A estrutura de capital das maiores empresas brasileiras: análise empírica das teorias de pecking order e trade-off, usando panel data Outros Idiomas

ID:
11164
Resumo:
Pesquisas sobre estrutura de capital das empresas são consideradas dentre as mais relevantes na área de finanças. Diversas abordagens teóricas têm sido discutidas e testadas na literatura financeira. Este estudo buscou analisar o nível de endividamento das maiores empresas brasileiras, à luz das duas principais teorias que versam sobre o assunto, a teoria de Pecking Order e a teoria de trade-off, testando seus determinantes. A teoria do Pecking Order sugere a existência de uma hierarquia no uso de fontes de recursos, enquanto a teoria de trade-off considera a existência de uma estrutura meta de capital que seria perseguida pela empresa. O estudo é uma adaptação do artigo de Gaud et al. (2005), cujo trabalho serviu como base e principal referência para a escolha das principais variáveis e dos testes econométricos realizados. Tal como Gaud et al. (2005), desenvolvemos as análises estatísticas utilizando a metodologia de Panel Data, que considera os dados da amostra em corte transversal e longitudinal. Além de testes estáticos, foram feitos testes dinâmicos, com o objetivo de analisar o processo de ajuste da estrutura de capital ao longo do tempo, em direção a um suposto nível-alvo ótimo. Os resultados demonstraram relação negativa entre o nível de endividamento das empresas e o grau de tangibilidade dos ativos e a rentabilidade, bem como relação positiva do endividamento com o risco. Demonstraram ainda que empresas de capital estrangeiro são mais endividadas que empresas nacionais. De um modo geral, os resultados sugerem que a teoria de Pecking Order é mais consistente do que a teoria de trade-off para explicar a estrutura de capital das companhias abertas brasileiras. Em especial, destacamos a relação negativa entre endividamento e rentabilidade, confirmando vários outros resultados de pesquisa obtidos na realidade brasileira. A análise dinâmica demonstrou baixa velocidade do processo de ajuste da estrutura de capital em direção ao nível-alvo, sugerindo a existência de elevados custos de transação e confirmando o comportamento de Pecking Order dos administradores.
Citação ABNT:
CORRÊA, C. A.; BASSO, L. F. C.; NAKAMURA, W. T. A estrutura de capital das maiores empresas brasileiras: análise empírica das teorias de pecking order e trade-off, usando panel data. Revista de Administração Mackenzie, v. 14, n. 4, p. 106-133, 2013.
Citação APA:
Corrêa, C. A., Basso, L. F. C., & Nakamura, W. T. (2013). A estrutura de capital das maiores empresas brasileiras: análise empírica das teorias de pecking order e trade-off, usando panel data. Revista de Administração Mackenzie, 14(4), 106-133.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/11164/a-estrutura-de-capital-das-maiores-empresas-brasileiras--analise-empirica-das-teorias-de-pecking-order-e-trade-off--usando-panel-data/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARELLANO, M., BOND, S. Some tests of specification for panel data: Monte Carlo evidence and an application to employment equations. Review of Economic Studies, v. 58, p. 277-297, 1991.

BOOTH, L., AIVAZIAN, V., DEMIRGUC-KUNT, A., MAKSIMOVIC, V. Capital structures in developing countries. The Journal of Finance, New York, v. 41, n. 1, p. 87-130, 2001.

BOWEN, R. M., DALEY, L. A., HUBER JR., C. C. Evidence on the existence of determinants of inter-industry differences in leverage. Financial Management, v. 4, p. 10-20, 1982.

BRADLEY, M., JARRELL, G., KIM, E. H. On the existence of an optimal capital structure: theory and evidence. Journal of Finance, v. 39, p. 857-878, 1984.

BRITO, R. D., LIMA, M. R. O que determina a estrutura de capital no Brasil? In: ENCONTRO BRASILEIRO DEFINANÇAS, 30., 2003, São Paulo. Anais... São Paulo: FEA-USP, 2003.

FAMÁ, R., KAYO, E. K. Teoria de agência e crescimento: evidências empíricas dos efeitos positivos e negativos do endividamento. Caderno de Pesquisas em Administração, v. 2, n. 5, p. 1-8, 1997.

FAMÁ, R., PEROBELLI, F. F. C. Fatores determinantes da estrutura de capital: aplicação a empresas de capital aberto no Brasil. In: ENCONTROBRASILEIRO DEFINANÇAS, 1., 2001, São Paulo. Anais... São Paulo: FGV-SP, 2001.

FORTE, D. Estudo sobre a Estrutura de Capital no Brasil no Período Pós Plano Real (1995-2005). Versão de Trabalho. São Paulo, ago. 2006.

GAUD, P., JANI, E., HOESLI, M., BENDER, A. The capital structure of Swiss companies: an empirical analysis using dynamic panel data. European Financial Management, v. 11, n. 1, p. 51-69, 2005.

GOMES, G. L., LEAL, R. P. C. L. Determinantes da estrutura de capitais das empresas brasileiras com ações negociadas em bolsas de valores in Finanças Corporativas. São Paulo: Atlas, 2001.

