Rigor, relevância e desafios da academia em administração: tensões entre pesquisa e formação profissional Outros Idiomas

ID:
1882
Resumo:
Recuperamos a trajetória do ensino e da pesquisa em administração no Brasil para discutir desafios atuais quanto à construção da relevância da produção científica. A análise da trajetória da RAE revela tensões entre pesquisa e tradição da formação profissional, ou, ainda, entre rigor e relevância: de uma revista que refletiria o pensamento da FGV-EAESP, voltada à classe emergente dos administradores, carentes de conhecimento especializado e relevante, a uma ferramenta essencial ao debate e à divulgação científica, agora já no círculo acadêmico especializado. Essa inflexão caracterizou-se pela implantação progressiva de critérios e procedimentos acadêmicos e pela ênfase crescente no rigor teórico-metodológico. Porém, a questão da relevância e do impacto do conhecimento produzido sugere reflexões importantes à comunidade científica. Entre as questões que levantamos, estão: de que problemas tratamos? Como o fazemos? Quais as contribuições de nossos textos? Para quem escrevemos? Que diálogos promovemos junto a outras esferas da sociedade?
Citação ABNT:
MASCARENHAS, A. O.; ZAMBALDI, F.; MORAES, E. A. Rigor, relevância e desafios da academia em administração: tensões entre pesquisa e formação profissional. Revista de Administração de Empresas, v. 51, n. 3, p. 265-279, 2011.
Citação APA:
Mascarenhas, A. O., Zambaldi, F., & Moraes, E. A. (2011). Rigor, relevância e desafios da academia em administração: tensões entre pesquisa e formação profissional. Revista de Administração de Empresas, 51(3), 265-279.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/1882/rigor--relevancia-e-desafios-da-academia-em-administracao--tensoes-entre-pesquisa-e-formacao-profissional/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALMEIDA JUNIOR, A. e outros. Parecer CFE nº 977/65, aprovado em 3 dez. 1965. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 30, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S1413-24782005000300014&lng=en&nrm =iso. Acesso em 11.05.2011.

BARTUNEK, J. Academic-practitioner collaboration need not require joint or relevant research: toward a relational scholarship of integration. Academy of Management Journal, v. 50, n. 6, p. 1323-1333, 2007.

BEECH, N; MACINTOSH, R; MACLEAN, D. Dialogues between academics and practitioners: the role of generative dialogic encounters. Organization Studies, v. 31, n. 9&10, p. 1341-1367, 2010.

BERTERO, C; CALDAS, M; WOOD JR. Produção científica em administração de empresas: provocações, insinuações e contribuições para um debate local. Revista de Administração Contemporânea, v. 2, n. 1, p. 147-178, 1999.

BERTERO, C; CALDAS, M; WOOD JR. Produção científica em administração no Brasil: o estado da arte. São Paulo: Atlas, 2005.

BERTERO, C. O. Comentando. Organizações e Sociedade, v. 10, n. 26, p. 189-190, 2003.

BERTERO, C. O. Editorial. RAE-eletrônica, v. 6, n. 1, 2007. Disponível em http://rae.fgv.br/rae-eletronica/ vol6-num1-2007. Acesso em 11.05.2011.

BERTERO, C. O. Ensino e Pesquisa em Administração. São Paulo: Thompson. 2006. 135 p.

BERTERO, C. O; KEINERT, T. M. M. A evolução da análise organizacional no Brasil (1961-93). RAE-revista de administração de empresas, v. 34, n. 3, p. 81-90, 1994.

BOUZAN, A. O administrador de empresas no desenvolvimento do Brasil. RAE-revista de administração de empresas, v. 6, n. 19, p. 41-58, 1966.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Desenvolvimento e crise no Brasil 1930-1983. 17. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CARVALHO, C; VIEIRA, M. Algo está podre no reino da Dinamarca. Organizações e Sociedade, v. 10, n. 26, p. 185-187, 2003a.

CARVALHO, C; VIEIRA, M. Tréplica ao professor Bertero. Organizações e Sociedade, v. 10, n. 27, p. 179-180, 2003b.

CLARK, T; FLOYD, S; WRIGHT, M. On the review process and journal development. Journal of Management Studies, v. 43, n. 3, p. 655-663, 2006.

DEADRICK, D; GIBSON, P. An examination of the research-practice gap in HR: comparing topics of interest to HR academics and HR professionals. Human Resource Management Review, v. 17, n. 2, p. 131-139, 2007.

