A divulgação de relatórios de sustentabilidade na América Latina: um estudo comparativo Outros Idiomas

ID:
18366
Autores:
Resumo:
Neste trabalho, procurou-se analisar comparativamente as informações socioambientais divulgadas pelas companhias latino-americanas nos seus relatórios. Foi efetuada uma análise de conteúdo das informações socioambientais divulgadas por uma amostra de 226 organizações, no período de 2004 a 2009, segregadas por país, empresa, setor e ano. Foram utilizadas as diretrizes voluntárias da The Global Reporting Initiative (GRI) como escopo para analisar o conteúdo dos relatórios anuais, relatórios de sustentabilidade e Formulários 20F, disponibilizados pelas organizações nos seus websites ou nas Bolsas de Valores em que negociam suas ações. Os resultados da pesquisa revelaram que a maioria das companhias de capital aberto na região não disponibiliza informações socioambientais nos seus relatórios anuais ou em relatórios específicos sobre o tema, entretanto, as companhias estabelecidas no Brasil são as que mais destacam o assunto. Quanto à evolução e à forma de divulgação de informações socioambientais, verificou-se que o relatório anual é o principal canal utilizado pelas companhias para destacar tais informações, seguido do relatório de sustentabilidade, divulgado como parte do relatório anual ou como uma publicação específica.
Citação ABNT:
CALIXTO, L.A divulgação de relatórios de sustentabilidade na América Latina: um estudo comparativo. RAUSP Management Journal, v. 48, n. 4, p. 828-842, 2013.
Citação APA:
Calixto, L.(2013). A divulgação de relatórios de sustentabilidade na América Latina: um estudo comparativo. RAUSP Management Journal, 48(4), 828-842.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/18366/a-divulgacao-de-relatorios-de-sustentabilidade-na-america-latina--um-estudo-comparativo/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Agüero, F. (2002). La responsabilidad social empresarial en América Latina: Argentina, Brasil, Chile, Colombia, México y Peru. Escuela de Estudios Internacionales Universidad de Miami.

Amaeshi, K. M., & Adi, B. (2007). Reconstructing the corporate social responsibility construct in utlish. Business Ethics: A European Review, 16(1), 3-18. doi: 10.2139/ssrn.761564

Andrade, A., & Rossetti, J. P. (2009). Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. 4a ed. São Paulo: Atlas.

Bardin, L. (2004). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Belal, A. R., & Momin, M. (2009). Corporate Social Reporting (CSR) in emerging economies: a review and future direction. South American Congress on Social and Environmental Accounting Research – CSEAR, 1ª, Rio de Janeiro, Anais eletrônicos…Rio de Janeiro: UFRJ.

Belizário, F. B. (2008). Apropriação do cinismo e alienação no discurso da responsabilidade social: um estudo da recepção dos beneficiários de projetos sociais de empresas. Dissertação de mestrado em Comunicação e Práticas de Consumo, Escola Superior de Propaganda e Marketing, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Blackman, A. (2008). Can voluntary environmental regulation work in developing countries? Lessons from case studies. The Policy Studies Journal, 36(1), 119-141. doi: 10.1111/j.1541-0072.2007.00256.x

Borger, F. G. (2001). Responsabilidade social: efeitos da atuação social na dinâmica empresarial. Tese de doutorado em Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Carroll, A. B. (1979). A three-dimensional conceptual model of corporate social performance. Academy of Management Review, 4(4), 497-505.

Castro, F. A. R. (2008). Análise dos indicadores essenciais da versão “G3”, da Global Reporting Initiative, nos relatórios de sustentabilidade das empresas do setor de energia elétrica sul-americano. Dissertação de mestrado em Ciências Contábeis, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Cooper, D. R., & Schindler, P. S. (2003). Métodos de pesquisa em Administração. 7 ed. L. de Oliveira Rocha, Trad. Porto Alegre: Bookman.

Correa, M. E., Flynn, S., & Amit, A. (2004).Responsabilidad social corporativa en América Latina: una visión empresarial. Chile: CEPAL – División de desarrollo sostenible y asentamientos humanos.

Dias, L. N. S. (2006). Análise da utilização dos indicadores do global reporting initiative nos relatórios sociais em empresas brasileiras. Dissertação de mestrado em Ciências Contábeis, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Egri, C. P., & Ralston, D. A. (2008). Corporate responsibility: a review of international management research from 1998 to 2007. Journal of International Management, 14, 319-339. doi: 10.1016/j.intman.2007.09.003

Fransen, L. W., & Kolk, A. (2007). Global rule-setting for business: a critical analysis of multi-stakeholder standards. Organization Articles, 14(5), 667-684. doi: 10.1177/1350508407080305

Freeman, R. E. (1984). Strategic management: a stakeholder approach. London: Pitman Publishing Inc. doi: 10.2139/ssrn.263511

Garriga, E., & Melé, D. (2004). Corporate social responsibility theories: mapping the territory. Journal of Business Ethics, 53(1-2), 51-71. doi: 10.1023/B:BUSI.0000039399.90587.34

Gutiérrez, R., & Jones, A. (2005). Effects of corporate social responsibility in Latin American communities: a comparison of experiences. Recuperado em 15 janeiro, 2009, de http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1018680

Hopkins, M. (2007). Corporate social responsibility and international development: is business the solution? London: Earthscan.

Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social (2007). Recuperado em 15 outubro, 2010, de www.institutoehtos.org

KPMG. (2005). International survey of corporate responsibility reporting. Recuperado em 15 agosto, 2008, de www.kpmg.com

Lee, M. D. P. (2008). A review of the theories of corporate social responsibility: its evolutionary path and the road ahead. International Journal of Management Reviews, 10(1), 53-73. doi: 10.1111/j.1468-2370.2007.00226.x

Machado Filho, C. A. P. (2002). Responsabilidade social corporativa e a criação de valor para as organizações: um estudo multicasos.Tese de doutorado em Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo, São Paulo, Brasil.

Manetti, G., & Becatti, L. (2009). Assurance services for sustainability reports: standards and empirical evidence. Journal of Business Ethics, 87, 289-298. doi: 10.1007/s10551-008-9809-x

Mollicone, M. M. (2003). Responsabilidade social empresarial: modismo, civismo ou demanda de Mercado? Dissertação de mestrado em Administração, Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil.

Moneva, J. M., Lirio, J. M. R., & Torres, M. J. M. (2007). The corporate stakeholder commitment and social and financial performance. Industrial Management & Data Systems, 107(1), 84-102. doi: 10.1108/02635570710719070

Peinado-Vara, E. (2006). Corporate social responsibility in Latin America. Journal of Corporate Citizenship, v. 21, p. 61-69. doi: 10.9774/GLEAF.4700.2006.sp.00008

Ponte, V. M. R., & Oliveira, M. C. (2004). A prática da evidenciação de informações avançadas e não obrigatórias nas demonstrações contábeis das empresas brasileiras. Revista Contabilidade & Finanças – USP,v. 36, p. 7-20. setembro/dezembro. doi: 10.1590/S1519-70772004000300001

Puppim de Oliveira, J. A. (2006). Corporate citizenship in Latin America: new challenges to business. Journal of Corporate Citizenship, v. 21, p. 17-20.

Ribeiro, M. S., Bonfante, T. M., Gomes, C. C. M. P., & Cioffi, J. L. (2009, setembro). Responsabilidade ambiental no setor de papel e celulose. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, São Paulo, SP, Brasil, 33.

Rover, S. (2009). Disclosure ambiental de empresas potencialmente poluidoras: características da informação ambiental e explicações para a divulgação voluntária no Brasil.Dissertação de mestrado em Contabilidade, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Rover, S., Murcia, F. D., & Borba, J. A. (2008). Divulgação de informações ambientais nas demonstrações contábeis: um estudo exploratório sobre o disclosure das empresas brasileiras pertencentes a setores de alto impacto ambiental. Revista de Contabilidade e Organizações,2(3). Recuperado em 30 novembro, 2008, de www.furb.br/especiais/interna.php?secao=1191. doi: 10.11606/rco.v2i3.34713

Secchi, D. (2007). Utilitarian, managerial and relational theories of corporate social responsibility. International Journal of Management Reviews, 9(4), 347-373. doi: 10.1111/j.1468-2370.2007.00215.x

The Global Reporting Initiative [GRI]. (2006). Diretrizes para Relatórios de Sustentabilidade (2000-2006). Recuperado em 15 abril, 2010, de www.globalreporting.org

Visser, W. (2008). Corporate social responsibility in developing countries. In A. Crane, A. McWilliams, D. Matten, J. Moon, & D. Siegel (Eds.), The Oxford handbook of corporate social responsibility. New York: Oxford University Press. doi: 10.1093/oxfordhb/9780199211593.003.0021

Vos, J. F. J. (2008). Corporate social responsibility and the identification of stakeholders. In A. J. Zakhem, D. E. Palmer, & M. L. Stoll (Eds.), Stakeholder Theory: essential readings in ethical leadership and management. Universidade da California: Prometheus Books.

Werther Jr., W. B., & Chandler, D. (2006). Strategic corporate social responsibility: stakeholders in a global environment. California: Sage.

Whetten, D. A., Rands, G., & Godfrey, P. (2002). What are the responsibilities of business to society? In A. Pettigrew, H. Thomas, R. Whittington (Eds.). Handbook of strategy and management (pp. 373-408). London: Sage. doi: 10.4135/9781848608313

Wood, D. J. (1991). Corporate social performance revisited. Academy of Management Review, 16(4), 691-718.

Woods, M. (2003). The Global Reporting Initiative. The CPA Journal, 73(6), 60-66.