A sustentabilidade como ferramenta estratégica empresarial: governança corporativa e aplicação do Triple Bottom Line na Masisa Outros Idiomas

ID:
13376
Resumo:
A ideia de sustentabilidade na empresa indica que, para alcançar um bom desempenho econômico, as empresas devem adotar uma estratégia que contemple o conceito triple bottom line, segundo o qual, as empresas devem prestar contas de sua performance nas áreas econômica, ambiental e social. O presente trabalho tem por objetivo descrever os benefícios de colocar a sustentabilidade no cerne da Governança Corporativa, como estratégia empresarial que gera valor a partir da busca de melhores resultados sociais e ambientais. Menciona-se o exemplo da empresa Masisa para analisar a implementação Triple Bottom Line e a Governança Corporativa em dois países que a empresa atua, Brasil e Chile.
Citação ABNT:
BENITES, L. L. L.; PÓLO, E. F. A sustentabilidade como ferramenta estratégica empresarial: governança corporativa e aplicação do Triple Bottom Line na Masisa. Revista de Administração da UFSM, v. 6, n. Edição Especial, p. 827-841, 2013.
Citação APA:
Benites, L. L. L., & Pólo, E. F. (2013). A sustentabilidade como ferramenta estratégica empresarial: governança corporativa e aplicação do Triple Bottom Line na Masisa. Revista de Administração da UFSM, 6(Edição Especial), 827-841.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/13376/a-sustentabilidade-como-ferramenta-estrategica-empresarial--governanca-corporativa-e-aplicacao-do-triple-bottom-line-na-masisa/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVES, L. E. S. Governança e cidadania empresarial. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.41, n.4, p.78-76, out/ dez.2001.

ANDRADE, A.; ROSSETTI J. Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. 2006.2ed. São paulo: Atlas.

BM&FBOVESPA. Novo Valor: Sustentabilidade nas empresas como começar, quem envolver e o que priorizar. São Paulo, 2010.

CLARKE, A. Buenos gobiernos corporativos para los negocios. El caso de Chile. In: NUNEZ,G. et.al. (Cord.). Gobernanza Corporativa y desarrollo de mercado de capitales en América Latina. CEPAL – Comisión Económica para América Latina y el Caribe.2009.

CNI Confederação Nacional da Indústria Industria. Estratégias Corporativas de Baixo Carbono: Gestão de Riscos e Oportunidades. Brasília, 2011.

COIMBRA, F.C. Estrutura de governança corporativa e gestão de riscos: um estudo de casos no setor financeiro. Tese (doutorado) apresentada à Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, 2011.

CORREA, M.; VAN HOOF, B.; NÚÑEZ, G. Cambio y oportunidad: la responsabilidad social corporativa como fuente de competitividad en pequeña y medianas empresas en América Latina y el Caribe. CEPAL – Comisión Económica para América Latina y el Caribe. Washington, D.C. 2010.

DONAIRE, D. Considerações sobre a influência da variável ambiental na empresa. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v34, n.2, p.68-77. Mar/Abri. 1994.

ELKINGTON, J. Cannibals with forks: the triple bottom line of 21st century business. Oxford: Capstone. 1997.

ELKINGTON, J. Petroleum in the 21st century: The triple bottom line: implications for the oil industry. Oil & Gas, v. 97, n. 50, dez. 1999.

FERREIRA, R. N. Responsabilidade social, governança corporativa e valor das empresas. Revista de Administração da UFLA, Lavras, v.6, n.1, p.132-141, jan/jun.2004.

HILL, C.; W.L; JONES, G. R. Strategy Management Theory an integrated approach. 6ed. Boston: Houghton Mifflin Company, 2004.

INSTITUTO ETHOS. O Compromisso das Empresas com o Meio Ambiente – a Agenda Ambiental das Empresas e a Sustentabilidade da Economia Florestal. São Paulo, 2005.

KITAGAWA. C.K. Nível de adesão de empresas latino-americanas aos princípios de Governanca Corporativa recomendadas pela OECD. 2007. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Riberao Preto da Universidade de São Paulo.

MANZINI, E.; VEZZOLI, C. O desenvolvimento de produtos sustentáveis. São Paulo: Editora da Universidade, 2002.

MCINTOSH. M.; LEIPZIGER, D.; JONES, K.; COLEMAN, G. Cidadania corporativa: estratégias bem-sucedidas para empresas responsáveis. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2001.

MORELBA, B. Gobernanza empresarial: Ética, Responsabilidad Social y Rentabilidad en la “era Pos-Enrom”. Revista Venezolana de Gerencia, 12, nro. 38, 2007, p. 183-206.

NÚÑEZ G. El Sector Empresarial en la Sostenibilidad Ambiental: Ejes de Interacción. Comisión Económica para América Latina y el Caribe (CEPAL. Santiago de Chile. 2006.

ONU – Organización de las Naciones Unidas. Objetivos del Desarrollo del Milenio: avances en la sostenibilidad ambiental del desarrollo en América Latina y el Caribe. Enero de 2010.

PORTER, M; KRAMER, M. Strategy and Society: The Link Between Competitive Advantage and Corporate Social Responsibility. HBR Spotlight, Harvard Business Review . December 2006.

PORTER, M.; LINDE, C. V. Green and Competitive: Ending the Stalemate. Harvard Business Review. P.120-134, sep/oct, 1995.

PRAHALAD, C. K.; RANGASWAMI, M.R. Why Sustainability Is Now the Key Driver of Innovation? Harvard Business Review, v. 87, n. 9, p. 27-34, set. 2009.

SACHS, I. Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2000.

SANCHES, C. Gestão Ambiental Proativa. ERARevista de Administração de Empresas. Jan/ Mar. 2000. São Paulo, v.40, n1. p.76-87.

SAVITZ, A. W.; WEBER, K. The triple bottom line: how today’s best-run companies are achieving economic, social, and environmental success – and how you can too. San Francisco: Wiley & Sons, 2006.

SCHALTEGGER, S.; BURRITT, R.; PETERSEN, H. An introduction to corporate environmental management: striving for sustainability. Sheffield: Greenleaf, 2003.

ZADEK, S. The Path to Corporate Responsibility. Harvard Business Review. December, 2004, 82, 12, pp. 125-132.