Desinstitucionalização de práticas no carnaval do Rio de Janeiro: uma análise para além da literatura de marketing social Outros Idiomas

ID:
10548
Periódico:
Resumo:
O presente artigo tem como objetivo analisar o uso da ferramenta de marketing social e suas limitações em transformar práticas institucionalizadas junto à sociedade. Os autores utilizam como objeto de estudo a problemática da urina nas ruas durante o carnaval na cidade do Rio de Janeiro. A campanha  desenvolvida pela prefeitura da cidade desde a concepção do marketing social é analisada a partir da perspectiva institucionalista de forma a promover uma reflexão sobre a centralidade de valores, práticas e recursividade. Nesse sentido, o artigo realiza uma revisão da noção de marketing social e da perspectiva institucionalista. Utilizamos no estudo uma abordagem qualitativa que, primeiro, lançou mão do método historiográfico por meio de um levantamento  documental, em reportagens veiculadas em jornais de grande circulação e poemas para discorrer sobre a institucionalização da prática. Em um segundo  momento nós empreendemos uma pesquisa de campo ao aplicar um questionário formulado a partir de categorias de análise da perspectiva institucionalista  que utilizou a técnica de complementação. Dentre os resultados do estudo, pudemos observar que a banalização do ato de urinar nas ruas é resultado da recursividade do mesmo, desde os tempos da nobreza, até os dias atuais, e que a utilização do marketing social não deve se limitar a campanhas isoladas e pontuais, mas, sim, contar com o reforço de valores para a alteração de práticas.
Citação ABNT:
COSTA, F. M. S.; GUIMARÃES, M. R.; RIBEIRO, T. B. S.; SAUERBRONN, F. F. Desinstitucionalização de práticas no carnaval do Rio de Janeiro: uma análise para além da literatura de marketing social. Gestão e Sociedade, v. 7, n. 16, p. 26-50, 2013.
Citação APA:
Costa, F. M. S., Guimarães, M. R., Ribeiro, T. B. S., & Sauerbronn, F. F. (2013). Desinstitucionalização de práticas no carnaval do Rio de Janeiro: uma análise para além da literatura de marketing social. Gestão e Sociedade, 7(16), 26-50.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10548/desinstitucionalizacao-de-praticas-no-carnaval-do-rio-de-janeiro--uma-analise-para-alem-da-literatura-de-marketing-social/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALCADIPANI, R.; BERTERO, C. O. Guerra fria e ensino do management no Brasil: o caso dafgveaesp. Revista de Administração de Empresas, v. 52, n. 3, p. 284-99, 2012.

ALCADIPANI, R.; CALDAS, M. P. Americanizing Brazilian Management. Critical Perspectives on International Business, v. 8, n. 1, pp. 37 – 55, 2012.

ARMÊNIO NETO, J., MACHADO-DA-SILVA, C.. Institucionalização e desinstitucionalização de práticas sociais: o caso das tecnologias voip e circuit switched. Revista Eletrônica de Sistemas de Informação, 8, 2010.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1977.

BARROS, Manoel de. O fazedor de amanhecer. Rio de Janeiro: Salamandra, 2001.

BAUER, M. W.; GASKEL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2000.

BRENKERT, George. Ethical challenges of social marketing. Journal of Public Policy & Marketing, v. 21, n. 1, p. 14-25, Spring 2002.

CALDAS, M.; WOOD, T. Jr. ´For the English to see: the importation of managerial technology in late 20th-century Brazil. Organization. v. 4, n.. 4, p. 517-34, 1997.

CARLOS, H. Curiosidades Cariocas: Manequinho. Disponível em: . Acesso em: 19 abril 2011.

CARVALHO, C. A.; VIEIRA, M. M. F. Contribuições da perspectiva institucional para a análise organizacional: possibilidades teóricas, empíricas e de aplicação. IN: CARVALHO, C. A.; VIEIRA, M. M. F. Organizações cultura e desenvolvimento local. Recife: Edufepe, 2003, p 23-40.

CUNHA, ANNA BEATRIZ Prefeitura do Rio apresenta balanço do Carnaval 2011: Cidade superou as expectativas e registrou número recorde de foliões e turistas. Disponível em: . Acesso em: 13 de maio 2011.

DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR, Redação do et al. Fazer xixi na rua é crime? Entenda a polêmica e conheça alternativas. Disponível em: . Acesso em: 12 de abril.2011.

