituições publicas de ensino superior. Viçosa, 2004. 134f. Tese (Doutorado em Extensão Rural) – Departamento de Economia Rural, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2004.

CNPq – CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO. Disponível em: . Acesso em: 15 set. 2010.

DALSON FILHO, F. et al. O que fazer e o que não fazer com a regressão: pressupostos e aplicações do modelo linear de Mínimos Quadrados Ordinários (MQO). Revista Política Hoje, v. 20, n. 1, p. 44-99, 2011.

DOSI, G. Sources, procedures and microeconomic effects of innovation. Journal of Economic Literature, v. 26, n. 3, p. 1120-1271. Sep. 1988.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. The dynamics of innovation: from national systems and “mode 2” to a triple helix of university-industry-government relations. Research Policy, v. 29, n. 2, p.109-123, Feb. 2000. http://dx.doi.org/10.1016/S0048-7333(99)00055-4.

FINEP – FINANCIADORA DE ESTUDOS E PROJETOS. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2010.

FREEMAN, C.; SOETE, L. The economics of industrial innovation. 3. ed. Massachusetts: MIT Press, 1997. 470p.

FURTADO, C. Introdução ao desenvolvimento: enfoque histórico-estrutural. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000. 126p.

GALINA, S. V. R.; PLONSKI, G. A. Inovação no setor de telecomunicações no Brasil: uma análise do comportamento empresarial. Revista Brasileira de Inovação, v. 4, n. 1, p. 129-155, jan./jul. 2005.

GANDRA, A. Registro de patentes teve prazo reduzido em 35%. Exame, São Paulo, 27 jan. 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2012.

GARCIA, R.; ROSLEINO, J. E. Uma avaliação da Lei de Informática e de seus resultados como instrumento indutor de desenvolvimento tecnológico e industrial. Gestão & Produção, v. 11, n. 2, p. 177-185, mai./ago. 2004.

GEROSKI, P. A., Entry, innovation and productivity growth. Review of Economics and Statistics, v. 71, n. 4, p. 572-578, Nov. 1989. http://dx.doi.org/10.2307/1928098.

GONÇALVES, E. Estrutura urbana e atividade tecnológica em Minas Gerais. Economia Aplicada, v. 10, n. 4, p. 481-502, out./dez. 2006. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-80502006000400001.

GRILICHES, Z.; MAIRESSE, J. Productivity and R&D at the firm level. In: GRILICHES, Z. (Ed.).R&D, patents, and productivity. Chicago: Chicago University Press, 1984. p. 339-374. http://dx.doi.org/10.7208/chicago/9780226308920.001.0001.

GUJARATI, D. Econometria básica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006. 812p.

HILL, R. C.; GRIFFITHS, W. E.; JUDGE, G. G. Econometria. 3ª. ed. São Paulo: Saraiva, 2003. 471p.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA. Brasil em desenvolvimento: estado, planejamento e políticas públicas. Brasília: IPEA, 2009. 98p. Disponível em: .

JAFFE, A. B. Real effects of academic research. American Economic Review, v. 79, n. 5, p. 957-970, Dec. 1989.

KLEVORICK, A. K., et al. On the sources and significance of inter-industry differences in technological opportunities. Research Policy, v. 24, n. 2, p. 185-205, Mar. 1995. http://dx.doi. org/10.1016/0048-7333(93)00762-I.

KUPFER, D. Política Industrial, infra-estrutura e inovação. In: SOBREIRA, R.; RUEDIGER, M. A. (Orgs.). Desenvolvimento e construção nacional: política econômica. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

LAUMAS, P. S. Schumpeter’s theory of economic development and underdeveloped countries. Quarterly Journal of Economics, v. 76, n. 4, p. 653-659, Nov. 1962.

LOBO, R. L. Universidades de pesquisa no Brasil. São Paulo: FSP, 2004. 4p.

MADDALA, G. S. Introdução à econometria. 3. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2003. 345p.

MARQUES, L. D. Modelos dinâmicos com dados em painel: revisão de literatura. Portugal: Faculdade de Economia da Universidade do Porto – FEP, Out. 2000 (Working Papers). Disponível em: Acesso em: 20 jan. 2010.

MARSILI, O. The Anatomy and Evolution of Industries: Technological Change and Industrial Dynamics. Northampton: Edward Elgar Publishing Inc. 2001. 298p.

MATIAS-PEREIRA, J.; KRUGLIANSKAS, I. Gestão de inovação: a lei de inovação tecnológica como ferramenta de apoio às políticas industrial e tecnológica do Brasil. RAE Eletrônica, v. 4, n. 2, p. 1-21, jul./dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2011.

MELO, L. M. Financiamento à inovação no Brasil: análise da aplicação dos recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) e da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP) de 1967 a 2006. Revista Brasileira de Inovação, v. 8, n. 1, p. 87-120, jan./ jun., 2009.

