A destinação final dos resíduos sólidos urbanos: alternativas para a cidade de São Paulo através de casos de sucesso Outros Idiomas

ID:
10663
Resumo:
O artigo estuda o serviço de limpeza pública dos resíduos sólidos domiciliares do município de São Paulo, Brasil, tendo como base o ano de 2010. Destaca problemas associados ao atual modelo de gestão dos resíduos paulistanos e propõe soluções para as questões mais críticas, tendo como referencial o tratamento adequado dado por outras cidades globalizadas. A revisão bibliográfica procura elucidar os conceitos mais relevantes ao estudo deste tema. São levantadas informações a respeito da gestão dos resíduos sólidos domiciliares e das iniciativas de logística reversa pelo setor privado, listando os entraves observados nesse município. Casos nacionais e internacionais de sucesso no que tange à destinação dos resíduos foram estudados, objetivando encontrar fontes de potenciais melhorias. Conclui-se que a destinação adequada dos resíduos, através da reciclagem, compostagem ou geração de energia, necessita de engajamento da população com hábitos de separação e disposição de resíduos, de envolvimento da administração municipal, provendo recursos necessários para a evolução destas alternativas e, por último, não pode prescindir de ações da logística reversa pelas empresas produtoras, respeitando a legislação federal. Ao procurar ampliar a discussão sobre os resíduos sólidos, o artigo busca inserir essa questão, de forma mais significativa, nas decisões de estratégia e investimento do poder público e privado.
Citação ABNT:
GONÇALVES, M. A.; TANAKA, A. K.; AMEDOMAR, A. A. A destinação final dos resíduos sólidos urbanos: alternativas para a cidade de São Paulo através de casos de sucesso. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 5, n. 1, p. 96-129, 2013.
Citação APA:
Gonçalves, M. A., Tanaka, A. K., & Amedomar, A. A. (2013). A destinação final dos resíduos sólidos urbanos: alternativas para a cidade de São Paulo através de casos de sucesso. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 5(1), 96-129.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10663/a-destinacao-final-dos-residuos-solidos-urbanos--alternativas-para-a-cidade-de-sao-paulo-atraves-de-casos-de-sucesso/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abrelpe. (2009). Panorama dos resíduos sólidos no Brasil. São Paulo: Associação Brasileira de Empresas Públicas e Resíduos Especiais.

Agência de Notícias da Prefeitura de Curitiba. (2010). Coleta do lixo que não é lixo aumenta 192% em 5 anos. Curitiba. Recuperado em 21 de novembro, 2010, de http://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/coleta-do-lixoque-nao-e-lixo-aumenta-192-em-5-anos/21104.

Amaecing, M. A. P.& Ferreira, O. M. (2008). Serviços de coleta de lixo urbano na região central de Goiânia: estudo de caso. Goiânia: Universidade Católica de Goiás – Departamento de Engenharia. Página 7.

Banco Nacional do Desenvolvimento. (2010). Meio Ambiente. Recuperado em 15 de novembro, 2010, de http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/bndes/bndes_pt/Areas_de_Atuacao/Meio_Ambiente/.

Bizzotto, A. & Manso, B. P. (2010). Lixo reciclável vai para aterro comum: cooperativas de catadores cadastradas pela Prefeitura estão saturadas e já não conseguem receber o material separado pela população. O Estado de S.Paulo, Caderno Metrópole, p. C1.

Bonfiglioli, G. Em Barcelona, lixo corre no subsolo. (2010). O Estado de S.Paulo. Recuperado em 21 de novembro, 2010, de http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20101124/not_imp644440,0.php.

Calderoni, S. (2003). Os bilhões perdidos no lixo (4a ed.). São Paulo: Humanitas/ FFLCH/USP.

Cempre – Compromisso Empresarial para a Reciclagem. (2009). Pesquisa Ciclosoft. Recuperado em 16 de outubro, 2010, de http://www.cempre.org.br/ciclosoft_2008.php.

Coca Cola do Brasil. (2010). Diretrizes e Plant Bottle ®. Recuperado em 14 de novembro, 2010, de http://www.cocacolabrasil.com.br/plantbottle/plantbottle.asp.

