“Por que sou voluntário?”: etapa de construção de escala quantitativa Outros Idiomas

ID:
17604
Resumo:
A análise da validade de um instrumento quantitativo que permita conhecer o que conduz, o que mantém e o que faz deixar um voluntário a sua atividade é o objetivo deste trabalho. No referencial teórico são elencados aspectos inerentes ao trabalho voluntário seguidos da discussão de modelos de análise da motivação voluntária. Quanto aos objetivos, esta pesquisa é descritiva, uma vez que apresenta a análise da validade de um instrumento quantitativo que busca compreender e descrever motivos do trabalho voluntário na Pastoral da Criança. O instrumento é baseado em idéias teóricas de Souza, Medeiros e Fernandes (2006). O índice de confiabilidade – Alfa de Cronbach – alcançou valores entre 0,7 e 0,8. No que tange ao Teste de Adequação da Amostra Kaiser-Meyer-Olkin também um bom índice foi obtido: 0,74. Apesar dos bons resultados de confiabilidade e dos testes de adequação da Análise Fatorial, em nenhuma das variáveis foi encontrada a combinação esperada, qual seja: questões versus perfil. Há a necessidade de melhorar o sentido semântico de determinados fatores, ou mesmo de aumentar a quantidade de indicadores, para que eles consigam gerar outras correlações entre eles.
Citação ABNT:
CAVALCANTE, C. E.; SOUZA, W. J.; FERNANDES, L. T.; CORTEZ, C. L. B. "Why am I a volunteer?": Building a quantitative scale. REAd. Revista Eletrônica de Administração, v. 19, n. 3, p. 569-587, 2013.
Citação APA:
Cavalcante, C. E., Souza, W. J., Fernandes, L. T., & Cortez, C. L. B. (2013). "Why am I a volunteer?": Building a quantitative scale. REAd. Revista Eletrônica de Administração, 19(3), 569-587.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/17604/---por-que-sou-voluntario------etapa-de-construcao-de-escala-quantitativa/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
ANDERSON, M. J. e SHAW, R. N. A comparative evaluation of qualitative data analytic techniques in identifying volunteer motivation in Tourism. Tourism Management, vol. 20, n.º 1, pp. 99-106, 1999.

AZEVEDO, D. Voluntariado corporativo: motivações para o trabalho voluntário. In: ENEGEP: Encontro Nacional de Engenharia de Produção, XXVII, 2007, Foz do Iguaçu. Anais…11 oct. 2007. p.1-10.

BUSSELL, H; FORBES, D. Understanding the volunteer market: The what, where, who and why of volunteering. International Journal of Nonprofit and Voluntary Sector Marketing, Vol. 7 No. 3, p. 244–257, 2002.

CAVALCANTE, C. E. Desenho do trabalho e comprometimento organizacional: um estudo em voluntários da cidade de Natal/RN.2005.104f. Master Dissertation (Masters in administration) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Rio Grande do Norte, 2005.

CLARY, E.; SNYDER, M.; RIDGE, R.; COPELAND, J.; STUKAS, A.;HAUGEN, J.; MIENE, P. Understanding and assessing the motivations of volunteers: a functional approach. Journal of Personality and Social Psychology, vol. 74, p. 1516-1530, 1998.

CORPORATION FOR NATIONAL AND COMMUNITY SERVICE, OFFICE OF RESEARCH AND POLICY DEVELOPMENT. Volunteering in America 2010: National, State, and City Information. Retrieved from: . Acess at 12 aug. 2010.

DIEZ, M. P. O trabalho das doulas voluntárias do Amparo Maternal de São Paulo à luz da teoria da dádiva moderna. Domínio Publico, 2008. Retrieved from:. Acess at 12 aug. 2010.

DOLNICAR, S.; RANDLE.What motivates which volunteers? Psychographic heterogeneity among volunteers in Australia. Voluntas – International Journal of Voluntary and Nonprofit Organizations, vol. 18, n.º 2, pp. 135-155, 2007.

FERRARI, J. L.; TENÓRIO, F. G. Trabalho Voluntário: Isonomia ou Economia?. ANPAD, 2004. Retrieved from:< www.anpad.org.br>. Acess at 12 aug. 2010.

FERREIRA M. R.; PROENÇA J. F.; PROENÇA T. As Motivações no Trabalho Voluntário. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, 7: 43-53, 2008.

FIORAVANTI, R. H. ―Voluntários de coração‖: uma abordagem antropológica sobre o trabalho voluntário no Hospital Pequeno Príncipe, 2006. Disponível em: < www.dominiopublico.gov.br>. Acesso em: <06 jul. 2010>

GASKIN, K. Vanishing volunteers: Are young people losing interest in volunteering? Voluntary Action, 1(1), 33-43, 1998.

