Plano de Carreiras, Cargos e Salários (PCCS) e motivação os trabalhadores em saúde: a percepção dos funcionários da Secretaria Municipal de Saúde de Manaus Outros Idiomas

ID:
13757
Resumo:
A implantação do Plano de Carreira, Cargos e Salários (PCCS) nas diversas esferas do setor público brasileiro constitui fenômeno generalizado. Na medida em que expressa o atendimento a uma reivindicação recorrente dos servidores públicos, em prol da conquista de níveis maiores de segurança e satisfação com o trabalho por estes desempenhado, aumenta o interesse por sua implantação. Com foco específico para o setor de saúde pública, o presente estudo explora a relação entre remuneração percebida e a implantação de um PCCS, com base em estudo de caso realizado junto à Secretaria Municipal de Saúde (SEMSA) de Manaus. Os dados foram coletados com base na aplicação de questionários semi-estruturados, entrevistas e análise documental. Os achados da pesquisa indicam que existe uma forte correlação entre a carreira e os elementos que compõem a remuneração e os resultados apontam que no geral o PCCS precisa ser mais bem absorvido por seu público-alvo. Todos os indicadores macros levaram-nos a índices próximos a insatisfação, ou no máximo, a indiferença. Isto significa que o PCCS, nesta unidade de trabalho da SEMSA, está aquém de sua proposta original.
Citação ABNT:
SOARES, L. A. C. F.; SOARES FILHO, A. A. F.; OLIVEIRA JUNIOR, A. R.; NOGUEIRA, R. J. C. C. Plano de Carreiras, Cargos e Salários (PCCS) e motivação os trabalhadores em saúde: a percepção dos funcionários da Secretaria Municipal de Saúde de Manaus. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, v. 10, n. 1, p. 61-74, 2013.
Citação APA:
Soares, L. A. C. F., Soares Filho, A. A. F., Oliveira Junior, A. R., & Nogueira, R. J. C. C. (2013). Plano de Carreiras, Cargos e Salários (PCCS) e motivação os trabalhadores em saúde: a percepção dos funcionários da Secretaria Municipal de Saúde de Manaus. Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, 10(1), 61-74.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/13757/plano-de-carreiras--cargos-e-salarios--pccs--e-motivacao--os-trabalhadores-em-saude--a-percepcao-dos-funcionarios-da-secretaria-municipal-de-saude-de-manaus/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AZEVEDO, C. B.; LOUREIRO, M. R. Carreiras públicas em uma ordem democrática: entre os modelos burocrático e gerencial. Revista do Serviço Público – RSP. Brasília: ENAP, 2003. v. 54, n. 01, jan./mar. 2003, p. 45-60.

CHANLAT, J. F. Quais carreiras e para qual sociedade (II). In: Revista de Administração de Empresas RAE. São Paulo: EAESP-FGV, 1996. v. 36, n. 01, jan./fev./mar. 1996, p. 13-20.

CHANLAT, J. F. Quais carreiras e para qual sociedade (I). In: Revista de Administração de Empresas RAE. São Paulo: EAESP-FGV, 1995. v. 35, n. 06, nov./dez. 1995, p. 67-75.

FAVERET, A.C. Padrões de Financiamento e Descentralização na Federação Brasileira: Saúde e Educação Fundamental nos Anos 90. Projeto de Dissertação de Doutorado apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva. Rio de Janeiro: Instituto de Medicina Social / UERJ, 1999.

FLANNERY, THOMAS P.; HOFRICTER, DAVID A; PLATTEN, PAUL E. Alinhando a remuneração à estratégia de mudanças e à cultura das organizações. RAE Light, 1996. v.3, n.1, p. 22-27,.

KANTER, R. M. O Ataque ao Salário. In: VROON, V. Gestão de Pessoas, Não de Pessoal. Rio de Janeiro: Ed. Campus, 1997.

LAWLER III, E. The Ultimate Advantage: Creating the High Involvement Organization. San Francisco: Jossey-Brass, 1992.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MARQUES, A. L.; NASCIMENTO, J. G. S.; ALBUQUERQUE, A. L. Inovação em Gestão de Pessoas no Setor Público: um estudo sobre a cooperação dos servidores a implantação dos novos planos de carreiras pelo Governo de Minas Gerais. In: Anais do Encontro de Administração Pública e Governança – ENAPG 2010. Vitória: ANPAD, 2010.

MARTINEZ, M. C.; PARAGUAY, A. I. Satisfação e saúde no trabalho – aspectos conceituais e metodológicos. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 2003. v. 6, pp. 59-78.

OCDE Flexibilidade na gestão de pessoal da administração pública. Cadernos ENAP. Brasília: ENAP, 1998. n. 16.

OCDE/PUMA. Desenvolvimentos recentes na gestão dos recursos humanos nos paísesmembros da OCDE. Revista do Serviço Público. Brasília: ENAP, Ano 52, n. 02, abr./jun. 2001, p. 48-66.

OLIVEIRA Jr., A. R. A gestão estratégica no terceiro setor: estudo de caso em uma organização religiosa eclesiástica no Amazonas. Novos Cadernos NAEA. Belém: NAEAUFPA, v. 05, n. 02, dez. 2002, p. 05-87.

PIRES, J. C. S.; MACÊDO, K. B. Cultura organizacional em organizações públicas no Brasil. Revista de Administração Pública RAP. Rio de Janeiro: EBAPE/FGV, v. 40, n. 01, jan./fev. 2006, p. 81-105.

REIS NETO, M. T. A remuneração variável na percepção dos empregados e suas conseqüências na motivação e no desempenho. Tese de doutorado em Administração. Centro de Pós-Graduação e Pesquisas da Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

SILVA Jr., N. A. Satisfação no trabalho: um estudo entre os funcionários dos hotéis de João Pessoa. Psico-USF, jan-Jun, 2001. 6, pp. 47-57.

WOOD, Jr. T.; PICARELLI FILHO, V. P. Remuneração Estratégica: a nova vantagem competitiva. 3ª ed. São Paulo: Atlas, 1999.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 04 ed., Porto Alegre: Bookman, 2010.