Grau de aproximação entre a Contabilidade Gerencial e a Contabilidade Financeira em função de convergência às normas do IASB Outros Idiomas

ID:
18195
Resumo:
Este trabalho tem por objetivo investigar se a adoção das normas IFRS resultou em aproximação dos conceitos usados tanto pela contabilidade gerencial como pela financeira, em empresas abertas brasileiras. A convergência contábil gerou significativa alteração de padrões na contabilidade financeira como,por exemplo, a mensuração a valor justo de ativos. Por sua vez, a contabilidade gerencial possui discricionariedade na apuração de transações para os tomadores de decisão das empresas. Com base neste quadro, tem-se como hipótese básica deste trabalho que a mesma base referencial, atrelada à essência econômica, dada a adoção das normas internacionais de contabilidade, possa aproximar contabilidade financeira e gerencial. Os procedimentos metodológicos do trabalho dividem-se em duas partes. Na primeira foi feita uma análise qualitativa dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), sendo selecionados os assuntos e normas com provável maior impacto na convergência para a contabilidade financeira e com possível maior relação com a contabilidade gerencial. Neste caso, a análise preliminar levou à exclusão das normas que têm uso praticamente exclusivo para usuários externos. Foram então analisadas apenasas normas consideradas mais impactantes pelo próprio cpc , com relação a 11 processos, para a tomada de decisão. Com base nesta seleção, foi enviado um questionário estruturado, com 30 perguntas, a 638 companhias abertas brasileiras, cuja taxa de resposta foi da ordem de 10%. Os resultados evidenciam que,na percepção dos respondentes,ocorreu aproximação entre as contabilidades gerencial e financeira, particularmente nos processos de depreciação, impairment, valor justo de instrumentos financeiros, combinações de negócios,intangíveis e segmentos operacionais. Em que pese o fato de a convergência ser bastante recente, os resultados fornecem evidências positivas no sentido de confirmação da hipótese básica do artigo.
Citação ABNT:
GILIO, L.; AFONSO, L. E. Grau de aproximação entre a Contabilidade Gerencial e a Contabilidade Financeira em função de convergência às normas do IASB. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 16, n. 3, p. 70-89, 2013.
Citação APA:
Gilio, L., & Afonso, L. E. (2013). Grau de aproximação entre a Contabilidade Gerencial e a Contabilidade Financeira em função de convergência às normas do IASB. Contabilidade, Gestão e Governança, 16(3), 70-89.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/18195/grau-de-aproximacao-entre-a-contabilidade-gerencial-e-a-contabilidade-financeira-em-funcao-de-convergencia-as-normas-do-iasb/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Anderson, H. R., Needles, B. E., & Caldwell, J. C. (1995). Managerial Accounting. p. 752. Boston: Houghton Mifflin.

Ansari, S., & Euske, K. J. (1995). Breaking down the barriers between financial and managerial accounting: A comment on the Jenkins committee report. Accounting Horizons, 9(2), 40-43.

Antunes, M. T. P. (2006). A controladoria e o capital intelectual: um estudo empírico sobre sua gestão. Revista Contabilidade & Finanças. doi:10.1590/S1519-70772006000200003. 17(41), 21-37.

Armstrong, C. S., Barth, M. E., Jagolinzer, A. D., Riedl, E. J. (2010). Market Reaction to the Adoption of IFRS in Europe. The Accounting Review. doi: 10.2308/accr. 2010.85.1.31. 85(1), 31-61.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. CPC 00 – Pronunciamento Conceitual Básico – Estrutura Conceitual para a Elaboração e Apresentação das Demonstrações Contábeis. Recuperado em 18 de julho de 2009, de http://www.cpc.org.br/pdf/pronunciamento_conceitual.pdf.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 01 (R1) – Redução ao Valor Recuperável de Ativos. Recuperado em 18 de agosto de 2011, de http://www.cpc.org.br/pdf/CPC01R1.pdf.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 04 (R1) – Ativo Intangível. Recuperado em 18 de agosto de 2011, de http://www.cpc.org.br/pdf/CPC04_R1.pdf.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 06 (R1) – Operações de Arrendamento Mercantil. Recuperado em 18 de agosto de 2011, de http://www.cpc.org.br/pdf/CPC06_R1.pdf.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 15 (R1) – Combinações de Negócios. Recuperado em 27 de julho de 2009, de http://www.cpc.org.br/pdf/CPC15_R1.pdf.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 22 – Informações por Segmento. Recuperado em 18 de agosto de 2011, de http://www.cpc.org.br/pdf/CPC22.pdf

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 25 – Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes. Recuperado em 18 de agosto de 2011, de http://www.cpc.org.br/pdf/CPC25.pdf.> Acessado em: 18/08/2011.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 26 – Apresentação das Demonstrações Contábeis. Recuperado em 16 de julho de 2009, de http://www.cpc.org.br/pdf/CPC26.pdf.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 27 – Ativo Imobilizado. Recuperado em 29 de julho de 2011, de http://www.cpc.org.br/pdf/CPC27.pdf.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 28 – Propriedade para Investimento. Recuperado em 29 de julho de 2011, de http://www.cpc.org.br/pdf/CPC28.pdf.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 30 – Receitas. Recuperado em 02 de janeiro de 2010, de http://www.cpc.org.br/pdf/CPC30.pdf.

Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 38 - Instrumentos Financeiros: Reconhecimento e Mensuração. Recuperado em 18 de agosto de 2011, de http://www.cpc.org.br/pdf/CPC38.pdf.

Costa, F. M. da, Carvalho, L. N. G. de, Lemes, S. (2006). Contabilidade internacional: aplicação das IFRS 2005 (p. 288). São Paulo: Atlas.

DiMaggio, P. J., & Powell, W. W. (1983). The iron cage revisited institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociological Review. doi:10.1016/S0742-3322(00)17011-1. 48(2), 147-160.

Drury, C., & Tayles, M. (1997). Evidenceon The Financial Accounting Mentality Debate:a Research Note. The British Accounting Review. doi:10.1006/bare.1996.0045. 29(3), 263-276.

Fávero, L. P. L., Belfiore, P. P., Chan, B. L., Silva, F. L. Da. (2009). Análise de dados - modelagem multivariada para tomada de decisões, p. 646. Rio de Janeiro: Elsevier.

Fioravante, A. C., & Salotti, B. M. (2009). IAS 17 - Arrendamento mercantil. In Ernst & Young e Fipecafi (Ed.), Manual de normas internacionais de contabilidade (pp. 130-149). São Paulo: Atlas.

Frezatti, F., Aguiar, A. B. de, Guerreiro, R. (2007). Diferenciações entre a contabilidade financeira e a contabilidade gerencial: uma pesquisa empírica a partir de pesquisadores de vários países. Revista Contabilidade & Finanças. doi: 10.1590/S1519-70772007000200002. 18(44), 9-22.

Hemmer, T., & Labro, E. (2008). On the optimal relation between the properties of managerial and financial reporting systems. Journal of Accounting Research, 46(5), 1209-1240.

Hendriksen, E. S., & Van-Breda, M. F. (1999). Teoria da Contabilidade (p. 550). São Paulo: Atlas.

Horngren, C. T., Sundem, G. L., Stratton, W. (2004). Contabilidade gerencial. 12a ed. São Paulo: Prentice-Hall.

Iudícibus, Sergio de, & Lopes, A. B. (Eds.). (2012). Teoria Avançada da Contabilidade. 2a ed. (p. 360).

Iudícibus, Sérgio de, Martins, E., Gelbcke, E. R., Santos, A. dos. (2010). Manual de contabilidade societária (p. 794). São Paulo: Atlas.

Johnson, H. T., & Kaplan, R. S. (1991). Relevance Lost: The Rise and Fall of Management Accounting (p. 296). Boston: Harvard Business Review Press.

Joseph, N., Turley, S., Burns, J., Lewis, L., Scapens, R., Southworth, A. (1996). External financial reporting and management information: a survey of U.K. management accountants. Management Accounting Research. doi: 10.1006/mare.1996.0004. 7(1), 73-93

Lev, B. (2005). Intangible assets: concepts and measurements. In Encyclopedia of social measurement (pp. 299–305). Amsterdam. doi:10.1016/B0-12-369398-5/00471-0

Lopes, A. B., & Martins, E. (2005). Teoria da contabilidade: uma nova abordagem. (p. 181). São Paulo: Atlas.

Louderback, J. G., Dominiak, G. J., Holmen, J. (2000). Managerial accounting. (p. 752). Cincinnati.

Marconi, M. de A., & Lakatos, E. M. (2012). Metodologia Científica. 6a ed. (p.320). São Paulo: Atlas.

Martins, G. de A., & Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2a ed. (p.247). São Paulo: Atlas.

Martins, V. A. (2002). Contribuição à avaliação do goodwill: depósitos estáveis, um ativo intangível. Universidade de São Paulo. Retrieved from http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-08032004-170157/pt-br.php

Oliver, C. (1992). The Antecedents of Deinstitutio nalization. Organization Studies. doi:10.1177/017084069201300403. 13(4), 563-588.

Richardson, A. J. (2002). Professional dominance: the relationship between financial accounting and managerial accounting, 1926-1986. The Accounting Historians Journal, 29(2), 91-121.

Sampieri, R. H., Collado, C. F., Lucio, M. del P. B. (2006). Metodologia de Pesquisa. (p. 624). São Paulo: McGraw-Hill.

Weffort, E. F. J. (2005). O Brasil e a harmonização contábil internacional. Influências dos sistemas jurídico e educacional, da cultura e do mercado. Universidade de São Paulo.

Zimmerman, J. (2010). Accounting for decision making and control. 7th. ed. (p. 720). Columbus: McGraw-Hill.