Evolução da qualidade das práticas de governança corporativa: um estudo das empresas brasileiras de capital aberto não listadas em Bolsa Outros Idiomas

ID:
1248
Resumo:
Este artigo tem por objetivo analisar a evolução da qualidade das práticas de governança corporativa das empresas brasileiras de capital aberto não listadas em bolsa, no período de 2003 a 2007. Os dados foram coletados através do Sistema DIVEXT da CVM. Como proxy para determinar a qualidade das práticas de governança, foi utilizado o Índice de Governança Corporativa das Empresas Brasileiras de Capital Aberto Não Listadas em Bolsa, calculado a partir de um conjunto de 14 perguntas binárias e objetivas. Os resultados da pesquisa apontam que metade das empresas investigadas apresentou bom nível de governança. Em relação à dimensão Transparência, verificou-se uma melhora na elaboração de relatórios financeiros, obedecendo aos prazos legais e que cerca da metade das companhias contrataram alguma das auditorias globais. Quanto à Composição e Funcionamento do Conselho não foram constatados sinais de melhoria, justificada pela diminuição do atendimento às exigências no que se refere à quantidade de membros, independência e prazo de mandato. Já os resultados da estrutura de Controle e Conduta mostram que a grande maioria das empresas não possuía acordos entre acionistas, significando evolução positiva no sentido de boas práticas de governança.
Citação ABNT:
ALMEIDA, M. A.; SANTOS, J. F. D.; FERREIRA, L. F. V. M.; TORRES, F. J. V. Evolução da qualidade das práticas de governança corporativa: um estudo das empresas brasileiras de capital aberto não listadas em Bolsa. Revista de Administração Contemporânea, v. 14, n. 5, art. 8, p. 907-924, 2010.
Citação APA:
Almeida, M. A., Santos, J. F. D., Ferreira, L. F. V. M., & Torres, F. J. V. (2010). Evolução da qualidade das práticas de governança corporativa: um estudo das empresas brasileiras de capital aberto não listadas em Bolsa. Revista de Administração Contemporânea, 14(5), 907-924.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/1248/evolucao-da-qualidade-das-praticas-de-governanca-corporativa--um-estudo-das-empresas-brasileiras-de-capital-aberto-nao-listadas-em-bolsa/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Ariff, A. M., Ibrahim, M. K., & Othman, R. (2007). Determinants of firm level governance: Malaysian evidence. Corporate Governance, 7(5), 562-573.

Beiner, S., Drobetz, W., Schmid, M., & Zimmerman, H. (2003). An integrated framework of corporate governance and firm valuation – evidence from Switzerland [Working Paper Nº 09-03]. ECGI. Recuperado em 15 junho, 2008, de http://www.wwz.unibas.ch/cofi/publications/papers/2003/09-03.pdf

Berle, A. A., & Means, G. C. (1932). The modern corporation and private property. New York: MacMillan.

Black, B. (2001). The corporate governance behavior and market value of Russian firms. Emerging Markets Review, 2(2), 89-108.

Black, B., Jang, H., & Kim, W. (2005). Does corporate governance affect firms’ market value? Time series evidence from Korea. [Working Paper Nº 103]. European Corporate Governance Institute. Recuperado em 15 junho, 2008, de http://www.law.uchicago.edu/Lawecon/workshop-papers/black-jang-kim-stanford.pdf

Bolsa de Valores de São Paulo. (2008). IGC e o novo mercado. Recuperado em 22 março, 2008, de http://www.bovespa.com.br/Principal.asp

Drobetz, W., Gugler, K., & Hirschvogl, S. (2004). The determinants of german corporate governance rating. Recuperado em 15 junho, 2008, de http://www.wwz.unibas.ch/forum/volltexte/749.pdf

Gompers, P. A., Ishii, J. L., & Metrick, A. (2003). Corporate governance and equity prices. Quarterly Journal of Economics, 118(1), 107-155.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2004). Código das melhores práticas de governança corporativa. Recuperado em 22 março, 2008, de http://www.ibgc.org.br/download/arquivos/Codigo_IBGC_3_versao.pdf

Jensen, M. C., & Meckling, W. H. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs, and ownership structure. Journal of Financial Economics, 3(4), 305-360.

Klapper, L., & Love, I. (2002) Corporate Governance, investor protection, and performance in emerging markets [Working Paper Nº 2818]. World Bank Policy Research, Washington, District of Columbia, Estados Unidos.

Leal, R. P. C., & Carvalhal-da-Silva, A. L. (2004). Corporate governance index, firm valuation and performance in Brazil [Working Paper Nº 358]. COPPEAD/Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Lei nº 10.303/01, de 31 de outubro de 2001. (2001). Altera e acrescenta dispositivos na Lei no 6.404, de 15 de dezembro de 1976, que dispõe sobre as Sociedades por Ações, e na Lei no 6.385, de 7 de dezembro de 1976, que dispõe sobre o mercado de valores mobiliários e cria a Comissão de Valores Mobiliários. Recuperado em 22 março, 2008, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LEIS_2001/L10303.htm

Lei nº 6.404/76, de 15 de dezembro de 1976. (1976). Dispõe sobre as Sociedades por Ações. Recuperado em 22 março, 2008, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6404consol.htm

Nobili, C. B. (2006). Governança corporativa e retornos esperados no mercado acionário brasileiro: uma extensão do modelo de três fatores de fama & french. Dissertação de mestrado, COPPEAD/Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Oliveira, R. V. (2006, outubro). A Lei Sabanes-Oxley como nova motivação para mapeamento de processos nas organizações. Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Fortaleza, CE, Brasil, 26.

Organisation for Economic Co-Operation and Development. (2005). Corporate governance of non-listed companies in emerging markets. Paris: Author.

Organisation for Economic Co-Operation and Development. (2008). Corporate govenance. Recuperado em 22 março, 2008, de http://www.oecd.org/home/0,2987,en_2649_201185_1_1_1_1_1,00.html

Shleifer, A., & Vishny, R. W. (1997). A survey of corporate governance. The Journal of Finance, 52(2), 737-783.

Silva, J. F. (2005). Governança corporativa das empresas familiares brasileiras de capital aberto listadas e não-listadas em bolsa. Tese de doutorado, COPPEAD/Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Silva, J. F., & Leal, R. P. C. (2007, julho). Práticas de governança em empresas familiares não-listadas de capital aberto. Anais do Encontro Brasileiro de Finanças, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 7.

Silveira, A. M. (2004). Governança corporativa e estrutura de propriedade: determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil. Tese de doutorado, FEA/Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Silveira, A. M., Leal, R. P. C., Carvalhal-da-Silva, A. L., & Barros, L. A. B. C. (2007). Evolution and determinants of firm-level corporate governance quality in Brazil. Recuperado em 15 dezembro, 2007, de http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=995764