Vivências de prazer-sofrimento no trabalho do professor universitário: estudo de caso em uma instituição pública Outros Idiomas

ID:
10623
Resumo:
Este artigo analisa as percepções dos professores do curso de pedagogia de uma instituição de ensino superior pública em relação ao prazer-sofrimento no trabalho docente, amparado na teoria da Psicodinâmica do Trabalho. A pesquisa foi realizada na Faculdade de Educação de uma Universidade Pública de Belo Horizonte. Trata-se de um estudo conduzido por meio de técnicas de coleta e análise de dados de natureza quantitativa e qualitativa, utilizando a Escala de Indicadores de Prazer-sofrimento no trabalho (EIPST), aplicada a 52 professores, e a entrevista semiestruturada, realizada com 9 professores. Os dados quantitativos foram tratados pelo sistema SPSS (Statistical Package for Social Science) e as entrevistas foram submetidas à análise de conteúdo. Os resultados indicaram que as vivências de prazer são predominantes e estão relacionadas ao orgulho e à identificação com o trabalho. As vivências de sofrimento ocorrem de forma moderada e estão relacionadas ao esgotamento, à sobrecarga de trabalho e ao estresse, além de sentimentos de indignação e desvalorização. Como forma compensatória do sofrimento, as vivências de prazer são maximizadas e têm origem na prática docente, no contato com os colegas de trabalho e os alunos, na produção de conhecimento e no reconhecimento advindo dos pares e da comunidade.
Citação ABNT:
VILELA, E. F.; GARCIA, F. C.; VIEIRA, A. Vivências de prazer-sofrimento no trabalho do professor universitário: estudo de caso em uma instituição pública. REAd. Revista Eletrônica de Administração, v. 19, n. 2, p. 517-540, 2013.
Citação APA:
Vilela, E. F., Garcia, F. C., & Vieira, A. (2013). Vivências de prazer-sofrimento no trabalho do professor universitário: estudo de caso em uma instituição pública. REAd. Revista Eletrônica de Administração, 19(2), 517-540.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10623/vivencias-de-prazer-sofrimento-no-trabalho-do-professor-universitario--estudo-de-caso-em-uma-instituicao-publica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AQUINO, J. G. A violência escolar e a crise da autoridade docente. Cadernos Cedes, Campinas/São Paulo, ano XIX, n. 47, p. 7-19, 1998.

ARAUJO, T. M; SENA, I. P; VIANA, M. A; ARAUJO, E. M. Mal-estar docente: avaliação de condições de trabalho e saúde em uma instituição de ensino superior. Revista Bahiana de Saúde Pública, Salvador, v.29, n.1, p.6-21, 2005.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Liboa: Edições 70, 1977.

BIZARRO, R.; BRAGA, F. Ser professor em época de mal-estar docente. Revista da Faculdade de Letras, II série, vol. XXII, Porto, p. 17-27, 2005.

BÖHLE, F.; MILKAU, B. De la manivelle à l’ecran. L’evolution de l’experience sensible des ouvries lors des changements techonoloques. Paris: Éditions Eyrolles, 1998.

BRASIL. Lei Complementar 100/2007, de 05/11/07. Disponível em: . Acesso em 16 nov. 2010.

CHAUÍ, M. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 24, p. 5-15, 2003.

COLE, M.; WALKER. S. (ed.). Teaching and stress. Milton Keynes: Open University Press, 1989.

CZEKSTER, M. D. Sofrimento e prazer no trabalho docente em Escola Pública. 2007. 152 f. Dissertação (Mestrado em Administração) Programa de Pós-graduação em Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2007.

DAVEZIES, P. Éléments pour une clarification des fondements épistemologique d’une science du travail. Communication au Colloque National de la Société Française de Psychologie, Clermont-Ferrand, p. 6-12, 1991.

DE BRANDT, J.; DEJOURS, C.; DUBAR, C. La France malade du travail. Paris: Bayard, 1995.

DEJOURS, C. ; MOLINIER, P. De la peine au travail. Autrement. Série Mutations, 142, p. 138-151, 1989.

DEJOURS, C. A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. 5. ed. São Paulo: Cortez-Aboré, 1992.

DEJOURS, C. Addendum da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. In: LANCMAN, S; SZNELWAR, L. I. (Orgs.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro: Fiocruz, Brasília: Paralelo 15, 1993/2008.

DEJOURS, C. Aspects psychopathologiques du travail. In: LÉVY-LEBOYER, C.; SPÉRANDIO, J.-C. Traité de psychologie du travail. Paris: PUF, 1987. p. 729-748.

DEJOURS, C. Entre sofrimento e reapropriação: o sentido do trabalho. In: LANCMAN, S; SZNELWAR, L. I. (Orgs.). Christophe Dejours: da psicopatologia à psicodinâmica do trabalho. Rio de Janeiro, Fiocruz; Brasília. Paralelo 15. 1994/2008.

DEJOURS, C. Prefacio. In: Mendes, A. M (Org.). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do psicólogo, 2007.

DEJOURS, C. Subjetividade, trabalho e ação. Revista Produção Online, Florianópolis, v. 14, n. 3, p. 27 – 34, 2004.

