Aspectos comportamentais: a controladoria como fator de influência no comportamento humano

ID:
14541
Resumo:
Referida pesquisa tem o objetivo de estudar a percepção da influencia da controladoria no aspecto comportamental humano, na visão do controller e de outros gestores, numa empresa com mais de 50 anos de mercado, cujo faturamento gira em torno de R$ 2,5 bilhões ao ano, no segmento de GLP – Gás Liquefeito de Petróleo, através da pesquisa de campo. A modernidade e a globalização foram preponderantes para as empresas atuarem no âmbito nacional e internacional, bem como acirraram a concorrência entre elas, e, ainda, influenciaram na revolução da tecnologia da informação. Com isso, estão imersas em mudanças a nível macroeconômico, e estas acabam conduzindo às inovações a nível organizacional. Os aspectos relativos às mudanças implicam no comportamento, tanto individual quanto organizacional. O motivo que justificou a implantação da controladoria se deu em razão da necessidade da criação de controles, padronização de informações e maior competitividade no mercado. Observou-se que as ações de criar normas e procedimentos de controle interno, do orçamento/custos ou avaliação de desempenho mostraram-se ser os principais focos de resistência, sob tudo, ao medo da perda do emprego, diante da perspectiva de não corresponder às mudanças necessárias. Contudo, fica evidente que os fatores de resistência passam a ter impacto, mais pela maneira de atuação da controladoria que da sua implantação /existência. Cabe destacar que o grau de escolaridade, a falta de transparência e pouco envolvimento dos colaboradores no processo de decisão, foram alguns dos fenômenos ocorridos para a resistência dos colaboradores. Por fim, foi verificado também que as resistências são processos inevitáveis e que advêm de algumas atividades desempenhadas pela controladoria. Por isso, acaba se tornando um conceito moderador das mudanças ocorridas na empresa. Por isso, a existência destes fenômenos não pode impedir as ações promovidas pela controladoria que tem como objetivo o progresso das organizações. Para isto a figura do controller deve atuar com persistência e coerência. Todas estas alterações acabam exigindo novas práticas gerenciais e sendo assim, a controladoria é o órgão responsável por este processo. Os instrumentos utilizados para coleta de dados foram entrevista, realizadas no local de trabalho, com perguntas, diretas e estruturadas, para gestores e trabalhadores envolvidos com a mudança.
Citação ABNT:
CRISPIM, G.; CABRAL, L. M. M. A. C.; LIBONATI, J. J. Aspectos comportamentais: a controladoria como fator de influência no comportamento humano. Advances in Scientific and Applied Accounting, v. 4, n. 3, p. 379-405, 2011.
Citação APA:
Crispim, G., Cabral, L. M. M. A. C., & Libonati, J. J. (2011). Aspectos comportamentais: a controladoria como fator de influência no comportamento humano. Advances in Scientific and Applied Accounting, 4(3), 379-405.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/14541/aspectos-comportamentais--a-controladoria-como-fator-de-influencia-no-comportamento-humano/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AGBEJULE, Adebayo. Motivation of activity-based costing implementation. Journal of Accounting & Organizational change. v. 2, n. 1, 2006.

ANA, Beatriz Rodrigues, PRISCILLA Martins Celeste. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

ANTHONY, Robert N.; GOVINDARAJAN, Vilay. Sistema de controle gerencial. São Paulo: Atlas, 2006.

AURÉLIO, Buarque. Novo dicionário. 9 ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

CATELLI, Armando. Controladoria: uma abordagem da gestão econômica-GECON. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2001.

CHIAVENATO, I. Introdução à teoria geral da administração. 6 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE-CFC. Princípios fundamentais de contabilidade – Brasília, 2003.

FONSECA, Júnior, João Carlos da. Um estudo sobre a percepção das fontes de resistência a implantação da estrutura de controladoria: um estudo multicasos em empresas pernambucanas. Dissertação de mestrado da Universidade Federal de Pernambuco. Para CCSA. Ciências Contábeis, 2009.

FRIEDMANN, G. N. Com a colaboração de Jean-René Treanton - Tratado de sociologia do trabalho. Tradução de Octávio Mendes cajado. São Paulo: Cultrix, 1973. v. 1.

GONÇALVES, L. R. Cultura organizacional e políticas de recursos humanos nas empresas industriais de braço do norte. Dissertação de mestrado da Universidade Federal de Santa Catarina para Engenharia de Produção, Florianópolis, junho de 2000.

GUERREIRO, Reinaldo. Conceitual de sistema de informação de gestão econômica: uma contribuição à teoria da comunicação em contabilidade. Tese de Doutorado. São Paulo, FEA/USP, 1989.

KOTLER, J. P. Liderando mudança. 3 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

LOPES, Jorge Expedito de Gusmão. O fazer do trabalho científico em ciências sociais aplicadas. Ed. UFPE, 2006.

MARX, K. O Capital. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

MATTOS, A. M. Organização uma visão global: Introdução-ciência-arte: Rio de Janeiro: FGV, 1975.

MAXIMINIANO, A. C. A., Teoria geral da administração. 2 ed. São Paulo: Atlas,2000.

MINICUCCI, A. Relações humanas: psicologia das relações interpessoais. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1982.

MORGAN, G. Imagens da organização: São Paulo: Atlas, 1996.

MORGAN, J. S. Administração da mudança: as estratégias para tirar proveito da mudança. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

MOSIMANN, Clara Pellegrinello; FISCH, Sílvio. Controladoria: seu papel na administração de empresas. 2 ed. São Paulo: Atlas, 1999.

MÜLLER, Elza Terezinha Cordeiro; BEUREN, Ilse Maria. Evidências de institucionalização da controladoria em empresas familiares brasileiras. FURB, especiais, 2008.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa. 2 ed. São Paulo: Atlas, 1997

OLIVEIRA, M. K. Inteligência e vida cotidiana: competências cognitivas de adultos de baixa renda. Cadernos de Pesquisa, v. 44 , p. 45-54, fev. 1983.

ROBBINS, S. Administração: mudanças e perspectivas . In: ROBBINS. S. Comportamento Organizacional. São Paulo: Saraiva, 2002.

SANTOS, L. A Modernização e industrialização da agricultura nas décadas de 60/80 e a representatividade da soja no mercado nacional e internacional nos anos 90. Monografia para obtenção do titulo de Bacharel em ciências econômicas, UFPR, 2003.

SANTOS, M. A. S. Estudo da qualidade de vida no trabalho do nível operacional no setor industrial da RMC: Um estudo de caso no setor metalmecânico. Dissertação para obtenção do titulo de mestre em Engenharia Mecânica, Setor de Tecnologia da Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2003.

SANTOS, N. et al. Antropotecnologia: a ergonomia dos Sistemas de Produção.

SENGE, P. M. A quinta disciplina: arte, teoria e prática da organização de aprendizagem. 9. ed. São Paulo: Best Seller, 1990.

SILVA, Felipe Dantas Casimiro da. Uma investigação sobre a qualidade do ensino e a produção científica nos cursos superiores de ciências contábeis do Estado de Pernambuco. Recife, 2007. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Pernambuco

VON KROGH, G. et al. Facilitando a criação do conhecimento: reinventando a empresa com o poder da inovação continua. Tradução Afonso Celso da Cunha Serra/Rio de Janeiro: Campus, 2001.