Responsabilidade social corporativa: um duplo olhar sobre a Reduc Outros Idiomas

ID:
20585
Resumo:
A Responsabilidade Social Corporativa (RSC) tem sido objeto de discussão tanto nos meios empresariais quanto nos acadêmicos, já tendo sido retratada como estratégia que pode contribuir para o desempenho financeiro das empresas, uma resposta estratégica a pressões institucionais sofridas pelas empresas, um mero discurso de marketing, ou ainda, uma atividade pós-lucro. A discussão sobre o tema permanece centrada nas organizações e os outros agentes (stakeholders) são, geralmente, tratados como satélites coadjuvantes. A proposta deste estudo é deslocar o eixo da discussão sobre Responsabilidade Social Corporativa (RSC), da empresa para a sociedade civil e responder à seguinte questão investigativa: em que medida o discurso e as práticas da Petrobras são congruentes, sob a ótica da comunidade que vive ao redor da Refinaria Duque de Caxias (Reduc)? Fundamenta-se na crença de que algo fundamental se perdeu na busca por soluções meramente técnico-instrumentais, as quais resultaram na geração de uma sociedade mercadocêntrica, utilitarista e calculista. Ao contrário de outros estudos que objetivaram analisar a correlação entre RSC e retorno financeiro, políticas públicas ou investimento social, neste busca-se analisar o discurso da Petrobras sobre RSC e confrontá-lo com o olhar dos habitantes da comunidade de Campos Elísios, localizada em Duque de Caxias, a qual é vizinha da Refinaria, sobre o impacto das operações desta. Entendeu-se a necessidade de se dar voz aos que são marginalizados e esquecidos nos discursos oficiais, no caso, a comunidade de Campos Elíseos. Para tal, foi realizada na comunidade, uma pesquisa inspirada na etnografia e suas variantes, como a autoetnografia e a fotoetnografia, e foi constatado que a imagem que a Petrobras comunica externamente em suas Políticas de Segurança, Saúde e Meio Ambiente (ter uma grande virtude cívica, pautando suas atividades por práticas ecológica e politicamente corretas) não é compartilhada pela comunidade. Entende-se que as organizações devam prestar contas não só aos seus acionistas, mas também aos empregados, mídia, governo e às comunidades nas quais operam e com as quais interagem. Advoga-se a democratização do processo decisório organizacional, o qual deveria se dar sobre as bases de um diálogo mais participativo com todos os parceiros sociais.
Citação ABNT:
IRIGARAY, H. A. R.; VERGARA, S. C.; SANTOS, M. C. F. Responsabilidade social corporativa: um duplo olhar sobre a Reduc. Revista de Administração Mackenzie, v. 14, n. 6, p. 82-111, 2013.
Citação APA:
Irigaray, H. A. R., Vergara, S. C., & Santos, M. C. F. (2013). Responsabilidade social corporativa: um duplo olhar sobre a Reduc. Revista de Administração Mackenzie, 14(6), 82-111.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/20585/responsabilidade-social-corporativa--um-duplo-olhar-sobre-a-reduc/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ACHUTTI, L. Fotoetnografia: um estudo de antropologia visual sobre cotidiano, lixo e trabalho. Porto Alegre: Tomo Editorial, Palmarinca, 1997.

ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento. São Paulo: Zahar, 1985.

AGUILERA, R. V. et al. Putting the S back in CSR. Academy of Management Review, n. 32, p. 836-863, 2007.

AKTOUF, O. Pós-globalização, administração e racionalidade econômica. São Paulo: Atlas, 2004.

ALONSO-ALMEIDA, M. et al. la responsabilidad social corporativa y el desempeño financeiro. Contaduría y Administración, v. 1, n. 57, p. 53-77, 2012.

ALVESSON, M. Methodology for close up studies: struggling with closeness and closure. Higher Education, v. 46, n. 2, p. 167-193, 2003.

ANDRADE, R. Fotografia e antropologia: olhares fora-dentro. São Paulo: Estação liberdade, Educ, 2002.

ANNANDALE, D.; TAPLIN, R. The determinants of mining company response to environmental approvals regulation: a report of australian research. Journal of Environmental Planning and Management, v. 46, n. 6, p. 887-909, 2003.

BAKTHIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1992.

BANERJEE, S. Corporate social responsibility: the good, the bad and the ugly. Londres: Sage, 2007.