CONSONI, A. J.; SILVA, I. C.; GIMENEZ FILHO, A. Disposição final do lixo. In: D’ALMEIDA, M. L. O.; VILHENA, A. (Coord.). Lixo municipal: manual de gerenciamento integrado. 2. ed. São Paulo: Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT/ Compromisso Empresarial para Reciclagem –CEMPRE, 2000. cap. 5, p. 251-291.

Corsalette, C. (2008). Candidatos "esquecem" polêmica e apóiam contrato do lixo por 20 anos. Folha de S.Paulo. Recuperado em 02 de outubro, 2010, de http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u449090.shtml.

Cunha, V. & Filho, J. V. C. (2002). Gerenciamento da coleta de resíduos sólidos urbanos: estruturação e aplicação de modelo não-linear de programação por metas. Gestão e produção, 9(2), 143-161.

D’Almeida, M. L. O. & Vilhena, A. (Coord.). (2000). Lixo municipal: manual de gerenciamento integrado. 2a ed. São Paulo: IPT/Cempre.

Decreto 49.532, de 28 de maio de 2008 (2008). Regulamenta a obrigatoriedade, para empresas produtoras de bebidas, óleos combustíveis, lubrificantes, cosméticos e produtos de higiene e limpeza, de reciclagem/reutilização das embalagens plásticas de seus produtos. São Paulo, SP.

Ecourbis. (2010). Quem somos. Recuperado em 23 de outubro, 2010, de http://www.ecourbis.com.br/.

Folha de S. Paulo. (2009). Material reciclado aumenta dez vezes em cinco anos em SP. Seção Cotidiano. Recuperado em 14 de novembro, 2010, de http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u626551.shtml.

Gil, A. C. (1988). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas.

Gonçalves, M. A. (1990). Contribuição ao estudo dos processos de interdependência organizacional e tecnológica. Tese de Doutorado, Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Granjeia, J. (2010). Justiça exige que Prefeitura de SP amplie coleta seletiva. Folha de S. Paulo. Caderno Cotidiano. Recuperado em 02 de novembro, 2010, de http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u724988.shtml.

Grimberg, E. (2004). A política nacional de resíduos sólidos: a responsabilidade das empresas e a inclusão social. Instituto Pólis. Recuperado em 20 de junho, 2010, de http://www.polis.org.br/artigo_interno.asp?codigo=35.

Grimberg, E.; Tuszel, L.; Goldfarb, Y. (2005). Gestão sustentável de resíduos sólidos e inclusão social: estudo de caso sobre as cooperativas das centrais de triagem do Programa Coleta Seletiva Solidária da cidade de São Paulo. Recuperado em 07 de novembro, 2010, de http//www.institutopolis.org.br/download/80.pdf.

Grupo Pão de Açúcar. Iniciativas de responsabilidade ambiental. Recuperado em 10 de novembro, 2010, de http://www.grupopaodeacucar.com.br/responsabilidadesocioambiental/ambiental/subhome.htm.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2002). Pesquisa nacional de saneamento básico. Rio de Janeiro: IBGE.

Jacobi, P. (2006). Gestão compartilhada dos resíduos sólidos no Brasil: inovação com inclusão social. São Paulo: Annablume.

Klabin. Responsabilidade ambiental. Recuperado em 14 de novembro, 2010, de http://www.klabin.com.br/pt-br/responsabilidadeAmbiental/default.aspx.

Lacerda, L. (2002). Logística reversa: uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais. Rio de Janeiro: Centro de Estudos em Logística - Copead - UFRJ.

Lei n. 12.528, de 2 de janeiro de 2007 (2007). Dispõe sobre a obrigatoriedade da coleta seletiva nos shoppings centers, empresas de grande porte, condomínios industriais e residenciais, repartições públicas. São Paulo, SP.

Lei n. 13.478, de 30 de dezembro de 2002 (2002). Dispõe sobre a autorização para os serviços serem executados por meio de concessões. São Paulo, SP.

Lei n. 13.576, de 6 de julho 2009 (2009). Dispõe sobre a obrigatoriedade, para os fabricantes de produtos eletrônicos, de reciclagem/reutilização parcial ou total do lixo eletrônico descartado. São Paulo, SP.

