Organizações públicas e espaços às margens do Estado: contribuições para investigações sobre poder e território em favelas Outros Idiomas

ID:
17809
Resumo:
As organizações públicas não assumem o protagonismo de sua influência na reconfiguração territorial e não conseguem impor sua ordem em determinados territórios, que acabam por se constituir como espaços às margens do Estado. Um exemplo são as favelas do Rio de Janeiro. Entretanto, as organizações públicas parecem estar voltando a atentar para sua capacidade de ação no reordenamento territorial. Para analisar de que forma essas organizações interferem na reconfiguração de espaços em favelas, é preciso investigar relações de poder, tendo em vista que os territórios são definidos por e a partir de relações de poder. Assim, este ensaio tem por objetivo propor questões norteadoras que possibilitem investigar de que forma a ação de organizações públicas em espaços às margens do Estado interfere nas relações de poder que lá se dão e, como consequência, na reconfiguração de territórios nesses espaços.
Citação ABNT:
BRULON, V.; PECI, A. Organizações públicas e espaços às margens do Estado: contribuições para investigações sobre poder e território em favelas. Revista de Administração Pública, v. 47, n. 6, p. 1497-1517, 2013.
Citação APA:
Brulon, V., & Peci, A. (2013). Organizações públicas e espaços às margens do Estado: contribuições para investigações sobre poder e território em favelas. Revista de Administração Pública, 47(6), 1497-1517.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/17809/organizacoes-publicas-e-espacos-as-margens-do-estado--contribuicoes-para-investigacoes-sobre-poder-e-territorio-em-favelas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDRADE, Manuel C. Territorialidades, desterritorialidades, novas territorialidades: os limites do poder nacional e do poder local. In: SANTOS, Milton; SOUZA, Maria Adelia A.; SILVEIRA, Maria L. (Org.). Território: globalização e fragmentação. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2002. p. 213-220.

ARELLANO-GAULT, David et al. Bringing public organization and organizing back in. Organization Studies, v. 34, n. 2, p. 145-167, 2013.

BOBBIO, Norberto. Estado, governo, sociedade: por uma teoria geral da política. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

BOBBIO, Norberto; MATTEUCCI, Nicola; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. Brasília: Universidade de Brasília, 1998.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: crítica social do julgamento. 2. ed. Porto Alegre: Zouk, 2011.

BOURDIEU, Pierre. Coisas ditas. São Paulo: Brasiliense, 2004.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. 16. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas: Papirus, 1996.

BOZEMAN, Barry; BRETSCHNEIDER, Stuart. The “publicness puzzle” in organization theory: a test of alternative explanations of differences between public and private organizations. Journal of public administration research and theory, v. 4, n. 2, p. 197-224, 1994.

BRANDÃO, Carlos A. Território e desenvolvimento: as múltiplas escalas entre o local e o global. São Paulo: Unicamp, 2007.

BURGOS, Marcelo B. Dos parques proletários ao Favela-Bairro: as políticas públicas nas favelas do Rio de Janeiro. In: ZALUAR, Alba; ALVITO, Marcos (Org.). Um século de favela. Rio de Janeiro: FGV, 2006. p. 25-60.

CARA, Roberto B. Territorialidade e identidade regional no sul da província de Buenos Aires. In: SANTOS, Milton; SOUZA, Maria Adelia A.; SILVEIRA, Maria L. (Org.). Território: globalização e fragmentação. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2002. p. 261-269.

CARVALHO, Cristina A.; GOULART, Sueli; AMANTINO-DE-ANDRADE, Jackeline. Internacionalização subordinada. É possível subverter as regras do jogo! In: ENCONTRO NACIONAL DE ADMINISTRA ÇÃO DA ANPAD. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2005.

CARVALHO, Cristina A. Poder, conflito e controle nas organizações modernas. Maceió: Edufal, 1998.

CARVALHO, Cristina A.; VIEIRA, Marcelo M. F. O poder nas organizações. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

CASTRO, Iná E. Instituições e territórios. Possibilidades e limites ao exercício da cidadania no Brasil. Geosul, v. 18, n. 36, p. 7-28, 2003.

CHRISTENSEN, Tom; LÆGREID, Per. Complexity and hybrid public administration — theoretical and empirical challenges. Public Organization Review, v. 11, n. 4, p. 407-423, 2011.

