Gestão ambiental sob a ótica de frequentadores e empresários no setor de alimentos e bebidas da orla de Aracaju Outros Idiomas

ID:
1893
Resumo:
O crescimento do setor de alimentos e bebidas no litoral demanda maior dedicação das empresas à qualidade dos serviços prestados e ao entorno. Nesse estudo a proposta é a de analisar a percepção de empresários e frequentadores sobre a gestão ambiental no setor de alimentos e bebidas localizado na orla litorânea da cidade de Aracaju. A pesquisa, exploratório-descritiva baseada em um survey, usou um instrumento focado em sete (dos 16) princípios de gestão ambiental da CCI ajustado às peculiaridades dos negócios, para avaliar a qualidade do ambiente (aspectos conjunturais). Os resultados apontam grandes diferenças nas percepções de empresários e de frequentadores na maior parte dos sete princípios de gestão ambiental levantados. As principais implicações desse estudo, do ponto de vista aplicado, mostram aos empresários não podem negligenciar a questão ambiental atuando no setor de alimentos de bebidas em uma região litorânea, uma vez que o entorno integra o negócio. Do ponto de vista teórico, esse artigo problematiza o empreendimento turístico, pois qualquer que seja a sua natureza, ele traz consigo impactos ambientais, e isso precisa fazer parte da sua concepção e das suas práticas.
Citação ABNT:
PROVINCIALI, V. L. N.; SARAIVA, L. A. S. Gestão ambiental sob a ótica de frequentadores e empresários no setor de alimentos e bebidas da orla de Aracaju. Caderno Virtual de Turismo, v. 11, n. 3, art. 7, p. 384-398, 2011.
Citação APA:
Provinciali, V. L. N., & Saraiva, L. A. S. (2011). Gestão ambiental sob a ótica de frequentadores e empresários no setor de alimentos e bebidas da orla de Aracaju. Caderno Virtual de Turismo, 11(3), 384-398.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/1893/gestao-ambiental-sob-a-otica-de-frequentadores-e-empresarios-no-setor-de-alimentos-e-bebidas-da-orla-de-aracaju/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ACBB. Aracaju Convention & Visitors Bureau. Sobre Aracaju. Disponível em : < http://www. aracajuconvention.com.br/> Acesso em 29. dez. 2010.

AGUIAR, M. F. Lazer e produtividade no trabalho. Turismo em Análise, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 111-124, nov. 2000.

ANDRADE, R. O. B., TACHIZAWA, T.; CARVALHO, A. B. Gestão ambiental: enfoque estratégico aplicado ao desenvolvimento sustentável. 2.ed. São Paulo: Pearson, 2003.

BECKER, B. Políticas e planejamento do turismo no Brasil: conferência. Caderno Virtual de Turismo, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 1-7, 2001.

BRITO, B. R. O turista e o viajante: contributos para a conceptualização do turismo alternativo e responsável. In: CONGRESSO PORTUGUÊS DE SOCIOLOGIA, IV, 2000, Coimbra. Anais... Coimbra: Universidade de Coimbra, 2000.

BUARQUE, S. C. Agenda de desenvolvimento sustentável para o nordeste. In: Ministério do Meio Ambiente. Agenda 21 Brasileira. Encontro regional – nordeste. Brasília: MMA, 2001.

CCI. Câmara de Comércio Internacional. Carta empresarial para o desenvolvimento sustentável: princípios de gestão ambiental. Rio de Janeiro: CCI, 1992.

DONAIRE, D. Gestão ambiental na empresa. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Disponível em http://www.ibge.gov.br/ cidadesat/topwindow.htm Acesso em 23 set. 2009.

LEAL, E. B. Agenda 21, desenvolvimento sustentável. Disponível em: . Acesso em 12 fev. 2009

MACIEL, M.: CHÃO, M.; RIVERA, R. Determinantes da qualidade de serviços: um estudo entre restaurantes do bairro do jardim botânico no Rio de Janeiro. Cadernos Discentes COPPEAD, Rio de Janeiro, n. 16, 2002.

MAIMON. D. Passaporte verde. São Paulo: Qualitymark, 1996.

MITRAUD, S. (Org.). Manual de ecoturismo de base comunitária. Brasília: WWF-Brasil, 2003.

NIEFER, I. A. Análise do perfil dos visitantes das ilhas do superagui e do mel: marketing como instrumento para um turismo sustentável. 2002. 214 f. Tese (Doutorado em Ciências Florestais) – Setor de Ciências Agrárias, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2002.

NIGEL, G. Researching social life. 3. ed. London: Sage, 2008.

PÁDUA, S. M. Ecoturismo é a alternativa econômica que completa a conservação da natureza. In: SEMINÁRIO DE ECOTURISMO DO DISTRITO FEDERAL, DO ENTORNO E DE GOIÁS, II, 1996, Brasília. Anais... Brasília, Embratur, 1996.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

SEBRAE/CE. Serviço de apoio às micro e pequenas empresas do Ceará. Gerente de restaurante. Fortaleza: Sebrae/CE, 1994.

SEBRAE/RN. Serviço de apoio às micro e pequenas empresas do Rio Grande do Norte. Pesquisa sobre o impacto socioeconômico do turismo na grande Natal. Natal: Sebrae/RN, 1996. UM modelo de avaliação da eficiência dos serviços educacionais prestados segundo a expectativa e percepções do aluno. Disponível em:
WTTC. World travel tourism council. Disponível em: Acesso em 23 ago. 2009.