A Influência dos stakeholders na elaboração de estratégia em pequenas empresas Outros Idiomas

ID:
16491
Resumo:
O objetivo deste artigo foi analisar a relação entre as estratégias de influência dos Stakeholders no Processo deElaboração de Estratégia em pequenas empresas. As hipóteses teóricas desta pesquisa partem da observação deque para uma organização obter vantagens competitivas é essencial perceber como as especificidades do ambienteexterno influenciam suas decisões estratégicas. Os resultados apontaram como processo de elaboração predominanteo Modo Empreendedor, seguido pelo Modo Incremental. Observou-se também que três Stakeholdersno ambiente interno e quatro no ambiente externo poderiam empregar estratégias de influência. O estudo, decaracterística predominantemente quantitativa, foi realizado em 148 pequenas empresas entre 2005 e 2009.Realizaram-se associações por meio da utilização do coeficiente de contingência, além de análises de variânciaentre as abordagens propostas. Os resultados da associação entre as estratégias de influência que os Stakeholderspodem empregar e os modos de elaboração de estratégia indicaram que existe associação, este resultado veiocorroborar estudos anteriormente analisados. Outras associações foram realizadas, as análises de variância nãoapresentaram relação entre essas duas abordagens, entretanto, estatisticamente os resultados indicaram quenão se deve refutar a hipótese de que existe associação entre as estratégias que os Stakeholders adotam e o processode elaboração de estratégias. Outra associação foi entre a percepção das estratégias de influência que osStakeholders podem empregar e o grau de formação dos pesquisados. Os resultados sugerem que quanto maiorfor o grau de formação do entrevistado mais ele percebe a influência do Stakeholders. Este resultado é relevantedo ponto de vista teórico, visto que não se encontrou estudos avaliando esta relação. Esse estudo não apresentaevidências que possam afirmar que a adoção de um determinado modo de elaboração possa garantir uma vantagemcompetitiva. As informações obtidas nessas empresas parecem realçar a necessidade de que é precisoanalisar mais variáveis quando se investiga pequenas empresas.
Citação ABNT:
FREITAS, C. A.; SOUZA, S. C. A Influência dos stakeholders na elaboração de estratégia em pequenas empresas. Revista Brasileira de Estratégia, v. 4, n. 1, p. 77-89, 2011.
Citação APA:
Freitas, C. A., & Souza, S. C. (2011). A Influência dos stakeholders na elaboração de estratégia em pequenas empresas. Revista Brasileira de Estratégia, 4(1), 77-89.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/16491/a-influencia-dos-stakeholders-na-elaboracao-de-estrategia-em-pequenas-empresas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALDRICH, H. E.; PFEFFER, J. Environments of organizations. Annual Review of Sociology, v. 2, p. 79-105, 1976.

ARAGON-SÁNCHES, A.; SÁNCHES-MARÍN, G. Strategic orientation, management characteristics, and performance: a study of Spanish SMEs. Journal of Small Business Management, v. 43, n. 3, p. 287-308, 2005.

BEAVER, G.; PRINCE, C. Management, strategy and policy in the UK small business sector: a critical review. Journal of Small Business and Enterprise Development, v. 11, n. 1, p. 34-49, 2004.

CANCELLIER, E. L. P. de L. A formulação de estratégias em pequenas empresas: um estudo na pequena indústria catarinense. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 25., 2001, Campinas. Anais... Campinas: EnANPAD, 2001.

CERVO, A. L.; BERVIAN, P. A. Metodologia científica. São Paulo: Prentice Hall, 1996.

DESS, G. G.; BEARD, D. W. Dimensions of organizational task environments. Administrative Science Quarterly, v. 29, n. 1, p. 52-73, 1984.

FAGUNDES F. M.; GIMENEZ, F. A. P. Ambiente, estratégia e desempenho em micro e pequenas empresas. REBRAE, v. 2, n. 2, p. 133-146, 2009.

FREEMAN, R. E. Strategic management: a stakeholder approach. Boston: Pitman, 1984.

FREEMAN, R. E.; LIEDTKA, J. Stakeholders capitalism and the value chain. European Management Journal, v. 15, n. 3, p. 286-296, 1997.

FREEMAN, R. E.; REED, D. L. Stockholders and stakeholders: a new perspective on corporate governance. California Management Review, v. 25, n. 3, p. 88-92, 1983.

FROOMAN, J. Stakeholders influence strategies. Academy of Management Review, v. 24, n. 2, p. 191-203, 1999.

GIMENEZ, F. A. P. Escolhas estratégicas e estilo cognitivo: um estudo com pequenas empresas. RAC, v. 2, n. 1, p. 27-45, 1998.

GIMENEZ, F. A. P. et al. Estratégia em pequenas empresas: uma aplicação do modelo de Miles e Snow. RAC, v. 3, n. 2, p. 53-74, 1999.

GIMENEZ, F. A. P.; RAMOS, S. C.; FERREIRA, J. M. O papel da análise da concorrência na formulação da estratégia em pequenas empresas. In: ENCONTRO DE ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO E GESTÃO DE PEQUENAS EMPRESAS, 4., 2005, Curitiba. Anais... Curitiba: EGEPE, 2005.

GIMENEZ, F. A.; GRAVE, P. S. Discutindo a possibilidade de sistematizar o pensamento estratégico em pequenas empresas. Universidade Estadual de Londrina e Universidade Estadual de Maringá. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CURSOS DE EM ADMINISTRAÇÃO, 8., 1992, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ENAGRAD, 1992.