CORRÊA, Roberto L. Espaço, um conceito-chave da geografia. In: CASTRO, Ina E. et al. (Org.). Geografia: conceitos e temas. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002. p. 15-47.

COSTA, Valéria G.; NASCIMENTO, Jaz A. S. O conceito de favelas e assemelhados sob o olhar do IBGE, das prefeituras do Brasil e da ONU. In: ENCONTRO DE GEÓGRAFOS DA AMÉRICA LATINA, X, 2005, São Paulo. Anais...

DAS, Veena; POOLE, Diana. State and its margins: comparative ethnographies. In: DAS, Veena; POOLE, Diana (Ed.). Anthropology in the margins of the State. Santa Fe: School of American Rese arch Press, 2004. p. 3-33.

DELICATO, Cláudio T. Cidades e favelas, pelos olhos de quem? Revista de Discentes do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da Unesp Marília, n. 1, p. 39-51, dez. 2007.

DEMATTEIS, Giussepe. O território: uma oportunidade para repensar a geografia. In: SAQUET, Marcos A. Abordagens e concepções sobre território. São Paulo: Expressão Popular, 2007. p. 7-11.

DENALDI, Rosana. Intervenção municipal em favelas: aprimoramento e limitações. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL, ANPUR, XI, 2005, Salvador.

DENHARDT, Robert B. Teorias da administração pública. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

EDUARDO, Márcio F. Território, trabalho e poder: por uma geografia relacional. Campo-Território: Revista de Geografia Agrária, v. 1, n. 2, p. 173-195, ago. 2006.

EVERETT, Jeffery. Organizational research and the praxeology of Pierre Bourdieu. Organizational Research Methods, v. 5, n. 56, p. 56-80, 2002.

FARIA, José H. Poder e relações de poder nas organizações. In: VIEIRA, Marcelo M. F.; CARVA LHO, Cristina A. (Org.). Organizações, instituições e poder no Brasil. Rio de Janeiro: FGV, 2003. p. 67-121.

FARNHAM, David; HORTON, Sylvia. The new public service managerialism: an assessment. Ma naging the New Public Services, p. 237-254, 1993.

FREIRE-MEDEIROS, Bianca. Favela como patrimônio da cidade? Reflexões e polêmicas acerca de dois museus. Revista Estudos Históricos, v. 2, n. 38, p. 49-66, 2006.

GAITAN, Fernando G. Administracion publica. Republica de Colombia: Escuela Superior de Admi nistracion Publica, 1989.

GEIGER, Pedro P. Des-territorialização e espacialização. In: SANTOS, Milton; SOUZA, Maria Adelia A.; SILVEIRA, Maria L. (Org.). Território: globalização e fragmentação. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2002. p. 233-246.

GOULART, Sueli. Uma abordagem ao desenvolvimento local inspirada em Celso Furtado e Milton Santos. Cadernos EBAPE.BR, v. 4, n. 3, p. 1-15, 2006.

HAESBAERT, Rogério; LIMONAD, Ester. O território em tempos de globalização. Etc., Espaço, Tempo e Crítica, v. 1, n. 2, p. 39-52, 15 ago. 2007.

HARDY, Cynthia; CLEGG, Stewart R. Alguns ousam chamá-lo de poder. In: HARDY, Cynthia; CLEGG, Stewart R. (Org.). Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 2001. p. 260-289.

LANE, Jan E. The public sector: concepts, models and approaches. 2. ed. Londres: Sage, 1995.

LEFEBVRE, Henry. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 2001.

LUKES, Steven. O poder: uma visão radical. Brasília: Universidade de Brasília, 1980b.

LUKES, Steven. Poder e autoridade. In: BOTTOMORE, T.; NISBET, R. (Org.). História da análise sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1980a. p. 823-880.

MADANIPOUR, Ali. Design of urban space: an inquiry into a socio-spacial process. Chichester: John Wiley & Sons, 1996.

MARICATO, Ermínia. Favelas: um universo gigantesco e desconhecido. 2001. Disponível em: . Acesso em: 19 jan. 2012.

MATIAS-PEREIRA, José. Curso de administração pública: foco nas instituições e ações governamen tais. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MEDEIROS, Bianca F. Gringo na laje: produção, circulação e consumo da favela turística. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

MISOCZKY, Maria C. A. Implicações do uso das formulações sobre campo de poder e ação de Bourdieu nos estudos organizacionais. Revista de Administração Contemporânea, v. 7, n. edição especial, p. 9-30, 2003.