MIDLEJ, M. M. B. C. Pesquisa e pós-graduação: o papel das universidades estaduais da Bahia e o desenvolvimento regional. Publicatio UEPG: ciências humanas, ciências sociais aplicadas, linguística, letras e artes, v. 16, n. 2, p. 225-231, jul./dez. 2008.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA TECNOLOGIA E INOVAÇÃO – MCTI. [S.l.], [S.d.], Disponível em: . Acesso em: 23 dez. 2011.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO – MEC. Disponível em: . Acesso em: 1 dez. 2012.

MORENO, R.; PACI, R.; USAI, S. Spatial spillovers and innovation activity in European regions. Caglioare: Centro Ricerche Economiche Nord Sud, Sep. 2004 (Working paper n. 03-10).

NELSON, R. The sources of economic growth, Cambridge: Harvard University Press, 1996. 336p.

NELSON, R.; WINTER, S. G. An evolutionary theory of economic change. Cambridge Massachusetts: Harvard University, 1982. 454p.

NELSON, R.; WINTER, S. G. Evolutionary theorizing in economics. Journal of Economic Perspectives, v. 16, n. 2, p. 23-46, Spring 2002. http://dx.doi.org/10.1257/0895330027247.

NETO, M. Pesquisa para o planejamento métodos e técnicas: roteiro para elaboração de projetos. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005. 84p.

OLIVEIRA, R. M.; VELHO, L. M. L. S. Patentes acadêmicas no Brasil: uma análise sobre as universidades públicas paulistas e seus inventores. Parcerias Estratégicas, v. 14, n. 19. p. 173-200, jul./dez. 2009.

PAVITT, K. Sectorial patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory. Research Policy, v. 13, n. 6, p. 343-373, Dec. 1984.

PLONSKI, G. A. Bases para um movimento pela inovação tecnológica no Brasil. São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 1, p. 25-33, 2005. Disponível em: . Acesso em: 27 out. 2011.

PÓVOA, L. M. C. Patentes de universidades e institutos públicos de pesquisa e a transferência de tecnologia para empresas no Brasil.Belo Horizonte: UFMG, 2008. Disponivel em: . Acesso em: 21 set. 2009.

ROMER, P. M. Increasing returns and long-run growth. Journal of Political Economy, v. 94, n. 5, p. 1002-1037, Oct. 1986. http://dx.doi.org/10.1086/261420.

ROQUE, W. L. Política de inovação tecnológica. [S.l.: s.n.] Disponível em: . Acesso em: 28 dez 2009.

ROSENBERG, N. Schumpeter and the endogeneity of technology: some American perspectives. Routledge: Library Binding, 2000. 142p. http://dx.doi.org/10.4324/9780203465356.

ROSENBERG, N. The direction of technological change: introducing mechanisms and focusing devices. Economic Development and Cultural Change, v. 18, n. 1, p. 1-24, Oct. 1969. http:// dx.doi.org/10.1086/450399.

SCHMOOKLER, J. Invention and Economic Growth. Cambridge, MA. Harvard University Press, 1966. 348p.

SCHWARTZMAN, S. A pesquisa científica e o interesse público. Revista Brasileira de Inovação, v. 1, n. 2, p. 361-395, 2002.

SELDON, B. A nonresidual estimation of welfare gains from research: the case of public R&D in a forest product industry. Southern Economic Journal, v. 54, n. 1. p. 64-80, Jul. 1987. http:// dx.doi.org/10.2307/1058804.

SILVA, R. B.; DAGNINO, R. Universidades públicas brasileiras produzem mais patentes que empresas: isso deve ser comemorado? Revista Economia & Tecnologia, v. 5, n. 2, p. 115-118, abr./jun. 2009.

SOETE, L. A general test of technological gap trade theory. Weltwirtschaftliches Archiv, v. 117, n. 4, p. 638-660, 1981.

SOLOW, R. A. Technical change and the aggregate production function. Review of Economics and Statistics, v. 39, n. 3, p. 312-320, Aug. 1957.

SORIA, A. F., et al. Geração de Patentes em Universidades: um estudo exploratório. Revista de Administração FACES Journal, v. 9, n. 3, p. 95-116, jul./set. 2010.

SOUSA, C. S. O ensino superior no quadro do processo de Bolonha. In: AUDY, J. L. N.; MOROSINI, M. C. (Orgs.). Inovação e Empreendedorismo na Universidade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006. 458p.

SOUZA, N. de J. Desenvolvimento Econômico, 5ª. ed. São Paulo: Atlas, 2005. 313p.

STEVENSON, W. J. Estatística aplicada à Administração. São Paulo: Harbra, 1981. 495p.

TEH, C. C.; KAYO, E. K.; KIMURA, H. Marcas, patentes e criação de valor. Revista de Administração Mackenzie, v. 9, n. 1, p. 86-106, jan./fev. 2008.

WINTER, S. G. Schumpeterian Competition in Alternative Technological Regimes. Journal of Economic Behavior and Organization, v. 5, n. 3-4, p. 287-320, Sep./Dec. 1984.

WOOLDRIDGE, J. M. Introdução à econometria: uma abordagem moderna. São Paulo: Cengage Learning, 2010. 701p.

ZEEBROECK, N.; POTTERIE, B. P.; GUELLEC, D. Patents and academic research: a state of the art. Journal of Intellectual Capital, v. 9, n. 2, p. 246263, 2008.