GREENE, W. H. Econometric analysis. 3a ed. Upper Saddle River: Prentice Hall, 1997.

HARRIS, M., RAVIV, A. The theory of optimal capital structure. Journal of Finance, v. 48, p. 297-356, 1991.

JENSEN, M. C., MECKLING, W. H. Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, p. 305-360, 1976.

KAYO, E. K. A estrutura de capital e o risco das empresas tangível e intangível-intensivas: uma contribuição ao estudo da valoração de empresas. 2002. Tese (Doutorado em Administração) - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

KESTER, C. W. Capital and ownership structure: a comparison of United States and Japanese manufacturing corporation. Financial Management, v. 15, p. 5-16, 1986.

KREMP, E., STÖSS, E., GERDESMEIER, D. Estimation of a debt function: evidence from French and German firm panel data. In: SAUVé, A., SCHEUER, M. (Ed.). Corporate finance in Germany and France. A joint research project of Deutsche Bundesbank and the Banque de France, SSRN working paper, 1999.

LONG, M., MALITZ, I. Investment patterns and financial leverage. In: FRIEDMAN, B. (Ed.). Corporate capital structure in the United States. Chicago: University of Chicago Press, 1985.

MARTIN, D. M. L., NAKAMURA, W. T., FORTE, D., CARVALHO FILHO, A. F., COSTA, A. C. F. da; AMARAL, A. C. do. Determinantes de estrutura de capital no mercado brasileiro – análise de regressão com painel de dados no período 1999-2003. In: ENCONTRO BRASILEIRO DE FINANÇAS, 5., 2005, São Paulo, Anais... São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2005.

MIGUEL, A., PINDADO, J. Determinants of capital structure: new evidence from Spanish panel data. Journal of Corporate Finance, v. 7, p. 77-99, 2001.

MILLER, M. H. Debt and taxes. Journal of Finance, v. 32, p. 261-275, 1977.

MODIGLIANI, F., MILLER, M. H. Corporate income taxes and the cost of capital: a correction. American Economic Review, v. 53, p. 433-443, 1963.

MODIGLIANI, F., MILLER, M. H. The cost of capital, corporation finance and the theory of investment. American Economic Review, v. 48, p. 261-297, 1958.

MYERS, S. C. Determinants of corporate borrowing. Journal of Financial Economics, v. 5, p. 147-175, 1977.

MYERS, S. C., MAJLUF, N. S. Corporate financing and investment decisions when firms have information investors do not have. Journal of Financial Economics, v. 13, p. 187-222, 1984.

MYERS, S. C. The capital structure puzzle. Journal of Finance, v. 39, p. 575-592, 1984.

NAKAMURA, W. T. Estrutura de capital das empresas no Brasil: evidências empíricas. 1992. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992.

NAKAMURA, W. T., MARTIN, D. M. L., KIMURA, H. Novas evidências sobre estrutura de capital no Brasil. In: CLADEA, 2004, Puerto Plata. Anais... Puerto Plata: Pontifícia Universidad Católica Madre y Maestra, 2004.

OZKAN, A. Determinants of capital structure and adjustments to long run target: evidence from UK company panel data. Journal of Business Finance and Accounting, v. 28, issue 1-2, p. 175-198, jan./mar. 2001.

PEROBELLI, F. F. C., SILVEIRA, A. D., BARROS, L. A. B. de. Fatores determinantes da estrutura de capital: novas evidências no Brasil. In: ENCONTRO BRASILEIRO DE FINANÇAS, 5., 2005, São Paulo. Anais... São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2005.

PROCIANOY, J. L., SCHNORRENBERGER, A. A influência da estrutura de controle nas decisões de estrutura de capital das companhias brasileiras. Revista Brasileira de Economia, v. 58, n. 1, p. 121-146, 2004.

PROCIANOY, J. L., SOARES, K. O perfil de endividamento das empresas negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo após o Plano Real. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 24., 2000, São Paulo. São Paulo: Anpad, 2000.

RAJAN, R. G., ZINGALES, L. What do we know about capital structure? Some evidence from international data. Journal of Finance, v. 50, p. 1421-1460, 1995.

SHYHAM-SUNDER, L., MYERS, S. Testing static trade off against pecking order models of capital structure. Journal of Financial Economics, v. 51, n. 2, p. 219-244, 1999.

STIGLITZ, J. E. Some aspects of the pure theory of corporate finance: bankruptcies and takeovers, Bell. Journal of Economics and Management Science, v. 3, n. 2, p. 458-482, 1972.

TERRA, P. R. S. An empirical investigation on the determinants of capital structure in Latin América. In: ENANPAD, 26., 2002, Salvador. Salvador: Anpad, 2002.

TITMAN, S. The effect of capital structure on a firm’s liquidation decision. Journal of Financial Economics, v. 13, p. 1371-1375, 1984.

TITMAN, S., WESSELS, R. The determinants of capital structure choice. Journal of Finance, v. 43, p. 1-19, 1988.