Gestão compartilhada e mudança nas relações de poder: uma pesquisa sobre conflitos em uma organização bancária Outros Idiomas

ID:
18321
Resumo:
Este artigo estudou as alterações nas relações de poder entre duas áreas de uma instituição bancária, motivadas pela reestruturação de seu organograma em um processo de segregação de funções, que culminou na separação estrutural e hierárquica da área de operações em relação à área comercial. A gestão antes exercida por apenas um gerente geral, conta agora com dois gestores, cada qual gerindo de forma autônoma sua respectiva área. Os dados obtidos foram analisados sobre a perspectiva teórica de Foucault e indicaram que os fenômenos relacionados ao poder aparecem em todas as suas manifestações, seja pela negação para torná-los mais sutis e, portanto, mais aceitáveis, seja pela emergência de práticas que - mais do que cumprir uma função organizacional - exercem uma função simbólica em relação ao poder. O estudo assume relevância para a área de estudos organizacionais ao estabelecer a possibilidade de analisar o poder a partir de um caso empírico de gestão compartilhada, o que pode contribuir para a melhor compreensão deste fenômeno relacional no âmbito das organizações.
Citação ABNT:
PERDIGÃO, D. A.; SILVA, G. A. V. Gestão compartilhada e mudança nas relações de poder: uma pesquisa sobre conflitos em uma organização bancária. Revista Economia & Gestão, v. 13, n. 33, p. 51-72, 2013.
Citação APA:
Perdigão, D. A., & Silva, G. A. V. (2013). Gestão compartilhada e mudança nas relações de poder: uma pesquisa sobre conflitos em uma organização bancária. Revista Economia & Gestão, 13(33), 51-72.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/18321/gestao-compartilhada-e-mudanca-nas-relacoes-de-poder--uma-pesquisa-sobre-conflitos-em-uma-organizacao-bancaria/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BANCO CENTRAL DO BRASIL. Os Princípios Essenciais da Basiléia. 1997.Recuperado em 12 de abril, 2007, de http://www.bcb.gov.br/ftp/defis/basileia.pdf

CHANLAT, J. F. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 1993.

DÍAZ, E. A filosofia de Michel Foucault. São Paulo: Unesp, 2012.

FOUCAULT, M. (1989). Vigiar e punir. Petrópolis: Vozes.

FOUCAULT, M. (2007). Microfísica do poder (23ª ed.). Rio de Janeiro: Graal.

MACHADO, Roberto. Por uma genealogia do poder. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. 23ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 2007.

OSGOOD, Charles E. Método e teoria na psicologia experimental. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1953.

PEREIRA, Carlos Américo Alves. O diferencial semântico: uma técnica de medida nas ciências humanas e sociais. São Paulo: Ática, 1986.

PEREIRA, José Matias. Gestão do risco operacional: uma avaliação do novo acordo de capitais – Basiléia II. RCC – Revista Contemporânea de Contabilidade. Florianópolis, v. 1, nº. 6, p. 103-124, Jul./Dez. 2006.

SOUZA, José R. C.; SOUZA, Luiz G. C. Os impactos de um projeto de reestruturação de organograma sobre a estrutura de poder e conflitos de agências bancárias: um estudo de caso. In: VIII

TOWNLEY, Bárbara. Conhecimento e poder nas organizações. In: DAVEL, Eduardo; VERGARA, Sylvia Constant (Org.). Gestão com pessoas e subjetividade. São Paulo: Atlas, 2006. Cap. 4, p. 117148.