BANERJEE, S.; MATTEN, D. Corporate responsibility: towards inclusive development? Rountable. in: Bridging Continents, Cultures &Worldviews. 29th EGoS, Montreal, Canada, 2013.

BAUMAN, z. Medo líquido. Rio de janeiro: Zahar, 2008.

BENHABIB, S. Postmodernism and critical theory: on the interplay of ethics, aesthetics and utopia in critical theory. Cordozo Law School Review, v. 11, p. 1435-1449, jul./ago. 1990.

BISHOP, R. Freeing ourselves from neocolonial domination in research. in: DENZIN, N.; LINCOLN, Y. (Ed.). The sage handbook of qualitative research. Londres: Sage, 2005.

BROWN, T. j. et al. identity, intended image, construed image, and reputation: An interdisciplinary framework and suggested terminology. Journal of the Academy of Marketing Science, v. 34, p. 99-106, 2006.

CARROLL, A. B. A three-dimensional conceptual model of corporate performance. Academy of Management Review, v. 4, p. 497-505, 1979.

CAVEDON, n. R. Recursos metodológicos e formas alternativas no desenvolvimento e na apresentação de pesquisas em administração. in: Encontro Nacional da Associação dos Programas de Pós-Graduação em Administração, 25., 2001, Campinas. Anais... Campinas: Anpad, 2001.

CHRISTENSEN, L. T.; MORSING, M.; THYSSEN, O. The polyphony of corporate social responsibility. in: CHENEY, G.; MAY, S.; MUNSHI, D. (Ed.). Handbook of communication ethics. Hillsdale: lawrence Erlbaum, 2010. p. 457-474.

COSTA, F. L.; CASTANHAR, J. C. Avaliação de programas públicos: desafios conceituais e metodológicos. Revista de Administração Pública, v. 37, n. 5, set./out. 2003.

DINES, A. Explosão na Reduc. Jornal do Brasil, Rio de janeiro, ano 81, n. 303, p. 6 e 17, 1972.

DUNFEE, T. Stakeholder theory: managing corporate social responsibility. in: CRANE, A. et al. The Oxford Handbook of Corporate Social Responsibility. oxford: oxford university Press, 2008. p. 346-362.

FOLEY, D.; VALENZUELA, A. Critical ethnography: the politics of collaboration. in: DENZIN, N.; LINCOLN, Y. The sage handbook of qualitative research. 3. ed. nova york: Sage, 2005. p. 217-233.

FOUCAULT, M. A palavra e as coisas. Rio de janeiro: Martins Fontes, 2007.

FREDERICK, W. From CSR1 to CSR2. Business and society, v. 33, n. 2, p. 150-164, 1998.

FREEDMAN, M.; STAGLIANO, A. Differences in social-cost disclosures. Accounting, Auditing and Accountability Journal, v. 4, n. 1, p. 68-83, 1991.

FREEMAN, R. The politics of stakeholder theory: some future directions. Business Ethics Quarterly, v. 4, n. 4, p. 409-421, 1994.

FRIEDMAN, M. Capitalism and freedom. Chicago: university of Chigago Press, 1962.

FRIEDMAN, M. The social responsibility of business is to increase its profits. New York Times Magazine, 1970.

GAROTO, A.; MORAES, V.; HOLANDA, F. Gente humilde. São Paulo: Taiguara, 1972.

GODFREY, P. The relationship between corporate philanthropy and shareholder wealth: a risk management perspective. Academy of Management Review, v. 30, p. 777-798, 2004.

GONÇALVES-DIAS, S.; MENDONÇA, P. Contesting the sustainability of the cattle industry. in: INTERNATIONAL CRITICAL MANAGEMENT STUDIES CONFERENCE, 7., 2011, Nápoles. Anais... nápoles, 2011.

GONÇALVES-DIAS, S.; TEODÓSIO, A.; BARBIERI, J. Desafios e perspectivas da sustentabilidade. in: ENCONTRO NACIONAL SOBRE GESTÃOE MEIO AMBIENTE, IX., Curitiba, 2007.

GOOGLE. Reduc. Disponível em: . Acesso em: 10 dez. 2013.

GUERREIRO RAMOS, A. A nova ciência das organizações: uma reconceituação da riqueza das nações. 2. ed. Rio de janeiro: FGv, 1989.

HABERMAS, J. Teoría de la acción comunicativa. Madri: Taurus, 1987.

HARPER, D. visual sociology: expanding sociological vision. American Sociologist, v. 19, n. 1, p. 54-70, 1988.

