Redes estratégicas para a inovação: um estudo multicaso de incubadoras paranaenses Outros Idiomas

ID:
16489
Resumo:
O objetivo deste artigo é analisar, em redes estratégicas, se a incubadora, a partir da perspectiva dos seus gestores,atua como intermediária das empresas incubadas no acesso a informação para o desenvolvimento deinovação. Para alcançá-lo, discute-se no quadro teórico sobre inovação, informação e redes estratégicas, quesão observadas a partir dos relacionamentos da incubadora. Foi realizado um estudo multicaso descritivo--qualitativo em três incubadoras localizadas no interior do estado do Paraná: (1) Incubadora Tecnológica deMaringá, (2) Incubadora do Parque Tecnológico Itaipu (PTI) e (3) Centro Incubador Tecnológico de Cascavel(CIT/FUNDETEC). Foram coletados dados por meio de entrevistas com os gestores dessas organizações. Osdados foram analisados utilizando-se de análise de conteúdo com auxilio do software Atlas.ti. Entre os principaisachados, destacam-se: (1) as incubadoras têm consciência da sua importância como mediadores, masde maneira geral atuam mais como incentivadores informais na formação de relacionamentos; (2) existe umadiversidade nos tipos de empresas que são incubadas, o que propicia uma oportunidade de acesso a informaçãoao mesmo tempo em que dificulta o trabalho de cooperação dessas empresas, especialmente devido àdificuldade de comunicação; (3) a diferença na percepção do tempo entre a incubadora, incubadas e demais parceiros complica o trabalho em conjunto; e (4) as inovações possuem baixo grau de novidade, sendo maisincrementais
Citação ABNT:
NASCIMENTO, M. R.; PEREIRA, J. A.; CENERINO, A.; SOUZA, M. C. D.; MACHADO, D. S.; SILVA, L. V.; NOVELI, C. P. Redes estratégicas para a inovação: um estudo multicaso de incubadoras paranaenses. Revista Brasileira de Estratégia, v. 4, n. 1, p. 63-76, 2011.
Citação APA:
Nascimento, M. R., Pereira, J. A., Cenerino, A., Souza, M. C. D., Machado, D. S., Silva, L. V., & Noveli, C. P. (2011). Redes estratégicas para a inovação: um estudo multicaso de incubadoras paranaenses. Revista Brasileira de Estratégia, 4(1), 63-76.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/16489/redes-estrategicas-para-a-inovacao--um-estudo-multicaso-de-incubadoras-paranaenses/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBAGLI, S.; MACIEL, M. L. Informação e conhecimento na inovação e no desenvolvimento local. Ciência da Informação, v. 33, n. 3, p. 9-16, 2004.

ANDRADE, T. N. Inovação e ciências sociais: em busca de novos referenciais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 20, n. 58, p. 145-211, 2005.

ARBIX, G. Inovação e desenvolvimento. In: ARBIX, G. et al. (Org.). Inovação: estratégia de sete países. Brasília: ABDI, 2010.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS INOVADORES – ANPROTEC. Disponível em: . Acesso em: 8 abr. 2011.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE ENTIDADES PROMOTORAS DE EMPREENDIMENTOS INOVADORES – ANPROTEC. SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS – SEBRAE. Glossário dinâmico de termos na área de tecnópoles, parques tecnológicos e incubadoras de empresas. Brasília, 2002.

BANDEIRA-DE-MELLO, R. Softwares em pesquisa qualitativa. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. (Org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BAUER, M. W. Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2007.

BESSANT, J.; TIDD, J. Inovação e empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman, 2009.

BEUREN, I. M.; RAUPP, F. M. Gestão do conhecimento em incubadoras brasileiras. Future Studies Research Journal, v. 2, n. 2, p. 186-210, 2010.

CASTILLA, E. J. et al. Social networks in silicon valley. In: LEE, C. M. et al. (Ed.). The silicon valley edge: a habitat for innovation and entrepreneurship. Stanford: Stanford University Press, 2000. p. 218-247.

CASTRO, S. C.; MACHADO, H. V. Empresas de base tecnológica egressas de incubadoras paranaenses: fatores de mortalidade. In: MACHADO, H. V. (Org.). Causas de mortalidade de pequenas empresas. Maringá: EDUEM, 2007.

CONE, J. D.; FOSTER, S. L. Dissertations e theses from start to finish. 2nd ed. Washington: American Psychological Association, 2006.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DAMANPOUR, F.; SCHNEIDER, M. Phases of the adoption of innovation in organizations: effects of environment, organization and top managers. British Journal of Management, v. 17, n. 3, p. 215-236, 2006.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Handbook of qualitative research. Thousand Oaks: Sage, 1994.