HAYES, B. E. Medindo a satisfação do cliente: desenvolvimento e uso de questionários. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2003.

HERRERA, V. É.; ABREU, A. de; SIQUEIRA, N. de A. Estratégia de diversificação e diferenciação numa pequena empresa de confeito de amendoim da capital nacional do alimento: estudo de caso da Yuppis Alimentos. In: SEMINÁRIO DE GESTÃO DE NEGÓCIOS, 1., 2004, Curitiba. Anais... Curitiba: FAE, 2004.

HILLMAN, A. J.; KEIM, G. D. Shareholder value, stakeholders management, and social issues: What’s the botton line? Strategic Management Journal, v. 22, n. 2, p. 125-139, 2001.

HOFFMANN, R. A.; HOFFMANN, V. E.; CANCELLIER, E. L. P. de L. As estratégias da microempresa varejista e seus estágios de informatização. Revista de Administração Mackenzie, v. 10, n. 2, p. 110-134, 2009.

HOFFMANN, V. E. Comportamento estratégico em PME de primeira e segunda geração: um estudo de multicasos no Vale do Itajaí – SC. Revista Alcance, v. 4, n. 6, p. 79-86, 2002.

HOFFMANN, V. E. Processo de elaboração de estratégias organizacionais: evolução em uma empresa industrial. Revista Alcance, v. 1, n. 13, p. 75-78, 1998.

HOFFMANN, V. E.; PROCOPIAK FILHO, J. A.; ROSSETTO, C. R. As estratégias de influência dos stakeholders nas organizações da indústria da construção civil: setor de edificações em Balneário Camboriú – SC. Ambiente Construído, v. 8, n. 3, p. 21-35, 2008.

IDENBURG, P. J. Four styles of strategy development. Long Range Planning, v. 26, n. 6, p. 132-136, 1993.

LIMA, L. M. E. S. Influência dos stakeholders no processo estratégico de 2 pequenas empresas no ramo de móveis. 2008. 151 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Regional de Blumenau, Blumenau, 2008.

MACHADO-DA-SILVA, C. L.; BARBOSA, S. L. Estratégia, fatores de competitividade e contexto de referência das organizações: uma análise arquetípica. Revista de Administração Contemporânea, v. 6, n. 3, p. 7-32, 2002.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MARCON, R.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; ALBERTON, A. Teoria instrumental dos stakeholders em ambientes turbulentos: uma verificação empírica utilizando doações políticas e sociais. Brazilian Business Review, v. 5, n. 3, p. 289-308, 2008.

MINTZBERG. H. Strategy-making in three modes. California Management Review, v. 16, n. 2, p. 44-53, 1973.

MITCHELL, R. K.; AGLE, B. R.; WOOD, D. J. Toward a theory of stakeholders identification and salience: defining that principle of who and what really counts. The Academy of Management Review, v. 22, n. 4, p. 853-886, 1997.

OLIVEIRA, I. C. J. de.; Processo de formação de estratégias em restaurantes: um estudo de múltiplos casos. 2007. 170 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2007.

PFEFFER, J.; SALANCIK, G. R. The external control of organizations: a resource dependence perspective. New York: Harper & Row, 1978.

PORTO, E. C. et al. Ambientes organizacionais: uma proposta de classificação com uso de munificência, dinamismo e complexidade. Revista de Administração e Contabilidade da Unisinos, v. 6, n. 2, p. 101-119, 2009.

PROCOPIAK FILHO, J. A. Estratégias e stakeholders em organizações da indústria da construção civil em Balneário Camboriú – SC. 2006. 166 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade do Vale do Itajaí, Biguaçu, 2006.

QUINN, J. B. Strategic change: “logical incrementalism”. Sloan Management Review, v. 20, n. 1, p. 7-21, 1978.

RATHMANN, R. et al. Fenadoce como estratégia de diferenciação e de vantagem competitiva dos doceiros de Pelotas. In: CONGRESSO DO INSTITUTO FRANCO-BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS, 4., 2007, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: IFBAE, 2007.

ROSSETTO, C. R.; ROSSETTO, A. M. O processo de adaptação estratégica segundo o modelo de Tushman e Romanelli: um estudo de caso no setor de edificações. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 21., 2001, Salvador. Anais… Salvador: ENEGEP, 2001.

ROWLEY, T. J. Moving beyond dyadic ties: a network theory of stakeholders influences. The Academy of Management Review, v. 22, n. 4, p. 887-910, 1997.

SABINO, B. S. et al. A importância dos stakeholders na tomada de decisão das pousadas de Bombinhas. Revista Turismo, Visão e Ação, v. 7, n. 2, p. 341-354, 2005.

SCOTT, W. R. Organizations: rational, natural, and open systems. Upper Saddle River: Prentice Hall, 2003.

SHARFMAN, M. P.; DEAN JUNIOR, J. W. Conceptualizing and measuring the organizational environment: a multidimensional approach. Journal of Management, v. 17, n. 4, p. 701-710, 1991.

SILVA, J. F. da; BRANDT, E. A.; COSTA, L. S. de V. Truelo de tipologias estratégicas na arena das franquias de fast food no Brasil: Porter x Miles & Snow x Mintzberg. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 27., 2003, Atibaia. Anais... Atibaia: EnANPAD, 2003.

STONER, J. A.; FREEMAN, R. E. Administração estratégica. Rio de Janeiro: PHB, 1985.

WEICK, K. The social psychology of organizing. 2nd. ed. Reading: Addison-Wesly, 1979.