Arranjo Produtivo Local e desenvolvimento sustentável: uma relação sinérgica no Município de Marco - Ceará Outros Idiomas

ID:
15005
Resumo:
Com a evolução do próprio conceito de desenvolvimento, mediante o fortalecimento do paradigma da sustentabilidade, torna-se necessária uma evolução das discussões em torno dos arranjos produtivos locais (APLs) que incorpore ponderações acerca de tais dimensões. Dessa forma, este estudo tem como objetivo geral analisar a ocorrência de práticas de desenvolvimento sustentável, com base no modelo triple bottom line, em um arranjo produtivo local. Para tanto, escolheu-se como campo empírico de estudo um APL de móveis, localizado no município de Marco, no estado do Ceará. Sua escolha para este trabalho se deveu tanto às características deste tipo de atividade, que por depender da extração e utilização de recursos naturais, principalmente a madeira, apresenta grande relação com questões da dimensão ambiental da sustentabilidade, quanto ao reconhecimento do forte desempenho econômico do APL de Marco, que fez com que a cidade fosse reconhecida como um dos maiores pólos moveleiros do Norte e Nordeste do país. Procurou-se identificar demonstrações econômicas (profit), sociais (people) e ambientais (planet), bem como verificar a ocorrência de sinergia na relação arranjo produtivo e desenvolvimento sustentável. Na revisão da literatura, foram construídos tópicos sobre a abordagem teórica de arranjos produtivos locais, o papel do empresário político ou empresário coletivo e sobre desenvolvimento sustentável e o modelo triple bottom line. A metodologia fundamentou-se em abordagem qualitativa, cujas técnicas de coleta foram a entrevista semi estruturada, a observação e um corpus documental. Foram escolhidos intencionalmente e por acessibilidade seis empreendedores. Pode-se concluir que, com base no modelo triple bottom line, estão presentes algumas características de desenvolvimento sustentável, principalmente relacionadas à dimensão ambiental (planet) e econômica (profit). A dimensão social (people) ainda está necessitando ser aperfeiçoada, o que pode acontecer pela influência do agente sinérgico ou empresário político.
Citação ABNT:
ALVARENGA, R. A. M.; MATOS, F. R. N.; MACHADO, D. Q.; SOBREIRA, M. C.; MATOS, L. B. S. Arranjo Produtivo Local e desenvolvimento sustentável: uma relação sinérgica no Município de Marco - Ceará. Revista de Administração Mackenzie, v. 14, n. 5, p. 15-43, 2013.
Citação APA:
Alvarenga, R. A. M., Matos, F. R. N., Machado, D. Q., Sobreira, M. C., & Matos, L. B. S. (2013). Arranjo Produtivo Local e desenvolvimento sustentável: uma relação sinérgica no Município de Marco - Ceará. Revista de Administração Mackenzie, 14(5), 15-43.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/15005/arranjo-produtivo-local-e-desenvolvimento-sustentavel--uma-relacao-sinergica-no-municipio-de-marco---ceara/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBAGLI, S. Informações e desenvolvimento sustentável: novas questões para o século XXI. Ciência da Informação, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 1-9, 1995.

ALMEIDA, F. O bom negócio da sustentabilidade. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.

AMORIM, M. Clusters como estratégia de desenvolvimento industrial no Ceará. Fortaleza: Banco do Nordeste, 1998.

ANDERSON, K.; BLACKHURST, R. The greening of world trade issues. London: Harvester Wheatscheaf, 1992.

BAGNASCO, A. A teoria do desenvolvimento e o caso italiano. In: ARBIX, G.; ZILBOVICIUS, M.; ABRAMOVAY, R. (Orgs.). Razões e ficções do desenvolvimento. São Paulo: Unesp/Edusp, 2001.

BAGNASCO, A. Desenvolvimento regional, sociedade local e economia difusa. In: COCCO, G.; URANI, A.; GALVÃO, A. (Orgs.). Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: o caso da Terceira Itália. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

BAGNASCO, A. Tre Italie. La problematica territoriale dello sviluppo italiano. Bologna: Il Mulino, 1977.

