A lealdade ao canal de comercialização e ao fornecedor nas compras em ambientes físico e online Outros Idiomas

ID:
19938
Resumo:
O avanço do comércio eletrônico no Brasil aponta para uma tendência irreversível de desenvolvimento deste canal para a realização de compras. Em razão das suas peculiaridades, as estratégias de aumento da lealdade adotadas pelas empresas em ambiente físico podem requerer adaptações e até mesmo reconsiderações. Em razão disso, este estudo teve por objetivo identificar os aspectos mais valorizados para a lealdade ao fornecedor do ponto de vista dos leais e não leais aos canais (lojas físicas e virtuais) e aos fornecedores nos ambientes online e offline, e as variáveis que potencialmente mais influenciariam os comportamentos de adoção ou de continuidade de uso da Internet como canal de compras. Além da revisão do referencial teórico pertinente, foi realizada uma pesquisa de campo de natureza descritiva com tratamento quantitativo dos dados com compradores de livros, CDs e DVDs. Na etapa de análise dos dados foram usadas as seguintes técnicas: estatísticas descritivas, teste Qui-Quadrado e análise fatorial confirmatória. Dentre outros resultados, a pesquisa aponta que, independentemente do canal de compra, a maioria dos clientes não é leal ao fornecedor, mas que no canal físico predomina a lealdade a este ambiente, diferentemente do que ocorre no comércio eletrônico. Aponta, ainda, que enquanto os não leais ao canal físico valorizam a localização e a acessibilidade, os não leais ao canal online consideram a confiança na loja e sua reputação como fator preponderante para o desenvolvimento de lealdade. Os aspectos subjacentes à lealdade ao canal e ao fornecedor nas compras online e offline revelados neste estudo contribuem para a definição de estratégias para as empresas interessadas em estreitar o relacionamento com seus públicos-alvo e reforçar a sua retenção.
Palavras-chave:
Citação ABNT:
NAKAGAWA, S. S. Y.; GOUVÊA, M. A.; OLIVEIRA, B. A lealdade ao canal de comercialização e ao fornecedor nas compras em ambientes físico e online. Innovation and Management Review, v. 10, n. 4, p. 6-37, 2013.
Citação APA:
Nakagawa, S. S. Y., Gouvêa, M. A., & Oliveira, B. (2013). A lealdade ao canal de comercialização e ao fornecedor nas compras em ambientes físico e online. Innovation and Management Review, 10(4), 6-37.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/19938/a-lealdade-ao-canal-de-comercializacao-e-ao-fornecedor-nas-compras-em-ambientes-fisico-e-online/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AJZEN, I. (1991). The Theory of Planned Behavior. Organizational Behavior and Human Decision Processes, San Diego, 50(2), 179-211.

AJZEN, I., FISHBEIN, M. (1980). Understanding Attitudes and Predicting Social Behavior. New Jersey: Prentice-Hall.

ANCKAR, B. (2003). Drivers and inhibitors to E-commerce adoption: exploring the rationality of consumer behavior in the electronic marketplace. In: 11th European Conference on Information Systems (ECIS), 2003, Naples, ECIS.

BANDURA, A. (1986). Social Foundations of Thought and Action. New Jersey: Prentice Hall.

BHATTACHERJEE, A. (2001). Understanding information systems continuance: an expectationconfirmation model. MIS Quarterly, 25(3), 351-370.

BLACKWELL, R. D., MINIARD, P. W., ENGEL, J. F. (2001). Consumer behavior. Mason, SouthWestern.

BRAMALL, C., SCHOEFER, K., MCKECHNIE, S. (2004). The determinants and consequences of consumer trust in e-retailing: a conceptual framework. Irish Marketing Review, Dublin, 17(1-2), 13-22.

CHURCHILL, G. A., PETER, J. P. (2000). Marketing: criando valor para o cliente. São Paulo, Saraiva.

COMPEAU, D., HIGGINS, C., HUFF, S. (1999). Social Cognitive Theory and Individual Reactions to Computing Technology: a longitudinal study. MIS Quarterly, 23(2), 145-158.

COMPEAU, D. R., HIGGINS, C. A. (1995). Computer self-efficacy: development of a measure and initial test. MIS Quarterly, Minneapolis, MN, 19(2), 189-212.

