Resistência à mudança: uma revisão crítica Outros Idiomas

ID:
11592
Resumo:

Ao implementar mudanças ou inovações, as organizações, muitas vezes, têm de enfrentar resistências internas. Por ser a resistência à mudança um dos tópicos mais estudados no campo organizacional, temos sido induzidos a crer que sabemos tudo a seu respeito. Se sabemos tanto, por que a resistência ainda é uma das principais barreiras à transformação organizacional? Neste artigo, tentamos responder a essa indagação questionando os modelos predominantes de resistência e pondo em dúvida os pressupostos das diversas "receitas" recomendadas para lidar com a resistência. Nossa proposição é que tais "receitas" não são de grande ajuda porque estão embasadas em um modelo de resistência construído sob diversos pressuposto discutíveis, segundo os quais a resistência é: (a) uma circunstância inevitável; (b) nociva à organização; (c) um comportamento natural dos seres humanos; (d) um comportamento exibido exclusivamente por empregados; (e) um fenômeno massificado. Usando contrapressupostos para cada uma dessas premissas clássicas e utilizando a Psicologia da Percepção, o estudo propõe um novo Modelo de Resistência Individual à Mudança. Esse modelo de sete estágios, moderado por fatores individuais e situacionais, procura representar o processo de percepção individual durante a mudança organizacional, desde a exposição ao estímulo até a adoção de um dado comportamento. Implicações para a teoria e a prática, limitações do modelo e sugestões para pesquisa futura são também apresentadas.


Citação ABNT:
HERNANDEZ, J. M. C.; CALDAS, M. Resistência à mudança: uma revisão crítica. Revista de Administração de Empresas, v. 41, n. 2, p. 31-45, 2001.
Citação APA:
Hernandez, J. M. C., & Caldas, M. (2001). Resistência à mudança: uma revisão crítica. Revista de Administração de Empresas, 41(2), 31-45.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/11592/resistencia-a-mudanca--uma-revisao-critica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português