BAPTISTA, C. Distritos flexíveis e desenvolvimento endógeno: uma abordagem “marshalliana”, 2002. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2012.

BARBOSA, G. S. O desafio do desenvolvimento sustentável. Revista Visões, Rio de Janeiro, v. 1, n. 4, p. 1-11, jan./jun. 2008.

BARQUERO, A. V. Desenvolvimento endógeno em tempos de globalização. Porto Alegre: Fundação de Economia e Estatística, 2001.

BECATTINI, G. Mercato e forze locali: il distretto industriali. Bologna: Il Mulino, 1987.

BECATTINI, G. The Marshallian industrial district as a socio-economic notion. In: PYKE, F.; BECATTINI, G.; SENGENBERGER, W. (Ed.). Industrial districts and inter-firm coooperation in Italy. Geneve: International Institute for Labour Studies, ILO, 1990.

BECKER, B. A Amazônia pós ECO-92. In: BURSZTYN, M. (Org.). Para pensar o desenvolvimento sustentável. São Paulo: Brasiliense, 1993.

BERTALANFFY, L. Teoria geral dos sistemas. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1977.

BOISIER, S. Y si el desarrollo fuese uma emergencia sistémica? Redes, v. 8, n. 1, p. 4-42, 2003.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Plano de desenvolvimento do arranjo produtivo local de móveis do Marco Ceará.2008. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2012.

BRUSCO, S. The idea of the industrial district: its genesis. In: PYKE, F.; BECATTINI, G.; SENGENBERGER, W. (Ed.). Industrial districts and inter-firm cooperation in Italy. Geneve: International Institute for Labour Studies, ILO, 1990.

BRUSCO, S.; SABEL, C. Artisan production and economic growth, in the dynamics of labour market segmentation. London: Academic Press, 1981.

BRUYNE, P.; HERMAN, J.; SCHOUTHEETE, M. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais - os pólos da prática metodológica. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1977.

BUARQUE, S. Construindo o desenvolvimento local sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

CALLENS, I.; TYTECA, D. Methods: toward indicators of sustainable development for firms, a productive efficiency perspective. Ecological Economics, n. 28, p. 41-53, 1999.

CAMAGNI, R. Local milieu, uncertainty and innovation networks: towards a new dynamic theory of economic space. In: CAMAGNI, R. (Ed.). Innovation networks spatial perspectives. London: Belhaven Press, 1991.

CARROL, A. Corporate social responsibility: evolution of a definitional construct. Business and Society, v. 8, p. 268-295, 1999.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. Inovação, globalização e as novas políticas de desenvolvimento industrial e tecnológico. In: CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. (Ed.). Globalização e inovação localizada: experiências de sistemas locais no Mercosul. Brasília: Ibict/IEL, 1999.

COCCO, G.; GALVÃO, A.; SILVA, M. Desenvolvimento local e espaço público na Terceira Itália: questões para a realidade brasileira. In: GALVÃO, A.; URANI, A.; COCCO, G. (Orgs.). Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A, 1999. p. 13-32.

COOKE, P. Regional innovation systems: an evolutionary approach. In: BARACZYK, H.; COOKE, P.; HEIDENREICH, R. (Ed.). Regional innovation systems. London: University of London Press, 1996.

CORÓ, G. Distritos e sistemas de pequena empresa na transição. In: URANI, A.; COCCO, G.; GALVÃO, A. (Orgs.). Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A, 1999. p. 147-197.

EDQUIST, C. (Ed.). Systems of innovation: technologies, institutions and organizations. London: Pinter, 1997.

ELKINGTON, J. Sustentabilidade, canibais com garfo e faca. São Paulo: M. Books, 2012.

FILION, L.; LUC, D.; FORTIN, P. L’essaimage d’entreprises. Vers de nouvelles pratiques entrepreneuriales. Montreal: Les Éditions Transcontinental, 2003.

