A arte imita a vida? Cultura, valores, poder e liderança nas organizações Outros Idiomas

ID:
13078
Resumo:
O propósito do estudo foi identificar a existência de variáveis do Modelo de Ação Cultural Brasileiro em empresas, por meio da análise do discurso de tiras gerenciais. O arcabouço teórico deste trabalho é composto pelos temas Cultura, Valores, Poder e Liderança. A análise ocorreu através dos desenhos e falas dos personagens da edição “Odeio Reuniões” de Adams (2009), retratado nos quadrinhos, que se referem ao cotidiano organizacional privilegiando cenas das relações entre empregador e empregado. O trabalho foi estruturado com base em uma pesquisa qualitativa, utilizando-se do paradigma interpretativo, valendo-se da análise do discurso como método de interpretação de seis tiras escolhidas de maneira aleatória. Os resultados mostraram que i) a variável cultural concentração do poder possui maior evidência nos discursos, ii) seguida em ordem decrescente de personalismo, postura do espectador, e impunidade iii) empatadas em última posição, paternalismo, formalismo, lealdade, evitar conflitos e flexibilidade.
Palavras-chave:
Citação ABNT:
MARTINS, E. S.; CASTRO JUNIOR, D. F. L.; MARTINS, C. R. A arte imita a vida? Cultura, valores, poder e liderança nas organizações. Revista de Administração FACES Journal, v. 12, n. 1, p. 97-116, 2013.
Citação APA:
Martins, E. S., Castro Junior, D. F. L., & Martins, C. R. (2013). A arte imita a vida? Cultura, valores, poder e liderança nas organizações. Revista de Administração FACES Journal, 12(1), 97-116.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/13078/a-arte-imita-a-vida--cultura--valores--poder-e-lideranca-nas-organizacoes/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADAMS, S. Dilbert 5 - Odeio Reuniões!. Porto Alegre: L&PM Editores, 2009.

AKTOUF, O. O simbolismo e a cultura de empresa: dos abusos conceituais às lições empíricas. In: CHANLAT, J. F. (Org.). O indivíduo nas organizações: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 1994. v. 2, p. 39-79.

AVRICHIR, I. Teste da validade do modelo de ação cultural brasileiro de Tanure a partir do estudo de caso de um cartório de notas. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 5., 2005, Rio de Janeiro. Anais... Resende: SEGeT, 2005.

BERTERO, C. O. Cultura organizacional e instrumentalização do poder. In: FLEURY, M. T. L.; FISCHER, R. M. (Coord.). Cultura e poder nas organizações. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1996. p. 29-44.

BOWDITCH, J. L.; BUONO, A. F. Elementos de comportamento organizacional. São Paulo: Pioneira, 1997.

CHANLAT, J. Ciências Sociais e Management - Reconciliando o econômico e o social. São Paulo: Atlas, 2000.

CHANLAT, J. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 1994. v. 2.

CHESINI, C. Cultura Organizacional: um estudo de caso detectando os elementos que favorecem a mudança da organização. 2004. 150 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, 2004.

ENRIQUEZ , E. A organização em análise. Petrópolis: Vozes, 1997.

FACHIN, O. Fundamentos de Metodologia. 3. ed. São Paulo: Saraiva, 2001.

FAYOLLE, A.; BASSO, O.; LEGRAIN, T. Corporate Culture and Values: Genesis and Sources of L’Oréal’s Entrepreneurial Orientation. Journal of Small Business and Entrepreneurship, [S. l.], v. 21, p. 215-229, 2011.

FLEURY, M. T. L. Estória, mitos, heróis: cultura organizacional e relações de trabalho. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, 1987.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1981.

FRIEDBERG, E. O poder e a regra: dinâmicas da ação organizada. Lisboa: Instituto Piaget, 1995.

GALBRAITH, J. K. O pensamento econômico em perspectiva: uma história crítica. São Paulo: Pioneiras, 1989.

HOFSTEDE, G. Motivation, Leadership and Organization: Do American Theories Apply Abroad? Organizational Dynamics, [S. l.], p. 42-63, 1980.

HORTON, P. B.; HUNT, C. L. Sociologia. São Paulo: McGrawHill do Brasil, 1980.

KATZ, D.; KAHN, R. L. Psicologia Social das Organizações. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1987.

KHAN, S. The Interactive Effects of Intellectual Capital Components on the Relevance of the Balance Sheet as an Indicator of Corporate Value. Journal of American Academy of Business, [S. l.], v. 2, p. 130-136, 2011.

MARCHIORI, M. (Org.). Faces da cultura e da comunicação organizacional. São Caetano do Sul: Difusão Editora, 2006.

MERTON, R. K. Estrutura burocrática e personalidade. In: CAMPOS, E. Sociologia da burocracia. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978, p. 107-124.

