A imagina(organiza)ção surrealista: rompendo a gaiola de ferro dos estudos organizacionais Outros Idiomas

ID:
1706
Periódico:
Resumo:
Neste artigo apresento uma interface entre arte e administração, tendo o movimento surrealista como ponte de conversação entre as duas áreas. Em virtude da dinâmica dos estudos organizacionais no Brasil e de sua dependência teórica com o mundo anglo-saxão, o pensamento subversivo e libertário subjacente à arte surrealista pode ser explorado como instrumento de ruptura das grades simbólicas que aprisionam nossa criatividade na gaiola de ferro dos estudos organizacionais. Nesse sentido, o objetivo no trabalho é analisar o contexto atual a partir de três cenas: uma instável, que retrata a ruptura dos anos 1920 com a proposta de autonomia do movimento surrealista; uma estável, com a fixação do fenômeno organizacional em paradigmas e sua travestida evolução expressa pelo domesticado movimento do Critical Management Studies (CMS). Outro ponto está em analisar as possibilidades de ruptura a partir de uma nova cena onde estabilidade e instabilidade fazem parte de uma mesma realidade e deslocam o centro dos debates para o nosso próprio contexto, a fim de atingir a autonomia necessária para uma teorização organizacional brasileira com a mesma ousadia e criatividade dos precursores da aventura surrealista.
Citação ABNT:
ROSA, A. R.A imagina(organiza)ção surrealista: rompendo a gaiola de ferro dos estudos organizacionais. Cadernos EBAPE.BR, v. 6, n. 1, art. 4, p. 1-16, 2008.
Citação APA:
Rosa, A. R.(2008). A imagina(organiza)ção surrealista: rompendo a gaiola de ferro dos estudos organizacionais. Cadernos EBAPE.BR, 6(1), 1-16.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/1706/a-imagina-organiza-cao-surrealista--rompendo-a-gaiola-de-ferro-dos-estudos-organizacionais/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português