Analisando as motivações para aceitação e adoção de redes sociais virtuais Outros Idiomas

ID:
10868
Resumo:
Este trabalho apresenta resultados originados de uma pesquisa realizada com 179 usuários de redes sociais virtuais com o objetivo de investigar suas motivações quanto à aceitação e adoção dessas redes. O estudo buscou conhecer quais construtos podem ser considerados como antecedentes das atitudes e, consequentemente, quais deles estão relacionados à intenção comportamental de se engajar no uso de redes sociais virtuais. Utilizando-se do modelo de Shin (2010), o qual partiu do modelo proposto por Davis (1989), os dados foram analisados por meio da utilização dos métodos estatísticos. Os resultados confirmaram que há uma correlação entre os construtos Utilidade Percebida, Envolvimento Percebido e Diversão Percebida e o construto Atitude. Ademais, pode-se afirmar que a utilidade percebida, a conectividade percebida, o envolvimento, bem como a diversão percebida em um ambiente virtual podem ser entendidos como antecedentes da atitude em relação a redes sociais virtuais.
Citação ABNT:
PINTO, M. R.; SALUME, P. K.; FREITAS, R. C.; SILVA, F. A. Analisando as motivações para aceitação e adoção de redes sociais virtuais. Revista Gestão & Tecnologia, v. 13, n. 2, p. 45-71, 2013.
Citação APA:
Pinto, M. R., Salume, P. K., Freitas, R. C., & Silva, F. A. (2013). Analisando as motivações para aceitação e adoção de redes sociais virtuais. Revista Gestão & Tecnologia, 13(2), 45-71.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10868/analisando-as-motivacoes-para-aceitacao-e-adocao-de-redes-sociais-virtuais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Babbie, E. (1999). Métodos de pesquisa de survey. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Boyd, D. M.; Elisson, N. B. (2008). Social networks sites: definition, history and scholarship. Journal of Computer-Mediated Communication. 13(11), 210-230.

Burt, R. (1992). Structural holes: the social structure of competition. Cambridge: Harvard University.

Castells, M. (1999). A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra.

DaMatta, R. (1997). A Casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. (5a ed.). Rio de Janeiro: Rocco.

Davis, F. D. (1989). Perceived usefulness, perceived ease of use and user acceptance of information technology. MIS Quarterly, 13(3), 319-340.

Granovetter, M. (1973). The strength of weak ties. American Journal of Sociology, 78(6), 1360-1380.

Granovetter, M. (1985). Economic action and social structure: the problem of embeddedness. American Journal of Sociology, 91(3), 481-510.

Hair, J. F., Anderson, R. E., Tatham, R. L.; Black, W. C. (2005). Análise multivariada de dados.5a ed. Porto Alegre: Bookman.

Hakansson, H.; Snehota, I. (2006). No business is an island: the network concept of business strategy. Scandinavian Journal of Management, v. 5, p. 187-200.

Kalyanaraman, S.; Sundar, S. (2006). The psychology appeal of personalized content in web portals. Journal of Communication, 56(1), 110-132.

Lopes, H. E. G. (2004). Theorical reflections about the concept of social networks. Revista de Administração Contemporânea, 8(1), 179-200.

Machado, J. R.; Tijiboy, A. V. (2005). Redes sociais virtuais: Um espaço para efetivação da aprendizagem Cooperativa. Porto Alegre: CINTED-UFRGS.

Malhotra, N. (2001). Pesquisa de marketing. Porto Alegre: Bookman.

Mizruchi, M.S. (2006). Análise de redes sociais: avanços recentes e controvérsias atuais. Revista de Administração de Empresas, 46(3), 72-86.

Moon, J.; Kim, Y. (2001). Extending the TAM for a WWW context. Information & Management, 38(4), 217-230.

Nedeva, S. (2000). Understanding and managing networks: a guided tour in a terminological jungle. Barcelona: IESE.

Nysveen, H., Pedersen, P. E.; Thorbjornsen, H. (2005). Intentions to use mobile services: antecedents and cross-service comparison. Journal of Academy of Marketing Science. 33(3), 330-346.

Parasuraman, A., Colby, C. L. (2002). Marketing para produtos inovadores: como e por que seus clientes adotam tecnologia. Porto Alegre: Bookman.

Recuero, R. C. (2012). Redes sociais na internet. Recuperado de .

Rettie, R. (2001). An exploration of flow during internet use. Internet Research, 11(2), 103-113.

Shin, D. H. (2009). Virtual gratifications of wireless internet: is wireless portable internet reinforced by unrealized gratifications? Telematics and Informatics, 26(1), 44-56.

Shin, D. H. (2010). Analysis of online social networks: a cross-national study. Online Information Review. 34(3), 473-495.

Shin, D. H.; & Kim, Y. (2008). Applying the technology acceptance model and flow theory to cyberworld user behavior. CyberPshycology and Behavior, 11(3), 378-382.

Solomon, M. R. (2002). O comportamento do consumidor: comprando, possuindo e sendo. 5a ed. Porto Alegre: Bookman.

Souza, R. D. F. L., Ferreira, J. B., Hor-Meyll, L. F., Silva, J. F.; Giovannini, C. J. (2012, maio). A adoção da internet móvel pelo consumidor. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração, Curitiba, PR, Brasil, 5.

Taylor, S.; Todd P. A. (1995). Understanding information technology usage: a test of competing models. Information Systems Research, 6(2), 144-176.

Trevino, L. K.; Webster, J. (1992). Flow in computer-mediated communication. Communication Research, 19(5), 559-573.