ESTEVE, J. M. El malestar docente. Barcelona: Laia, 1987.

FIDALGO, F.; OLIVEIRA, M. A. M.; FIDALGO, N. L. R (Orgs.). A intensificação do trabalho docente: tecnologias e produtividade. Campinas: Papirus, 2009.

FIDALGO, F.; OLIVEIRA, M. A. M.; FIDALGO, N. L. R. Apresentação. In: FIDALGO, F.; OLIVEIRA, M. A. M.; FIDALGO, N. L. R (Orgs.). A intensificação do trabalho docente: tecnologias e produtividade. Campinas: Papirus, 2009.

FREITAS, M. E. A carne e os ossos do ofício acadêmico. Revista Organização & Sociedade, Salvador, v. 14, n. 42, p. 187-191, 2007.

GERNET, I.; DEJOURS, C. Évaluation du travail et reconnaissance. Nouvelle Revue de Psychosociologie, Paris, v. 8, n. 2, p. 27-36, 2009.

GOMES, C. A.; PEREIRA, M. M. A formação do professor em face da violência das/nas escolas. Cadernos de Pesquisa, Belo Horizonte, v. 39, n. 136, p. 201-224, 2009.

GOMES, R. Culturas de escola e identidades dos professores. Lisboa: Educa, 1993.

GUIMARÃES, F. A. L. Realização profissional, prazer e sofrimento no trabalho e valores: um estudo com professores de nível superior. 2005. 147f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade Federal de Uberlândia, 2005.

HALL, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 8. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

HOYLE, E. Teachers’ social backgrounds. In: The international encyclopedia of teaching and teacher education, 1987, pp. 593-610.

KUENZER, A. Z; CALDAS, A. Trabalho docente: comprometimento e desistência. In: FIIDALGO, F.; OLIVEIRA, M. A. M.; FIDALGO, N. L. R. (Orgs.). A intensificação do trabalho docente: tecnologias e produtividade. Campinas: Papirus, 2009.

LHUILIER, D. Filiations théoriques. In: LHUILIER, D. Cliniques du travail. Toulouse: Ères, 2007, p. 21-57.

MANCEBO, D. Trabalho docente: subjetividade, sobreimplicação e prazer. Psicologia: Reflexão & Crítica, Porto Alegre, v. 20, n. 1, p. 77-83, 2007.

MARRACH, S. A. Neoliberalismo e educação. In: SILVA JUNIOR, C. A. da et al. Infância, educação e neoliberalismo. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

MARTÍNEZ, D. I. V.; KOHEN J. Salud y trabajo docente: tramas do malestar en la escuela, Buenos Aires: Kapelusz, 1997.

MENDES, A. M; FERREIRA, M. C. Inventário sobre trabalho e riscos de adoecimento – ITRA: instrumento auxiliar de diagnóstico de indicadores críticos no trabalho. In: MENDES, A. M. (Org). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

MENDES, L. et al. A dialética prazer/desprazer no trabalho: vivências de significado e sofrimento no trabalho de professor universitário. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 30., 2006, Salvador, Anais... Salvador: Anpad, 2006.

MOLINIER, P.; DEJOURS, C. Le travail comme enigma. Sociologie du Travail, Paris, v. 36, p. 35-44, 1994.

MONTEIRO, H. R. Construindo saúde: a dimensão coletiva do trabalho docente. Salto para o Futuro. Saúde do professor em questão. Edição Especial, ano XVIII, Boletim 19, outubro de 2008, p. 3-10. Disponível em: . Acesso em: 25 jan. 2010.

NORONHA, M. M. B.; ASSUNÇÃO, A. A.; OLIVEIRA, D. A. O sofrimento no trabalho docente: o caso dos professores da rede pública de Montes Claros, Minas Gerais. Trabalho, Educação, Saúde, v. 6, n. 1, p. 65-85, 2008.

OLIVEIRA, E. S. G. O. Mal-estar docente como fenômeno da modernidade: os professores no país das maravilhas. Revista Ciências & Cognição, Rio de Janeiro, v. 7, p. 27-41, 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2009.

OLIVEIRA, M. A. M.; FREITAS, M. V. T. Políticas contemporâneas para o ensino superior: precarização do trabalho docente? Revista Extra-Classe, Belo Horizonte, n.1, v. 2, ago. 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2009.

RENAULT, E. Souffrances socials. Philosophie, psychologie et politique. Paris: La Découverte, 2008.

STOBAUS, C. D; MOSQUERA, J. J; SANTOS, B. S. Grupo de pesquisa mal-estar e bemestar na docência. Revista Educação – PUCRS,Porto Alegre, v. 30, p. 259-272, out. 2007. Edição especial.

TIGER, L. A busca do prazer. Rio de Janeiro: Objetiva, 1993.

VOSWINKEL, S. L’admiration sans apréciation. Les paradoxes de la double reconnaissance du trabail subjectivisé, Travailler, Paris, n. 18, p. 59-87, 2007.

WERLE, F. O. C. Práticas de gestão e feminização do magistério. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, p. 609-634, 2005.