Impactos do consumo colaborativo de veículos elétricos na cidade de São Paulo Outros Idiomas

ID:
10661
Autores:
Resumo:
O crescimento das cidades e das populações tem promovido o aumento de renda e, consequentemente, do consumo. Alguns interpretam o crescimento do consumo como sinal de desenvolvimento de uma sociedade. Porém, ao se analisarem os resultados decorrentes do aumento desse consumo, percebe-se que eles tanto podem ser bons, como maus e, particularmente, irreversíveis. Esse consumo tem se caracterizado por ser descontrolado e insustentável, acarretando malefícios, especialmente ao planeta. Um exemplo é a frota de veículos, que traz junto com ela o aumento do congestionamento, gerando a emissão de gases poluentes. Em vista desse cenário, o consumo colaborativo, que antigamente era percebido apenas como forma usual de compartilhamento (escambo, empréstimo, troca e aluguel entre pessoas), está sendo estabelecido e disseminado pelas redes sociais, dispositivos móveis e geolocalização, tecnologias que permitem a qualquer pessoa encontrar locais, produtos e serviços disponíveis e compartilháveis ao redor do mundo. Esse movimento, que está ganhando caráter e força, juntamente com a tecnologia para veículos elétricos, tem capacidade de transformar os negócios e o modo de uma sociedade consumir e viver, enfatizando a filosofia da redução de gastos e o incentivo a que consumidores passivos passem a ser colaboradores ativos de uma tecnologia sustentável. O objetivo deste estudo é compreender o funcionamento do consumo colaborativo e o impacto de aderência a esse novo movimento em veículos elétricos.
Citação ABNT:
ORNELLAS, R.Impactos do consumo colaborativo de veículos elétricos na cidade de São Paulo. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 5, n. 1, p. 33-62, 2013.
Citação APA:
Ornellas, R.(2013). Impactos do consumo colaborativo de veículos elétricos na cidade de São Paulo. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 5(1), 33-62.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10661/impactos-do-consumo-colaborativo-de-veiculos-eletricos-na-cidade-de-sao-paulo/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Babin, B. J., Darden, W. R. & Griffin, M. (1994). Work and/or fun: measuring hedonic and utilitarian shopping value. The Journal of Consumer Research, v. 20, n. 4, 644-656.

BOOTSMAN, Rachel.; ROGERS, Roo. (2010). What’s mine is yours. New York: HarperCollins Publishers

BORBA, B. S. M. C. (2008) Metodologia de Regionalização do Mercado de Combustíveis Automotivos do Brasil, Dissertação de Mestrado submetida ao Programa de Pós-graduação de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ, Rio de Janeiro.

Branco, Samuel Murgel. (1997). O meio ambiente em debate . Coleção Polêmica. 26a. ed. São Paulo: Moderna.

Giacomini Filho, Gino. (2003). Consumerismo. Revista Imes, São Paulo, p. 61-62.

Gomes, Daniela Vasconcellos. (2006). Educação para o consumo ético e sustentável. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Porto Alegre, v. 16, p. 18-31.

Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial e Instituto de Defesa do Consumidor - Idec. (2002). Direitos do Consumidor/Ética no Consumo (Coleção Educação para o Consumo Sustentável). Brasília: Inmetro/Idec.

Porter, A. et al. (1991). Forecasting and management of technology. New York: John Wiley & Sons.

Porter, A. L.; Cunninghan, S. W.; Banks, J.; Roper, A. T.; Mason, T. W. & Rossini, F. A. (2011). Forecasting and management of technology. New York: John Wiley & Sons.

Porter, M. E. (1986). Estratégia competitiva. Rio de Janeiro: Campus.

Veja. (2011). Investimento no Brasil é o terceiro menor entre 20 países emergentes. Disponível em.

Williamson, O. E. (1979). Transaction-cost economics: the governance of contractual relations. Journal of Law and Economics, 22(2), 223-261.

Wright, J. T. C. & Spers, R. G. (2006). O país no futuro: aspectos metodológicos e cenários. Revista Estudos Avançados, São Paulo, 20(56), 13-28.

Wright, J. T. C. (1991). Contribuição à técnica de análise e estruturação de modelos (ISM) para o planejamento em grupo: uma abordagem de inferência lógica. 1991. 204 f. Tese (Doutorado em Administração de Empresas). Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, USP, São Paulo.