As dificuldades das empresas de software de acesso ao crédito: burocracia bancária ou cultura de auto-financiamento? Outros Idiomas

ID:
1181
Resumo:
Este trabalho busca entender, através de um processo de análise comparativa de dois clusters de produção de software no Nordeste do Brasil, as razões pelas quais a atividade é pouco beneficiada pelos instrumentos de financiamento. As dificuldades da indústria nordestina de software para obter financiamento no Brasil estão associadas, geralmente, à própria singularidade do setor, caracterizado por produtos intangíveis, limitando sua capacidade de responder às exigências de garantias tradicionais. Além disso, as alternativas que vem sendo buscadas para apoiar o desenvolvimento de empresas de software, como a participação de capital de risco tem como obstáculo a natureza conservadora dos investidores nacionais, principalmente o mercado pouco desenvolvido de capitais; por isto, se estabelecem dificuldades para o estabelecimento de mecanismos de saída para os investidores, ao contrário de países tecnologicamente mais desenvolvidos, como os Estados Unidos, onde uma grande porcentagem de capital de risco destina-se à tecnologia da informação e das comunicações. As dificuldades de acesso aos desarinstrumentos de crédito por que passa a indústria da informática, sobretudo, para as pequenas e médias empresas de software, não incluem, em uma primeira análise, a falta de programas de financiamento, ou recursos financeiros para a atividade, mas a discrepância entre os requisitos tradicionais de financiamento de subsídios com base em garantias reais e os altos índices de incerteza inerentes ao desenvolvimento de produtos de software, aliada à característica dessas empresas para colocar a maior parte dos seus ativos em capital intelectual. A hipótese principal deste trabalho coloca a responsabilidade pela discrepância entre a indústria e instituições financeiras não somente na burocracia bancária, ou no formato dos instrumentos de crédito, mas também em variáveis de natureza cultural.
Citação ABNT:
BRANCO, E. C.; FERREIRA, L. M.; OLIVEIRA, F. C. Las dificultades de las empresas de software en el acceso al crédito: ¿Burocracia bancaria o cultura de autofinanciación?. RAUnP - Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, v. 3, n. 1, art. 4, p. 41-51, 2010.
Citação APA:
Branco, E. C., Ferreira, L. M., & Oliveira, F. C. (2010). Las dificultades de las empresas de software en el acceso al crédito: ¿Burocracia bancaria o cultura de autofinanciación?. RAUnP - Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, 3(1), 41-51.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/1181/as-dificuldades-das-empresas-de-software-de-acesso-ao-credito--burocracia-bancaria-ou-cultura-de-auto-financiamento-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Espanhol
Referências:
CASSIOLATO, J. E.; BRITTO, J. N. P; GUIMARÃES, V.; STALLIVIERI, F. Sectoral system of innovation and local productive systems in the Brazilian software industry: a focus on competence building processes. Catch up Milano Meeting. Esboço preliminar. [Citado em 01/03/2008]. Disponível em:.

CASTELLS, M. A Sociedade em rede. São Paulo-SP: Paz e Terra, 2003.

DOSI, G. et alli. Technical change and economic theory. London: Printer Publishers, 1998.

EDQUIST, C. Systems of innovation: Technologies, institutions and organizations. Herndon: EUA:Cassell, 1997.

FERREIRA, L. M.; OLIVEIRA, F. C. Responding to the global challenge: the experience of technological incubators and industrial districts in Ceara, Northeast of Brazil. Clusters, Industrial Districts and Firms: the Challenge of Globalization, Itália: Modena, 2003.

FREEMAN, C. The ‘national system of innovation’ in historical perspective. Cambridge Journal of Economics, 19, p.5-24. Academic Press Limited, 2005. LA ROVERE, R. L. Perspectivas das micro, pequenas e médias empresas no Brasil. In: Revista de Economia Contemporânea. Rio de Janeiro. Vol. 5. Edição Especial, 2001.

LA ROVERE, R. L. Perspectivas das micro, pequenas e médias empresas no Brasil. In: Revista de Economia Contemporânea. Rio de Janeiro. Vol. 5. Edição Especial, 2001.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; LEMOS, C. Globalização e inovação localizada. Nota técnica 01/98. Rio de Janeiro: IE/UFRJ, 1998.

LUNDVALL, B. A. Políticas de inovação na economia do aprendizado. Parcerias Estratégicas. Mar. 2001. Brasília-DF:UNB, 2001.

LUNDVALL, B. A.; BORRAS S. Science, technology and innovation police. In: The Oxford Handbook of Innovation. Londres: Okford University Press, 2005.

NELSON, R.; WINTER, S. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2005.

POSSAS, M. Concorrência Schumpeteriana. In: KUPFER, D.; HASENCLEVER, L. Economia Industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. P. 415-447. Rio de Janeiro-RJ: Campus, 2002.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, socialismo e democracia. Rio de Janeiro: Editora Fundo de Cultura, 1961.

TIGRE, P. B.; et alli. Propriedade intelectual em software: o que podemos aprender da experiência internacional? Revista Brasileira de Inovação, Rio de Janeiro, p. 51-53, jan./jun. 2007.

TREVIÑO, L. C.; HERNANDES, R. Innovación tecnológica y medio ambiente. Producto de los trabajos realizados en el Primer Seminario Internacional Tecnología-Industria-Territorio bajo la temática Innovación, Cambio Institucional y Medio Ambiente. ISBN 9688568325. Querétaro, México: Plaza y Valdes, 1999.