Dinâmica de relacionamento e prováveis respostas estratégicas de programas brasileiros de pós-graduação em Administração à avaliação da CAPES: proposições institucionais a partir da análise de redes de co-autorias Outros Idiomas

ID:
1156
Resumo:
O presente trabalho tem como objetivo descrever e analisar as mudanças ocorridas na configuração estrutural das redes de co-autorias entre professores vinculados a Programas Brasileiros de Pós-Graduação (stricto sensu) em Administração e formular proposições, com base na teoria institucional, a respeito das prováveis respostas estratégicas de tais programas à avaliação da Capes. Adotou-se um recorte longitudinal que abrange um período de seis anos, subdivididos em dois triênios: 2001-2003 e 2004-2006. A população pesquisada compreendeu 32 programas de pós-graduação, que foram avaliados pela Capes em 2001, assim como seus 703 pesquisadores identificados. Os dados foram coletados tendo como base o curriculum Lattes dos professores atuantes naqueles programas e foram analisados por meio de rotinas disponibilizadas pelos softwares Ucinet 6.0 e Pajek 1.10. Os resultados apontam aumento na cooperação de co-autoria de um triênio para outro, o que parece indicar aumento da aquiescência dos programas em relação às exigências do órgão de avaliação. As interações tanto podem rejeitar como reforçar pressões institucionais coercitivas e normativas advindas da Capes, quanto à definição das normas que orientam a avaliação trienal dos programas de pós-graduação stricto sensu no Brasil.
Citação ABNT:
MELLO, C. M.; CRUBELLATE, J. M.; ROSSONI, L. Dinâmica de relacionamento e prováveis respostas estratégicas de programas brasileiros de pós-graduação em Administração à avaliação da CAPES: proposições institucionais a partir da análise de redes de co-autorias. Revista de Administração Contemporânea, v. 14, n. 3, art. 3, p. 434-457, 2010.
Citação APA:
Mello, C. M., Crubellate, J. M., & Rossoni, L. (2010). Dinâmica de relacionamento e prováveis respostas estratégicas de programas brasileiros de pós-graduação em Administração à avaliação da CAPES: proposições institucionais a partir da análise de redes de co-autorias. Revista de Administração Contemporânea, 14(3), 434-457.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/1156/dinamica-de-relacionamento-e-provaveis-respostas-estrategicas-de-programas-brasileiros-de-pos-graduacao-em-administracao-a-avaliacao-da-capes--proposicoes-institucionais-a-partir-da-analise-de-redes-de-co-autorias/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Acedo, F., Barroso, C., Casanueva, C., & Galán, J. (2006). Co-authorship in management and organizational studies: an empirical and network analysis. Journal of Management Studies, 43(5), 957-983.

Alperstedt, G. D., Martignago, G., & Fiates, G. G. S. (2006). O processo de adaptação estratégica de uma instituição de ensino superior sob a ótica da teoria institucional. Revista de Ciências da Administração, 8(15), 1-24.

Barley, S., & Tolbert, P. (1997). Institutionalization and structuration: studying the links between action and institution. Organization Studies, 18(1), 93-117.

Batagelj, V., & Mrvar, A. (2005). PAJEK Program for analysis and visualization of large networks. Ljubljana, Slovenia: University of Ljubljana.

Bidwell, C. (2006). Varieties of institutional theory: traditions and prospects for educational research. In H. Meyer & B. Rowan (Eds.), The new institutionalism in education (pp. 33-50). Albany: State University of New York Press.

Blau, P. M. (1970). A formal theory of differentiation in organizations. American Sociological Review, 35(2), 201-218.

Borgatti, S. P., Everett, M. G., & Freeman, L. C. (2002). Ucinet for windows: software for social network analysis. Boston: Harvard Analytic Technologies.

Burt, R. (1992). Structural holes: the social structure of competition. Cambridge, MA and London: Havard University Press.

Burt, R. (1997). The contingent value of social capital. Administrative Science Quarterly, 42(2), 339-365.

Burt, R. (1998). The gender of social capital. Rationality and Society, 10(1), 5-46.

Carpenter, M. A., & Westphal J. D. (2001). The strategic context of external network ties: examining the impact of director appointments on board involvement in strategic decision making. Academy of Management Journal, 44(4), 639-660.

Carstens, D. D. S., & Machado-da-Silva, C. L. (2006, setembro). Estratégia e estrutura de relacionamentos na rede de Empresas Alpha. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, BA, Brasil, 30.

Cochia, C. B. R., & Machado-da-Silva, C. L. (2004). Ambiente, interpretação e estratégia em organizações paranaenses dos setores de vestuário e de alimentos. Revista de Administração Contemporânea, 8(Edição Especial), 11-35.

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico. (2009). CNPq Número de bolsas-ano no país e no exterior 1951-2009. Recuperado em 28 abril, 2010, de http://www.cnpq.br/estatisticas/TabelasdeQuantitativos/21_TotalBolsas_5108_n_v2.xls

Crubellate, J. M. (2007). Três contribuições conceituais neofuncionalistas à teoria institucional em organizações. Revista de Administração Contemporânea, 11(1ª Edição Especial), 199-222.

Crubellate, J. M., Grave, P. S., & Mendes, A. A. (2004). A questão institucional e suas implicações para o pensamento estratégico. Revista de Administração Contemporânea, 8(3), 37-60.

