Quality management and risks in patient safety: pilot study Other Languages

ID:
13721
Abstract:
É grande a preocupação das instituições de saúde com a segurança do paciente em todas as fases do cuidado assistencial e os seus possíveis riscos. O trabalho foi desenvolvido no período de janeiro/2009 a janeiro/2010 pela gerência de qualidade de um hospital privado, terciário, de alta complexidade pertencente à rede sentinela da Agência Nacional de Vigilância Sanitária em Recife, Brasil. Criaram-se grupos multidisciplinares para: identificar as ferramentas da cultura da qualidade e segurança do paciente; definir componentes da comissão de gerenciamento de riscos e desenhar o fluxograma da gestão de risco/qualidade. Foram definidas como fontes de notificação de riscos: colaboradores; lideranças; alertas de risco do serviço de atendimento ao cliente; comissão de controle infecções hospitalares; setor de gestão ambiental-saúde ocupacional; setor de gestão de riscos clínicos assistenciais; comissão de revisão de Óbitos/Prontuário e a farmácia. É fundamental sistematizar um processo educativo, permanente para as equipes multidisciplinares, focado nos riscos à saúde advindos de erros/eventos adversos/sentinela segundo legislações e padrões de qualidade.
ABNT Citation:
HINRICHSEN, S. L.; OLIVEIRA, C. L. F.; CAMPOS, M. A.; POSSAS, L. C. M.; SABINO, G.; VILELLA, T. A. S. Gestão da Qualidade e dos riscos na segurança do paciente: estudo-piloto. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, v. 7, n. 7, p. 10-17, 2011.
APA Citation:
Hinrichsen, S. L., Oliveira, C. L. F., Campos, M. A., Possas, L. C. M., Sabino, G., & Vilella, T. A. S. (2011). Gestão da Qualidade e dos riscos na segurança do paciente: estudo-piloto. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, 7(7), 10-17.
Permalink:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/13721/quality-management-and-risks-in-patient-safety--pilot-study/i/en
Document type:
Artigo
Language:
Português
References:
AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIAANVISA (Brasil). Serviços de Saúde., Hospitais Sentinela [Internet]. 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 jan.2011.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HOSPITAIS PRIVADOS (ANAHP). Gestão de Risco e Segurança evidenciam Governança Clínica nos hospitais da Anahp. Observatório ANAHP. São Paulo, p. 12-17, 2011.

BRANCO FILHO, J. R. C. Construíndo um modelo de segurança do paciente. Prática Hospitalar. v. 13, n. 74, p. 8-9, 2010.

BRANCO FILHO, J. R. C. Tolerância zero em infecção hospitalar. Prática Hospitalar. v. 69, p. 34, 2010.

CONSÓRCIO BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO CBA (Brasil). Padrões de Acreditação da Joint Commission International para Hospitais. Manual de Acreditação. 2010. p. 288.

COSTA, I. C.; HINRICHSEN, S. L.; ALVES, J. L et al. Prevalência e custos de processos infecciosos em unidade de terapia intensiva. Revista de Administração em Saúde, vol. 5, n. 20, p. 7-16, 2003.

DE VRIES, E. N.; RAMRATTAN, M. A.; SMORENBURG, S. M. et al. The incidence and nature of in hospital adverse events: a systematic review. Quality & safety in health care, v. 17, n. 3, p. 216-23, 2008.

HARADA, M. J. C. S.; PEDREIRA, M. L. G.; PETERLINI, M. A. S.; PEREIRA, S. R. O erro humano e a segurança do paciente. São Paulo: Atheneu; 2006.

HASSEN, P. A meta é o dano zero. Melhores Práticas em Saúde, Qualidade e Acreditação. São Paulo, p. 8-11, 2011.

HINRICHSEN, S. L. A ciência dos bundlese a segurança do paciente. Farmacêutico em Foco. n. 1. Dezembro. p. 10-11, 2010.

HINRICHSEN, S. L. Princípios da Administração de qualidade e o controle de infecções. Gerenciamento de riscos. Prática Hospitalar. v. 60, p. 57-63, 2008.

IHI. Institute of Healthcare Improvement – Campanha 5 Milhões de Vidas. Disponível em: . Acesso em: 30 set.2011.

INFANTE, M.; SANTOS, M. A. B. A organização do abastecimento do hospital público a partir da cadeia produtiva: uma abordagem logística para a área de saúde. v. 12, n. 4, p. 945-954, 2007.

INSTITUTO QUALISA DE GESTÃO. Accreditation Canada. Disponível em: > . Acesso em: 20 nov.2010.

KOHN, K. T; CORRIGAN, J. M.; DONALDSON, M. S. (eds). To err is human: Building a safer health system. Washington, DC: National Academy Press, 1999.

LEAPE, L.; BERWICK, D.; CLANCY, C.; CONAWAY, J. et al. for the Lucian Leape Institute at the National Patient Safety Foundation. Transforming healthcare: a safety imperative. Quality & safety in health care, v. 18, p. 424-28, 2009.

LIMA, L. F.; LEVENTHAL, L. C.; FERNANDES, M. P. P. Identificando os riscos do paciente hospitalizado. Einstein, v. 6, n. 4, p. 434-438. 2008.

MCCANNON,C. J.; HACKBARTH, A. D.; GRIFFIN, F. A. Miles to go: Anintroduction to the 5 Million Lives Campaign. Joint Commmission Journal on Quality and Patient Safety. v. 33, n. 80 p. 477-484, 2007.

O’BRIEN, J. M.; LU, B.; ALI, N. A.; LEVINE, D. A.; et al. Insurance type and sepsis-associated hospitalizations and sepsis-associated mortality among US adults: a retrospective cohort study. Critical Care, v. 15, n. 130, 2011.

PADILHA, K. G. Ocorrências iatrogênicas na UTI e o enfoque de qualidade. Revista LatinoAmericana em Enfermagem, v. 9, n. 5, p. 91-96, 2001.

PAINE, L. A.; BAKER, D. R.; ROSENSTEIN, B.; PRONOVOST , P. J. The Johns Hopkins Hospital: identifying and addressing risks and safety issues. Joint commission journal on quality and patient safety, v. 30, n. 10, p. 543-550, 2004.

ROSA, M. B.; PERINI, E. Erros de medicação: quem foi? Revista da Associação Medica Brasileira, v. 49, n. 3, p. 335-341, 2003.

SANTOS JUNIOR, B. J.; HINRICHSEN, S. L.; LIRA, C.; VILELLA, T. A. S. Riscos Ocupacionais em centro de radiodiagnóstico. Revista de Enfermagem UERJ. Rio de Janeiro. v. 18, n. 3, p. 365-70, 2010.

THIOLLENT, M. Perspectivas de Metodologia de Pesquisa Participativa e Pesquisa-ação na Elaboração de Projetos Sociais e Solidários. In: LIANZA, S. & ADDOR, F. (orgs.). Tecnologia e Desenvolvimento Social e Solidário. Porto Alegre: Editora da UFRGS. 2005.

ZAMBOM, L. C. Classificação Internacional para a Segurança do Paciente da Organização Mundial de Saúde. Sistema de Resiliência. Disponível em:. Acesso em: 12 fev.2011.