Políticas de governo eletrônico no Brasil: contexto, gestão de TIC e resultados Outros Idiomas

ID:
1860
Resumo:
Os processos de Reforma do Estado combinados com a emergência e uso de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) deram origem, no Brasil, a políticas e ações de governo eletrônico. Este artigo debruça-se sobre o e-governo brasileiro, investigando o desenho institucional que ele assumiu na esfera estadual do país e como contribui para os resultados associados às possibilidades do e-gov. Numa perspectiva interpretativista, utilizou-se a Teoria Institucional como lente teórica no exame do campo. A partir da análise de entrevistas feitas a atores relevantes na esfera dos estados brasileiros, tais como secretários de estado e presidentes de empresas públicas de informática, as conclusões apontam para a baixa institucionalização das políticas de e-governo. O desenho institucional do governo eletrônico brasileiro limita a utilização das TIC na prestação de serviços públicos integrados, na ampliação de participação e transparência, e no aprimoramento de políticas públicas.
Citação ABNT:
LAIA, M. M.; CUNHA, M. A. V. C.; NOGUEIRA, A. R. R.; MAZZON, J. A. Electronic government policies in Brazil: context, ICT management and outcomes. Revista de Administração de Empresas, v. 51, n. 1, p. 43-57, 2011.
Citação APA:
Laia, M. M., Cunha, M. A. V. C., Nogueira, A. R. R., & Mazzon, J. A. (2011). Electronic government policies in Brazil: context, ICT management and outcomes. Revista de Administração de Empresas, 51(1), 43-57.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/1860/politicas-de-governo-eletronico-no-brasil--contexto--gestao-de-tic-e-resultados/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
ABRUCIO, F. L. O impacto do modelo gerencial na administração pública: um breve estudo sobre a experiência internacional recente. Cadernos Fundação Escola Nacional de Administração Pública, n. 10, 1997.

ABRUCIO, F. L. Reforma do Estado no Federalismo Brasileiro e a Articulação entre o Governo Federal e os Estados. O caso do Programa Nacional de Apoio à Modernização da Gestão e do Planejamento dos Estados. In: CONGRESO INTERNACIONAL DEL CLAD SOBRE LA REFORMA DEL ESTADO Y DE LA ADMINISTRACIÓN PÚBLICA, 9, Madrid, 05.11.2004.

AKUTSU, L; PINHO, J. A. G. Sociedade da informação, accountability e democracia delegativa: investigação em portais de governos no Brasil. Revista de Administração Pública, v. 36, n. 5, p. 723-745, 2002.

ARAÚJO, W. F. G. A avaliação de sítios governamentais como instrumento para melhoria dos serviços e informações on-line: da concepção aos resultados. In: MINAS GERAIS. Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão. 1º Premio Excelência em Gestão Público do Estado de Minas Gerais: coletânea dos trabalhos vencedores. Belo Horizonte: Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão, 2006. p. 17-68.

AVGEROU, C. IT and organizational change: an institutionalist perspective. Information technology and people, v. 13, n. 4, p. 234-262, 2007.

BAHIENSE, G. C. Uso Estratégico de Tecnologia da Informação em Secretarias de Fazenda no Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 26, Salvador, 2002. Anais. Salvador: ANPAD: 2002.

BARBOSA, A. F. Governo eletrônico: dimensões da avaliação de desempenho na perspectiva do cidadão. Dissertação de Doutorado em Administração de Empresas, Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getulio Vargas, São Paulo, 2002.

BARBOSA, A; FARIA, F. I; PINTO, S. L. Governança eletrônica no setor público. In: KNIGHT, P. T.; FERNANDES, C. C. C.; CUNHA, M. A. (Orgs) E-desenvolvimento no Brasil e no mundo: subsídios e Programa E-Brasil. São Caetano do Sul: Yendis, 2007.

BARZELAY, M. The new public management: improving research and policy dialogue. Berkeley: University of California Press, 2001.

BRASIL, Presidência da República do. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília: MARE, 1995.

BRESSER PEREIRA, L. C. Uma reforma gerencial da administração pública no Brasil. Revista do Serviço Público, v. 49, n. 1, p. 5-42, 1998.

CHAHIN, A; CUNHA, M. A; KNIGHT, P. T; PINTO, S. L. E-gov.br, a próxima revolução brasileira: eficiência, qualidade e democracia. O governo eletrônico no Brasil e no mundo. São Paulo: Prentice Hall, 2004.

CUNHA, M. A; POZZEBON, M. O uso das tecnologias da informação e comunicação para melhoria da participação na tomada de decisão pública. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 33, São Paulo, 2009. Anais. São Paulo: ANPAD: 2009.

DIMAGGIO, P. J; POWELL, W. W. Introduction. In: POWELL, W. W; DIMAGGIO, P. J. (Eds) The New Institutionalism in Organizational Analysis. University of Chicago Press, Chicago, 1991.

DINIZ, E; BARBOSA, A; JUNQUEIRA, A. R. B; PRADO, O. O governo eletrônico no Brasil: perspectiva histórica a partir de um modelo estruturado de análise. Revista Administração Pública, v. 43, n. 1, p. 23-48, 2009.

FERNANDES, C. C. C. Organização do governo eletrônico no Brasil: situação atual, problemas e propostas. In: KNIGHT, P. T; FERNANDES, C. C. C; CUNHA, M. A. (Orgs) E-Desenvolvimento no Brasil e no mundo: subsídios e programa E-Brasil. São Caetano do Sul: Yendis, 2007.

