Controle Social no Brasil – Estadocêntrico ou Sociocêntrico? Evidências da 1ª Conferência Nacional sobre Transparência e Controle Social, Consocial Outros Idiomas

ID:
19836
Resumo:
O processo e as propostas priorizadas na I Conferência Nacional sobre Transparência e Controle Social, Consocial, são analisados à luz dos padrões estadocêntrico e sociocêntrico de relação Estado-sociedade (Keinert, 2000). Realizada entre 2011 e 2012, sob liderança da Controladoria Geral da União e participação de diversos segmentos da sociedade, a Consocial levou à priorização de 80 propostas (agrupadas em 42), que subsidiarão Plano Nacional sobre o tema. A Conferência é parte do amadurecimento democrático brasileiro, que inclui abertura do Estado e participação social nas decisões e no controle público, em novos arranjos institucionais e de governança, típicos do padrão sociocêntrico. Em paralelo, são reforçadas características do padrão estadocêntrico, como centralização, formalidade e público visto como estatal. Sobretudo, observa-se as diversas combinações entre padrões. A pesquisa baseia-se em observação participante em seis etapas da Consocial, acompanhamento da comunicação e análise documental de cadernos de propostas e do relatório final da Consocial.
Citação ABNT:
SCHOMMER, P. C.; DAHMER, J.; SPANIOL, E. L. Controle Social no Brasil – Estadocêntrico ou Sociocêntrico? Evidências da 1ª Conferência Nacional sobre Transparência e Controle Social, Consocial. Administração Pública e Gestão Social, v. 6, n. 1, p. 35-47, 2014.
Citação APA:
Schommer, P. C., Dahmer, J., & Spaniol, E. L. (2014). Controle Social no Brasil – Estadocêntrico ou Sociocêntrico? Evidências da 1ª Conferência Nacional sobre Transparência e Controle Social, Consocial. Administração Pública e Gestão Social, 6(1), 35-47.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/19836/controle-social-no-brasil-----estadocentrico-ou-sociocentrico--evidencias-da-1---conferencia-nacional-sobre-transparencia-e-controle-social--consocial/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abrucio, F. L., Loureiro, M. R. (2005). Finanças públicas, democracia e accountability. In: Arvate, P. R.; Biderman, C. Economia do setor público no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier/Campus.

Almeida, A. C.(2007). A cabeça do brasileiro. 2 ed. Rio de Janeiro: Record.

Campos, A.M. (1990). Accountability: Quando poderemos traduzi-la para o português? Revista de Administração Pública. 24 (2), 30-50, fev./abr.

Castro, R. P. A. (2007). Sistema de controle interno: uma perspectiva do modelo de gestão públicagerencial. Belo Horizonte: Fórum.

Controladoria Geral da União, CGU (2012a). Relatório Executivo Final 1ª Consocial. Recuperado de http://www.consocial.cgu.gov.br/relatorio-final/.

Controladoria Geral da União, CGU (2012b). Relatório Metodológico das Conferências Municipais/Regionais. Recuperado de:http://www.consocial.cgu.gov.br/uploads/biblioteca_arquivos/12/arquivo_e650092fb4.pdf

Doin, G. A., Dahmer, J., Schommer, P.C., Spaniol, E. L. (2012). Mobilização social e coprodução do controle: o que sinalizam os processos de construção da Lei da Ficha Limpa e da Rede Observatório Social do Brasil de Controle Social. Pensamento & Realidade, v. 27, 56-78.

Farah, M. F. S. (1996). Processo de trabalho na construção habitacional: tradição e mudança. São Paulo: Annablume.

Ferrarezi, E., Oliveira, M. S. de C. (2010). Conferências Nacionais de Saúde e processos participativos na administração pública federal brasileira. ECasoteca de Gestão Pública. pg. 1-24. Recuperado de: http://casoteca.enap.gov.br/index.php?option=com_multicategories&view=article&id=14:conferencias-nacionais-de-saude-e-processos-participativos-na-administracao-publica-federal-brasileira&catid=7:estado-e-sociedade&Itemid=12.

Gurgel, C., Justen, A. (2013). Controle social e políticas públicas: a experiência dos conselhos gestores. Revista de Administração Pública. 47(2), 357-78, mar./abr. Recuperado de: http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/view/8062/6851

Keinert, T. M. M. (2000). Administração pública no Brasil: crises e mudanças de paradigmas. São Paulo: Annablume: Fapesp.

Kleba, M. E., Comerlatto, D. (2011). Vivências de empoderamento no exercício da participação social em conselhos gestores de políticas públicas. Administração Pública e Gestão Social. 3 (1), 23-42, jan./mar. Recuperado de http://www.apgs.ufv.br/index.php/apgs/article/view/45/46#.Uj4lkIYjJXk

Loureiro, M.R., Abrucio, F.L., Olivieri, C., Teixeira, M.A.C. (2012). Do controle interno ao controle social: a múltipla atuação da CGU na democracia brasileira. Cadernos Gestão Pública e Cidadania. 17 (60), jan./jun. Recuperado de http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/cgpc/article/view/3980/2851

Nunes, E. (2003). A gramática política do Brasil:clientelismo e insulamento burocrático. 3a. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar/ENA.

Pinho, J. A. G., Sacramento, A. R. S. (2009). Accountability: já podemos traduzi-la para o português? Revista de Administração Pública, 43 (6): 1343-68, nov./dez.

Prates, M. A. S., Barros, B. T.(1997). O estilo brasileiro de administrar: sumário de um modelo de ação cultural brasileiro como base na gestão empresarial. In: Prestes Motta, F. C., e Caldas, M. P. (orgs.). Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas. (p. 55-69).

Ramos, A. G. (1983). Administração e contexto brasileiro. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getulio Vargas.

Rocha, A. C., Spaniol, E. L., Schommer, P.C. Sousa, A. D. (2012). Coprodução do controle como bem público essencial à accountability. XXXVI Encontro da ANPAD - EnANPAD, 2012, Rio de Janeiro. Anais... XXXVI EnANPAD.

Scherer-Warren, I. (2012). Redes emancipatórias: nas lutas contra a exclusão e por direitos humanos. Curitiba: Appris.