CONSTANTINIDES, E. (2004). Influencing the online consumer's behavior: the Web experience, Internet Research, Bradford, 14(2), 111-126.

COYLES, S., GOKEY, T. C. (2002). Customer retention is not enough. McKinsey Quarterly, New York. Acesso em: 18 abr. 2009. Disponível em: http://www.mckinseyquarterly.com/article_page.asp?tk=384629:1176:16ear=1176eL2=16eL3=20. Acesso em: 15 jun. 2011.

DAVIS, F., BAGOZZI, R., WARSHAW, P. (1989). User acceptance of computer technology: a comparison of two theoretical models. Management Science, 35(8), 982-1003.

DAVIS, F., BAGOZZI, R., WARSHAW, P. (1992). Extrinsic and Intrinsic Motivation to Use Computers in Workplace. Journal of Applied Social Psychology, 22(14), 1111-1132.

DHOLAKIA, U., BAGOZZI, R. P. (2001). Consumer behavior in digital environments. In: WIND, J. & MAHAJAN, V. Digital marketing. New York: Wiley .

E-BIT. Webshoppers: Balanço do 1 semestre de 2010. (2010). Disponível em: . Acesso em: 15 jun. 2011.

ENGEL, J. F., BLACKWELL, R. D., MINIARD, P. W. (2000). Comportamento do consumidor. Rio de Janeiro: LTC.

HEIJDEN, H., VERHAGEN, T., CREEMERS, M. (2003). Understanding online purchase intentions: contributions from technology and trust perspectives. European Journal of Information Systems, Basingstoke, n. 12, p. 41-48.

JARVENPAA S. L., TRACTINSKY N., VITALE, M. (2000). Consumer trust in an internet store. Information Technology & Management, 1(1), 45-71.

KOUFARIS, M. 2002. Applying the technology acceptance model and flow theory to online consumer behavior. Information Systems Research, 13(2), 205-224.

MENDES-DA-SILVA, W., BIDO, D. S., FORTE, D. (2008). Identificando atributos que influenciam o desempenho do professor de finanças: evidências empíricas por meio de equações estruturais. In: 32º Encontro da ANPAD, 2008, Rio de Janeiro. Encontro da ANPAD.

MIRANDA, C. M. C., ARRUDA, D. M. O. (2004). E-produtos e variáveis comportamentais determinantes de compra no varejo virtual: um estudo com consumidores brasileiros. Revista Eletrônica de Administração, 10(1), 1-16.

OLIVER, R. L. (1980). A Cognitive model of the antecedents and consequences of satisfaction. Journal of Marketing Research, 17(4), 460-469.

PARK, J. J. (2003). Understanding consumer intention to shop online: a model comparison. Tese (Doctor of Philosophy) – Faculty of Graduate School, University of Missouri, Columbia.

ROGERS, E. M. (1995). Diffusion of Innovations. New York: Free Press.

SHANKAR, V., SMITH, A. K., RANGASWAMY, A. (2003). Customer satisfaction and loyalty in online and offline environments. International Journal of Research in Marketing, 20(2), 153-175.

TAYLOR, S., TODD, P. (1995). Understanding information technology usage: a testing of competing models. Information Systems Research, 6(2), 144-176.

THOMPSON, R., HIGGINS, C., HOWELL, J. (1991). Personal Computing: Toward a Conceptual Model of Utilization. MIS Quarterly, 15(1), 124-143.

TIC DOMICÍLIOS E USUÁRIOS. (2009). Disponível em: http://www.cetic.br/usuarios/tic/2009-totalbrasil/rel-ecom-04.htm. Acesso em: 01/07/2011.

VENKATESH, V., MORRIS, M., DAVIS, G., DAVIS, F. D. (2003). User acceptance of information technology: toward a unified view. MIS Quarterly, 27(3), 425-478.

ZWICKER, R., SOUZA, C. A., BIDO, D. S. Uma revisão do modelo do grau de informatização de empresas: novas propostas de estimação e modelagem usando PLS (partial least squares). In: 32º Encontro da ANPAD, 2008, Rio de Janeiro. Encontro da ANPAD.