Nível de evidenciação ambiental e desempenho econômico de empresas: aplicando a análise envoltória de dados Outros Idiomas

ID:
10666
Resumo:
Neste estudo, objetiva-se verificar a relação entre o nível de evidenciação ambiental e o desempenho econômico de empresas de capital aberto classificadas no Guia Você S/A – As Melhores Empresas para Você Trabalhar. Foi realizada pesquisa descritiva com abordagem quantitativa, por meio de análise documental nas demonstrações financeiras das 21 empresas de capital aberto. Os resultados da pesquisa mostram que: a) na categorização da evidenciação ambiental, 680 informações foram evidenciadas, distribuídas em 99 informações completas, 126 informações incompletas e 455 informações ausentes; b) no nível de pontuação da evidenciação ambiental, 55% das empresas receberam conceito insuficiente, 35% regular e 9% bom; e c) a relação entre o nível de evidenciação ambiental e o desempenho econômico das empresas apresentou correlação fraca. Conclui-se, utilizando-se a metodologia Análise Envoltória de Dados (DEA), que nem todas as empresas que apresentaram maior nível de evidenciação das informações ambientais obtiveram desempenho econômico eficiente.
Citação ABNT:
BEUREN, I. M.; NASCIMENTO, S.; ROCHA, I. Nível de evidenciação ambiental e desempenho econômico de empresas: aplicando a análise envoltória de dados. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 5, n. 1, p. 198-226, 2013.
Citação APA:
Beuren, I. M., Nascimento, S., & Rocha, I. (2013). Nível de evidenciação ambiental e desempenho econômico de empresas: aplicando a análise envoltória de dados. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 5(1), 198-226.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10666/nivel-de-evidenciacao-ambiental-e-desempenho-economico-de-empresas--aplicando-a-analise-envoltoria-de-dados/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Al-Tuwaijri, S. A.; Christensen, T. E.; & Hughes II, K. E. (2004). The relations among environmental disclosure, environmental performance, and economic performance: a simultaneous equations approach. Accounting, Organization and Society, 29(5-6), 447-471.

Albuquerque, L. S.; & Cavalcante, P. R. N. (2007). O nível de evidenciação das informações contábeis geradas pelas Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP) da Paraíba. Anais do Encontro Nacional da Associação dos Programas de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 31, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Beuren, I. M.; & Gallon, A. V. (2006). Análise do conteúdo da evidenciação nos relatórios da administração das empresas participantes dos níveis de governança da Bovespa. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, 6, São Paulo, SP, Brasil.

Beuren, I. M.; Boff, M. L.; & Hein, N. (2008). Informações recomendadas pelo Parecer de Orientação n° 15/87 da CVM nos relatórios da administração de empresas familiares de capital aberto. Anais do Congresso USP de Controladoria e Contabilidade, 8, São Paulo, SP, Brasil.

Boff, M. L.; Beuren, I. M.; Horn, J. E.; & Horn, M. A. (2009) Adequação da evidenciação social das empresas de capital aberto no relatório da administração e notas explicativas às recomendações da NBC T – 15. Anais do Seminário de Administração, 12, São Paulo, SP, Brasil.

Brasil. (1976). Lei n° 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre a Lei das Sociedades por Ações. Publicada no DOU de 17.12.1976 (suplemento),

Callado, A. L. C.; Callado, A. A. C.; & Almeida, M. A. (2008). A utilização de indicadores de desempenho não-financeiros em organizações agroindustriais: um estudo exploratório. Revista Organizações Rurais & Agroindustriais, 10(1), 1-152.

Charnes, A.; Cooper, W. W.; & Rhodes, E. (1978). Measuring the efficiency of decision making units. European Journal of Operational Research, 2(6), 429-444.

Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS). Quem somos? Recuperado em 20 de junho de 2013, de http://cebds.org.br/quem-somos/.

Conselho Regional de Contabilidade - CFC. (2004). NBC T 15. Recuperado em 03 de março de 2010, de http://www.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?Codigo=2004/001003.

Cruz, C. V. O. A.; & Lima, G. A. S. F. (2010). Reputação corporativa e nível de disclosure das empresas de capital aberto no Brasil. Revista Universo Contábil, 6(1), 85-101.

Dantas, J. A.; Zendersky, H. C.; & Niyama, J. K. (2004). A dualidade entre os benefícios do disclosure e a relutância das organizações em aumentar o grau de evidenciação. Anais do Encontro Nacional da Associação dos Programas de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 28, Curitiba, PR, Brasil.

