Estimativa do índice de competitividade da indústria: o caso de Alagoas Outros Idiomas

ID:
19944
Resumo:
O matiz de referência teórica situa desde abordagens da competitividade sob a linha do desempenho e eficiência, as que discutem a estrutura de mercado da indústria, recursos, competências e produtividade. Na segunda metade do século passado surgiram as correntes neo-schumpeterianas e da economia institucional que inserem na agenda questões relacionadas a recursos específicos, capacidade, competências e inovações. Diante disso, uma questão de pesquisa é levantada: como é possível estimar a competitividade e produtividade da indústria alagoana a partir da construção de indicadores de competitividade industrial? Sob essa vertente teórica, a estimativa de um índice de competitividade industrial foi realizada através dos indicadores: eficiência, desempenho e capacitação (Küpfer, 1991). Para delimitar e aprofundar essa reflexão, este artigo pretende estimar o grau de competitividade das empresas em relação aos seus pares na indústria alagoana no período de 2008 a 2010 por meio dos indicadores acima apontados. Especificamente, a pesquisa almeja criar um índice que permita a comparação entre empresas do mesmo setor. O estudo é de natureza descritiva e exploratória e considerou o censo de médias e grandes empresas e uma amostra de pequenas empresas da indústria do Estado de Alagoas com margem de erro de 10% e intervalo de confiança de 90%, compondo 110 empresas investigadas no período de 2008 a 2010. Como resultados gerais, o Indicador de Eficiência (IE) identificou que a estrutura da indústria alagoana é, na maioria dos setores, atomizada e pouco integrada, o Indicador de Desempenho (ID), mostrou que as vantagens competitivas da indústria alagoana concentram-se nos setores de commodities (Químico e Sucroalcooleiro), em razão de vantagens absolutas de custos e escala de produção, e o Indicador de Capacitação (IC) apontou que existem problemas de qualificação da mão de obra, fragilidade do sistema local de inovação e ausência de parcerias institucionais, envolvendo os setores públicos e privados. Como sugestão para os setores com elevado desempenho, há necessidade que consolidem e ampliem posições no mercado externo e transformem vantagens competitivas estáticas em dinâmica para a obtenção de maiores margens de rentabilidade.
Citação ABNT:
RITA, L. P. S.; FERREIRA JUNIOR, R. R.; SÁ, E. M. O.; AMORIM, J. F. O. Estimativa do índice de competitividade da indústria: o caso de Alagoas. Innovation and Management Review, v. 10, n. 4, p. 136-163, 2013.
Citação APA:
Rita, L. P. S., Ferreira Junior, R. R., Sá, E. M. O., & Amorim, J. F. O. (2013). Estimativa do índice de competitividade da indústria: o caso de Alagoas. Innovation and Management Review, 10(4), 136-163.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/19944/estimativa-do-indice-de-competitividade-da-industria--o-caso-de-alagoas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Altenburg, T., Hillebrand, W., Meyer-Stamer, J. (1998). Policies for Building Systemic Competitiveness. Conceptual Framework and Case Studies of Mexico, Brazil, Paraguay, Korea and Thailand. Berlin: German Development Institute.

Bain, J. (1956). Barries to new competition. Harvard University Press, Cambridge (Mass).

Baptista, M. (1997). O enfoque neo-schumpteriano da firma. In: Anais do XXV Encontro Nacional de Economia (ENECO), Recife, 26-28 de Jul., v. 2, p. 1236-1254.

Bonelli, R., Fleury, P. F. (1994). Indicadores microeconômicos do desempenho competitivo. Revista de Administração, v. 29, n. 2, pp. 3-19, São Paulo, abr/jun.

Breschi, S., Malerba, Franco; Orsenigo, Luigi. (2010). Technological regimes and schumpeterian patterns of innovation. The economic journal. v.110, p.388-410.

Carvalho, Paulo Gonzaga Mibielli de. (2001). As vertentes teóricas da produtividade. Revista de Economia Contempôranea, Rio de Janeiro, 5(2), 67-92, jul./dez.

Coutinho, L. G., Ferraz, J. C. (1993). Estudo da competitividade da indústria brasileira. Campinas: Papirus.

Denison, E. (1971). United States economic growth. In: N. Rosenberg (org.). The Economics of Technological Change. Middlesex: Penguin Books.

Dosi, Giovanni. (1982). Technological paradigms and technological trajectories – a suggested interpretation of the determinants and directions of technical change. Research Policy, v. 11, n. 3, p. 147-162.

Dosi, Giovanni. (1998). Sources, Procedures and Microeconomic Effects of Innovation. Journal of Economic Literature, vol. XXVI, n. 3, p. 1120-1171.

Ferraz, J. C., Kupfer, David., Haguenauer, Lia. (1995). Made in Brazil: desafios competitivos para a indústria. Rio de Janeiro: Campus.

Fiea. (2010). Relatório de Pesquisa de Desempenho Industrial, Maceió.

Haguenauer, L. (1989). Competitividade: conceitos e medidas. Uma resenha da bibliografia recente com ênfase no caso brasileiro. Textos para Discussão n. 211. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro/Instituto de Economia Industrial, Ago.

Küpfer, David. (1991). Padrão de concorrência e competitividade. Textos para Discussão n. 265. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro/Instituto de Economia Industrial.

Machado-da-Silva, C. L., Fonseca, V. S., Fernandes, B. (1988). Mudança e Estratégia nas Organizações: Perspectivas Cognitiva e Institucional, CEPPAD/UFPR Anpad.

Malhotra, Naresch K. (2006). Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. 4a ed. Porto Alegre: Bookman, pp. 720.

Nelson, Richard R., Winter, Sidney G. (2005). Uma Teoria Evolucionária da Mudança Econômica. Campinas, SP. Editora da UNICAMP.

Nelson, R., Winter, S. (1982). An evolutionary theory of economic change Cambridge: The Belknap. Press of Harvard University Press.

Pavitt, K., Patel, P. (1994). The continuing, widespread (and neglected) importance of improvements in mechanical technologies. Research policy, v. 23, p. 533-545.

Penrose, E. (1959). The teory of growth of the firm. Basil Blackwell London.

Pettigrew, A., Whipp, R. (1993). Understanding the Environment. In: Maybe, C. & Mayon-White, B. (eds.), Managing Change. 2a ed. London: Paul Chapman, pp. 5-19.

Solow, R. (1971). Technical change and the aggregate production function. In: N. Rosenberg (org.) The economics of technological change. Londres: Penguin Books.

Teece, D., Pisano, G., Shuen, A. (1997). Dynamic capabilities and strategic management. Strategic Management Journal, pp. 509-533.

Tigre, Paulo de Bastos. (1998). Inovação e teorias da firma em três paradigmas. Revista de Economia Contemporânea. n. 3, Jan./Jun.

Wernerfelt, B. (1984). A resource-based view of the firm. In: Strategic management journal. v. 5, pp. 171-180.

Williamson, O. E. (2000). The New Institutional Economics: Taking Stock, Looking Ahead. Journal of Economic Literature, v. 38, Set.