“Novos” discursos sobre o trabalho? Reflexões sobre as concepções de graduandos em administração Outros Idiomas

ID:
11204
Periódico:
Resumo:
O momento histórico atual configura, numa perspectiva sociológica, o que Bauman (2001) chama de modernidade líquida ou fluida, ou, do ponto de vista econômico, tempo de capitalismo flexível. Nesse contexto, os administradores figuram como agentes históricos de destaque, ocupando posição peculiar na relação capital-trabalho, já que são trabalhadores que servem à acumulação do capital (COVRE, 1982). Entendendo a universidade como um dos lócus de formação da mão-de-obra gerencial, em nível técnico e ideológico, considera-se relevante conhecer o ideário dominante na formação do administrador. Diante disso, este trabalho integra uma pesquisa que busca compreender as representações de estudantes de Administração acerca de dimensões estruturantes de sua formação, como trabalho, organizações, administração, administrador e universidade. A escrita deste artigo focou no objetivo de identificar as representações que um grupo de estudantes de Administração associa à dimensão “Trabalho”. Metodologicamente, trata-se de uma pesquisa qualitativa, que se utilizou de um instrumento escrito, respondido por 56 estudantes. Na análise dos dados, foi empregada a técnica hermenêutico-dialética. Como resultados, emergiram os temas “processo individual” e “imperativo social”. A narrativa-síntese dá-se em torno das relações homem-mundo, explicitando tensões típicas das relações dialéticas próprias aos dois temas emergentes e, teoricamente, converge com a temática sobre a centralidade (dialética) do trabalho. Ao mesmo tempo, atenta-se para o silêncio discursivo em torno do trabalho na flexibilidade, concluindo-se que os estudantes ainda adotam um discurso predominantemente moderno em suas representações de trabalho.
Citação ABNT:
SANTOS, A. C. B. D.; NEPOMUCENO, L. H.; CARDOSO, M. F.; MENEZES, L. M. “Novos” discursos sobre o trabalho? Reflexões sobre as concepções de graduandos em administração. Gestão e Sociedade, v. 7, n. 17, p. 138-166, 2013.
Citação APA:
Santos, A. C. B. D., Nepomuceno, L. H., Cardoso, M. F., & Menezes, L. M. (2013). “Novos” discursos sobre o trabalho? Reflexões sobre as concepções de graduandos em administração. Gestão e Sociedade, 7(17), 138-166.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/11204/---novos----discursos-sobre-o-trabalho--reflexoes-sobre-as-concepcoes-de-graduandos-em-administracao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABRAMIDES, M. B.C.; CABRAL, M. S. R. Regime de acumulação flexível e saúde do trabalhador. Perspectiva, São Paulo, v.17, n.1, p.3-10, jan./mar. 2003.

AKTOUF, O. Ensino de administração: por uma pedagogia para a mudança. Revista Organizações e Sociedade, v. 12, n. 35, out./dez. 2005.

ALBANDES-MOREIRA, L.A. An exploratory study on the nature of the representations of organization, manager and management within a group of teachers of a business school. 2002. Tese (Doutorado em Administração) École des Hautes Études Commerciales Montreal, HEC.

ALBERTON, D. M. Os sentidos atribuídos ao trabalho pelos profissionais do ramo publicitário de Porto Alegre. 2008. 176 f. Dissertação (Mestrado em Administração) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

ALBORNOZ, S. O que é trabalho. São Paulo: Brasiliense, 2008. Col. Primeiros Passos.

ALVES, G. Trabalho e mundialização do capital : o novo (e precário) salariato tardio. Disponível em:. Acesso em: 19 abr. 2010.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? ensaio sobre a metamorfose e a centralidade do mundo do trabalho. 15 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? ensaio sobre a metamorfose e a centralidade do mundo do trabalho. 9 ed. São Paulo: Cortez, 2003.

