As empresas olham além de seus muros para inovar? Outros Idiomas

ID:
13062
Resumo:
Este artigo trata da influência de atores como universidades, centros de pesquisa, consultorias, fornecedores, clientes e concorrentes em processos de inovação de firmas industriais. Com as transformações na economia nas últimas três décadas, os fluxos de informação e a difusão de conhecimento passaram a ser mais cada vez mais importantes para a qualidade do sistema produtivo e para a competitividade das empresas. Tais atores externos às firmas conformam redes que criam conexões para processos de aprendizado e transferência de conhecimento. A hipótese é que o desempenho inovador de empresas industriais brasileiras tem relação direta com o grau de interação destas com agentes como universidades, centros de pesquisa, fornecedores, clientes e consultorias. A análise de entrevistas com 106 empresários – realizadas na Pesquisa de Atitudes Empresariais para Desenvolvimento e Inovação (PAEDI – CEBRAP/IPEA) – indica uma relação entre atitude inovadora mais forte e grau de interação: empresas com alto grau de interação com atores externos tendem a ser aquelas mais inovadoras.
Citação ABNT:
FREIRE, C. T.; HENRIQUES, F. As empresas olham além de seus muros para inovar?. Revista de Administração e Inovação, v. 10, n. 3, p. 143-164, 2013.
Citação APA:
Freire, C. T., & Henriques, F. (2013). As empresas olham além de seus muros para inovar?. Revista de Administração e Inovação, 10(3), 143-164.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/13062/as-empresas-olham-alem-de-seus-muros-para-inovar-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Albagli, S., Maciel, M. L. (2004). Informação e conhecimento na inovação e no desenvolvimento local. Ciência da Informação, 33(3), 9-16.

Consoli, D., Patrucco, P. P. (2003). The knowledge trade-off: circulation, growth and the role of knowledge-intensive business services in urban innovation systems. Turin: Department of Economics of Innovation.

Edquist, C., Chaminade, C. (2006). Industrial policy from a systems-of-innovation perspective. EIB Papers, 11(1), 108-132.

Fagerberg, J. (2006). Innovation: guide to the literature. In J. Fagerberg, D. C. Mowery, R. R. Nelson (Eds), The Oxford handbook of innovation (pp. 1-27). Oxford: Oxford University Press.

Jensen, M. B., Johnson, B., Lorenz, E., Lundvall, B. A. (2007). Forms of knowledge and modes of innovation. Research Policy, 36(5), 680-693.

Lundvall, B. A. (1996). The social dimension of the learning economy (DRUID Working Paper n. 96-1). Copenhagen: Danish Research Unit for Industrial Dynamics. Lundvall, B. A., Johnson, B. (1994). The learning economy. Journal of Industry Studies, 1(2), 23-42.

Miranda, Z., Lopez-Ruiz, O. J. (2012). Empresas brasileiras e suas atitudes frente à inovação. In L. M. Turchi, J. A. De Negri, A. Comin (orgs.), PAEDI: Pesquisa sobre Atitudes Empresariais para Desenvolvimento e Inovação (pp. 173-215). Brasília: Ipea.

Organisation for Economic Co-operation and Development. (2006). Innovation and knowledgeintensive service activities. Paris: Autor.

Patrucco, P. P. (2002). Institutional variety, networking and knowledge exchange: communication and innovation in the case of the Brianza technological district (Working Paper 05/2002). Turin: Department of Economics.

Salerno, M., De Negri, J. (Coords). (2005). Inovação, padrões tecnológicos e desempenho das firmas industriais brasileiras. Brasília, DF: IPEA.

Torres-Freire, C. (2006). KIBS no Brasil: um estudo sobre os serviços empresariais intensivos em conhecimento na região metropolitana de São Paulo. (Dissertação de Mestrado). Departamento de Sociologia, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Torres-Freire, C. (2010). Por que analisar a estrutura produtiva brasileira sob a ótica da tecnologia e do conhecimento? In M. SALERNO et al (Orgs.). Inovação: estudos de jovens pesquisadores brasileiros. São Paulo: Editora Papagaio.

Torres-Freire, C., Abdal A., BESSA, V. (2012). Conhecimento e tecnologia: atividades industriais e de serviços para uma São Paulo competitiva. In A. Comin, C. Torres-Freire e T. Wissenbach (Orgs.). Metamorfoses paulistanas: atlas geoeconômico da cidade. São Paulo: SMDU/Cebrap/Imprensa Oficial/Editora Unesp.

Turchi, L., De Negri, J., Comin, A. (Orgs.). (2012). PAEDI: Pesquisa sobre Atitudes Empresariais para Desenvolvimento e Inovação. Brasília: Ipea