HADDAD, M. A. Civic Responsibility and Patterns of Voluntary Participation Around the World. Retrieved from: . Acess at 12 aug. 2010.

HAIR JR., et al. Multivariate data analysis. 4. ed. Englewood Cliffs, NJ : Prentice-Hall, 1995.

IBGE. As Fundações Privadas e Associações sem Fins Lucrativos no Brasil, 2010. Retrieved from: . Acess at 12 aug. 2010.

MARQUES, V. L. Voluntariado: motivos e repercussões na vida pessoal, social e acadêmica dos alunos de graduação em medicina, voluntários em programas na área de saúde. Doctoral Dissertation – Escola Paulista de Medicina, Programa de Pós-graduação em Ensino em Ciências da Saúde, Universidade Federal de São Paulo, São Paulo, 2006.

MCCURLEY, S.; LYNCH, R. Essencial volunteer management. 2. ed. Londres: The Directory of Social Change,1998.

MENDES, A. C.A circulação da dádiva no terceiro setor:estudo de caso da ong operação mobilização São Paulo. Domínio Publico, 2008. Retrieved from: < www.dominiopublico. gov.br>. Acess at 12 aug. 2010.

MORAIS, M. R.; MENDES, A. A.; CRUBELLATE, J. M. Ações cotidianas, interesses pessoais e envolvimento: um estudo com voluntários do Lar Escola Da Criança de Maringá. ANPAD, 2000. Retrieved from: . Acess at 12 aug. 2010.

MOSTYN, B. The meaning of volunteer work: a qualitative investigation. In: HATCH, S. (org) Volunteers: patterns, meanings & motives. Hertz: The Volunteer Centre, 1993.

OLIVEIRA, F. C. de; BEZERRA, R. M. M.. Fatores que geram a evasão no trabalho voluntário. ANPAD,2007. Retrieved from: . Acess at 12 aug. 2010.

PASTORAL DA CRIANÇA. Retrieved from: < www.pastoraldacrianca.org.br>. Acess at 12 aug. 2010.

PICCOLI, P. Motivação para o trabalho voluntário contínuo: um estudo etnográfico no Núcleo Espírita Nosso Lar, 2009. Domínio Publico. Retrieved from: < www.dominiopublico. gov.br> Acess at 12 aug. 2010.

PROUTEAU, L.; WOLFF, F.C. On the relational motive for volunteer work. Journal of Economic Psychology, vol. 29, n.º 3, pp. 314-335, 2007.

RAMOS, A. G. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV,1989.

RIBEIRO, A. M. V. O sentido do trabalho para trabalhadores de organizações nãogovernamentais, 2007. Disponível em: < www.dominiopublico.gov.br>. Acesso em: <07 jul. 2010>

SHIN, S.; KLEINER, B. H. How to manage unpaid volunteers in organisations. Management Research News, vol. 26, n.º2/3/4, pp. 63-71, 2003.

SOUPOURMAS, F. e IRONMONGER, D. Giving Time:The Economic and Social Value of Volunteering in Victoria.Department of Human Services, Victoria. 2001.

SOUZA, C. P. da S.; LUCAS, L. de B. L.; MARQUES, A. A. Fatores Condicionantes da Motivação de Colaboradores Voluntários: Estudo de Caso de uma Empresa Júnior da Universidade Federal de Alagoas. ANPAD, 2008. Retrieved from:. Acess at 12 aug. 2010.

SOUZA, W. J. de; CARVALHO, V. D. Elementos do comportamento organizacional no trabalho voluntário: motivação na Pastoral da Criança à luz da teoria da expectância. ANPAD, 2006. Retrieved from: . Acess at 12 aug. 2010.

SOUZA, W. J.; MEDEIROS, J. P. de; FERNANDES, C. L. Trabalho voluntário: elementos para uma tipologia. In: X Colóquio Internacional sobre Poder Local, 2006, Salvador. Desenvolvimento e Gestão Social de Território. Salvador: NPGA. São Paulo: ANPAD, 2006. p. 1-16.

VERVLOET, A. de M. P.. Sentidos subjetivos da participação do mesário voluntário nas eleições. Domínio Publico,2009. Retrieved from: . Acess at 12 aug. 2010.

YEUNG, A. B. The octagon model of volunteer motivation: results of a phenomenological analysis. Voluntas – International Journal of Voluntary and Nonprofit Organizations, vol. 15, n.º 1, pp. 21-46, 2004.