A interface entre sentimentos e cultura organizacional: evidências de uma operação de aquisição de instituição financeira Outros Idiomas

ID:
10527
Periódico:
Resumo:
O Este artigo apresenta uma abordagem alternativa para discutir a cultura organizacional no contexto de uma instituição financeira internacional que foi adquirida por outra nacional. O artigo reposiciona o debate sobre a temática a partir dos sentimentos que emergiram em funcionários remanescentes dessa operação de aquisição, pois o objetivo foi compreender, a partir desses sentimentos, quais pressupostos passaram a ser compartilhados no ambiente de trabalho em transformação, deflagrando assim, um recorte para o termo cultura organizacional, quando em processos de aquisição de instituições financeiras. Os resultados mostram que emergiram distintos sentimentos negativos nos funcionários e a percepção de risco foi o elemento partilhado frente à situação. Assim, o recorte deflagrado para a cultura organizacional quando em processos de aquisição de instituições financeiras foi o de que o risco é compartilhado como um pressuposto de valor pelos funcionários, em face das suposições projetadas sobre as mudanças organizacionais, sejam elas um acontecimento futuro, esperado ou temido.
Citação ABNT:
SILVA, A. L.; DUARTE, M. F. A interface entre sentimentos e cultura organizacional: evidências de uma operação de aquisição de instituição financeira. Gestão e Sociedade, v. 6, n. 13, p. 26-46, 2012.
Citação APA:
Silva, A. L., & Duarte, M. F. (2012). A interface entre sentimentos e cultura organizacional: evidências de uma operação de aquisição de instituição financeira. Gestão e Sociedade, 6(13), 26-46.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10527/a-interface-entre-sentimentos-e-cultura-organizacional--evidencias-de-uma-operacao-de-aquisicao-de-instituicao-financeira/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AKTOUF, O. O simbolismo e a cultura de empresa: dos abusos conceituais às lições empíricas. In: CHANLAT, J. F. (Org.). O indivíduo nas organizações: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, p. 39-79, 1994.

ALCADIPANI, R.; CRUBELLATE, J. M. Cultura organizacional: generalizações improváveis e conceituações imprecisas. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 43, n. 2, p. 6477, 2003.

ALVESSON, M. Cultural perspectives on organizations. Cambridge, Cambridge University Press, 1993.

APPOLINÁRIO, S. Metodologia da ciência: filosofia e prática da pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2006.

BECKER, G. V. O Papel da gestão de pessoas em processos de fusões e aquisições de empresas. In: Encontro da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Administração. 26., 2002, Salvador. Anais... Rio de Janeiro, 2002.

CALDAS, M. P.; TONELLI, M. J. Casamento, estupro, ou dormindo com o inimigo? interpretando imagens e representações dos sobreviventes de fusões e aquisições. In: Encontro da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Administração. 25., 2001, Campinas. Anais... Rio de Janeiro, 2001.

CARRIERI, A. P.; LEITE-da-SILVA, A. R. Cultura organizacional versus culturas nas organizações: conceitos contraditórios entre o controle e a compreensão. In: MARCHIORI, M. (org.) Faces da cultura e da comunicação organizacional, p. 51-75. São Paulo: Difusão, 2006.

FLEURY, M. Estórias, mitos, heróis – cultura organizacional e relações do trabalho. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 27, n. 4, p. 07-18, 1987.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2004.

FREITAS, M. E. Cultura organizacional: evolução e crítica. São Paulo, Thompsom Learning, 2007.

HATCH, M. J. Organization theory: modern, symbolic and postmodern perspectives. Oxford: Oxford University Press, 1997.

HOFSTEDE, G. Culture and organizations: software of the mind. New York: McGraw-Hill, 1991.

MARTIN, J.; FROST, P. Jogos de guerra da cultura organizacional: a luta pelo domínio intelectual. In: CLEGG, S.; HARDY, C.; NORD, W. (org). Handbook de estudos organizacionais, v. 2, São Paulo: Atlas, 2001.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 19. ed. Petrópolis: Vozes, 2001. Ministério da Fazenda. Resenha Eletrônica. Disponível em: . Acesso em: 18 de agosto de 2010.

Ministério da Fazenda. Resenha Eletrônica. Disponível em: . Acesso em: 18 de agosto de 2010.

PARDINI, D. J. A transformação cultural no processo de aquisição de empresas relacionadas do setor siderúrgico. 2004. Tese (Doutorado em Administração) – CEPEAD / FACE, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

PETTIGREW, A. M. Longitudinal field research on change: theory and practice. Organization Science, v. 1, n. 3, p. 267-292, 1990.

SCHEIN, E. Coming to a new awareness of organizational culture. Sloan Management Review, v.25, n.2, p.3-16, 1984.

SCHEIN, E. H. Organizational culture and leadership. 3. Ed. San Francisco: Jossey-Bass, 2004.

SCHWARTZ, S. H. Basic human values: an overview. Disponível em . Acesso em: 09 de jun. 2011.

VIEIRA, M. M. F. Por uma boa pesquisa (qualitativa) em administração. In: VIEIRA, M. M. F., & ZOUAIN, D. M. Pesquisa qualitativa em administração. Rio de Janeiro: FGV, 2004.