Crubellate, J. M., Rossoni, L., Mello, C. M., & Valenzuela, J. E. B. (2008). Respostas estratégicas de programas paranaenses de mestrado/doutorado em administração à avaliação da CAPES: configurando proposições institucionais a partir de redes de cooperação Acadêmica. Revista de Negócios, 13(2), 77-92.

Dacin, M. T., Oliver, C., & Roy, J. (2007). The legitimacy of strategic alliances: an institutional perspective. Strategic Management Journal, 28(2), 169-187.

DiMaggio, P., & Powell, W. (1991). The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality. In W. Powell & P. DiMaggio (Eds.), The new institutionalism in organizational analysis (pp. 63-82). Chicago: The University of Chicago Press.

Garud, R., Hardy, C., & Maguire, S. (2007). Institutional entrepreneurship as embedded agency: an introduction to the special issue. Organization Studies, 28(7), 957-969.

GeoCapes Dados Estatísticos. (2009). Concessão de bolsas de pós-graduação da Capes no Brasil. Recuperado em 28 abril, 2010, de http://geocapes.capes.gov.br/geocapesds/#app=3099&da7a-selectedIndex=0&5317-selectedIndex=0&c0ef-selectedIndex=0

Granovetter, M. S. (1973). The strength of weak ties. American Journal of Sociology, 78(6) 1361-1380.

Hanneman, R. A., & Riddle, M. (2005). Introduction to social network methods. Riverside: University of Califórnia.

Hardy, C., & Clegg, S. R. (2001). Alguns ousam chamá-lo de poder. In M. Caldas, R. Fachin, & T. Fischer (Orgs.), Handbook de estudos organizacionais (Vol. 2). São Paulo: Atlas.

Hatch, M. J. (1997). Organization theory: modern, symbolic and postmodern perspectives. Oxford: Oxford University Press.

Machado-da-Silva, C. L. (2003). Respostas estratégicas da administração e contabilidade ao sistema de avaliação da Capes. Revista Organização e Sociedade, 10(28), 63-77.

Machado-da-Silva, C. L., Fonseca, V., & Crubellate, J. M. (2005). Estrutura, agência e interpretação: elementos para uma abordagem recursiva do processo de institucionalização. Revista de Administração Contemporânea, 9(1ª Edição Especial), 9-40.

Meyer, J. W., & Rowan, B. (1977). Institutionalized organizations: formal structure as myth and ceremony. American Sociological Review, 83(2), 340-363.

Moody, J. (2004). The structure of a social science collaboration network: disciplinary cohesion from 1963 to 1999. American Sociological Review, 69(2), 213-238.

Nicolato, M. A. (2005). Sinopse da avaliação trienal da pós-graduação-2004 (período avaliado: 2001-2003). Revista Brasileira de Pós-graduação, 2(3), 176-184.

Nooy, W. de, Mrvar, A., & Batagelj, V. (2005). Exploratory social network analysis with Pajek. New York: Cambridge University Press.

Oliver, C. (1991). Strategic responses to institutional processes. Academy of Management Review, 16(1), 145-179.

Rodan, S., & Galunic, C. (2004). More than network structure: how knowledge heterogeneity influences managerial performance and innovativeness. Strategic Management Journal, 25(6), 541-562.

Rossetto, C. R., & Rossetto, A. M. (2005). Teoria institucional e dependência de recursos na adaptação organizacional: uma visão complementar. RAE-Eletrônica, 4(1), 1-22. Recuperado em 10 outubro, 2007, de http://www16.fgv.br/rae/artigos/1869.pdf

Rossoni, L. (2006). A dinâmica de relações no campo da pesquisa em organizações e estratégia no Brasil: uma análise institucional. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Rossoni, L., & Guarido Filho, E. R. (2007). Cooperação interinstitucional no campo da pesquisa em estratégia. Revista de Administração de Empresas, 47(4), 72-86.

Rossoni, L., & Guarido Filho, E. R. (2009). Cooperação entre programas de pós-graduação em administração no Brasil: evidências estruturais em quatro áreas temáticas. Revista de Administração Contemporânea, 13(3), 366-390.

Rossoni, L., & Hocayen-da-Silva, A. J. (2008). Cooperação entre pesquisadores da área de administração da informação: evidências estruturais de fragmentação das relações no campo científico. Revista de Administração, 43(2), 138-151.

Rossoni, L., Hocayen-da-Silva, J., & Ferreira, I., Jr. (2008). Aspectos estruturais da cooperação entre pesquisadores no campo da administração pública e gestão social: análise das redes entre instituições no Brasil. Revista de Administração Pública, 47(6), 1041-1067

Rowan, B. (2006). The new institutionalism and the study of educational organizations: changing ideas for changing times. In H. Meyer & B. Rowan (Eds.), The new institutionalism in education. (pp. 15-32). Albany: State University of New York Press.

Scott, W. R. (2001). Institutions and Organizations (2a ed.). Thousand Oaks: Sage.

Selltiz, C., Jahoda, M., Deutsch, M., & Cook, S. W. (1975). Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: EPU.

Wasserman, S., & Faust, K. (1994). Social network analysis: methods and applications. Cambridge: Cambridge University Press.

Watts, D. J., & Strogatz, S. W. (1998, June 4). Collective dynamics of “small-world” networks. Nature, 393, 440-442.