Burocrata Proteano: articulações de carreira em torno e além do setor público Outros Idiomas

ID:
17838
Resumo:
A maneira como as carreiras são construídas no setor privado vem sendo objeto de investigação exaustiva ao longo dos últimos vinte anos (Bendassolli, 2009; Chanlat, 1995, 1996). A compreensão sobre o matiz de como tais construções têm operado no setor público brasileiro ainda constitui uma lacuna na literatura atual sobre o tema (Bresser-Pereira, 1996; Saravia, 2006). O objetivo deste artigo é compreender como são construídos os processos pessoais de carreira de servidores com carreiras técnicas de nível superior no setor público, frente às diferentes perspectivas de carreiras articuladas no contexto social contemporâneo. Por meio de um estudo de caso descritivo, em um recorte qualitativo, buscou-se identificar a existência de características proteanas e mudanças de atitude a elas relacionadas, comumente associadas ao setor privado (Hall & Moss, 1998), nos servidores de uma Secretaria de Estado que trata da gestão de recursos humanos em um estado brasileiro. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas. Dois grupos foram selecionados para compor os sujeitos de pesquisa, um com quinze servidores ativos e outro com cinco ex-servidores que pediram demissão. O tratamento dos dados foi realizado por meio da Análise do Conteúdo das entrevistas em uma abordagem temática (Bardin, 1979; Minayo, 2007). Os resultados revelam o rompimento da lógica da construção de carreira do setor público no contexto investigado, com servidores em busca de uma carreira sem fronteiras, vinculada às suas perspectivas pessoais.
Citação ABNT:
SILVA, J. R.; BALASSIANO, M.; SILVA, A. R. L. Burocrata Proteano: articulações de carreira em torno e além do setor público. Revista de Administração Contemporânea, v. 18, n. 1, p. 1-19, 2014.
Citação APA:
Silva, J. R., Balassiano, M., & Silva, A. R. L. (2014). Burocrata Proteano: articulações de carreira em torno e além do setor público. Revista de Administração Contemporânea, 18(1), 1-19.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/17838/burocrata-proteano--articulacoes-de-carreira-em-torno-e-alem-do-setor-publico/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Alves, G. (2011). A nova morfologia do trabalho no Brasil na década de 2000. Perspectivas, 39(1), 155-177.

Arthur, M. B. (1994). The boundaryless career: a new perspective for organizational inquiry. Journal of Organizational Behavior, 15(4), 295-306. doi: 10.1002/job.4030150402

Arthur, M. B., Claman, P. H., DeFillippi, R. J., & Adams, J. (1995). Intelligent enterprise, intelligent career. The Academy of Management Executive, 9(4), 7-20. doi: 10.5465/AME.1995.9512032185

Ayres, C. B. (2006). A administração pública brasileira e as vicissitudes do paradigma de gestão gerencial. Sociologia, Problemas e Práticas, (51), 29-52. Recuperado de http://www.scielo.oces.mctes.pt/pdf/spp/n51/n51a03.pdf

Balassiano, M., Ventura, E. C. F., & Fontes, J. R., Filho (2004). Carreiras e cidades: existiria um melhor lugar para se fazer carreira? Revista de Administração Contemporânea, 8(3), 99-116. doi: 10.1590/S1415-65552004000300006

Barbosa, L. (1996). Meritocracia e desempenho: o que é desempenho no Brasil? Revista do Serviço Público, 120(3), 58-101.

Bardin, L. (1979). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Baruch, Y. (2004). Transforming careers: from linear to multidirectional career paths: organizational and individual perspectives. Career Development International, 9(1), 58-73. doi: 10.1108/13620430410518147

Bendassolli, P. F. (2009). Recomposição da relação sujeito-trabalho nos modelos emergentes de carreira. Revista de Administração de Empresas, 49(4), 387-400. doi: 10.1590/S0034-75902009000400003

Bresser-Pereira, L. C. (1996). Da administração pública burocrática à ger encial. Revista do Serviço Público, 47(1). Recuperado de http://www.bresserpereira.org.br/papers/1996/95.AdmPublicaBurocraticaAGerencial.pdf

Bresser-Pereira, L. C. (2007). Burocracia pública e classes dirigentes no Brasil. Revista de Sociologia e Política, (28), 9-30. doi: 10.1590/S0104-44782007000100003

Bresser-Pereira, L. C. (2008). O modelo estrutural de gerência pública. Revista de Administração Pública, 42(2), 391-410. doi: 10.1590/S0034-76122008000200009

Bryman, A. (1988). Quantity and quality in social research. London: Unwin Hyman.