MISOCZKY, Maria C. Uma defesa da reflexão teórico crítica na pesquisa e prática da administração pública. In: ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E GOVERNANÇA, I, 2004, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2004. v. I, p. 1-14.

NEVES, Gervásio R. Territorialidade, desterritorialidade, novas territorialidades (algumas notas). In: SANTOS, Milton; SOUZA, Maria Adelia A.; SILVEIRA, Maria L. (Org.). Território: globalização e fragmentação. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2002. p. 270-282.

OBSERVATÓRIO DE FAVELAS. O que é favela afinal? In: SILVA, Jardel S. (Org.). O que é favela, afinal?Rio de Janeiro: Observatório de Favelas do Rio de Janeiro, 2009. p. 2-4.

OLIVEIRA, Jailson S. Repensando a questão das favelas. Revista Brasileira de Estudo de População, Campinas, v. 2, n. 1, p. 9-30, jan./jun. 1985.

PECI, Alketa. Estrutura e ação nas organizações: algumas perspectivas sociológicas. Revista de Ad ministração de Empresas, v. 43, n. 1, p. 1-12, 2003.

PINO, Julio C. Labor in the favelas of Rio de Janeiro. Latin American Perspectives, v. 25, n. 2, p. 18-40, mar. 1998.

PINTO, Louis. Pierre Bourdieu e a teoria do mundo social. Rio de Janeiro: FGV, 2000.

RAFFESTIN, Claude. Por uma geografia do poder. São Paulo: Ática, 1993.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Univer sidade de São Paulo, 2009.

SANTOS, Milton. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2008b.

SANTOS, Milton et al. (Org.). Território: globalização e fragmentação. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

SANTOS, Milton. Por uma geografia nova: da crítica da geografia a uma geografia crítica. 6. ed. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2008c.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2008a.

SAQUET, Marcos A. Proposições para estudos territoriais. GEOgraphia, v. 8, n. 15, p. 71-85, 2006.

SOUZA, Maria Adelia A. Geografias da desigualdade: globalização e fragmentação. In: SANTOS, Milton; SOUZA, Maria Adelia A.; SILVEIRA, Maria L. (Org.). Território: globalização e fragmentação. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 2002. p. 21-28.

STROZEMBERG, Pedro. Alguém tem receio de ser multado na favela? In: SILVA, Jardel S. (Org.). O que é favela, afinal?Rio de Janeiro: Observatório de Favelas do Rio de Janeiro, 2009. p. 31-33.

THIRY-CHERQUES, Hermano Roberto. Pierre Bourdieu: a teoria na prática. Rev. Adm. Pública, Rio de Janeiro, v. 40, n. 1, p. 27-55, jan./fev. 2006.

THOENIG, Jean C. Recuperando a ênfase na dimensão pública dos estudos organizacionais. Rev. Adm. Pública, v. 41, n. especial, p. 9-36, 2007.

VALLADARES, Licia. A gênese da favela carioca: a produção anterior às ciências sociais. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 15, n. 44, p. 5-34, out. 2000.

VALLADARES, Licia; FIGUEIREDO, Ademar. Housing in Brazil: na introduction to recent literature. BulletinofLatin American Research, v. 2, n. 2, p. 69-91, maio 1983.

VAZ, Lilian F. Um território híbrido na Maré, RJ. Novo território cultural? Política cultural: teoria e práxis. Disponível em: . Acesso em: 7 ago. 2012.

VIEG, John A. The growth of public administration. In: MARX, Fritz M. Elements of Public adminis tration. 2 nd ed. Nova Jersey: Prentice Hall, 1959.

VIEIRA, Euripedes F.; VIEIRA, Marcelo M. F. A dialética da pós-modernidade. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

VIEIRA, Euripedes F.; VIEIRA, Marcelo M. F. Espaços econômicos: geoestratégia, poder e gestão do território. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2003.

WAMSLEY, Garry L.; ZALD, Mayer N. The political economy of public organizations. Public Admi nistration Review, v. 33, n. 1, p. 62-73, jan./fev. 1973.

WEBER, Max. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. 3. ed. Brasília: Universidade de Brasília, 2000.

ZALUAR, Alba; ALVITO, Marcos. Introdução. In: ZALUAR, Alba; ALVITO, Marcos (Org.). Um século de favela. Rio de Janeiro: FGV, 2006. p. 7-24.