Proposta de métrica do nível de Capacidade Tecnológica das empresas farmacêuticas Brasileiras Outros Idiomas

ID:
19973
Resumo:
O paradigma tecnoprodutivo atual, com a participação cada vez mais expressiva dos biofármacos, abre oportunidades para que as empresas farmacêuticas brasileiras desenvolvam sua capacidade de inovar, o que melhoraria sua competitividade em nível global. O objetivo deste artigo é apresentar uma proposta de adequação da métrica de capacidade tecnológica (CT) ao ramo farmacêutico. Trata-se de um estudo de campo com abordagem metodológica qualitativa e com finalidade teórica. O método de coleta foram entrevistas abertas, e o tratamento das evidências seguiu as recomendações de Miles & Huberman (1994) para a construção de quadros analíticos. Como principais resultados apresentam-se a proposta de métrica elaborada no campo com especialistas e estudiosos do ramo farmacêutico, e o teste piloto da métrica no caso da Farmoquímica, farmacêutica sediada na cidade do Rio de Janeiro. As narrativas coletadas, tanto durante a fase de adequação quanto na fase de teste piloto, trouxeram evidências de que a métrica de CT proposta ajusta-se à dinâmica competitiva atual da indústria farmacêutica global. Também há evidências de que a métrica de CT proposta tem o potencial de contribuir para as estratégias empresariais à base de inovação tecnológica das empresas farmacêuticas brasileiras e para as políticas públicas voltadas à redução do déficit tecnológico e comercial do Complexo Industrial de Saúde Brasileiro.
Citação ABNT:
MOREIRA, C. A. G.; PITASSI, C. Proposta de métrica do nível de Capacidade Tecnológica das empresas farmacêuticas Brasileiras. Innovation and Management Review, v. 10, n. 4, p. 229-252, 2013.
Citação APA:
Moreira, C. A. G., & Pitassi, C. (2013). Proposta de métrica do nível de Capacidade Tecnológica das empresas farmacêuticas Brasileiras. Innovation and Management Review, 10(4), 229-252.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/19973/proposta-de-metrica-do-nivel-de-capacidade-tecnologica-das-empresas-farmaceuticas-brasileiras/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Archibugi, D., Coco, A. (2005). Is Europe becoming the most dynamic knowledge economy in the world? Journal of Common Market Studies, v. 43, p. 433-459.

Attwood; T. K., Gisel, A., Eriksson, N. E., Bongcam-Rudloff, E. (2011). Concepts, historical milestones and the central place of bioinformatics in modern biology: an European perspective. In: Mahdavi, M.A. (Ed.). Bioinformatics-trends and methodologies. Intech Online Publishers.

Bartlett, C. A., Ghoshal, S. (2000). Going global: lessons from late movers. Harvard Business Review, 78(2), 132-142.

Bastos, V. D. (2005). Inovação farmacêutica: padrão setorial e perspectivas para o caso brasileiro. BNDES Setorial, v. 22, p. 271-296. set.

Bell, M. (1984). Learning and the accumulation of industrial technological capacity in developing countries. In: Fransman, M., King, K. (Eds.). Technological capability in the third world. London: Macmillan, 187-209.

Bell, M., Pavitt, K. (1995). The development of technological capabilities. In: Haque I.U., (Ed.). Trade, technology and international competitiveness. Washington, DC: World Bank.

Biernacki, P., Waldorf, D. (1981). Snowball sampling: problems and techniques of chain referral sampling. Sociological Methods Research, 10(2), 141-163.

Calixto, J. B., Siqueira, J. M. Jr. (2008). Desenvolvimento de medicamentos no Brasil: desafios. Gazeta Médica da Bahia, 78 (1), 98-106.

Chesbrough, H.W. (2010). Business model innovation: opportunities and barriers. Long Range Planning, v. 43, p. 354-363.

Chiaroni, D., Chiesa, V., Frattini, F. (2008). Patterns of collaboration along the biopharmaceutical innovation process. Journal of Business Chemistry, 5(1), 7-22.

Christensen, J.F. (2006). Whiter core competency for the large corporation in an open innovation world? In: Chesbrough, H.W., Vanhaverbeke, W. J (Eds.). Open innovation: researching a new paradigm. New York: Oxford University Press.

Cohen, W., Levinthal, D. (1990). Absorptive capacity: a new perspective on learning and innovation. Administrative Science Quarterly, 35(1), 128-152.

