Brasília e modernidade: um ensaio sobre o processo de produção da capital brasileira Outros Idiomas

ID:
10543
Periódico:
Resumo:
O presente ensaio tem como objetivo argumentar que o processo de produção da capital brasileira, em vez de inaugurar uma era da modernidade no Brasil, como um momento histórico de ruptura, é mais caracterizado por um tom de conservação das características sociopolíticas dominantes do passado do País. Para desenvolver tal argumento, foi feita uma análise dos conceitos de modernidade, modernismo e modernização, de modo a fundamentar teoricamente o propósito de reinterpretação ensaística do fenômeno em questão. A dinâmica do processo histórico de produção da cidade de Brasília indica que a promoção de mudanças mais radicais na sociedade brasileira é diminuta, fazendo com que modernidade perca a sua pertinência em termos analíticos. Ao final, objetivamos apresentar possíveis caminhos para ampliar as reflexões teóricas e de pesquisa com o campo da administração, com particular enfoque à administração pública.
Citação ABNT:
IMASATO, T.; VÉRAS, M. L. Brasília e modernidade: um ensaio sobre o processo de produção da capital brasileira. Gestão e Sociedade, v. 6, n. 15, p. 335-359, 2012.
Citação APA:
Imasato, T., & Véras, M. L. (2012). Brasília e modernidade: um ensaio sobre o processo de produção da capital brasileira. Gestão e Sociedade, 6(15), 335-359.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10543/brasilia-e-modernidade--um-ensaio-sobre-o-processo-de-producao-da-capital-brasileira/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADAMS, G.B. Enthralled with modernity: the historical context of knowledge and theory development in public administration. Public Administration Review, v. 52, n. 4, p. 363-73, 1992.

ALENCAR, F.; RAMALHO, L.C.; RIBEIRO, M.V. História da sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1979.

BECK, M. Brasília tem desigualdade extrema. O Globo, Rio de Janeiro, p. 4, 08.03.2007.

BOMENY, H. Educação e desenvolvimento: o debate nos anos 1950. Disponível em: Acesso em: 26 ago. 2007.

BOMENY, H. Utopias de cidade: as capitais modernas. In: GOMES, A. (Org.). O Brasil de JK. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1991, p. 144-161

BOOTH, C.; ROWLINSON, M. Management and organizational history: prospects. Management & Organizational History, v. 1, n. 1, p. 5-30, 2006.

CAMPOS, A.M. Accountability: quando poderemos traduzi-la para o português? Revista de Administração Pública, v. 24, n. 2, p. 30-50, 1990.

CAMPOS, A.M. Um novo modelo de planejamento para uma nova estratégia de desenvolvimento. Revista de Administração Pública, v. 14, n. 3, p. 27-45, 1980.

CANZIAN, Fernando. Brasília: alienada e distante. Folha Online. Disponível em: . Publicado em: 18.12.2006. Acesso em: 20 jun. 2007.

CARDOSO, M.L. Ideologia do desenvolvimento Brasil: JK-JQ. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

CAVALCANTI, L. Moderno e brasileiro: a história de uma nova linguagem na arquitetura (1930-1960). Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

COOPER, R.; BURRELL, G. Modernism, postmodernism and organizational analysis: an introduction. Organization Studies, v. 9, n. 1, p. 91-112, 1988.

COSTA, A.S.M.; BARROS, D.F.; MARTINS, P.E.M. Perspectiva histórica em administração: novos objetos, novos problemas, novas abordagens. RAE, v. 50, n. 3, p. 288-99, 2010.

DANTAS, Fagner. Brasilia: la utopía desfigurada. Urbano, v. 7, n. 10, p. 50-60, 2004.

DEL PRIORE, M.; VENÂNCIO, R.P. O livro de ouro da história do Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro, 2001.

DIAS, M.O.L.S. A interiorização da metrópole (1908-1853). In: MOTA, C.G. 1822: dimensões. São Paulo: Perspectiva, 1972, p. 160-184.

DRAIBE, S. Rumos e metamorfoses. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

DUSSEL, E. Eurocentrism and modernity. Boundary 2, v. 20, n. 3, p. 65-76, 1993.

ESCOBAR, A. Encountering development: the making and unmaking of the third world. Princeton: Princeton University Press, 1995.

EYOH, D. Modernization. In: HOROWITZ, M.C. (Eds). New dictionary of the history of ideas. New York: Thompson Gale, 2005, p. 1485-1487.

FAORO, R. A questão nacional: a modernização. Estudos Avançados, v.6, n.14, p.7-22, 1992.

FAORO, R. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. 15. ed. São Paulo: Globo, 2000.

HABERMAS, J. Modernity versus postmodernity. New German Critique, v. 22, p. 3-14. 1981.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.

HOLSTON, J. On modernism and modernization: the modernist city in development, the case of Brasilia. (Helen Kellogg Institute for International Studies), n. 23. Notre Dame, Indiana: University of Notre Dame, 1984. Working paper.

JAGUARIBE, Helio. Desenvolvimento econômico e desenvolvimento político. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1972.

LOPES, Luís Carlos. Brasília, o enigma da esfinge. Porto Alegre/São Leopoldo: Ed. Universidade/UFRGS/Unisinos, 1996.

LOVENSON, M. Modernism. In: HOROWITZ, M.C. (Ed.). New dictionary of the history of ideas. New York: Thompson Gale, 2005, p. 1465-1469.

MANKIW, N. Gregory. Macroeconomia. Rio de Janeiro: LTC, 2004.

PENNA, J.O.M. Quando mudam as capitais. Brasília: Senado Federal, 2002.

QUIJANO, A. Modernity, identity, and utopia in Latin America. Boundary 2, v. 20, n. 3, p. 14055, 1993.

RIBEIRO, M.V.; ALENCAR, C.; CECCON, C. Brasil vivo. Petrópolis: Vozes, 1998.

RIGGS, F.W. Modernity and Bureaucracy. Public Administration Review, v. 57, n. 4, p. 347-53, 1997.

SANTOS, B.S. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. In: SANTOS, B.S. (Ed.). Conhecimento prudente para uma vida descente. São Paulo: Cortez, 2004.

SANTOS, Milton. Prefácio. In: PAVIANI, A. (Org.). Brasília, ideologia e realidade/espaço urbano em questão. São Paulo: Projeto, 1985, p. 8-10.

SOUZA, M.J.L. Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

VENN, C.; FEATHERSTONE, M. Modernity. Theory, Culture & Society, v. 23, n. 2-3. p. 457-76, 2006.

WILLIAMS, R.J. Modernist civic space and the case of Brasilia. Journal of Urban History, v. 32, n. 1, p.120-37, 2005.