EDMUNDO, Luís O Rio de Janeiro no tempo dos vice-reis 1763-1808. Brasília: Senado Federal, 2000.

FARIA, A.; SAUERBRONN, F. F. A responsabilidade social é uma questão de estratégia? Uma abordagem crítica. RAP. Revista Brasileira de Administração Pública, v. 42, p.1 27, 2008.

FARIA, A.; SAUERBRONN, F. F.; HEMAIS, M. Repensando a orientação do mercado da responsabilidade social corporativa. Gestão.Org. , v.5, p.01 21, 2007.

FREITAS, C. A. S. Aprendizagem, Isomorfismo e Institucionalização: O caso da atividade de auditoria operacional no Tribunal de Contas da União. São Paulo: Universidade de BrasíliaUNB, 2005.

FURTADO, R. A. A. Utilização de um conto de Machado de Assis no ensino de teoria organizacional: o fim da escravidão como um exemplo de mudança institucional. In: ? ENCONTRO NACIONAL do ENEPQ........2000, Recife. Anais do... Recife: ENEPQ, 2009.

GIDDENS, A. A constituição da sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

GONÇALVES, S. A. Mudança estratégica, esquemas interpretativos e contexto institucional: um estudo de caso longitudinal. RECADM, v. 6, n. 2, 2007.

HIGUCHI, Agnaldo Keiti ; VIEIRA, F. G. D. . Marketing social corporativo como estratégia para a valorização de marcas: um estudo da perspectiva do consumidor de alimentos do Paraná. Alcance (UNIVALI), v. 15, n2, p. 243-261, 2008.

HIGUCHI, Agnaldo Keiti ; VIEIRA, F. G. D. . Responsabilidade social corporativa e marketing social corporativo: uma proposta de fronteira entre estes dois conceitos. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, v. 34, n1, p. 31-40, 2012.

KOTLER, P.; LEE, N. Marketing no setor público: Porto Alegre: Bookman, 2000.

LEITE, R. Afroreggae lança o primeiro trio elétrico movido a xixi. Disponível em: http://oglobo.globo.com/blocos-de-carnaval/afroreggae-lanca-primeiro-trio-eletrico-movidoxixi-7523741. Acesso em: 15/02/2013

LEVEK, A. R.; H. CUNHA e et. al., A responsabilidade social e sua interface com o marketing social. Revista da Fae, Curitiba, v. 5, n. 2, p.15-25, Maio/ago 2002.Disponível em: Acesso em: 28 de junho 2011.

MEIRA, P. R. dos S.; dos SANTOS, C. P. Programas de marketing social: proposição e exame de uma estrutura conceitual de avaliação de resultados. RAP Revista de Administração Pública, v.46, n. 2, p. 493-522, 2012.

PREFEITURA DO RIO. Operação da Seop contra a desordem leva para a delegacia 671 mijões durante o Carnaval 2013. Disponível em: Acesso em: 15 fev 2013

SAUERBRONN, F. F.; FARIA, A. A Utilização do método histórico em pesquisa acadêmica em marketing. Revista de Negócios da Unisul, v. 2, p.1 27, 2009.

SCOTT, W. R. Institutions and organizations. Thousand Oaks: Sage, 1995.

SELZNICK, P. Institutionalism “old” and “new”. Administrative Science Quarterly, v. 41, p. 2707, 1996.

STEIL, A. V. Um modelo de aprendizagem organizacional baseado na ampliação de competências desenvolvidas em programas de capacitação. 2002. 218 p. Tese (Doutorado em Engenharia) – Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

TEIXEIRA, Milton Fazendo xixi na rua. Disponível em: . Acesso em: 24 maio 2011.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2005.

VERGARA, S. C.; VIEIRA, M. M. F. Sobre a dimensão tempo-espaço na análise organizacional. Revista de Administração Contemporânea, v. 9, n .2, p. 103-19, 2005.

VIEIRA, M. M. F.; ZOUAIN, D. M. Pesquisa qualitativa em Administração – Volume 1. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

WERNECK, ANTÔNIO.Xixi nas ruas do Rio já provocava polêmica entre cariocas em 1776. Disponível em: . Acesso em:14 jun. 2011.

ZUCKER, L. The role of institutionalization in cultural persistence. American Sociological Review, v. 42, p. 726-43, 1977.

ZUCKER, L. The role of institutionalization in cultural persistence. In: DIMAGGIO, P.; POWELL, W. (Eds). The new institutionalism in organizational analysis. Chicago: The University of Chicago Press, 1991, p. 83-107.