FREEMAN, C. Technology policy and economic performance: lessons from Japan. London: Pinter Publishers, 1987.

FUÀ, G. L’industrializzazione nel Nord Est e nel Centro. Bologna: Il Mulino, 1983.

FULLER, B. Synergetics: explorations in the geometry of thinking. New York: Collier Books, 1982.

GALLICCHIO, E. El desarollo local: como combinar gobernabilidad, desarollo económico y capital social en el território. In: ROFFMAN, A.; VILLAR, A. (Orgs.). Desarollo local: una revisión critica del debate. Buenos Aires: Espacil Editorial, 2006. p. 59-74.

GALLOPÍN, G. Prospectiva ecológica de América Latina y revolución tecnológica. In: CONGRESSO LATINOAMERICANO SOBRE POLITICAS CIENTIFICAS Y TECNOLOGICAS, 3., 1988, São José, Costa Rica. Anais... São José: Ministério de Indústria, Comércio y Turismo, 1988.

GLAESER, B.; UYASULU, V. The obsolescence of ecodevelopment? In: GLAESER, B. (Org.). Ecodevelopment: concepts, projects, strategies. Oxford: Pergamon, 1984.

GUDYNAS, E. Etica, ambiente y desarrollo em Latinoamerica. Apuntes de ecologia. Uruguai: Cipfe, 1989.

HAESBAERT, R. Territórios alternativos. São Paulo: Contexto, 2002.

HART, S. Beyond greening: strategies for a sustainable world. Harvard Business Review, v. 75, p. 66-76, 1997.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico 2012. 2010. Disponível em: . Acesso em: ago. 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Contagem da população 1996. 1996. Disponível em: . Acesso em: ago. 2012.

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ. A evolução do PIB dos municípios cearenses no período 2002-2010. 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2012.

INTERNATIONAL UNION FOR CONSERVATION OF NATURE AND NATURAL RESOURCES (IUCN). World conservation strategy: Living resource conservation for sustainable development. Gland: IUCN, 1980.

JAMES, P. et al. Work of the future. Sydney: Allen & Unwin, 1997.

KELLER, P. Cluster, distritos industriais e cooperação interfirmas: uma revisão da literatura. 2008. Disponível em: . Acesso em: 26 jan. 2012.

KLIKSBERG, B. Repensando el Estado para el desarrollo social: más allá de convencionalismos. Buenos Aires: Centro de Documentación en Políticas Sociales, 1998.

KRUGMAN, P. Development, geography and economic theory. Cambridge: MIT Press, 1995.

LASTRES, H.; CASSIOLATO, J. Glossário de arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais. Rio de Janeiro, 2005. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2012.

LIMA, F. Histórias de sucesso, indústria, madeira e móveis. Brasília: Sebrae, 2007.

LUNDVAL, B. A. User-producer relationships and national systems of innovation. In: LUNDVAL, B. A. (Ed.). National systems of innovation: Towards a theory of innovation and interactive learning. London: Pinter, 1992.

MARKUSEN, A. Sticky places in slippery space: a typology of industrial districts. Economic Geography, v. 72, n. 3, p. 293-313, July 1996.

MARSHALL, A. Princípios de economia. 2. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1985.

MARTINELLI, D.; JOYAL, A. Desenvolvimento local e o papel das pequenas e médias empresas. Barueri: Manole, 2004.

MCNAUGHTON, R. Industrial districts and social capital. In: GREEN, M.; MCNAUGHTON, R. (Ed.). Industrial networks and proximity. Aldeshort: Ashgate, 2000.

MERRIAM, S. Qualitative research and case study applications in education. San Francisco: Jossey-Bass, 1998.

MINAYO, M. O desafio do conhecimento pesquisa qualitativa em saúde. 10. ed. São Paulo: Hucitec, 2007.

NASCIMENTO, L.; LEMOS, A.; MELLO, M. Gestão socioambiental estratégica. Porto Alegre: Bookman, 2008.

