CEOs e composição do Conselho de Administração: a falta de identificação pode ser motivo para existência de teto de vidro para mulheres no Brasil? Outros Idiomas

ID:
1390
Autores:
Resumo:
O aumento significante da participação feminina na força de trabalho não impediu que permanecessem as diferenças com relação aos salários e à igualdade de tratamento nas promoções com relação ao gênero. Segundo a teoria da divisão do trabalho dentro da família, de acordo com as vantagens relativas de cada membro do casal (Becker, 1965), a diferença salarial e de promoção pode implicar menor investimento por parte das mulheres em seu aperfeiçoamento profissional. Neste trabalho, utilizamos uma base de dados inédita, referente a 370 empresas, que possibilita a investigação sobre a existência de teto de vidro para as mulheres no Brasil. Utilizando a metodologia empírica de probit, que permite a análise de variáveis binárias qualitativas, como a presença de uma mulher ou um homem no cargo mais elevado de uma empresa, concluiu-se neste estudo que existe uma relação entre a dificuldade da promoção de mulheres e a existência de um Conselho de Administração para ela. Com base na análise de Westphal e Fredrickson (2001), pode-se dizer que os resultados encontrados mostram que o Conselho de Administração busca escolher um CEO (do inglês Chief Executive Officer) que represente ao máximo seu próprio perfil de atuação e que, sendo o Conselho majoritariamente masculino, indivíduos do sexo feminino sofrem maior resistência à promoção.
Palavras-chave:
Citação ABNT:
MADALOZZO, R.CEOs e composição do Conselho de Administração: a falta de identificação pode ser motivo para existência de teto de vidro para mulheres no Brasil?. Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 1, art. 7, p. 126-137, 2011.
Citação APA:
Madalozzo, R.(2011). CEOs e composição do Conselho de Administração: a falta de identificação pode ser motivo para existência de teto de vidro para mulheres no Brasil?. Revista de Administração Contemporânea, 15(1), 126-137.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/1390/ceos-e-composicao-do-conselho-de-administracao--a-falta-de-identificacao-pode-ser-motivo-para-existencia-de-teto-de-vidro-para-mulheres-no-brasil-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Audia, P.; Greve, H. (2006). Less likely to fail: low performance, firm size, and factory expansion in the shipbuilding industry. Management Science, 52(1), 83-94. doi: 10.1287/mnsc.1050.0446.

Barth, E.; Gulbrandsen, T.; Schone, P. (2005). Family ownership and productivity: the role of owner-management. Journal of Corporate Finance, 11(1-2), 107-127.

Becker, G. (1965). A theory of the allocation of time. Economic Journal, 75(299), 493-517.

Berger, L. M.; Waldfogel, J. (2004). Maternity leave and the employment of new mothers in the United States. Journal of Population Studies, 17(2), 331-349.

Bjerk, D. (2008). Glass ceilings or sticky floors? Statistical discrimination in a dynamic model of hiring and promotion. Economic Journal, 118(530), 961-982.

Blau, F.; Devaro, J. (2007). New evidence on gender differences in promotion rates: an empirical analysis of a sample of new hires. Industrial Relations, 46(3), 511-550.

Bourdieu, P. (2009). A dominação Masculina (M. H. Kuhener Trad.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. (Obra original publicada em 1990).

Carvalho, S. S.; Firpo, S.; Gonzaga, G. (2006). Os efeitos da licença maternidade sobre salários e emprego da mulher no Brasil. Política e Planejamento Econômico, 36(3), 489-523.

Giuberti, A. C.; Menezes, N. A.; Filho (2005). Discriminação de rendimentos por gênero: uma comparação entre o Brasil e os Estados Unidos. Economia Aplicada, 9(3), 369-384.

Gordo, L. R. (2009). Why are women delaying motherhood in Germany? Feminist Economics, 15(4), 57-75.

Guimarães, L. (2008). O teto de vidro blindado. Jornal o Estado de São Paulo. maio 11. Recuperado em 8 abril, 2009, de http://www.estadao.com.br/suplementos/not_sup170706,0.htm

Hultin, M. (2003). Some take the glass escalator, some hit the glass ceiling? Work Occupations, 30(1), 30-61.

Jones, D.; Makepeace, G. (1996). Equal worth, equal opportunities: pay and promotion in an internal Labour market. The Economic Journal, 106(435), 401-409.

Kaufman, B. E.; Hotchkiss, J. L. (2003). The economics of labor markets (6th ed.). Ohio: Thomson Learning.

Lee, P. M.; James, E. H. (2007). She’-e-os: gender effects and investor reactions to the announcements of top executive appointments. Strategic Management Journal, 28(3), 227-241.

Madalozzo, R. (2009). Occupational segregation and the gender wage gap in Brazil: an empirical analysis. Economia Aplicada, 14(2), 147-168.

Morrison, A. M.; White, R. P.; Velsor, E. van, The Center for Creative Leadership. (1987). Breaking the glass ceiling: can women reach the top of America’s largest corporations? Reading, MA: Addison-Wesley.

Napari, S. (2010). Is there a motherhood wage penalty in the finnish private sector? Review of Labour Economics Industrial Relations, 24(1), 55-73.

Powell, G. N.; Butterfield, D. A. (1994). Investigation of the “glass ceiling” phenomenon: an empirical study of actual promotions to top management. Academy of Management Journal, 37(1), 68-86.

Santos, R. V.; Ribeiro, E. P. (2006). Diferenciais de rendimentos entre homens e mulheres no Brasil revisitado: explorando o “teto de vidro”. Recuperado em 23 abril,2009, de http://www.ie.ufrj.br/eventos/seminarios/pesquisa/texto06_05_02.pdf

Westphal, J. D.; Fredrickson, J. W. (2001). Who directs strategic change?, Director experience, the selection of new CEOs, and change in corporate strategy. Strategic Management Journal, 22(12), 1113-1137.

Wolfers, J. (2006). Diagnosing discrimination: stock returns and CEO gender. Working Paper Nº 11989. National Bureau of Economic Research, Cambridge, MA.