Carvalho, A. M. de, Neto (1997). O Estado concorrencial e as mudanças na natureza do trabalho no setor público. Revista de Administração Contemporânea, 1(2), 25-43. doi: 10.1590/S1415-65551997000200003

Chanlat, J. F. (1995). Quais carreiras e para qual sociedade? (I). Revista de Administração de Empresas, 35(6), 67-75. doi: 10.1590/S0034-75901995000600008

Chanlat, J. F. (1996). Quais carreiras e para qual sociedade? (II). Revista de Administração de Empresas, 36(1), 13-20. doi: 10.1590/S0034-75901996000100003

Coelho, J. A. (2006). Organizações e carreiras sem fronteiras. In M. Balassiano & I. S. A. da Costa (Orgs.), Gestão de carreiras: dilemas e perspectivas (pp. 95-108). Rio de Janeiro: Editora Atlas.

Corrêa, I. M. (2007). Planejamento estratégico e gestão pública por resultados no processo de reforma administrativa do estado de Minas Gerais. Revista de Administração Pública, 41(3), 487-504. doi: 10.1590/S0034-76122007000300006

Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto (2a ed.). Porto Alegre: Artmed.

Decreto n. 5.707, de 23 de fevereiro de 2006. (2006). Institui a política e as diretrizes para o desenvolvimento de pessoal da administração direta, autárquica e fundacional, e regulamenta dispositivos da Lei n. 8.112 de 11 de dezembro de 1990. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2006/Decreto/D5707.htm

Dutra, J. S. (1992). Carreiras paralelas: uma proposta de revisão da administração de carreiras. Revista de Administração, 27(4), 65-73.

Evans, P. (1996). Carreira, sucesso e qualidade de vida. Revista de Administração de Empresas, 36(3), 14-22. doi: 10.1590/S0034-75901996000300003

Ferreira, C. M. M. (1996). Crise e reforma do Estado: uma questão de cidadania e valorização do servidor. Revista do Serviço Público, 47(3), 5-33. Recuperado de http://www.enap.gov.br/index.php?option=com_docman&task=cat_view&gid=816&Itemid=129

Fudge, C. (1998). Flexibilidade: os riscos em questão. Cadernos ENAP, (16), 128-139.

Gasparini, D. (2007). Direito administrativo (12a ed.). São Paulo: Saraiva.

Gustafsson, L. (1998). Promover a flexibilidade por meio de políticas salariais: a experiência da administração nacional Sueca. Cadernos ENAP, (16), 37-53.

Hall, D. T., & Moss, J. E. (1998). The new protean career contract: helping organizations and employees adapt. Organizational Dynamics, 26(3), 22-37. doi: 10.1016/S0090-2616(98)90012-2

Ikari, S. (1998). Aspectos da política de pessoal na função pública japonesa. Cadernos ENAP, (16), 82-90.

Junquilho, G. S. (2004). A ação gerencial “cabocla” no serviço público face às provocações de mudanças do papel do estado no Brasil: o caso do Espírito Santo. In M. de F. Bianco, G. S. Junquilho, & C. Waiandt (Orgs.), Tecnologias de gestão: por uma abordagem multidisciplinar (pp. 161-174). Vitória: Flor & Cultura.

Kerr, H. (2006). Desenvolvimento de competências de servidores na administração pública brasileira. Revista do Serviço Público, 57(4), 549-563.

Kilimnik, Z. M., Castilho, I. V. de, & Sant Anna, A. S. de (2004, setembro). Carreiras em transformação: um estudo de trajetórias, âncoras e metáforas de carreira em associação a representações de competências profissionais. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Curitiba, PR, Brasil, 28.

Koga, N. M. (2007). Gestão de pessoas na administração pública japonesa. Revista do Serviço Público, 58(1), 97-106. Recuperado de http://www.enap.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=2501

Kuin, P. (1968). Management performance in business and public administration. The Academy of Management Journal, 11(4), 371-377. doi: 10.2307/254886

Lacombe, B. M. B., & Chu, R. A. (2006). Buscando as fronteiras das carreiras sem fronteiras: uma pesquisa com professores universitários em administração de empresas na cidade de São Paulo. In M. Balassiano & I. S. A. da Costa (Orgs.), Gestão de carreiras: dilemas e perspectivas (pp. 109-133). Rio de Janeiro: Editora Atlas.

Laegreid, P. (1998). Modificações na política de pessoal do setor público norueguês. Cadernos ENAP, (16), 54-65.