Dahlman, C., Westphal, L. E. (1982). Technological effort in industrial development: an interpretative survey in recent survey. In: Steward, F., James, J. (Eds). The economics of new technology in developing countries. London: Francis Pinter.

Demo, P. (2000). Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas.

Dosi, G. (1984). Technical change and industrial transformation: the theory and an application to the semiconductor industry. London: Macmillan.

Figueiredo, P.N. (2004). Aprendizagem tecnológica e inovação industrial em economias emergentes: uma breve contribuição para o desenho e implementação de estudos empíricos e estratégias no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, 3(2), 323-362.

Figueiredo, P.N. (2005). Acumulação tecnológica e inovação industrial: conceitos, mensuração e evidências no Brasil. São Paulo em Perspectiva, 19(1), 54-69.

Figueiredo, P.N. (2009). Gestão da inovação: conceitos, métricas e experiências de empresas no Brasil. Rio de Janeiro: LTC.

Figueiredo, P.N. (2010). Discontinuous innovation capability accumulation in latecomer natural resource-processing firms. Technological Forecasting and Social Change, 7(7), 1090-1108.

Grant, R. (1996). Toward a knowledge-based theory of the firm. Strategic Management Journal, 17(Winter Special Issue), 109-122

Hughes, B., Wareham, J. (2010). Knowledge arbitrage in global pharma: a synthetic view of Absorptive Capacity and Open Innovation. RD Management, 40(3), 324-343.

Katz, J. (1984). Comparative advantages of Latin American metalworking industries. In: M. Fransman, M., King, K. (Eds.). Technological capabilities in the Third World. London: The Macmillan Press.

Kim, L. (1998). Building technological capability for industrialization: analytical frameworks and Korea's experience. Industrial and Corporate Change, 8(1), 111-136.

Lall, S. (1982). Technological capabilities and industrialization. World Development, 20(2), 165-186.

Malerba, F., Orsenigo, L. (2002). Innovation and market structure in the dynamics of the pharmaceutical industry and biotechnology: towards a history friendly model. Industrial and Corporate Change, 11 (4), 667-703.

Miles, M. B., Huberman, A. M. (1994). Qualitative data analysis: a sourcebook of new methods. Beverly Hills: Sage Publications.

Nelson, R., Winter, S. (1982). An evolutionary theory of economic change. Cambridge (MA): Harvard University Press.

Oliveira, E.A, Labra, M.A., Bermudez, J. (2006). A produção pública de medicamento no Brasil: uma visão geral. Cadernos de Saúde Pública, 22(11), 2379-2389.

Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico -OCDE. (2007). Manual de Oslo -Diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre Inovação. 3ª ed., Tradução FINEP, 2007. Recuperado de http://download.finep.gov.br/imprensa/oslo2.pdf.

Penrose, E. (1959). The theory of growth of the firm. Oxford: Basil Blackwel.

Penrose, E. (1959). The theory of growth of the firm. Oxford: Basil Blackwel.

Pitassi, C., Moreno, V. de A. Jr., Gonçalves A.A. (2013). Fatores que influenciam a adoção de ferramentas TICs nos experimentos de bioinformática de organizações biofarmacêuticas: um estudo de caso no Instituto Nacional do Câncer. Revista Ciência e Saúde Coletiva. Recuperado de http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br.

Powell, W., White, D., Koput, K., Owen-Smith, J. (2005). Dynamics and field evolution: the growth of interorganizational collaboration in the life sciences. American Journal of Sociology, 110(4), 1132-1205.

Radaelli, V. (2008). A nova conformação setorial da indústria farmacêutica mundial: redesenho nas pesquisas e ingresso de novos atores. Revista Brasileira de Inovação, 7(2), 445-482.

Reis, C., Pieroni, J.P., Souza, J. O. B. (2010). Biotecnologia para saúde no Brasil. BNDES Setorial. v. 32, p. 193-230. Rio de Janeiro: BNDES.

Ribeiro, M. T. F. (2000). Gestão dos centros de PD face à competitividade. In: Anais do XXI Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, São Paulo, SP.

Scaramuzzo, M. (2013). Sexto maior mercado global farmacêutico, Brasil carece de inovação. Valor Econômico. março 23. Recuperado de http://www.valor.com.br/empresas/3057208.

Schumpeter, J. (1934). The theory of economic development. Cambridge, MA: Harvard University Press.

Vergara, S. C. (2007). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas.

Wernefelt, B. A resource-based view of the firm. (1984). Strategic Management Journal, 5(2), 171-180.