DEADRICK, D; GIBSON, P. Revisiting the researchpractice gap in HR: a longitudinal analysis. Human Resource Management Review, 19, n. 1, p. 144-153, 2009.

DOH, J. Introduction: implications for practice – core contribution or afterthought? Academy of Management Learning and Education, v. 9, n. 1, p. 98-99, 2010.

EISENHARDT, K. Better stories and better constructs: the case for rigor and comparative logic. Academy of Management Review, v. 16, n. 3, p. 620-627, 1991.

FACHIN, R. C. Construindo uma associação científica: trinta anos da Anpad – memórias, registros, desafios. Porto Alegre: Anpad. 2006. 242 p.

FREITAS, A. G. Introdução às teorias administrativas. Campinas: Alínea, 1998.

GHOSHAL, S. Bad management theories are destroying good management practices. Academy of Management Learning & Education, 4, n. 1, p. 75-91, 2005.

GIBBONS, M; LIMOGES, H; NOWOTNY, H; SCHWARTZMAN, S; SCOTT, P; TROW, M. The new production of knowledge: the dynamics of science and research in contemporary societies. London: Sage, 1994.

GOLDEN-BIDDLE, K; LOCKE, K. Appealing work: an investigation of how ethnographic texts convince. Organization Science, v. 4, n. 4, p. 595-616, 1993.

GREY, C. Re-imagining relevance: a response to starkey and madan. British Journal of Management, v. 12, n. 1, p. S27-S32, 2001.

GULATI, R. Tent poles, tribalism, and boundary spanning: the rigor-relevance debate in management research. Academy of Management Journal, v. 50, n. 4, p. 775-782, 2007.

GVEXECUTIVO. A RAE nos seus 50 anos. GVexecutivo, v. 10, n. 1, p. 66-67, 2011.

HUFF, A; HUFF, J. Refocusing the business school agenda. British Journal of Management, v. 12, n. 1, p. S49-S54, 2001.

JARZABKOWSKI, P; MOHRMAN, S; SCHERER, A. Organization studies as applied science: the generation and use of academic knowledge about organizations – introduction to the special edition. Editorial. Organization Studies, v. 31, n. 9&10, p. 1189-1207, 2010.

KIESER, A; LEINER, L. Why the rigor-relevance gap in management research is unbridgeable? Journal of Management Studies, v. 46, n. 3, p. 516-533, 2009.

KIRSCHBAUM, C; MASCARENHAS, A. Nos limites da autonomia: reflexões sobre práticas de blind review e editoria de revistas científicas em administração no Brasil. RAE-eletrônica, v. 8, n. 1, p. 12, 2009. Disponivel em http://rae.fgv.br/rae-eletronica/ vol8-num1-2009/nos-limites-autonomia-reflexoessobremodelo-brasileiro-blind-review. Acesso em 11.05.2011.

KNIGHTS, D; SCARBROUGH, H. In search of relevance: perspectives on the contribution of academic-practitioner networks. Organization Studies, v. 31, n. 9&10, p. 1287-1309, 2010.

MACHADO-DA-SILVA, C; GUARIDO-FILHO, E; ROSSONI, L; GRAEFF, J. Periódicos brasileiros de administração: análise bibliométrica de impacto no triênio 2005-2007. RAC-Eletrônica, v. 2, n. 3, p. 351-373, 2008.

MATTOS, P. Nós e os índices: a propósito da pressão institucional por publicação. RAE-revista de administração de empresas, v. 48, n. 2, p. 144-149, 2008.

MINTZBERG, H. Managers, not MBAs: a hard look at the soft practice of managing and management development. San Francico, CA: Berrett-Koehler, 2004. 464 p.

NICOLAI, A; SEIDL, D. That’s relevant! Different forms of practical relevance in management science. Organization Studies, v. 31, n. 9&10, p. 1257-1285, 2010.

PFEFFER, J; FONG, C. T. The end of business schools? Less success than meets the eye. Academy of Management Learning & Education, v. 1, n. 1, p. 78-96, 2002.

PINHO, J. A. G. D. Brevíssimo manual do editor: considerações sobre submissão e avaliação de artigos, o papel dos pareceristas e do editor de revistas científicas. Organizações e Sociedade, v. 12, n. 34, p. 169-173, 2005.

RODRIGUES, S. B. Quem responde pelo desempenho limitado da produção científica em administração no Brasil. Organizações e Sociedade, v. 11, n. 29, p. 193-196, 2004.

RODRIGUES, S; CARRIERI, A. A tradição anglosaxônica em estudos organizacionais brasileiros. Revista de Administração Contemporânea, v. 5, ed. especial, p. 81-102, 2001.