Ferreira, A. C. S. (2011). Contabilidade ambiental. 3a ed. São Paulo: Atlas.

Ferreira, A. C. S.; & Carvalho, M. S. (2007). Um estudo sobre a evidenciação dos benefícios econômicos, sociais e ambientais da Central de Separação de Recicláveis (CSR) da Companhia de Limpeza Urbana da Cidade do Rio de Janeiro. ConTexto, 7(11), 1-23.

Fried, H. O.; Lowell, C. A. K.; & Schmidt, S. S. (1993). The measurement of productive efficiency - techniques and applications. Oxford: Oxford University Press.

Global Reporting Iniciative - GRI. (2006). Diretrizes para relatório de sustentabilidade. Recuperado em 20 de junho de 2013, de https://www.globalreporting.org/resourcelibrary/Brazil-Portuguese-G3-Reporting-Guidelines.pdf.

Gonçalves, R. C. M. G.; Pirani, D. C.; & Borger, F. G. (2007). Qualidade das informações sobre responsabilidade social divulgadas pelos bancos privados com ações listadas no índice de sustentabilidade empresarial da Bovespa. Anais do Encontro Nacional da Associação dos Programas de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 31, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Gray, R.; & Bebbington, J. (2001). Accounting for the environment. 2nd ed. London: Sage.

Guia Você S.A. - As Melhores Empresas para Você Trabalhar. (2007). As melhores empresas para você trabalhar 2007. Recuperado em 20 de junho de 2013, de http://exame.abril.com.br/revista-voce-sa/melhores-empresas-paratrabalhar/inscricoes/2007/.

International Accounting Standards Board - IASB. (2010). IAS 8. Recuperado em 03 de março de 2010, de http://www.iasb.org/NR/rdonlyres/F9A4C4D6-4C87-43C3-BF614DC8CA8BC1A1/0/IAS8.

Jose, A.; & Lee, S. (2007). Environmental reporting of global corporations: a content analysis based on website disclosures. Journal of Business Ethics, 72(4), 307-321.

Lima, D. V.; & Viegas, W. (2002). Tratamento contábil e evidenciação das externalidades ecológicas. Revista Contabilidade & Finanças, 6(30), 46-53.

Melo, F. M. A.; Ponte, V. M. R.; & Oliveira, M. C. (2007). Análise das práticas de evidenciação de informações avançadas e não obrigatórias nas demonstrações contábeis das empresas brasileiras. Revista de Contabilidade e Organizações, 1(1), 31-42.

Moura, L. A. A. (2008). Qualidade e gestão ambiental. 5a ed. São Paulo: Juarez de Oliveira.

Norman, W.; & Macdonald, C. (2003, March). Getting to the bottom of “triple bottom line”. Business Ethics Quarterly, 14(2), 243-262.

Nossa, V. (2002). Disclosure ambiental: uma análise do conteúdo dos relatórios ambientais de empresas do setor de papel e celulose em nível internacional. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Oliveira, R. (2005). Contabilidade ambiental: evidenciação de eventos econômicos de natureza ambiental pelas empresas do setor químico e petroquímico. Dissertação de Mestrado, Centro Universitário Álvares Penteado, São Paulo, SP, Brasil.

Ponte, V. M. R.; & Oliveira, M. C. (2004). A prática da evidenciação de informações avançadas e não obrigatórias nas demonstrações contábeis das empresas brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças, 1(36), 7-20.

Silva, C. A. T.; Rodrigues, F. F.; & Abreu, R. L. (2004). Análise dos relatórios de administração das companhias abertas brasileiras: um estudo do exercício social de 2002. Anais do Encontro Nacional da Associação dos Programas de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 28, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Spangenberg, J. H. (2002). Institutional sustainability indicators: an analysis of the institutions in Agenda 21 and a draft set of indicators for monitoring their affectivity. Sustainable Development, 2(10), 103-115.

Vellani, C. L.; & Ribeiro, M. S. (2009). Sustentabilidade e contabilidade. Revista Contemporânea de Contabilidade, 1(11), 187-206.

Verrecchia, R. (1983). Discretionary disclosure. Journal of accounting and economics, 5(1), 179-194.

Vieira, M. T. (2006). Evidenciação de informações de responsabilidade social na maior empresa em cada segmento da economia brasileira. Dissertação de Mestrado, Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, SC, Brasil.

Vieira, M. T.; & Faria, A. C. (2007). Aplicação da NBC T 15 por empresas dos segmentos de bebidas e alimentos: uma pesquisa documental. Revista Universo Contábil, 3(1), 49-69.