Uma nota sobre a rotatividade da mão-de-obra do setor privado brasileiro Outros Idiomas

ID:
10425
Resumo:
O objetivo deste artigo é testar a hipótese de labor turnover para o Brasil. A teoria de salário eficiência sugere que as firmas obtêm melhores resultados econômicos ao pagarem salários superiores aos determinados pelo mercado. Na versão labor turnover model o empregador deve ponderar entre salários mais elevados e menor rotatividade da mão-de-obra. A partir do modelo, testamos os determinantes da rotatividade do emprego (quit rate), principalmente a influência da taxa de desemprego sobre a decisão de demissão. Utilizamos dados da PNAD para os anos de 2008 e 2009. Os resultados dos modelos Probit e Probit com correção de viés amostral corroboram a hipótese do modelo de labor turnover de salário eficiência.
Citação ABNT:
UHR, D. A. P.; UHR, J. G. Z. Uma nota sobre a rotatividade da mão-de-obra do setor privado brasileiro. Revista de Economia e Administração, v. 12, n. 1, p. 132-148, 2013.
Citação APA:
Uhr, D. A. P., & Uhr, J. G. Z. (2013). Uma nota sobre a rotatividade da mão-de-obra do setor privado brasileiro. Revista de Economia e Administração, 12(1), 132-148.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10425/uma-nota-sobre-a-rotatividade-da-mao-de-obra-do-setor-privado-brasileiro/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AKERLOF, G. A. Labor contracts as partial gift exchange. Quarterly Journal of Economics, v. 97, n. 4, p. 543-69, Nov. 1982. http://dx.doi.org/10.2307/1885099.

BARTEL, A. P., BORJAS G. J. Middle-age job mobility. New York: NBER. 1976 (Working paper).

BARTEL, A. P. Job mobility and earnings growth. New York : NBER. 1975 (Working paper).

BECKER, G. S. Investment in human capital: a theoretical analysis. Journal of Political Economy, v. 70, p. 9-49, Oct. 1962. http://dx.doi.org/10.1086/258724.

BURTON, J. F.; PARKER, J. E., Inter-industry variations in voluntary labor mobility. Industrial and Labor Relations, v. 22, n. 2, p. 199-216, Jan. 1969. http://dx.doi.org/10.2307/2520969.

CAMERON, S. V.; HECKMAN, J. The dynamics of educational attainment for black, hispanic, and white males. Journal of Political Economy, v. 109, n. 3, p. 455-499, Jun. 2001. http://dx.doi. org/10.1086/321014.

GONZAGA, G. Rotatividade e qualidade do emprego no Brasil. Revista de Economia Política, v. 18, n. 1, p. 120-140, jan./mar. 1998.

LEIBENSTEIN, H. The theory of underemployment in backward economies. The Journal of Political Economy, v. 65, n. 2, p. 91-103, Apr. 1957. http://dx.doi.org/10.1086/257894.

ORELLANO, V.; PAZELLO, E. Evolução e determinantes da rotatividade da mão-de-obra nas firmas da indústria paulista na década de 1990. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 36, n. 1, p. 179-207, abr. 2006.

PENCAVEL, J. H. Wages, specific training, and labor turnover in U.S. manufacturing industries. International Economic Review, v. 13, n. 1, p. 53-64, Feb. 1972.

SACHSIDA, A.; LOUREIRO, P.R.A.; MENDONÇA, M. J. C. Um estudo sobre retorno em escolaridade no Brasil. Revista Brasileira de Economia, v. 58, n. 2, p. 249-265. abr./jun. 2004.

SALOP, S. C.; A Model of then natural rate of unemployment. American Economic Review, v. 69, n. 1, p. 117-125, Mar. 1979.

SANTOS, M. J.; KASSOUF, A. L. Uma investigação econômica da influência do mercado de drogas ilícitas sobre a criminalidade brasileira. Economia, v. 8, n. 2, p.187-210, mai./ago. 2007.

SHAPIRO, C.; STIGLITZ, J. E. Equilibrium unemployment as a worker discipline device. The American Economic Review, v. 74, n. 3, p. 433-444, Jun. 1984.

STIGLITZ, J. E. Alternative theories of wage determination and unemployment in LDCs: the labor turnover model. Quarterly Journal of Economics, v. 88, n. 2, p. 194-227, May 1974. http://dx.doi. org/10.2307/1883069.

STOIKOV, V.; RAIMON, R. Determinants of differences in the quit rate among industries. The American Economic Review, v. 58, n. 5, p. 1283-1298. Dec. 1968.