ROESCH, S. M. A. Quem responde pelo desempenho limitado da produção científica em administração no Brasil. Organizações e Sociedade, v. 10, n. 28, p. 165-167, 2003.

ROESCH, S. M. A. Tréplica à Suzana Rodrigues. Organizações e Sociedade, v. 11, n. 29, p. 197-197, 2004.

ROSA, A. “Nós e os índices”: um outro olhar sobre a pressão institucional por publicação. RAE-revista de administração de empresas, v. 48, n. 4, p. 108-114, 2008.

ROSSONI, L; GUARIDO-FILHO, E. Cooperação entre programas de pós-graduação em administração no Brasil: evidências estruturais em quatro áreas temáticas. Revista de Administração Contemporânea, v. 13, n. 3, p. 366-390, 2009.

ROUSSEAU, D; MANNING, J; DENYER, D. Evidence in management and organizational science: assembling the field’s full weight of scientific knowledge through syntheses. AIM Working Paper Series: 067, 2008. Disponível em: http://www.evidencebasedmanagement. com/wp-content/uploads/2010/01/ROUSSEAU-Evidence_2_15_08-11.pdf. Acesso em 23.03.2011.

RYNES, S; BARTUNEK, J; DAFT, R. Across the great divide: knowledge creation and transfer between practitioners and academics. Academy of Management Journal, v. 44, n. 1, p. 340-355, 2001.

RYNES, S; COLBERT, A; BROWN, K. HR professional beliefs about effective human resource practices, correspondence between research and practice. Human Resource Management, v. 41, n. 2, p. 149-174, 2002.

RYNES, S. Editor’s afterword: let’s create a tipping point – what academics and practitioners can do, alone and together. Academy of Management Journal, v. 50, n. 5, p. 1046-1054, 2007.

RYNES, S; GILUK, T; BROWN, K. The very separate worlds of academic and practitioner periodicals in human resource management: implications for evidencebased management. Academy of Management Journal, v. 50, n. 5, p. 987-1008, 2007.

SERRA, F; FIATES, G; FERREIRA, M. Publicar é difícil ou faltam competências? O desafio de pesquisar e publicar em revistas científicas na visão de editores e revisores internacionais. Revista de Administração Mackenzie, v. 9, n. 4, ed. especial, p. 32-55, 2008.

SHANI, A; ADLER, N; MOHRMAN, S; PASMORE, W; STYMNE, B. (Eds) Handbook of collaborative management research. Thousand Oaks: Sage, 2008.

SILVA, G. S. Administração de empresas e desenvolvimento. RAE-revista de administração de empresas, v. 11, n. 3, p. 5-20, 1971.

SOUZA, J. C. P. Roberto Saboia de Medeiros, S. J.: apóstolo da ação social. São Paulo: Loyola, 1980.

STARKEY, K; MADAN, P. Bridging the relevance gap: aligning stakeholders in the future of management research. British Journal of Management, v. 12, n.1, p. S3-S26, 2001.

SWAN, J; BRESNEN, M; ROBERTSON, M; NEWELL, S; DOPSON, S. When policy meets practice: colliding logics and the challenges of ‘mode 2’ initiatives in the translation of academic knowledge. Organization Studies, v. 31, n. 9&10, p. 1311-1340, 2010.

TONELLI, M; CALDAS, M; LACOMBE, B; TINOCO, T. Produção acadêmica em recursos humanos no Brasil: 1991-2000. RAE-revista de administração de empresas, v. 43, n. 1, p. 105-122, 2003.

VALENTE, R; SERAFIM, M. RAE 45 anos: recortes de sua história. RAE-revista de administração de empresas, v. 46, n. 2, p. 104-111, 2006.

VAN DE VEN, A. Engaged scholarship: a guide for organizational and social research. Oxford: Oxford University Press, 2007.

VAN DE VEN, A; JOHNSON, P. Knowledge for theory and practice. Academy of Management Review, v. 31, n. 4, p. 802-821, 2006.

VASCONCELOS, F. Relevância e rigor na academia. Editorial. RAE-revista de administração de empresas. v. 49, n. 1, p. 5, 2009.

VERGARA, S; PINTO, M. Referências teóricas em análise organizacional: um estudo das nacionalidades dos autores referenciados na literatura brasileira. Revista de Administração Contemporânea, v. 5, n. 2, p. 103-121, 2001.

WEICK, K. Speaking to practice: the scholarship of integration. Journal of Management Inquiry, v. 5, n.1, p. 251-258, 1996.