Meio ambiente e redes sociais: dimensões intersetoriais e complexidade na articulação de práticas coletivas Outros Idiomas

ID:
12825
Autores:
Resumo:
O ambientalismo brasileiro tem influenciado cada vez mais a formulação e implementação de políticas públicas e a promoção de estratégias para um desenvolvimento sustentável. Ele se expande para outras áreas, estimulando o engajamento de grupos socioambientais e científicos e movimentos sociais e empresariais, nos quais o discurso do desenvolvimento sustentado é  preponderante. Ao constituir fóruns e redes, assumiu um caráter multissetorial, estimulando parcerias que potencializam ações de articulação do poder público local com associações de moradores para pensar o desenvolvimento socioeconômico. Nessas articulações as ONGs ocupam o centro do processo de pressão e gestão, incrementando as parcerias entre entidades nacionais e internacionais. Neste contexto, este artigo desenvolve uma reflexão sobre os alcances e limites das redes ambientalistas, como resultado da emergência e fortalecimento de novos atores da sociedade civil.
Citação ABNT:
JACOBI, P.Meio ambiente e redes sociais: dimensões intersetoriais e complexidade na articulação de práticas coletivas. Revista de Administração Pública, v. 34, n. 6, p. 131-158, 2000.
Citação APA:
Jacobi, P.(2000). Meio ambiente e redes sociais: dimensões intersetoriais e complexidade na articulação de práticas coletivas. Revista de Administração Pública, 34(6), 131-158.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/12825/meio-ambiente-e-redes-sociais--dimensoes-intersetoriais-e-complexidade-na-articulacao-de-praticas-coletivas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português