DIAS, R. M. Redes estratégicas: a influência do capital social na formação do capital intelectual das empresas focais. 2009. 232 f. Tese (Doutorado em Administração) – Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2009.

ELFRING, T.; HULSINK, W. Networking by entrepreneurs: patterns of tie-formation in emerging organizations. Organization Studies, v. 28, n. 12, p. 1849-1872, 2007.

ELFRING, T.; HULSINK, W. Networks effects on entrepreneurial processes: start-ups in the Dutch ICT Industry 1990-2000. In: CONFERENCE UNIVERSITAT AUTONOMA DE BARCELONA, 16., 2002, Barcelona. Proceedings… Barcelona: RENT, 2002.

FONTANA, A.; FREY, J. H. Interviewing: the art of science. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Org.). Handbookof qualitative research. Thousand Oaks: Sage, 1994. p. 361-376.

FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO – FUNDETEC. Disponível em: . Acesso em: 27 fev. 2011.

GODOY, A. S. Estudo de caso qualitativo. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. (Org.). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006. p. 1-13.

GRANOVETTER, M. Economic action and social structure: the problem of embeddedness. American Journal of Sociology, v. 91, n. 3, p. 481-510, 1985.

GRANOVETTER, M. The strength of weak ties. American Journal of Sociology, v. 78, n. 6, p. 1360-1380, 1973.

GULATI, R.; NOHRIA, N.; ZAHEER, A. Strategic networks. Strategic Management Journal, v. 21, n. 3, p. 203-215, 2000.

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE MARINGÁ. Disponível em: . Acesso em: 5 out. 2010.

LAHORGUE, M. A. Pólos, parques e incubadoras: instrumento de desenvolvimento do século XXI. Brasília: Evangraf, 2004.

LEMOS, C. Inovação na era do conhecimento. In: LASTRES, H. M. M. Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

MACHADO, H. V.; GREATTI, L.; JESUS, M. J. Compreendendo a imersão de empreendedoras em redes: a institucionalização da associação de mulheres de negócios de Maringá. In: GIMENEZ, F. A. P.; FERREIRA, J. M.; RAMOS, S. C. (Org.). Empreendedorismo e estratégia de empresas de pequeno porte – 3Es2Ps. Curitiba: Champagnat, 2010. p. 85-104.

MACIEL, M. L. Hélices, sistemas, ambientes e modelos: os desafios à sociologia da inovação. Sociologias, v. 3, n. 6, p. 18-29, 2001.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2009.

MOREIRA, D. A.; QUEIROZ, A. C. S. (Org.). Inovação organizacional e tecnológica. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

MOWERY, D.; ROSENBERG, N. Trajetórias da inovação: a mudança tecnológica nos Estados Unidos da América no Século XX. Campinas: Unicamp, 2005.

NONAKA, I. A empresa criadora do conhecimento. In: STARKEY, K. (Org.). Como as organizações aprendem: relato do sucesso das grandes empresas. São Paulo: Futura, 1997. p. 27-43

PARQUE TECNOLÓGICO ITAIPU – PTI. Disponível em: . Acesso em: 1º mar. 2011.

POWELL, W.; SMITH-DOERR, L. Network and economic life. In: SMELSER, N. J.; SWEDBERG, R. (Org.). The handbook of economic sociology. Princeton, N. J.: Princeton University Press, 1994. p. 268-403.

PRAJOGO, D.; AHMED, P. Relationship between innovation stimulus, innovation capacity and innovation performance. R&D Management, v. 36, n. 5, p. 499-515, 2006.

REDE PARANAENSE DE INCUBADORAS E PARQUES TECNOLÓGICOS. Disponível em: . Acesso em: 8 abr. 2011.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

ROGERS, E. Diffusion of innovation. New York: Free Press, 2003.

TÁLAMO, M. F. G. M. A pesquisa: recepção da informação e produção do conhecimento. DataGramaZero Revista de Ciência da Informação, v. 5, n. 2, art. 1, 2004.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TOMAÉL, M. I. et al. Das redes sociais à inovação. Ciência da Informação, v. 34, n. 2, p. 93-104, 2005.

TRIVIÑOS, A. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 2008.

UZZI, B. Social structure and competition in interfirm networks: the paradox of embeddedness. Administrative Science Quarterly, v. 42, n. 1, p. 35-67, 1997.

VEDOVELLO, C.; FIGUEIREDO, P. Incubadora de inovação: que nova espécie é essa? RAE Eletrônica, v. 4, n. 1, p. 1-18, 2005.

VEDRES, B.; STARK, D. Dobras estruturais: ruptura generativa em grupos sobrepostos. Revista de Administração de Empresas, v. 50, n. 2, p. 215-240, 2010.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2003.