MIHELIC, K.; LIPICNIK, B. Corporate managers and their potential younger successors: An examination of their values. Journal for East European Management Studies, [S. l.], v. 15, p. 288-311, 2010.

MORAES, C. R. B.; FADEL, B. Cultura organizacional em cenário de mudança. Revista de Ciência da Informação, [S. l.], v. 8, n. 1, 2007.

MORGAN, G. Imagens da Organização. São Paulo: Atlas, 1996.

MORGAN, G. Paradigms, metaphors, and puzzle solving in organizations theory. Administrative Science Quarterly, [S. l.], v. 25, p. 9-29, 1980.

MOTTA, F. C. P. Teoria das Organizações: evolução e crítica. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 2001.

MOTTA, P. R. Transformação Organizacional: a teoria e a prática de inovar. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1999.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 5. ed. Campinas: Pontes, 2003.

PADOVEZE, C. L.; BENEDICTO, G. C. Cultura organizacional: análise e impactos dos instrumentos no processo de gestão. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 23., 2003, São Paulo. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2003.

PASSOS, E. Ética nas Organizações. São Paulo: Atlas, 2006.

PERROW, C. Análise organizacional: um enfoque sociológico. São Paulo: Atlas, 1972.

PERROW, C. Complex Organizations: a critical essay. 3. ed. [S. l.]: McGraw-Hill Publishers, 1972.

PESQUEUX, Y. Culturas, culturalismo e globalização. In: CHANLAT, J. F. (Org.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 1996.

PIRES, J. C. de S.; MACÊDO, K. B. Cultura organizacional em organizações públicas no Brasil. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 40, p. 81-105, 2006.

PRATES, M.; BARROS, B. O estilo brasileiro de administrar. In: CALDAS, M. P.; MOTTA, F. C. P. (Org.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.

RIEGEL, V.; AVRICHIR, I. Teste da validade do modelo de ação cultural brasileiro de Tanure a partir do estudo de caso de um cartório de notas. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA,1., 2005. Resende. Anais... Resende: [s. n.], 2005.

ROBBINS, S. P.. Comportamento organizacional. 11. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2007.

ROBBINS, S. P. Organizational behavior. 7. ed. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1996.

SCHEIN, E. Defining Organizational Culture. In: SCHEIN, E. Organizational Culture and Leadership. 2. ed. San Francisco: Jossey-Bass Publishers, 1992.

SCHEIN, E. Guia de sobrevivência da cultura corporativa. Rio de Janeiro: José Olympio, 1999.

SCHEIN, E. Organizational Culture and Leadership. 2. ed. San Francisco: Jossey-Bass Publishers, 1992.

SCHEIN, E. Organization Cultures and Leadership: a Dynamic View. San Francisco: Jossey-Bass, 1985.

SILVA, A. B.; REBELO, L. M. B. A emergência do pensamento complexo nas organizações. Revista de Administração Pública, [S. l.], 2003.

SILVA, C. L. M. O trabalho com charges em sala de aula. In: COLÓQUIO DE LEITURA E COGNIÇÃO, 2., 2005, Santa Cruz do Sul. Anais... Santa Cruz do Sul: COLÓQUIO, 2005.

STRAUSS, A.; CORBIN, J. Basic Consideration. In: Basics of qualitative research: grounded theory procedures and techniques. NewBury Park, CA: Sage Publications, 1990.

TANURE, B.; EVANS, P.; PUCIK, V. Virtudes e pecados capitais: a gestão de pessoas no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

TAVARES, J. Uma sociedade que aprende e se desenvolve: relações interpessoais. Lisboa: Porto Editora, 1996.

TORRES, L. L. Cultura das organizações: enfoques dominantes, tendências internacionais e novas propostas analíticas. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, São Paulo, v. 2, n. 66, p. 47-63, 2008.

TUSHMAN, M.; NADLER, D. Organizando-se para a inovação. In: STARKEY, K. Como as organizações aprendem. São Paulo: Futura, 1997.

VALLES, M. S. Variedad de paradigmas y perspectivas en la investigación cualitativa. Madrid: Sínteses, 1997.

VASCONCELOS , I . F. G.; MASCARENHAS, A. O. Organizações em aprendizagem. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

VIANA, I. O. A. Metodologia do trabalho científi co: um enfoque didático da produção científi ca. São Paulo: EPU, 2001.

WOIDA, L. M.; VALENTIM, M. L. P. Cultura informacional voltada ao processo de inteligência competitiva organizacional: a relação entre as pessoas, a informação e as tecnologias da informação e comunicação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 7., 2006, São Paulo. Anais... São Paulo: ENANCIB, 2006.

ZALEZNICK, A.; DE VRIES, K. O poder e a mente empresarial. São Paulo: Pioneira, 1981.