Lemos, A. H. C. da (2006). Empregabilidade e individualização da conquista do emprego. In M. Balassiano & I. S. A. da Costa (Orgs.), Gestão de carreiras: dilemas e perspectivas (pp. 21-64). Rio de Janeiro: Editora Atlas.

Martins, H. T. (2006). Gerenciamento da carreira proteana. In M. Balassiano & I. S. A. da Costa (Orgs.), Gestão de carreiras: dilemas e perspectivas (pp. 81-93). Rio de Janeiro: Editora Atlas.

Matias-Pereira, J. (2008). Administração pública comparada: uma avaliação das reformas administrativas do Brasil, EUA e União Européia. Revista de Administração Pública, 42(1), 61-82. doi: 10.1590/S0034-76122008000100004

McClintock, C. C., Brannon, B., & Maynard-Moody, S. (1983). Applying the logic of sample surveys to qualitative case studies: the case cluster method. In J. Van Maanen (Ed.), Qualitative methodology (pp. 149-178). Beverly Hills: Sage.

Minayo, M. C. S. (2007). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (10a ed.). São Paulo: Hucitec.

Misoczky, M. C., & Vieira, M. M. F. (2001). Desempenho e qualidade no campo das organizações públicas: uma reflexão sobre significados. Revista de Administração Pública, 35(5), 163-177.

Motta, P. R. (2006). Reflexões sobre a customização das carreiras gerenciais: a individualidade e a competitividade contemporâneas. In M. Balassiano & I. S. A. da Costa (Orgs.), Gestão de carreiras: dilemas e perspectivas (pp. 9-19). Rio de Janeiro: Editora Atlas.

Oliveira, C. G. de (2007). O servidor público brasileiro: uma tipologia da burocracia. Revista do Serviço Público, 58(3), 269-302. Recuperado de http://www.enap.gov.br/index.php?option=com_docman&task=cat_view&gid=807&Itemid=129

Paulista, J. E. S. (2004). A motivação dos servidores públicos federais, no âmbito dos Ministérios, frente às premissas de valorização firmadas no Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado, de 1995, e às consequentes ações de gestão de recursos humanos (Dissertação de mestrado). Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Salles, D. M. R., & Nogueira, M. G. (2006). Carreiras no serviço público federal: antigos dogmas, novas perspectivas. In M. Balassiano & I. S. A. da Costa (Orgs.), Gestão de carreiras: dilemas e perspectivas (pp. 134-149). Rio de Janeiro: Editora Atlas.

Saravia, E. (2006). O sistema de carreira no setor público: descrição análise comparativa e perspectiva. In M. Balassiano & I. S. A. da Costa (Orgs.), Gestão de carreiras: dilemas e perspectivas (pp. 150-178). Rio de Janeiro: Editora Atlas.

Scheible, A. C. F., & Bastos, A. V. B. (2006, setembro). Comprometimento com a carreira: explorando o conceito de entrincheiramento. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Salvador, BA, Brasil, 30.

Schein, E. H. (1984). Culture as an environmental context for careers. Journal of Occupational Behaviour, 5(1), 71-81. doi: 10.1002/job.4030050107

Schein, E. H. (1996). Career anchors revisited: implications for career development in the 21st century. Academy of Management Executive, 10(4), 80-88. doi: 10.5465/AME.1996.3145321

Secchi, L. (2009). Modelos organizacionais e reformas da administração pública. Revista de Administração Pública, 43(2), 347-369. doi: 10.1590/S0034-76122009000200004

Siqueira, M. V. S., & Mendes, A. M. (2009). Gestão de pessoas no setor público e a reprodução do discurso do setor privado. Revista do Serviço Público, 60(3), 241-250.

Soares, D. H. P., & Sestren, G. (2007). Projeto profissional: o redimensionamento da carreira em tempos de privatização. Psicologia & Sociedade, 19(1), 66-74. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/psoc/v19nspe/v19nspea10.pdf. doi: 10.1590/S0102-71822007000400010

Thiry-Cherques, H. R. (2006). Individualismos e carreira: o duplo constrangimento. In M. Balassiano & I. S. A. da Costa (Orgs.), Gestão de carreiras: dilemas e perspectivas (pp. 20-48.). Rio de Janeiro: Editora Atlas.

Vergara, S. C. (2008). Métodos de pesquisa em administração (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Vieira, M. M. F. (2006). Por uma boa pesquisa (qualitativa) em administração. In M. M. F. Vieira & D. M. Zouain (Orgs.), Pesquisa qualitativa em Administração (pp. 13-28). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Yin, R. K. (1994). Case study research, design and methods. Thousand Oaks: Sage Publications.