Cadeia reversa do óleo de cozinha: coordenação, estrutura e aspectos relacionais Outros Idiomas

ID:
10942
Resumo:
As atividades de produção e consumo geram resíduos que, conforme o destino, produzem impactos negativos no meio ambiente. Essa situação agravou-se, de maneira crítica, a partir da Revolução Industrial. Para reaproveitar esses resíduos, são necessárias novas formas de produzir, consumir e dar um destino adequado aos produtos após o final de seu ciclo de vida útil. Com base nesse contexto, o objetivo deste estudo é analisar como se estrutura e é coordenada uma cadeia de suprimentos reversa, tendo como objeto a coleta de óleo de cozinha utilizado. O caminho metodológico observa a abordagem qualitativa e caracteriza-se como exploratório. Em termos teóricos, o estudo orienta-se pelas abordagens de cadeias de suprimentos reversas e coordenação da cadeia de suprimentos. Os resultados evidenciam a iniciativa de uma empresa que não trabalha com óleo de cozinha utilizado, mas utiliza uma estratégia a partir desse resíduo para desencadear o processo de estruturação da cadeia analisada. Como principal contribuição, o estudo sugere a consolidação da quinta fase da logística: a Reverse Supply Chain (RSC).
Citação ABNT:
ZUCATTO, L. C.; WELLE, I.; SILVA, T. N. Cadeia reversa do óleo de cozinha: coordenação, estrutura e aspectos relacionais. Revista de Administração de Empresas, v. 53, n. 5, p. 442-453, 2013.
Citação APA:
Zucatto, L. C., Welle, I., & Silva, T. N. (2013). Cadeia reversa do óleo de cozinha: coordenação, estrutura e aspectos relacionais. Revista de Administração de Empresas, 53(5), 442-453.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/10942/cadeia-reversa-do-oleo-de-cozinha--coordenacao--estrutura-e-aspectos-relacionais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AGRAWAL, A. Turn your reverse supply chain into a profit center. Supply Chain Quarterly, v.1, n. 1, p. 1-6, 2012.

BARNEY, J; HANSEN, M. H. Trustworthiness as a source of competitive advantage. Strategic Management Journal, v. 15, Issue Suplement 1, p. 175-190, 1994.

BLACKBURN, J. D; GUIDE JÚNIOR, V. D. R; SOUZA, G. C; VAN WASSENHOVE, L. N. Reverse supply chains for commercial returns. California Management Review, v. 46, n. 2, p. 6-23, 2004.

BOWERSOX, D. J; CLOSS, D. J; HELFERICH, O. K. Logistical management: a systems integration of physical distribution, manufacturing, support and materials procurement. 3. ed. New York: Macmillan, 1986.

BRASIL. Casa Civil. Lei nº 12.305, de 2 de agosto de 2010. Disponível em: http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/ l12305.htm. Acesso em 05.05.2013.

CACHON, G. P; KÖK, A. G. Competing manufacturers in a retail supply chain: on contractual form and coordination. Management Science, v. 56, n. 3, p. 571-589, 2010.

CAETANO, M. McDonald’s lança projeto de biodiesel a partir do óleo de cozinha. 2010. Disponível em: http://revistagloborural.globo.com/GloboRural/ 0,6993,EEC1711075-1934,00.html. Acesso em 30.04.2013.

CAMELO, G. R; COELHO, A. S; BORGES, R. M. Alianças estratégicas com fornecedores: um estudo sobre a evolução do relacionamento clientefornecedor nos processos logísticos. In: SEMANA DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO SUL-AMERICANA, 10, 2010, Santiago. Anais. Santiago: Usach, 2010.

CERRA, A. L; MAIA, J. L; ALVES FILHO, A. G. Projetos locais de desenvolvimento no contexto das cadeias de suprimentos de montadoras de motores veteranas e entrantes. Gestão e Produção, v. 14, n. 3, p. 505-519, 2007.

CHOPRA, S; MEINDL, P. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégia, planejamento e operação. São Paulo: Prentice Hall, 2003.

CHOPRA, S; MEINDL, P. Supply chain management: strategy, planning and operation. 4. ed. New Jersey: Pearson Education, 2010.

COELHO, T. M; CASTRO, R; GOBBO Jr, J. A. PET containers in Brazil: opportunities and challenges of a logistics model for post-consumer waste recycling. Resources, Conservation and Recycling, v. 55, n. 3, p. 291-299, 2011.

COLETO ÓLEOS VEGETAIS SATURADOS LTDA. Por que reciclar o óleo de fritura? Disponível em: http://www.coleto.com.br/?p=meio-ambiente. Acesso em 20.01.2012.

COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Tratamento de água. Disponível em: http://site.sabesp.com.br/site/interna/ Default.aspx?secaoId=491. Acesso em 08.03.2012.

