Governamentabilidade empresarial e saberes ADM Outros Idiomas

ID:
10579
Resumo:
Interessa discutir o modo pelos quais somos governados na atualidade. Um modo que parece operar por meio de determinado tipo de mentalidade que a cada dia ajuda a produzir e difundir modos de conduta. Os saberes ADM, aqueles que circulam no campo da administração, extrapolando-o, participam da produção e disseminação de uma mentalidade empresarial que, por sua vez, está na base da governamentalidade atual. O artigo abordará a noção de governo, noção que não se refere somente às estruturas políticas e à gestão do Estado, mas também aos modos de ação sobre as possibilidades de ação de outros. Em seguida, abordará a noção de governamentalidade em diferentes épocas, enfocando na governamentalidade de empresa ou empresarial uma espécie de mentalidade que governa a todos. A partir daí é possível pensar o governo que os saberes do campo da administração exercem na atualidade.
Citação ABNT:
SOUZA, S. P.Governamentabilidade empresarial e saberes ADM. Revista de Administração de Empresas, v. 53, n. 4, p. 400-407, 2013.
Citação APA:
Souza, S. P.(2013). Governamentabilidade empresarial e saberes ADM. Revista de Administração de Empresas, 53(4), 400-407.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10579/governamentabilidade-empresarial-e-saberes-adm/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALCADIPANI, R. Michel Foucault: poder e análise das organizações. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

AMBRÓZIO, A. Empresariamento da vida: discurso gerencialista e processos de subjetivação. 2011. Tese de Doutorado em Psicologia Clínica da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2011.

CHANDLER, A. D. Os primórdios da “grande empresa” na indústria norte-americana. In: MCCRAW, T. K. (Org.) Alfred Chandler: ensaios para uma teoria histórica da grande empresa. Rio de Janeiro: FGV, 1998, p. 35-66.

CHIAPPINI, P. Cartografias da empresa: práticas empresariais e produção de subjetividade. 2008. Dissertação de Mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

DALGLIESH, B. Foucault and creative resistance in organizations. Society and Business Review. v. 4, n. 1, p. 45-57, 2009.

De GRAZIA, A. The science and values of administration – I. Administrative Science Quarterly. v. 5, n. 3, p. 362-397, 1960.

EHRENBERG, A. O culto da performance: da aventura empreendedora à depressão nervosa. Aparecida, São Paulo: Ideias & Letras, 2010.

FONSECA, M. A. Michel Foucault e a constituição do sujeito. São Paulo:EDUC, 2007.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. 4. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

FOUCAULT, M. O governo de si e dos outros. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2010b.

FOUCAULT, M. O nascimento da Biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H.; RABINOW, P. Michel Foucault: uma trajetória filosófica: para além do estruturalismo e da hermenêutica. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010a.

FOUCAULT, M. Prisões e revoltas nas prisões. In: MOTTA, M. B. da. Ditos & Escritos IV. Estratégia, poder-saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003.

FOUCAULT, M. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, M. Subjetividade e Verdade. In: Resumo dos cursos do Collège de France (1970 – 1982). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

LEMKE, T. Foucault, governamentality and critique. Paper presented at the Rethinkhing Marxism Conference, University of Amherst MA, 21-24 September 2000. Disponível em: http://www.thomaslemkeweb.de/ publikationen. Acesso em: 24.09.2011.

LÓPEZ-RUIZ, O. J. Os executivos das transnacionais e o espírito do capitalismo: capital humano e empreendedorismo como valores sociais. Rio de Janeiro: Azougue, 2007.

LOURAU, R. Implication et surimplicacion. Revue du MAUSS – Mouvement Anti-Utilitariste dans les Sciences Sociales, n. 10, 1990.

MOTTA, F. C. P; ALCADIPANI, R. O pensamento de Michel Foucault na teoria das organizações. Rausp Revista de Administração, São Paulo, v. 39, n. 2, p.117-128, 2004.

MOTTA, F. C. P. O que é burocracia. São Paulo: Brasiliense, 1994.

ROSE, N.; MILLER, P. Political Power beyond the State: Problematics of Government, British Journal of Sociology, v. 43, n. 2, p. 173-205, 1992.

SÉRIE Profissões. São Paulo: Publifolha, 2006.

TRAGTENBERG, M. Burocracia e ideologia. 2. ed. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

VEIGA-NETO, A. Coisas do governo... In: RAGO, M.; ORLANDI, L. B. L.; VEIGA-NETO, A. (Orgs.). Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzchianas. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

WHITE Jr., W. H. El hombre organización. México: Fondo de Cultura Econômica, 1961.

XENOFONTE. Econômico. São Paulo: Martins Fontes, 1999.