FOUNTAIN, J. E. Construindo um estado virtual. Tecnologia da informação e mudança institucional. Brasília: ENAP, 2005. 296 p.

FREY, K. Governança urbana e redes sociais: o potencial das novas tecnologias da informação e comunicação. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 27, Atibaia, 2003. Anais. Atibaia: ANPAD: 2003.

FUNDAP. Seminário avanços e perspectivas da gestão pública nos estados: relatório do painel governo eletrônico. Fundação do Desenvolvimento Administrativo, São Paulo, 9 de março de 2006.

GAETANI, F. Estratégia e Gestão da Mudança nas Políticas de Gestão Pública. In: LEVY, E; DRAGO, P. A. (Orgs) Gestão pública no Brasil contemporâneo. São Paulo: FUNDAP, 2005.

GOODIN, R. (Org) The Theory of Institutional Design. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

HALL, P. A; TAYLOR, R. C. R. As três versões do neo-institucionalismo. Lua Nova, n. 58, p. 192-223, 2003.

HALL, P. A; TAYLOR, R. C. R. Political science and the three new institutionalisms. Political Studies, 1996.

HEEKS, R. Information systems and public sector accountability. Manchester: Institute for Development Policy and Management. Information Systems for Public Sector Management –Working Paper Series, 1. 1998.

HOBSBAWM, E. Era dos extremos: o breve Século XX. São Paulo: Cia das Letras, 1995.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Contas Regionais do Brasil 2004. Boletim Contas Nacionais número 17. Rio de Janeiro, 2006.

IMMERGUT, E. O núcleo teórico do novo institucionalismo. In: SARAIVA, E; FERRAREZI, E. (Orgs) Políticas públicas. Brasília: ENAP, 2006. p. 155-196.

JEPPERSON, R. L. Institutions, institutional effects, and institutionalization.In: POWELL, W. W; DIMAGGIO, P. J. (Eds) The New Institutionalism in Organizational Analysis. Chicago: The University of Chicago Press, 1991. p. 143-163.

KNIGHT, P. T; FERNANDES, C. C. C; CUNHA, M. A. (Orgs) E-Desenvolvimento no Brasil e no mundo: subsídios e Programa E-Brasil. São Caetano do Sul: Yendis, 2007.

MAANEN, J. Reclaiming qualitative methods for organizational research: a preface. In: MAANEN, J. (Ed) Qualitative Methodology. Newbury Park: Sage, 1983.

MIGNERAT, M; RIVARD, S. Positioning the Institutional Perspective in Information Technology Research. Chaire de Gestions Stratégique des Technologies de L’Information, 2005.

MILES, M; HUBERMAN, A. An expanded sourcebook qualitative data analysis. Thousand Oaks: Sage, 1994.

MINTZBERG, H. Managing government, governing management. Harvard Business Review, v. 76, n. 3, p. 75-83, 1996.

NORTH, D. Institutions, institutional change and economic performance. Nova York: Cambridge University Press, 1990.

OFFE, C. Institutions in wast European transitions. In: GOODIN, R. (Org) The Theory of Institutional Design. Cambridge. Cambridge University Press, 1996.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Benchmarking e-government: a global perspective. Nova York: UN/DPEPA, 2008.

PINHO, J. A. G. Investigando portais de governo eletrônico no Brasil: muita tecnologia, pouca democracia. Revista de Administração Pública, v. 42, n. 3, p. 471-493, 2008.

POZZEBON, M. The implementation of configurable technologies: negotiations between global principles and local contexts. 2003. 352 p. Tese de Doutorado, McGill University, Montreal, 2003.

RAMOS, R. E. B; RAMOS, A. S. M. As práticas internacionais de estratégia de governo eletrônico e inclusão digital e as perspectivas para estratégia de política pública no Brasil: os casos de Estados Unidos, Reino Unido e Canadá. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO DE PÓSGRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 27, Atibaia, 2003. Anais. Atibaia: ANPAD, 2003.

RUEDIGER, M. A. Governo eletrônico ou governança eletrônica. Conceitos alternativos no uso das tecnologias da informação para o provimento de acesso cívico aos mecanismos de governo e da reforma do Estado. In: CONCURSO DE ENSAYOS E MONOGRAFÍAS DEL CLAD SOBRE REFORMA DEL ESTADO Y MODERNIZACIÓN DE LA ADMINISTRACIÓN PÚBLICA “GOBIERNO ELECTRÓNICO”, 16, Caracas, 2002.

SCOTT, W. R. Institutions and organizations. Thousand Oaks, CA: Sage, 2001.

SCOTT, W. R; MEYER, J. W. The Organization of societal sectors: propositions and early evidence. In: POWELL, W. W; DIMAGGIO, P. J. (Eds) The New Institutionalism in Organizational Analysis. Chicago: The University of Chicago Press, 1991. p. 108-140.

WALSHAM, G. Interpretive case studies in IS research: nature e method. European Journal of Information Systems, v. 4, n. 2, p. 74-81, 1995.

WEILL, P; ROSS, J. W. Governança de tecnologia da informação: como as empresas com melhor desempenho administram dos direitos decisórios de TI na busca por resultados superiores. São Paulo: Makron Books, 2006.

ZUCKER, L. G. The role of Institutionalization in Cultural Persistence. In: POWELL, W. W; DIMAGGIO, P. J. (Eds) The New Institutionalism in Organizational Analysis. Chicago: The University of Chicago Press, 1991. p. 83-107.