FURLANETTO, E. L. Formação das estruturas de coordenação nas cadeias de suprimentos: estudos de caso em cinco empresas gaúchas. 2002. 306 p. Tese de Doutorado em Administração, Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.

GONÇALVES-DIAS, S; TEODÓSIO, A. S. S. Estrutura da cadeia reversa: “caminhos” e “descaminhos” da embalagem PET. Produção, v. 16, n. 3, p. 429-441, 2006.

GUIDE JUNIOR, V. D. R; HARRISSON, T. P; VAN WASSENHOVE, L. N. The challenge of closed-loop supply chains. Interfaces, v. 33, n. 6, p. 3-6, 2003.

GUIDE JUNIOR, V. D. R; VAN WASSENHOVE, L. N. The reverse supply chain. Harvard Business Review, v. 80, n. 2, p. 25-26, 2002.

GUNASEKARAN, A; NGAI, E. W. T. Information systems in supply chain integration and management. European Journal of Operational Research, v. 159, n. 2, 1, p. 269-295, 2004.

HANDFIELD, R. B; BECHTEL, C. The role of trust and relationship structure in improving supply chain responsiveness. Industrial Marketing Management, v. 31, n. 4, p. 367-382, 2002.

HP BRASIL – Hewlet Packard do Brasil. Participe do programa Planet Partners da HP. 2013. Disponível em: http://www.hp.com/latam/br/ reciclar/como-participar.html. Acesso em 30.04.2013.

JABOUR, A. B. L. S; JABOUR, C. J. C. Evolução da gestão ambiental e a adoção de práticas de green supply chain management no setor eletroeletrônico brasileiro. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 36, 2012, Rio de Janeiro Anais. Rio de Janeiro, ANPAD, 2012.

JABOUR, C. J. C. In the eye of the storm: exploring the introduction of environmental issues in the production function in Brazilian companies. International Journal of Production Research, v. 48, n. 21, p. 6315-6339, 2010.

JORNAL LIQUIGÁS. Revendas apostam em conscientização. Porto Alegre, 2009. Disponível em: https://www.liquigas.com.br/wps/wcm/connect/ 4f523d804e91c1e59826fa0637d31a87/Jornal+Liquigas_edicao7. pdf?MOD=AJPERES. Acesso em 22.12.2011.

KANDA, A. A; DESHMUKH, S. G. Supply chain coordination: perspectives, empirical studies and research directions. International Journal of Production Economics, v. 115, n. 2, p. 316-335, 2008.

KRIKKE, H. Recovery strategies and reverse logistics network design. Twente: BETA – Institute for Business Engineering and Technology Application, 1998.

KUMAR, S; MALEGEANT, P. Strategic alliance in a closed-loop supply chain, a case of manufacturer and eco-non-profit organization. Technovation, v. 26, n. 10, p. 1127-1135, 2006.

LA FUENTE, M. V; ROS, L; CARDÓS, M. Integrating forward and reverse supply chains: application to a metal-mechanic company. International Journal of Production Economics, v. 111, n. 2, p. 782-792, 2008.

LACERDA, L. Logística reversa: uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais. Rio de Janeiro, 2002. Disponível em: http://www.coppead.ufrj.br/pesquisa/cel/new/fr-rev.htm. Acesso em 10.01.2012.

LAMBERT, D. M; COOPER, M. C; PAGH, J. D. Supply chain management: implementation issues and research opportunities. International Journal of Logistics Management, v. 9, n. 2, p. 1-20, 1998.

LAMMING, R. Beyond partnership: strategies for innovation and lean supply. Hemel Hempstead: Prentice Hall, 1993.

LARSON, P; POIST, R; HALLDÓRSSON, A. Perspectives on logistics vs.SCM: a survey of SCM professionals. Journal of Business Logistics, v. 28, n. 1, p. 1-25, 2007.

LEITE, P. R. Direcionadores (“drivers”) estratégicos em programas de logística reversa no Brasil. In: SIMPÓSIO DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO, LOGÍSTICA E OPERAÇÕES INTERNACIONAIS, 9, 2006, São Paulo. Anais. São Paulo: FGV-EAESP, 2006.

LEITE, P. R. Logística reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: Prentice Hall, 2003.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação prática. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MARTINS, R; SOUZA, O. V. Análise do alinhamento de práticas colaborativas entre camadas: estudo comparativo de casos nas cadeias automobilísticas de São Paulo e de Minas Gerais. Revista de Administração da UNIMEP, v. 8, n. 3, p. 207-238, 2010.

NOVAES, A. G. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 2007.

PORTER, M. E; KRAMER, M. R. Strategy and society: the link bettwen competitive advantage and corporate social responsibility. Harvard Business Review, v. 84, n. 12, p. 78-92, 2006.

PRAHINSKI, C; KOCABASOGLU, C. Empirical research opportunities in reverse supply chains. Omega, v. 34, n. 6, p. 519-532, 2006.

