Tangibilidade e intangibilidade na determinação do desempenho persistente de firmas brasileiras Outros Idiomas

ID:
1245
Resumo:
Preconiza a RBV que os recursos e competências são distribuídos de forma heterogênea entre as firmas, sendo a principal causa da variação observada entre seus desempenhos. Quando esses recursos são raros, valiosos e difíceis de serem imitados e a firma dispõe de estrutura organizacional adequada para explorá-los, eles têm o potencial de promover desempenho acima da média e persistente. O objetivo deste artigo é avaliar se o desempenho persistente das firmas tem alguma relação com a intangibilidade ou tangibilidade dos seus recursos. A amostra foi constituída por empresas brasileiras de capital aberto com ações listadas na Bovespa. A técnica estatística utilizada foi o painel dinâmico com estimativas pelo Método dos Momentos Generalizados. Os resultados mostram que, para as empresas brasileiras analisadas, a intangibilidade dos recursos não se revelou como vantagem competitiva sustentável, pois foi constatado que esses recursos não contribuem para a persistência do desempenho superior das firmas. Por outro lado, a tangibilidade dos recursos contribuiu de forma significativa para a persistência do desempenho superior das firmas de diversos setores da economia.
Citação ABNT:
CARVALHO, F. M.; KAYO, E. K.; MARTIN, D. M. L. Tangibilidade e intangibilidade na determinação do desempenho persistente de firmas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, v. 14, n. 5, art. 6, p. 871-889, 2010.
Citação APA:
Carvalho, F. M., Kayo, E. K., & Martin, D. M. L. (2010). Tangibilidade e intangibilidade na determinação do desempenho persistente de firmas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, 14(5), 871-889.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/1245/tangibilidade-e-intangibilidade-na-determinacao-do-desempenho-persistente-de-firmas-brasileiras/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Acquaah, M. (2003). Corporate management, industry competition and the sustainability of firm abnormal profitability. Journal of Management and Governance, 7(1), 57-85.

Ali Shah, S. Z., & Akbar, S. (2008). Value relevance of advertising expenditure: a review of the literature. International Journal of Management Reviews, 10(4), 301-325.

Alves, P. F., & Bruno, M. A. P. (2006). Crescimento das indústrias exportadoras no Brasil: um modelo dinâmico de efeitos fixos com o PIB mundial como variável. [Texto para Discussão, Nº 1231]. Brasília: Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão/Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Amit, R., & Schoemaker, P. J. (1993). Strategic assets and organizational rent. Strategic Management Journal, 14(1), 33-46.

Antunes, M. A., & Procianoy, J. L. (2003). Os efeitos das decisões de investimento das empresas sobre os preços de suas ações no mercado de capitais. Revista de Administração da USP, 38(1), 5-14.

Arellano, M., & Bond, S. (1991). Some tests of specification for panel data: Monte Carlo evidence and an application to employment equations. Review of Economic Studies, 58(2), 277-297.

Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1), 99-120.

Barney, J. (2002). Gaining and sustaining competitive advantage. Upper Saddle River: Prentice Hall.

Barth, M. E., Clement, M. B., Foster, G., & Kasznik, R. (1998). Brand values and capital market valuation. Review of Accounting Studies, 3(1/2), 41-68.

Besanko, D., Dranove, D., Shanley, M., & Schaefer, S. (2006). A economia da estratégia. Porto Alegre: Bookman.

Bharadwaj, S. G., Varadarajan, P. R, & Fahy, J. (1993). Sustainable competitive advantage in service industries: a conceptual model and research propositions. Journal of Marketing, 57(1), 83-99.

Brito, L. A. L., & Vasconcelos, F. C. de (2004a). A heterogeneidade do desempenho, suas causas e o conceito de vantagem competitiva: proposta de uma métrica. Revista de Administração Contemporânea, 8(Edição Especial), 107-129.

Brito, L. A. L., & Vasconcelos, F. C. de (2004b). Vantagem competitiva: o construto e a métrica. Revista de Administração de Empresas, 44(2), 70-82.

Carneiro, J. M. T., & Dib, L. A. (2006). Building a better measure of business performance. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, BA, Brasil, 30.

Caves, R. E. (1984). Economic analyses end the quest for competitive advantage. The American Economic Review, 74(2), 127-132.

Chauvin, K. W., & Hirschey, M. (1993). Advertising, R&D expenditures and the market value of the firm. Financial Management, 22(4), 128-140.

Chung, K. H., & Pruitt, S. W. (1994). A simple approximation of Tobin’s Q. Financial Management, 23(3), 70-74.

Connolly, R. A., & Hirschey, M. (2005). Firm size and the effect of R&D on Tobin's q. R&D Management, 35(2), 217-223.

Daniel, K., & Titman, S. (2006). Market reactions to tangible and intangible information. The Journal of Finance, 59(4), 1605-1643.

Danthine, J. P., & Jin, X. (2007). Intangible capital, corporate valuation and asset pricing. Economic Theory, 32(1), 157-177.