NEGRI, A. O empresário político. In: GALVÃO, A.; URANI, A.; COCCO, G. (Orgs.). Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

PATTON, M. Qualitative research and evaluation methods. 3. ed. Thousand Oaks: Sage, 2002.

PIKE, F.; SENGENBERGER, W. (Ed.). Industrial districts and economic regeneration. Geneva: International Labour Studies, 1992.

PINTO, A. Notas sobre estilos de desarrollo en America Latina. Revista de la Cepal, Santiago, n. 96, p. 73-93, 2008.

PIORE, M.; SABEL, C. The second industrial divide: possibilities for prosperity. New York: Basic Books, 1984.

PORTER, M. Competição - estratégias competitivas essenciais. 13. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 1999.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO. IDH Municípios 2010. 2012. Disponível em: . Acesso em: ago. 2012.

QUIVY, R.; CAMPENHOUDT, L. Manual de investigação em ciências sociais trajectos. Lisboa: Gradiva, 2008.

SACHS, I. Caminhos para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Garamond, 2002.

SACHS, I. Desenvolvimento includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SACHS, I. Ecodesenvolvimento: crescer sem destruir. São Paulo: Vértice, 1986.

SACHS, I. Poblacion, tecnologia, recursos naturales y médio ambiente. Boletín Económico de America Latina, v. 18, n. 1-2, p. 117-129, 1973.

SANTOS, M. A aceleração contemporânea: tempo mundo e espaço mundo. In: SANTOS, M. et al. (Org.). O novo mapa do mundo: fim de século e globalização. São Paulo: Hucitec, 1993. p. 15-22.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 2. ed. São Paulo: Record, 2000.

SCHMITZ, H. Global competition and local co-operation: success and failure in the Sinos valley, Brazil. World Development, v. 27, n. 9, p. 1627-1650, 1999.

SCIPIÃO, T. Pequenas e médias empresas puxando o desenvolvimento: a formação do cluster moveleiro de Marco e Bela Cruz. 2000. 64 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Economia) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2000.

SCOTT, A. The geographic foundations of industrial performance. In: CHANDLER JR., A.; HAGSTROM, P.; SOLVELL, O. (Ed.). The dynamic firm the role of technology, organization and regions. Oxford: Oxford University Press, 1988.

SEN, A. Desenvolvimento como liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

SENGENBERGER, W.; PIKE, F. Distritos industriais e recuperação econômica local: questões de pesquisa e de política. In: COCCO, G.; URANI, A.; GALVÃO, A. (Orgs.). Empresários e empregos nos novos territórios produtivos o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

SPINK, P. Pesquisa de campo em psicologia social: uma perspectiva pós-construcionista. Psicologia & Sociedade, v. 15, n. 2, p. 18-42, 2003.

STEGER, U. The business of sustainability: building industry cases for corporate sustainability. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2004.

STORPER, M. Regional technology coalitions: an essential dimension of national technology policy. Research Policy, v. 24, n. 5, p. 895-911, 1995.

SUNKEL, O. Introduccion. La interaccion entre lós estilos de desarrollo y el meio ambiente em America Latina. Siglo XX. Estilos de Desarrollo y Médio Ambiente en la America Latina, v. 36, n. 1, p. 17-53, 1980.

TENDLER, J. Good government in the tropics. London: The Johns Hopkings University Press, 1997.

VEIGA, J. da. Meio ambiente e desenvolvimento. São Paulo: Senac, 2006.

WINN, M.; KIRCHGEORG, M. The siesta is over: a rude awakening from sustainability myopia. In: SHARMA, S.; ARAGÓN-CORREA, J. A. (Ed.). Corporate environmental strategy and competitive advantage. North Hampton: Edward Edgar, 2005 p. 232-258.

WOLFE, M. Desarrollo: imágenes, concepciones, critérios, agentes, opciones. Boletín Económico de America Latina, v. 18, n. 1-2, p. 1-12, 1973.

WORLD COMMISSION ON ENVIRONMENT AND DEVELOPMENT. Our common future. 1987. Disponível em: . Acesso em: ago. 2012.

YIN, R. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.