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL – PGA. Sabão feito com óleo de cozinha: uma forma de diminuir o efeito estufa e a contaminação das águas. 2012. Disponível em: http://pga.pgr.mpf.gov.br/praticas-sustentaveis/ sabao. Acesso em 06.03.2012.

REIS, M. F.P; ELLWANGER, R. M; FLECK, E. Destinação de óleos de frituras. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 24, 2007, Belo Horizonte. Anais. Belo Horizonte: ABES, 2007.

REVLOG – The European Working Gorup on Reverse Logistics. Why reverse logistics? Disponível em: http://www.fbk.eur.nl/OZ/REVLOG/Introduction. htm. Acesso em 25.01.2012.

RODRIGUES, D. M; SELLITTO, M. A. Práticas logísticas colaborativas: o caso de uma cadeia de suprimentos da indústria automobilística. São Paulo, 2007. Disponível em: http://www. revistasusp.sibi.usp.br/pdf/ rausp/v43n1/v43n1a8.pdf. Acesso em 09.01.2012.

RUBIO, S; MIRANDA, F. J; CHAMORRO, A; VALERO, V. Implementing a reverse logistics system: a case study. International Journal Procurement Management, v. 2, n. 4, p. 346-357, 2009.

SANTOS, R. S. Gerenciamento de resíduos: coleta de óleo de cozinha. 2009. 52 p. Trabalho de Conclusão de Curso em Tecnologia em Logística, Faculdade de Tecnologia da Zona Leste, São Paulo, 2009.

SARKIS, J; GONZALEZ-TORRE, P; ADENSO-DIAZ, B. Stakeholder pressure and the adoption of environmental practices: the mediating effect of training. Journal of Operations Management, v. 28, n. 2, p. 163-176, 2010.

SELLITTO, M. A; MENDES, L. W. Avaliação comparativa do desempenho de três cadeias de suprimentos em manufatura. Produção, v. 16, n. 3, p. 552-568, 2006.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 22. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

SHULTMANN, F; ZUMKELLER, M; RENTZ, O. Modeling reverse logistic tasks within closed-loop supply chains: an example from the automotive industry. European Journal of Operational Research, v. 171, n. 3, p. 1033-1050, 2006.

SILVA, T. N; PEDROZO, E. A; ESTIVALETE, V. F. B; BEGNIS, H. S. M; MARASCHIM, A. F; PASQUAL, C. A; JERÔNIMO, F. B; SILVEIRA, H. S; JARDIM, P. A. J. M; BARATA, T. S. Relações de cooperação e confiança entre organizações cooperativas promovendo capital social. Administração em Diálogo, v. 6, n. 1, p. 37-45, 2004.

SLACK, N; CHAMBERS, S; JOHNSTON, R. Administração da produção. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

SLACK, N; CHAMBERS, S; JOHNSTON, R. Administração da produção. São Paulo: Atlas, 1997.

SOUZA, D. P; MENDONÇA, F. M; NUNES, K. R. A; VALLE, R. Environmental and socioeconomic analysis of producing biodiesel from used cooking oil in Rio de Janeiro: the case of the Copacabana district. Journal of Industrial Ecology, v. 16, n. 4, p. 655-664, 2012.

SRIVASTAVA, S. Green supply-chain management: a state-of-the-art literature review. International Journal of Management Reviews, v. 9, n. 1, p. 53-80, 2007.

TALAMINI, E; PEDROZO, E. A; SILVA, A. L. Gestão da cadeia de suprimentos e a segurança do alimento: uma pesquisa exploratória na cadeia exportadora de carne suína. Gestão & Produção, v. 12, n. 1, p. 107-120, 2005.

TERPEND, R; TYLER, B. B; KRAUSE, D. R; HANDFIELD, R. B. Buyer-supplier relationships: derived value over two decades. Journal of Supply Chain Management, v. 44, n. 2, p. 28-55, 2008.

TIBBEN-LEMBKE, R. S. Life after death: reverse logistics and the product life cycle. International Journal of Physical Distribution & Logistics Management, v. 32, n. 3, p. 223-244, 2002.

VAN WASSENHOVE, L. N. Humanitarian aid logistics: supply chain management in high gear. Journal of the Operational Research Society, v. 57, n. 5, p. 475-489, 2006.

WACKER, C; VIARO, A; WOLF, M. Partnerships for urban environmental management: the roles of urban authorities, researchers and civil society. Environment & Urbanization, v. 11, n. 2, p. 113-125, 1999.

WALSH, P. R. Dealing with the uncertainties of environmental change by adding scenario planning to the strategy reformulation equation. Management Decision, v. 43, n. 1, p.113-122, 2005.

WILKE, R. Logística reversa no recolhimento de embalagens vazias de agrotóxicos. 2009. 124 p. Trabalho de Conclusão de Curso em Administração, Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

WILLIAMSON, O. The mechanisms of governance. Oxford: Oxford University, 1996.