El-Shishini, H. (2001). Integrating financial and non-financial performance measures: state of art and research opportunities. Management Accouting Research Group Conference, Birmingham, UK.

Fama, E. F., & French, K. R. (1993). Common risk factors in the returns on stocks and bonds. Journal of Financial Economics, 33(1/4), 3-56.

Famá, R., & Barros, L. A. B. C. (2000). Q de Tobin e seu uso em finanças: aspectos metodológicos e conceituais. Cadernos de Pesquisas em Administração, 7(4), 27-43.

Ghemawat, P., & Rivkin, J. (1999). Strategy and the business landscape. Upper Saddle River: Addison-Wesley, Reading.

Glick, W. H, Washburn, N. T., & Miller, C. C. (2005). (2005, August). The myth of firm performance. Proceedings of the Annual Meeting of the Academy of Management, Honolulu, HI, USA, 70.

Helfat, E., & Peteraf, M. A. (2003). Why is there a resourced-based view? Toward a theory of competitive heterogeneity. Strategic Management Journal, 24(10), 997-1010.

Kayo, E. K. (2002). A estrutura de capital e o risco das empresas tangível e intangível-intensivas: uma contribuição ao estudo da valoração de empresas. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Keller, K. L. (1998). Strategic brand management: building, measuring, and managing brand equity. New Jersey: Prentice Hall.

Lamb, R. (1993). A decisão de investimento nas empresas e a reação de mercado de capitais: um abordagem informacional. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Lee, R. P., & Chen, Q. M. (2009). The immediate impact of new product introductions on stock price: the role of firm resources and size. Journal of Product Innovation Management, 26(1), 97-107.

Lev, B. (2001). Intangibles: management, measurement and reporting. Brookings Institution.

Lucchesi, E. P., & Famá, R. (2007). O impacto das decisões de investimento das empresas no valor de mercado das ações negociadas na Bovespa no período de 1996 a 2003. Revista de Administração USP, 42(2), 249-260.

Malhotra, N. (2000). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman.

March, J. G., & Sutton, R. I. (1997). Organizational performance as a dependent variable. Organization Science, 8(6), 698-706.

Martins, E. (1972). Contribuição à avaliação do ativo intangível. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Mathews, J. A. (2002). A resource-based view of Schumpeterian economic dynamics. Journal of Evolutionary Economics, 12(1/2), 29-54.

McConnell, J. J., & Muscarella, C. J. (1985). Corporate capital expenditure decisions and the market value of the firm. Journal of Financial Economics, 14(3), 399-422.

Megna, P., & Klock, M. (1993). The impact of intangible capital on Tobin's q in the semiconductor industry. The American Economic Review, 83(2), 265-269.

Morbey, G. K., & Reithner, R. M. (1990). How R&D affects sales growth, productivity and profitability. Research Technology Management, 33(3), 11-14.

Omaki, E. T. (2005). Recursos intangíveis e desempenho em grandes empresas brasileiras: avaliações dos recursos intangíveis como estimador de medidas de desempenho financeiras. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Brasília, DF, Brasil, 27.

Penrose, E. T. (1959). The theory of the growth of the firm. Oxford: Oxford University.

Perez, M. M., & Famá, R. (2006). Ativos intangíveis e o desempenho empresarial. Revista Contabilidade e Finanças (40), 7-24.

Peteraf, M. A. (1993). The cornerstones of competitive advantage: a resource-based view. Strategic Management Journal, 14(3), 179-191.

Pindyck, R. S., & Rubinfeld, D. L. (1994). Microeconomia. São Paulo: Makron Books.

Rugman, A. M., & Verbeke, A. (2002). Edith Penrose’s contribution to the resource-based view of strategic management. Strategic Management Journal, 23(8), 769-780.

Rumelt, R. P. (1991). How much does industry matter? Strategic Management Journal, 12(3), 167-185.

Rumelt, R. P. (2003). What in the world is competitive advantage? [Policy Working Paper Nº 2003-105]. University of California, Los Angeles, Los Angeles, CA, USA.

Saraiva, R. S. (2007). Recursos e capabilidades estratégicos na indústria moveleira de Bento Gonçalves – RS. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Schmalensee, R. (1985). Do markets differ much? The American Economic Review, 75(3), 341-351.

Villalonga, B. (2004). Intangible resources, Tobin’s q, and sustainability of performance differences. Journal of Economic Behavior & Organization, 54(2), 205-230.

Wernerfelt, B. (1984). A resource-based view of the firm. Strategic Management Journal, 5(2), 171-180.

Wilk, E. O. de (2006). A relação entre estratégias, recursos e performance: uma investigação em empresas de vinhos finos do Cluster da Serra Gaúcha. Tese de doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Yong, S. D., & O’Byrne, S. F. (2003). Eva e gestão baseada em valor: guia prático para implementação. Porto Alegre: Bookman.