ANTUNES, R. O caracol e sua concha: ensaios sobre a nova morfologia do trabalho. São Paulo: Bomtempo, 2005.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

ANTUNES, R. Trabalho e superfluidade. In: LOMBARDI, José Claudinei; SAVIANI, Dermeval; SANFELICE, José Luís. (Orgs.). Capitalismo, trabalho e educação. São Paulo: Autores Associados, 2002.

ARAÚJO, R.R. Os sentidos do trabalho e suas implicações na formação dos indivíduos inseridos nas organizações contemporâneas. 2005. 162 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá.

ARENDT, H. A condição humana. 7. ed. RJ: Forense Universitária, 2007.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar., 2001.

BENDASSOLLI, P.F. Trabalho e identidade em tempos sombrios: insegurança ontológica na experiência atual com o trabalho. São Paulo: Idéias e Letras, 2007.

BOLTANSKI, L.; CHIAPELLO, E. O novo espírito do capitalismo. São Paulo: Martins Fontes, 2009

COVRE, M.L.M. A formação e a ideologia do administrador de empresa. Petrópolis: Vozes, 1982.

DENZIN, N.K.; LINCOLN, Y.S. Introduction: the discipline and practice of qualitative research. In: DENZIN, N.K.; LINCOLN, Y.S. (Orgs) Handbook of qualitative research. 2. ed. London: Sage,. 2000, p. 1-28.

ENRIQUEZ, E. Perda do Trabalho, Perda da Identidade. Cad. Esc. Legisl., Belo Horizonte, 5(9): 53-73, jul./dez. 1999.

FARIA, J. H. Economia política do poder. Curitiba: Juruá, 2004.

FARIA, J. H.; KREMER, A. Reestruturação produtiva e precarização do trabalho: o mundo trabalho em transformação. Revista de Administração, v. 10, n. 5, set./out., 2004.

GOLDENBERG, M. A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. Rio de Janeiro: Record, 1997.

GORZ, A. Metamorfoses do Trabalho: Crítica da razão econômica. São Paulo: Annablume: 2003.

GURGEL, C. A Gerência do Pensamento: gestão contemporânea e consciência neoliberal. São Paulo: Cortez, 2003.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 2008.

HOUAISS, A. Dicionário eletrônico Houaiss. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. 1 CD-ROM.

JAPIASSU, H.; MARCONDES, D. Dicionário básico de filosofia. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

JOHNSON, A. Dicionário de sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

LAKATOS, E.M. Sociologia geral. 4 ed. São Paulo: Atlas, 1982.

LAVIE, J. O amor é o crime perfeito. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

MAAR, Wolfgang Leo. A dialética da centralidade do trabalho. Cienc. Cult., São Paulo, v. 58, n. 4, 2006. Disponível em: Acesso em: 20 out. 2012.

MENDES, A.M. Da psicodinâmica à psicopatologia do trabalho. In: MENDES, A.M. (org.) Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007a. p. 29-48

MINAYO, M.C.S. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 1994.

OFFE, C. Trabalho: a categoria-chave da Sociologia? Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v.4, n.10, 1989. Disponível em: http://www.anpocs.org.br/portal /publicacoes/rbcs_00_10/rbcs10_01.htm

RAMOS, A.G. Uma introdução ao histórico da organização racional do trabalho. Brasília: Conselho Federal de Administração, 2009.

SAVIANI, D. Trabalho como principio educativo frente as novas tecnologias. Disponível em:. Acesso em: 16 maio 2010.

SENNETT, R. A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. 6. ed. Tradução de Marcos Santarrita. Rio de Janeiro: Record, 2007.

SENNETT, R. A cultura do novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2006.

WILBERT, A.Z. Aprendizagem nas organizações do conhecimento: uma proposta metodológica para o processo de formação continuada. 2002. 166 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) Programa de PósGraduação em Engenharia de Produção Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

WILLIS, P. Aprendendo a ser trabalhador: escola, resistência e reprodução social. Porto Alegre: Artes Médicas, 1991.