Lei n. 15.092, de 4 de janeiro de 2010 (2010). Dispõe sobre a instituição da Taxa de Resíduos Sólidos Domiciliares (TRSD). São Paulo, SP.

Leite, P. R. (2003). Logística reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Limpurb – Departamento de Limpeza Urbana. (2003). Caracterização gravimétrica e físico-química dos resíduos sólidos domiciliares do município de São Paulo. São Paulo: Limpurb.

Limpurb – Departamento de Limpeza Urbana. (2010). Coleta de lixo e coleta Seletiva. Recuperado em 20 de outubro, 2010, de http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/servicos/limpurb/.

LOGA. Logística Ambiental de São Paulo S.A. Recuperado em 30 de outubro, 2010, de http://www.loga.com.br/.

MNCR – Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis. (s.d.). Recuperado em 20 de outubro, 2010, de http://www.mncr.org.br/.

Monteiro, J. H. P. et al. (2001). Manual de gerenciamento integrado de resíduos sólidos. Rio de Janeiro: Ibam.

Nossa Caixa Desenvolvimento – Agência de Fomento do Estado de São Paulo. Linhas de financiamento. Recuperado em 15 de novembro, 2010, de http://www.nossacaixadesenvolvimen to.com.br/portal.php/linhasfinanciamento.

O Estado de S. Paulo. (2010). Aterro sanitário ameaça área ambiental em São Paulo. Recuperado em 13 de novembro, 2010, de http://estadao.com/noticias/geral,aterro-sanitario-ameaca-area-ambientalem-sao-paulo,564988,0.htm.

O Estado de S. Paulo. (2010). O centro esquecido. Recuperado em 13 de novembro, 2010, de http://www.estadao.com.br/estadaodehoje/20100913/not_imp608964,0.php.

Oliveira, N. A. da S. (2007). A produção e gerenciamento dos resíduos sólidos em Curitiba (PR) e as alternativas de contribuição com o meio ambiente. Revista Eletrônica Geografar, Curitiba, 2(2), 124-138.

Pepsico Brasil. Sustentabilidade ambiental. Recuperado em 10 de novembro, 2010, de http://www.pepsico.com.br/purpose/environmentalsustainability.html.

Philips do Brasil. Responsabilidade ambiental. Recuperado em 14 de novembro, 2010, de http://www.sustentabilidade.philips.com.br/responsabilidadeambiental/programa-philips-ciclo-sustentavel.htm.

Quartim, E. (2011). Aterro sanitário Sítio São João. Recuperado em 22 de outubro, 2012, de http://embalagemsustentavel.com.br/2011/12/02/aterrosanitario-sitio-sao-joao/.

Rodrigues, A. M.; Rodrigues, I. C. & Rebelato, M. G. (2005). Gestão ambiental e responsabilidade social: uma discussão sobre os novos papéis da gestão empresarial. Anais do Simpósio de Administração da Produção, Logística e Operações Internacionais (Simpoi), 8. São Paulo.

Rogers, D. S. & Tibben-Lembke, R. S. (1999). Going backwards: reverse logistics trends and practices. Pittsburgh: RLEC Press.

Secretaria Municipal de serviços. Recuperado em 20 de junho, 2010, de http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/servicos/.

Secretaria Municipal do Planejamento, Orçamento e Gestão. Orçamento. Recuperado em 15 de novembro, 2010, de http://sempla.prefeitura.sp.gov.br/orc_homenew.php.

Simonetto, E. O. & Borenstein, D. (2006). Gestão operacional da coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos – abordagem utilizando um sistema de apoio à decisão. Gestão e produção, 13(3), 449-461.

Terracycle. Supere o desperdício! Recuperado em 14 de novembro, 2010, de http://www.terracycle.com.br/.

UOL Notícias. (2012). Caixa de coleta seletiva de SP atrai mais curiosos que lixo. Recuperado em 22 de outubro, 2012, de http://tvuol.uol.com.br/assistir.htm?video=caixa-de-coleta-seletiva-de-spatrai-mais-curiosos-que-lixo-04024D993460E0C12326.