HOMERO. Ilíada. Rio de janeiro: Ediouro, 2002.

JENSEN, M. Takeovers: their causes and consequences. Journal of Economic Perspectives, v. 2, n. 1, p. 21-44, 1988.

KANG, Y. BEFORE-PROFIT CSR, stakeholder capitalism and just enterprise system. PhD Thesis. Pittsburgh: university of Pittsburgh, 1995.

KANTER, R. M. From spare change to real change. Harvard Business Review, v. 77, n. 3, p. 122-132, 1999.

KNIGHT, A. Report on corporate social responsibility round table. Strategic Risk, special supplement, Aug. 2003.

KURTZ, l. Socially responsible investment and shareholder activism. in: CRANE, A. et al. The oxford handbook of corporate social responsibility. Oxford: Oxford University Press, 2008. p. 249-280.

LEVY, D.; KAPLAN, R. Corporate social responsibility and theories of global governance. in: CRANE, A. et al. The oxford handbook of corporate social responsibility. oxford: oxford university Press, 2008. p. 432-451.

LINDLOF, T.; TAYLOR, L. Qualitative communication research methods. 2. ed. Thousand oaks: Sage, 2002.

LOUNSBURY, M.; CRUMLEY, E. T. new practice creation: an institutional perspective on innovation. Organization Studies, v. 28, n. 7, p. 993-1012, 2007.

MCWILLIAMS, A.; SIEGEL, D. Corporate social responsibility: a theory of the firm perspective. Academy of Management Review, v. 26, p. 117-127, 2001.

MILLINGTON, A. Responsibility in supply chain. in: CRANE, A. et al. The oxford handbook of corporate social responsibility. oxford: oxford university Press, 2008. p. 362-383.

MOON, J.; VOGEL, D. Corporate social responsibility, government and civil society. in: CRANE, A. et al. The Oxford Handbook of Corporate Social Responsability. Nova York: Oxford University Press, 2008.

OLIVEIRA, J. K. de. Juscelino Kubitschek II (depoimento, 1976). Rio de janeiro: CPDOC, 1979.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Global compact. 1999. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2013.

PAOLI, M. Empresas e responsabilidade social. in: SANTOS, B. S. (org.). Democratizar a democracia. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

PETROBRAS. Fatos e dados. 2008. Disponível em: . Acesso em: 28 dez. 2009.

PETROBRAS. Responsabilidade social. 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2009.

PETROBRAS. Segurança, meio ambiente e saúde. 2011. Disponível em: . Acesso em: 3 mar. 2011.

PORTER, M.; KRAMER, M. The link between competitive advantage and corporate social responsibility. Harvard Businesses Review, v. 12, p. 78-92, 2006.

SANTOS, B. Democratizar a democracia. os caminhos da democracia participativa. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2002. (Coleção Reiventar a Emancipação Social).

SARAIVA, L.; IRIGARAY, H. Políticas de diversidade: uma questão de discurso? Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 49, n. 3, p. 337-348, 2009.

SCHERER, A.; PAlAZZO, G. Globalization and corporate social responsibility. in: CRANE, A. et al. The oxford handbook of corporate social responsibility. oxford: oxford university Press, 2008. p. 413-431.

SECRETARIA DO ESTADO DA FAZENDA. Arrecadação do ICMS. 2009. Disponível em: . Acesso em: 11 dez. 2013.

SMITH, N. Consumers as drivers of corporate social responsibility. in: CRANE, A. et al. The oxford handbook of corporate social responsibility. Oxford: Oxford University Press, 2008. p. 281-302.

SWANSON, D. Top managers as drivers of corporate social responsibility. in: CRANE, A. et al. The oxford handbook of corporate social responsibility. oxford: oxford university Press, 2008. p. 227-248.

VELOSO, C. Fora de ordem. Rio de janeiro: Som livre, 1992.

VENTURA, E. C. F. Responsabilidade social das empresas sob a ótica do “novo espírito do capitalismo”. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 27., 2003, Campinas. Anais...

VERGARA, S. C. Métodos de coleta de dados no campo. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em Administração. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

VIRGÍLIO. Eneida. São Paulo: Ateliê, 2005.

WAILES, N.; MICHELSON, G. The transfer of management ideas to a western “periphery”. International Studies of Management and Organization, v. 38, n. 4, p. 100-118, 2008.

WOLF, M. Sleepwalking with the enemy: CSR distorts the market by deflecting business from its primary role of profit generation. Financial Times, 16 maio 2001.